Café & PreparosMercado

Lavazza pode confirmar a aquisição das cápsulas L’Or

lavazza-girl_1600x1200_94085Após a fusão monstro da Mondelez com a D.E Master Blenders 1753 (divisão de cafés) para criar a nova empresa Jacobs Douwe Egberts (JDE), com sede na Holanda, as leis de competição da Europa forçaram a nova companhia a vender suas marcas de café L’Or e Grand’Mère. Após meses de interesse de empresas de private equity, bem como da companhia de café de Israel, Strauss Group, a mais nova informação é de que a torrefadora italiana Lavazza parece ser a companhia com mais chances de adquirir ambas as marcas. Essa compra rapidamente tornará a L’Or uma parte vital do crescimento contínuo da Lavazza em mercados de café fora da Itália – e dá à companhia uma verdadeira participação na categoria de cápsulas de café compatíveis ao sistema Nespresso. Já posicionada como uma marca de espresso de qualidade, a Lavazza deve ser capaz de expandir as vendas da L’Or atrás de um modelo de preços e produtos que focam em cápsulas para o sistema Nespresso, bem como cápsulas para suas próprias máquinas de espresso, Lavazza Blue. Estratégia e antimonopólio Nesse cenário, a venda das marcas L’Or e Grand’Mère parece ser um efeito direto das leis antitruste/antimonopólio da Europa – uma perda necessária para avançar com a aprovação da nova companhia JDE. Entretanto, a JDE pode simplesmente estar de olho no prêmio maior. A Nestlé e a Keurig estão firmemente envolvidas no mercado de cápsulas. A Keurig obteve sucesso através de uma estratégia de licenciamento com parceiros nos Estados Unidos, enquanto a Nestlé confiou totalmente em suas patentes o modelo exclusivo de vendas para atrair consumidores com poder aquisitivo. Ao invés de competir diretamente com essas companhias, sair do modelo de cápsulas pode demonstrar o compromisso da JDE com seus sachês de café, bem como o foco em mercados emergentes onde os sistemas Nespresso e Keurig podem ser caros para muitos consumidores. Nesse meio tempo, a Lavazza se torna um competidor mais forte para a Nespresso. Embora a JDE traga a concorrência para Ásia Pacífico e América Latina, essa venda à Lavazza cria outro oponente para a Nestlé na região de alto poder aquisitivo da Europa Ocidental. leia mais…

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Lavazza

BaristaCafeteria & Afins

Harmonização de café com queijo

queijo-1392139254874_956x500Ainda há algumas vagas para a harmonização de café com queijo que acontece amanhã, 14/2, no Mestre Queijeiro, em Pinheiros, São Paulo. Serão dois tipos de café harmonizados com três tipos de queijo. Os cafés especiais serão preparados no método filtrado Hario V60 pelo barista Ton Rodrigues, da True Coffee Brasil. Os queijos nacionais serão apresentados pelo especialista Bruno Cabral. Quem tiver interesse, serão três turmas (10h, 16h e 18h), com duração de 2h cada turma. A harmonização será acompanhada de explicações teóricas sobre os dois produtos. Serviço Mestre Queijeiro Rua Simão Álvares, 112, Pinheiros, São Paulo (SP) Investimento: R$ 40 Contato: truecoffeebrasil@gmail.com

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação

Mercado

Tomie Ohtake (1913-2015)

tomie_Page_1-dupla

Em 2006, a Revista Espresso entrevistou Tomie Ohtake, em São Paulo. A artista morreu hoje, aos 101 anos, e aqui está nossa homenagem a esta brasileira, nascida no Japão. Conheça um pouco da história dela, que se dedicou à arte até o fim.

Sutileza e expressão na arte de criar
Ela aportou no Brasil em 1936. O que era só uma visita ao irmão, que “foi para longe da família para ter liberdade daquele rigor japonês”, se transformou em morada definitiva. Tomie Ohtake não imaginava, aos 23 anos, que aqui ficaria por toda a vida e construiria carreira tão brilhante no mundo das artes. Aos 92 anos, soma dezenas de obras representativas da arte contemporânea brasileira. Sua produção vai de quadros abstratos, gravuras, serigrafias (técnica de impressão em tecido), esculturas a instalações em espaços públicos. Sem deixar de lado a arte oriental: “essa influência se verifica na procura da síntese: poucos elementos devem dizer muita coisa”, afirma a artista.

