Cafezal

5º Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro promove os melhores da região

Com o objetivo de dar visibilidade às regiões cafeicultoras no estado do Rio de Janeiro e incentivar a adesão dos produtores à produção de cafés de qualidade, a Associação dos Cafeicultores do Estado do Rio de Janeiro (ASCARJ ), em parceria com o Sebrae Rio, a Secretaria de Estado de Agricultura (Seappa), a Emater-Rio e a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA ), promove o 5° Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro.

Nesta terça-feira, dia 7 de dezembro, será realizado o leilão e o anúncio dos vencedores em cerimônia de premiação no Palácio Guanabara, a partir das 13h. Torrefadores, donos de cafeterias, baristas e especialistas em café estão convidados a participar. Para se inscrever é necessário preencher gratuitamente o formulário com dados pessoais.

A Espresso estará transmitindo ao vivo o evento pelo Instagram para quem não puder estar presencialmente. Serão leiloados lotes de cafés especiais de produtores em duas categorias: Úmida e Via Natural. Haverá premiação para os melhores cafés e também degustações.

O concurso conta com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Secretaria de Estado de Agricultura e da Cooperativa de Produtores de Café do Noroeste Fluminense (COOPERCANOL).

Mais informações: www.instagram.com/ascarj.oficial

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Selos Brasileiros de Indicações Geográficas são apresentados em evento on-line

Nos dias 8 e 9 de dezembro acontece o IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas, com transmissão 100% on-line e inscrições gratuitas. Com realização do Sebrae, Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Organização Mundial da Propriedade Industrial (OMPI), o encontro contará com o lançamento oficial dos Selos Brasileiros de Indicações Geográficas, que foram instituídos por meio da Portaria nº 46/2021 do INPI e entrou em vigor em 1º de novembro. Para participar basta se inscrever aqui.

Cerca de 150 mil produtores brasileiros, que integram as 88 IGs atualmente reconhecidas no país, ganharam uma identidade única que facilita a identificação pelos consumidores e pelo público em geral dos produtos e serviços brasileiros com alta qualidade. Os selos também contribuem para a promoção e valorização dos pequenos negócios que são maioria entre as Indicações Geográficas. Em 2021, o Brasil bateu recorde de concessões de IGs, com mais 13 novos reconhecimentos pelo INPI, órgão responsável pela análise dos pedidos.

A analista de inovação do Sebrae, Hulda Giesbrecht, explica que desde a publicação da portaria do INPI, muitos produtores vinculados às IGs já modificaram seus rótulos e outros foram motivados a aderir ao controle da IG e utilizar os novos selos.

“Sabemos que leva um tempo para que os produtores das IGs possam adequar os seus rótulos e aplicar o selo nacional, que é de uso gratuito e facultativo, mas durante o evento vamos contar com a participação de produtores de algumas Indicações Geográficas que já estão utilizando a identificação e vão contar suas expectativas com essa iniciativa”, explicou Hulda. Entre as 12 IGs confirmadas estão: o café da Região do Cerrado Mineiro, o queijo da Canastra, o mel do Oeste do Paraná, as joias em prata de Pirenópolis, os vinhos de altitude de Santa Catarina.

A programação do IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas também inclui a realização de painéis ao longo dos dois dias, com participação de especialistas nacionais e internacionais. No primeiro dia, o painel “Indicações Geográficas no Brasil e no Mundo” traz a discussão do cenário brasileiro e mundial, além de temas como propósito e visão do futuro da Associação Brasileira das Indicações Geográficas (Abrig), que foi recentemente criada, e apresentação do tour virtual na Denominação se Origem Protegida Asiago, da região do Vêneto, no nordeste da Itália.

No mesmo dia também acontece o painel “Promoção das IGs junto ao mercado”, com participação de IGs como das balas de banana de Antonina no Paraná, entre outros. Já o “UP Day Indicação Geográfica” será uma mentoria virtual pocket com a participação do público on-line e representantes de produtores de IGs do café, cacau e bordado, que apresentarão seus desafios e tirarão dúvidas com um consultor sobre como ampliar o envolvimento da região e ter sucesso no mercado.