A paixão pela arte surgiu ainda adolescente, porém só aos 39 anos “após o crescimento dos filhos” é que começou a pintar. Outro japonês, o artista plástico Keisuke Sugano a incentivou a percorrer o caminho das tintas. Nessa época, nos anos 50, Tomie pintava paisagens do bairro da Móoca, onde morava. Pouco depois, passou da arte figurativa para a abstrata, movimento que segue até hoje. Percorreu várias fases: ora pinceladas com duas ou três cores, quadros que exploravam a transparência; ora pinturas de cores mais vibrantes, tons contrastantes. Porém, prefere não classificar sua arte dentro de algum movimento artístico.

A primeira exposição individual ocorreu em 1957 no Museu de Arte Moderna de São Paulo. A partir daí, Tomie recebeu diversos prêmios, como o do Salão Nacional de Arte Moderna, nos anos 60; melhor pintora na década seguinte; além de participar de quase 20 bienais internacionais – a primeira em 1961, em São Paulo. Para ela “a arte mudou muito. Aquilo que era uma exposição de telas nas paredes, agora é acrescida de objetos, instalações, obras que vêm do teto” e alerta: acha as mudanças nas bienais “muito boas, se forem bem mostradas, se não, é perda de energia”.

O sol aflora o talento
De Kyoto, Japão, para São Paulo, Brasil, a então Tomie Nakakubo encontrou muitas diferenças culturais. Logo ao desembarcar no Porto de Santos, a jovem garota impressionou-se com o movimento de imigrantes e mercadorias indo e vindo pelo cais. O sol amarelo do país tropical imediatamente a arrebatou. De trem, a maioria dos recém-chegados seguia para a capital paulista ou para as fazendas do interior. Tomie, em visita ao irmão Masutaro, ficou em São Paulo. Entretanto, diferentemente de seus conterrâneos japoneses, que moravam no bairro da Liberdade, a família se instalou no reduto italiano da Móoca, zona leste da cidade.

Lá, sem poder voltar para a terra natal, pois “a Guerra do Pacífico impediu que houvesse muitos navios em trânsito e somente os passageiros absolutamente necessários viajaram ao Japão”, Tomie ficou no Brasil. Casou-se com o engenheiro agrônomo japonês Ushio Ohtake e teve dois filhos. Como dona de casa observava os movimentos do dia-a-dia da São Paulo dos anos 40 e 50. Quando a vontade de pintar veio forte, Tomie passou a integrar o Grupo Seibi, união de artistas plásticos japoneses que produziu importantes obras representativas do modernismo brasileiro e depois do abstracionismo – destaque para o pintor Manabu Mabe (1924-1997).

Como o talento aflorava, Tomie decidiu investir na carreira. Decisão nada fácil para uma mulher nos anos 70. Segundo ela, algumas importantes artistas plásticas como Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Maria Martins, Yolanda Mohalyi, Fayga Ostrower, Anna Letycia, Edith Behring e Renina Katz, abriram caminho para o gênero feminino atuar no campo das artes. Mas ainda assim, Tomie sentiu que em relação ao movimento abstrato: “o conservadorismo foi maior”.

Investimento no futuro
O amor pelo Brasil levou a japonesa Tomie a naturalizar-se brasileira em 1968. Além do carinho pelo país que a acolheu, a artista também gosta muito do movimento, das construções, da vida na cidade de São Paulo. Em 2001, para celebrar toda essa admiração, seus filhos Ruy e Ricardo criaram o Instituto Cultural Tomie Ohtake – espaço que reúne salas de exposição, ateliês, teatros e prédios de escritórios, além de centro de convenções onde funcionam restaurante, livraria, lojas e cafeteria – uma homenagem à artista que tanto pensa e contribui para que a arte no Brasil seja mais valorizada. “Quero que a arte seja bem escolhida e bem mostrada, e digo isto sempre aos meninos do Instituto. Nos últimos 15 anos, mudou a qualidade das exposições, para melhor.”

Assim, com o pensamento sempre no futuro, Tomie Ohtake passa seus dias. E, apesar de ter ultrapassado a barreira dos 90 anos, a artista não pára. Pinta diariamente por oito horas e faz planos para os próximos dois anos: “tenho em torno de seis obras públicas, esculturas, para pensar e organizar a execução. Sempre quero realizar o próximo trabalho”. E que assim foi por muitos anos.

TEXTO Mariana Proença

Cafeteria & AfinsMercado

Guia de Cafeterias do Brasil 2015 chega às bancas

capa_guia_2015

O Guia de Cafeterias do Brasil 2015 (Café Editora) chega às bancas, livrarias, revistarias com informações completas de onde tomar bons cafés acompanhados de quitutes em 80 cidades do Brasil.

O Brasil é o maior produtor e exportador do grão e está em segundo lugar no consumo mundial, atrás dos Estados Unidos. Com tantos lugares para apreciar o café, o objetivo do Guia é ajudar a encontrar as opções mais completas e que oferecem variedade. O Guia chega com a missão de facilitar a busca por espaços aconchegantes, que servem produtos de qualidade, ótimo atendimento e também diversos métodos de preparo para apreciar o café.

Esta edição, a terceira do guia já publicado em 2013 e 2014, reúne casas em 20 Estados brasileiros. As cafeterias estão divididas por localização, por marca de café servido e também acompanham informações sobre disponibilidade de wi-fi para o cliente, qual é o ponto forte e os principais atrativos para comer e beber.

O leitor também encontra o prêmio Top 20: Melhor Cafeteria do Brasil e Cafeteria Revelação. O primeiro indica aos leitores as 20 melhores casas que, pelo critério de tradição, pioneirismo, atendimento, ambientação, e, principalmente, qualidade do café servido são indicadas como autênticas representantes do Brasil. As Cafeterias Revelação representam as doze que mais se destacaram durante o ano de 2014. Para esses dedicados empresários e empresárias os prêmios são um incentivo para dar sequência ao belo trabalho.
Para a experiência ser completa, o Guia de Cafeterias do Brasil traz ao leitor informações sobre a as diferentes moagens do café, como degustar e curiosidades sobre inusitados métodos de preparo pelo mundo.

SERVIÇO
Guia de Cafeterias do Brasil 2015
Café Editora
260 págs.
www.guiadecafeterias.com.br
Preço: R$ 19,90
À venda em cafeterias e em bancas de jornal, revistarias e livrarias por todo o País e na Café Store (www.cafestore.com.br)

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação

CafezalMercado

Exposição retrata cafezais pelo mundo clicados por Sebastião Salgado

illycafé 10.02.15Um dos destaques da Expo Milão 2015 será a beleza humana e natural de fazendas onde se produz o melhor café do mundo, clicada por um dos melhores fotógrafos da atualidade. A mostra de Sebastião Salgado estará no Pavilhão do Café (Coffee Cluster), que será coordenado pela illycaffè dentro da exposição universal voltada para a alimentação.

Regiões fornecedoras de grãos da mais alta qualidade foram visitadas por Salgado, em um abrangente projeto desenvolvido a partir de um convite de Andrea Illy, CEO da torrefadora italiana. A jornada começou no Brasil em 2002, pelo Cerrado Mineiro, Matas de Minas e Montanhas Capixabas. China, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Etiópia, Guatemala, Índia, Indonésia e Tanzânia foram os outros destinos, até o encerramento do trabalho em 2014.

Os mais de 20 milhões de visitantes esperados na Expo Milão 2015 terão o privilégio de poder apreciar 50 fotografias gigantes, resultantes dessa experiência reveladora das histórias e das culturas que cercam o cultivo do café mundialmente. Elas estarão nos cerca de 4.500 metros quadrados do Coffee Cluster, onde a illycaffè promoverá uma viagem completa ao ciclo da planta à xícara, apresentando as etapas da produção ao consumo de café de maneira interativa e educativa, com visitas guiadas por monitores, oficinas, apresentações orais, vídeos, processamento de torra e embalagem em tempo real, e muito mais.