“Será um momento para que os empresários apresentem problemas reais que serão analisados por um consultor e discutidos ao vivo para busca de soluções rápidas para as dores do negócio”, comentou a analista de Inovação do Sebrae.

O segundo dia começa com o painel “Experiências com Selos Nacionais de IGs”, com a presença de produtores da Argentina, Chile, França e Índia para compartilhar aprendizados com seus selos nacionais. Ao longo do dia também acontecem o painel “Marca Coletiva para o Desenvolvimento Econômico Local”, com representantes do Brasil, Filipinas e Tunísia. O painel “Tecnologias de controle e garantia dos produtos das IGs” contará com a participação de produtores do cacau do Sul da Bahia, vinhos da Campanha Gaúcha e especialistas na área.

O evento também proporcionará ao público a oportunidade de conhecer mais sobre as principais Indicações Geográficas e Marcas Coletivas brasileiras durante oficinas virtuais de degustação, com apresentação de vinhos, café e queijo.

A abertura institucional do encontro será realizada na sede do Sebrae Nacional em Brasília, com transmissão ao vivo pela internet, com as presenças da diretoria do Sebrae, representada por seu presidente, Carlos Melles; do secretário Especial Adjunto de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Bruno Portela; da ministra do MAPA, Tereza Cristina; da representante da OMPI, Alexandra Grazioli e do presidente do INPI, Cláudio Furtado.

Serviço
IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas
Quando: 8 e 9 de dezembro
Transmissão gratuita
Inscrições e mais informações:
https://www.eventoigs.com.br/

TEXTO Redação

Cafezal

Entenda a importância do pós-colheita do café no 28º episódio da websérie da BSCA

Na quarta-feira (1º) acontece o lançamento do 28º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre a importância dos cuidados no processo de pós-colheita do café para a obtenção de uma xícara de qualidade. Para falar sobre o assunto, foram convidados Luiz Paulo Pereira, da CarmoCoffees/Fazenda Santuário Sul; Gabriel Nunes, da Nunes Coffee; Cristiano Junior de Souza, da Klem Company; Luiz Saldanha Rodrigues, da Capricornio Coffees; e Reymar Coutinho, da Pinhalense.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Café especial é tema de palestra em evento realizado em Campinas (SP)

Entre os dias 1 e 2 de dezembro acontece o Top Farmers – Desenvolvendo Competências para o Campo, no Royal Palm Hall, em Campinas (SP). O evento é tradicional entre os grandes produtores rurais de café, soja, milho e algodão, e tem a proposta de compartilhar conhecimentos técnicos e de mercado. Este ano, será realizado de maneira híbrida, podendo ser assistido pessoalmente ou através de transmissão pela internet.

No segundo dia, a vice-presidente da Café Labareda, Flávia Lancha Alves de Oliveira, fará uma palestra com o tema “Café: da commodity ao especial”. Em 2001, a Café Labareda começou a pesquisar sobre os cafés especiais, como conseguiriam atingir as exigências internacionais da produção desse tipo de produto e, em 2005, a empresa fundou a Associação de Cafés Especiais da Alta Mogiana. “Sou muito orgulhosa em fazer parte dessa transformação, que começou dentro da nossa empresa e depois conseguimos levar para toda a região. Hoje fico muito feliz em ver como a região tornou-se reconhecida pela produção de cafés especiais”, explica Flávia.

A empresária explica que a região da Alta Mogiana tem clima e altitude favoráveis à produção de um café privilegiado. “Porém, o manejo pós-colheita, que foi sendo aprimorado ao longo dos anos, passaram a valorizar ainda mais o produto”, salienta. O arábica produzido na Alta Mogiana tem características marcantes específicas, com sabor de chocolate e frutado.