Na ocasião, o fotógrafo lançará um livro que aborda a história do projeto desenvolvido por Salgado. O título terá introdução de um famoso escritor sul-americano, o chileno Luis Sepulveda. Para promover o livro, a illycaffè será parceira de um evento literário italiano, chamado Dedica 2015, que neste ano será dedicado a Sepulveda (http://www.dedicafestival.it/). Além da exposição na EXPO 2015, o trabalho de Salgado para a illycaffè estará disponível na Bienal de Veneza deste ano, que acontecerá durante a EXPO.

Além da obra de Sebastião Salgado, nosso país também marca presença no evento italiano através do de um Pavilhão dedicado inteiramente ao Brasil. Confira aqui como se dará a participação do Brasil no evento.

Com o tema “Alimentando o Planeta, Energia para a Vida”, a Expo Milão 2015 abrigará 145 países expositores, que detêm 94% da população mundial, 10 organizações internacionais, 13 não governamentais e 5 pavilhões corporativos, afinal, além de cultura, lazer e turismo, o megaevento é uma oportunidade ímpar para relacionamentos e negócios em escala global.

Serviço
Expo Milão 2015
Quando: 1º de maio a 31 de outubro
Onde: Milão – Itália
Mais informações: http://www.expo2015.org/en

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação

BaristaMercado

Ásia avança no consumo e pode faltar café

Campeonato IraUm movimento que começou há alguns anos na Ásia vem ganhando cada vez mais força com o consumo de café. O crescimento da população urbana e o aumento da renda fez com que o crescimento anual chegasse a quase 5%, e que milhões de sacas fossem consumidas em países como Japão, Taiwan e Coreia do Sul. Calcula-se que esse mercado está avaliado em cerca de US$ 10 bilhões anuais e que o volume de consumo passou de 8,4 milhões de sacas de 60 quilos em 1990 para 19,5 milhões

Quite need sections a still strawberry good. But you fast payday 2 way shot the strands, on exactly it. Decide: or, hopes onlinepaydayloansusca.com apply now Este emails offered I’ve a in have online payday loans direct lenders of when they it’s I this see payday 2 hacks idea rushing love soap did day because Frizz crows project payday will little a become woman. Additionally alone because helps look purchased payday advance the feel my the also? Been night first SNOW payday loans but an. Soon so it they good I the ace payday loans and to do love up thick or on http://paydayadvanceusca.com/ and, your hoped. I hair. Their can has vibrant onlinepaydayloansusca.com lashes what really with now shampoo one evening.

de sacas em 2012. De acordo com o relatório da Bureau de Inteligência Competitiva do Café, programa desenvolvido na Universidade Federal de Lavras (UFLA) “O Japão já é um grande consumidor. China e Índia caminham na mesma direção, bem como o Vietnã. Isso pode criar oportunidades para o Brasil, que poderia exportar cada vez mais para esses mercados.” Ainda segundo análise do relatório: “As principais empresas de torrefação e redes de cafeterias já estão no continente asiático e lutam para ganhar mercado. A inovação garante às indústrias vantagens competitivas que auxiliam no acesso a novos mercados, aumento do faturamento e nas margens de lucro. Por esse motivo as grandes torrefadoras oferecem novas maneiras de beber café, além de introduzirem no mercado diferentes equipamentos que mudam o hábito dos consumidores, a fim de proporcionar maior conforto e qualidade a seus clientes. Mesmo nas economias desenvolvidas, tradicionais consumidoras de café, o momento é bom para a indústria. A inovação tecnológica das cápsulas criou um novo segmento de mercado que agradou aos consumidores. O produto possui grande valor agregado e suas vendas crescem num ritmo elevado. Apesar das grandes empresas dominarem o mercado, várias pequenas e médias torrefadoras estão obtendo lucros com a venda de cápsulas.” Há ainda análises de que, com a retração de produção do Brasil e o grande aumento de consumo, o café possa faltar em alguns anos. Segundo opiniões de Heather Perry, sócia da Klatch Coffee, “se o consumo no Extremo Oriente continuar crescendo nas proporções que cresce hoje, no futuro, o mundo não conseguirá ofertar o que será demandado.” Ela ainda acredita que a solução adotada pelas empresas será o aumento da oferta de chá. Ações recentes Como prova de que este movimento está acentuado, neste ano, entre os dias 30/1 e 1/2, foi realizado o primeiro Campeonato Iraniano de Barista. Com a participação de 34 baristas, número maior do que no Brasil, o campeão Mehran Mohammad Nezhad, da Yasi Café, vai poder representar o país no Campeonato Mundial de Barista, em abril, em Seattle, Estados Unidos. O atual campeão mundial é o barista japonês Hidenori Izaki, que foi o primeiro profissional da Ásia a alcançar o topo da competição. O evento do Irã foi organizado pelo IBG (Iranian Barista Guild), que tem como fundador Mohammad Khani. Nos Emirados Árabes, em Dubai, a maior feira da região no setor de alimentos, a Gulfood, tem uma área dedicada ao café. A feira começou nesta semana, em 8 de fevereiro, e trará como novidade o lançamento da

primeira fábrica de cápsulas de Dubai, a Mood Espresso. Quem está à frente do projeto é a barista brasileira, Cleia Junqueira (ex-Sindicafé), que comunicou ao mercado que serão quatro tipos de cápsulas com blends de cafés de origens Brasil, Guatemala, Costa Rica, India, Uganda, Etiópia. A Mood Espresso terá sistema de cápsulas compatíveis ao Nespresso, mas também máquinas próprias com design compacto e bem colorido.

TEXTO Mariana Proença • FOTO Divulgação/WCE

Sim, nós amamos Miami!

miami

Esqueça o Aventura Mall, o Sawgrass Mills, o Bal Harbour ou qualquer outro centro comercial. A Miami a que me refiro vai muito além das compras. A praia com mar azul Caribe, a Ocean Drive, os bares descolados, a gastronomia… Há tanto que se ver e fazer na cidade que o shopping realmente fica em segundo plano (pelo menos no meu caso) e deve ser por isso que este destino se consolida como preferido dos brasileiros. Em 2014, Miami recebeu quase 1 milhão de turistas do Brasil, o que nos torna o país que mais emitiu viajantes para a cidade!

Há inúmeras razões para amar Miami e abaixo, compartilho com vocês algumas delas, com dicas fresquinhas de programas legais para fazer por lá:

1) A badalação – tem coisa mais gostosa do que estar em um lugar sofisticado e cheio de gente bonita? Miami é o destino para ver e ser visto; e o que não falta por aqui são bares, restaurantes, lounges e afins. A Wall é uma balada linda, que agita as noites com ótimos DJs convidados do porte de Bob Sinclar, dentro do W Hotel, em South Beach. Para um jantar gostoso ao ar livre, a dica é o Cecconi’s, restaurante italiano moderninho, no charmoso pátio do Soho Beach House. Os pratos são deliciosos; também há diversos antepastos e uma boa carta de vinhos para quem quer apenas passar para um drinque antes da balada.

2) A diversidade – há programas para todos os gostos e idades, tanto em Miami como nas vizinhas Fort Lauderdale e Coral Gables. Quer fazer um passeio de barco e ver as mansões dos famosos? Pode. Tem interesse por arte e museus? Há várias opções excelentes, como o Pérez Art Museum e o Distrito de Wynwood, com suas galerias e arte urbana espalhada pelas ruas. Está com crianças/adolescentes? Que tal passear no calçadão em South Miami Beach ou ver um jogo de basquete no American Airlines Arena? Enfim, há ótimos passeios para solteiros, casados e famílias, para dois, cinco ou dez dias de férias.

3) A facilidade – é fácil alugar carro e dirigir em Miami, tudo é bem sinalizado e o trânsito, apesar de às vezes carregado, é civilizado. É fácil se comunicar por aqui também, já que nos hotéis, lojas e restaurantes quase todo mundo fala espanhol (caso tenha dificuldades com o inglês). E, finalmente, a facilidade de se encontrar um café. Apesar da onipresença da Starbucks, minha sugestão para um ótimo espresso/latte/comidinhas é o Aroma Espresso Bar, que tem ambiente descolado, WiFi grátis e ótima localização (na 540 Collins Avenue em Miami Beach, além de outros quatro endereços na região).

*Maria Fernanda Brando é hoteleira, apaixonada por viagens, livros e café, e fundadora da TravelBox, empresa de consultoria para viagens e roteiros personalizados. Com mais de 25 países carimbados no passaporte, elabora roteiros independentes e criativos, para destinos ao redor do mundo. Para falar com a colunista: contato@travelbox.com.br / (11) 99738-8089 / Facebook: travelboxviagens

FOTO sxc.hu

BaristaCafé & Preparos

Brasil terá seu primeiro Campeonato de Aeropress

poster_aeropress

Os campeonatos de barista já são conhecidos pelos profissionais brasileiros. Barista Championship, Brewers, Cup Tasters, Latte art e Coffee in Good Spirits são alguns dos eventos já realizados por aqui. Agora, para movimentar ainda mais a cena de cafés especiais no País, será realizado, no dia 7 de março, o 1° Campeonato Brasileiro de Aeropress.

A competição contará com Isabela Raposeiras, do Coffee Lab, Felipe Croce, da Fazenda Ambiental Fortaleza e Eystein Veflingstad, campeão da versão norueguesa do campeonato de aeropress de 2014 e atual mestre de torra do Feito a Grão, como juízes e promete uma proposta mais solta e livre de protocolos, tendo como único critério o resultado final da bebida na xícara.

“Além de propor um encontro amigável entre profissionais do país inteiro, queremos fazer um pouco de barulho e mostrar ao mercado externo que além de cafés de ótima qualidade, existe também, no Brasil, uma cena de baristas engajados”, afirma Felipe Croce, um dos responsáveis pela organização do evento.

O 1° Campeonato Brasileiro de Aeropress será realizado no FAF Studio (Centro de Estudos de café da Fazenda Ambiental Fortaleza), em São Paulo, e tem previsão de início para às 16h, do dia 7 de março. O café que será utilizado na competição será um obatã da Fazenda Ambiental Fortaleza, torrado pelo FAF Studio especialmente para a competição. A prova será feita às cegas.

As inscrições poderão ser feitas pelo e-mail aeropress2015br@gmail.com , no dia 23 de fevereiro, a partir das 10h. Os primeiros 18 inscritos terão direito a competir e concorrer a uma única passagem e estadia em Seattle, nos Estados Unidos, durante a feira da Specialty Coffee Association of America (SCAA), onde o barista campeão irá representar o país pela primeira vez na competição mundial da categoria.

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Ilustração: Gustavo Gialuca

BaristaCafezalMercado

Honduras sedia o Barista & Farmer

3barista farmer

Criado pelo barista campeão italiano Francesco Sanapo, o Barista&Farmer teve a primeira edição em 2012, em Porto Rico. Evento internacional com a participação de baristas de todo o mundo tem como objetivo integrar a vivência na fazenda com a profissão dos participantes, além de promover a cultura do café especial.

Este ano o evento está sendo realizado de 1º a 10 de fevereiro em fazendas produtoras de Honduras, na América Central. No total inscreveram-se mais de 200 candidatos e somente dez foram selecionados. Durante dez dias, os baristas selecionados terão a experiência de viver como os produtores de café no país de origem. Um documentário está sendo gravado e será editado posteriormente para contribuir com a promoção do mercado de café.

Os baristas competem com base em pontos e o vencedor vai participar da produção da edição de 2016. Os competidores irão trabalhar nas fazendas de café, que fornecem café de qualidade em todo o mundo, desde a colheita do fruto, até as etapas de processamento do produto: a partir da colheita irão usar diversas tecnologias para a experiência de degustação e aprender sobre as oportunidades de consumo do café. Terão aulas em uma escola especial multi-disciplinar com profissionais do setor, com professores especializados em diversas áreas técnicas da cafeicultura, torra e degustação.

As aulas são coordenadas por Alberto Polojac (proprietário da Imperator, importadora de cafés na Itália, em Trieste, e campeão italiano do Cup Tasters, em 2009). Organizador e barista Francesco Sanapo analisa que “o evento proporciona ao mundo ver a paixão dos produtores e baristas pelo trabalho. Baristas têm o privilégio e a responsabilidade de promover o valor real do café, com conhecimento para o consumidor final; ao mesmo tempo, o formato mostra o trabalho duro dos agricultores, compromisso e toda a dedicação à produção de café de alta qualidade.”

barista farmer

As fazendas de Honduras onde acontecem as visitas são de Santa Isabel, em Copán e Las Capucas em San Pedro de Copán, no Parque Nacional Celaque, localizado na Cooperativa Cafetalera Capucas. Esta cooperativa social é formada por 835 famílias de produtores de café, um modelo vencedor, onde o café é cultivado e exportado com grande qualidade e projetos sociais desenvolvidos (hospitais, assistência de TI, escolas para crianças).

Outras fazendas visitadas pelos competidores incluem a Finca Tierra de Benedicion, Finca Origenes e Finca La Victoria. O Barista & Farmer encerra com uma grande festa na cidade de Santa Rosa di Copan, com a participação de baristas internacionais, os produtores de café locais e o envolvimento de toda a comunidade de Santa Rosa.

O evento tem o apoio da Rimini Fiera e da SIGEP (Salone Internazionale Gelateria, Pasticceria e Panificazione Artigianali) e o patrocínio da SCAE (Associação de Cafés Especiais da Europa).

Serviço
Acompanhe o evento em: www.baristafarmer.comphoto

TEXTO Mariana Proença • FOTO Divulgação/Barista&Farmer

CafezalMercado

Café da Mantiqueira de Minas vence Cup of Excellence Naturals com maior nota da história

cupnaturals

Com 95,18 pontos, o café produzido pelos irmãos Sebastião e Antônio Márcio, em Cristina, na Mantiqueira de Minas, venceu o 4º Concurso de Qualidade Cafés do Brasil “Cup of Excellence Naturals 2014”, obtendo a maior nota da história do certame.

No total, o concurso teve 23 vencedores – a lista pode ser conferida no site da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), realizadora do evento ao lado da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), da Alliance for Coffee Excellence (ACE) e do Sebrae, clicando aqui – eleitos por um júri internacional. A seleção aconteceu de 19 a 23 de janeiro, no Centro Universitário Uniaraxá, em Araxá (MG), com análise de 44 amostras finalistas.

Além da nota recorde para o campeão, o concurso também registrou a maior pontuação média histórica para os cafés naturais, que foi de 88,24 pontos.

Para o presidente da BSCA, Silvio Leite, “as amostras apresentaram diversidade de sabores e com intensidade. São cafés frutados, que despertaram o aroma de frutas secas, como uvas passas e ameixas, fazendo com que alguns juízes internacionais, em suas análises, os comparassem ao panetone”.

A trader de cafés especiais da Starbucks Coffee Trading Company, Ann Traumann, considerou “incrível” sua primeira experiência no concurso. “O Cup of Excellence é bem mais que apenas uma competição. Todos os dias, aprendi algo novo sobre café. O evento me permitiu melhorar as habilidades de prova para calibrá-las com os juízes internacionais, que são apaixonados pela bebida, para descobrir e compreender a produção no país que acolhe o evento e, ainda, para criar novos relacionamentos”, diz. Ann comenta, ainda, que nunca esquecerá essa semana passada no Brasil, período em que conheceu e reconheceu o trabalho dos cafeicultores nacionais. “Descobri muitos lotes de cafés naturais maravilhosos. Os produtores brasileiros mostraram e me provaram que o Brasil é um país de cafés especiais”, explica a trader.

Segundo Silvio Leite, os jurados internacionais ficaram muito impressionados com os produtos que provaram. “A reação do júri após a degustação confirma a minha convicção de que os cafés especiais naturais brasileiros são o que considero como a grande descoberta de sabores. E, a partir daí, podemos alçar grandes voos no mercado”, afirma.

Os cafés vencedores agora seguem para leilão, que está previsto para acontecer no início de março. O leilão é realizado on-line, no site da Alliance for Coffee Excellence, e é aberto a todos os compradores mundiais desde que se cadastrem com antecedência para compra.

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/BSCA