Flávia confirma que 2021 foi ano desafiador para os produtores de café da Alta Mogiana, devido à seca e geadas muito acentuadas. “Mesmo que 2022  seja um ano de safra alta de café no Brasil, a expectativa é de uma queda de 30% decorrente desses fatores climáticos adversos”.

Porém, a trajetória dos cafés especiais tem sido positiva ao longo dos anos. Em 2020, por exemplo, o valor da saca de café commodity era de US$ 123 e a do especial era US$ 167. “A demanda está crescendo e com valor expressivo. Apesar dos desafios, o crescimento do mercado de cafés especiais é de cerca de 20% ao ano”, afirma Flávia.

Dentre os temas que serão debatidos no evento, estão as previsões para o agro 2030, custos operacionais, exportação e importação para 2022, além da governança ambiental, social e corporativa.

Mais informações: https://gpoconecta.com.br/top-farmers/

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Diversidade no cultivo: 27º episódio da websérie da BSCA aborda a criação das variedades de café

Na quarta-feira (24) acontece o lançamento do 27º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre a diversidade de variedades de café no Brasil e como ocorrem os melhoramentos genéticos nos institutos de pesquisa, a fim de se obter cultivares resistentes às doenças e às mudanças climáticas, com maior produtividade, qualidade de bebida, características diferenciadas na xícara, etc.

Para abordar o assunto, foram convidados pesquisadores de diferentes órgãos importantes: Gladyston Carvalho, da Epamig; Julio Mistro, do IAC; Aymbiré Francisco Almeida da Fonseca, do Incaper; Gustavo Hiroshi Sera, do IDR-Paraná; e Saulo Roque de Almeida, José Edgard Pinto Paiva e Lucas Bartelega, da Fundação Procafé.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Conheça os 40 produtores finalistas do 31º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade do Café

A illycaffè selecionou os 40 cafeicultores finalistas do 31º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café para Espresso. A Experimental Agrícola do Brasil, braço da illycaffè no país, analisou 754 amostras enviadas das principais regiões produtoras de café arábica da safra 2021/2022, por meio da Comissão Julgadora da premiação, composta por especialistas seniors em espresso da illycaffè.

Maior produtor nacional, Minas Gerais dominou a lista como estado de origem de 38 dos 40 finalistas. Eles são provenientes das quatro regiões cafeeiras mineiras: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Matas de Minas e Chapada de Minas. Entre os dois restantes da relação está um paulista, representando São Paulo, e uma produtora de Goiás, representando a região Centro-Oeste.

“A cada ano que passa, a disputa fica mais acirrada. Já virou hábito dizer que a seleção dos 40 finalistas é muito difícil, pois os cafeicultores estão se aprimorando cada vez mais na produção de cafés de qualidade. Para a escolha das primeiras colocadas, a Comissão Julgadora teve que ir nos detalhes. Foram cafés muito aromáticos, doces e cada um com sua personalidade. Ficamos felizes com o resultado, depois de um ano tão complicado para todos”, avalia o Dr. Aldir Teixeira, Presidente da Comissão Julgadora.

Os seis melhores cafés do País serão revelados na cerimônia de premiação, prevista para o segundo trimestre de 2022. Os três primeiros ganharão viagem ao exterior para participar do 7º Prêmio Ernesto Illy Internacional, evento em que será revelada a ordem de classificação entre eles (primeiro, segundo e terceiro colocados).

Na cerimônia do 31° Prêmio Ernesto Illy também serão conhecidos os melhores classificadores segundo o Prêmio Classificador do Ano e os premiados das categorias regionais. Para esta premiação, a illycaffè divide o mapa do país em 10 regiões: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Chapada de Minas, Matas de Minas, Espírito Santo, Norte/Nordeste, Rio de Janeiro, São Paulo, Sul e Centro-Oeste.

Veja a lista de finalistas nacionais (a ordem alfabética não revela qualquer colocação):

TEXTO Redação

CafezalMercado

Pesquisa conclui que mudanças climáticas afetam a produtividade e a qualidade do café

Um novo estudo concluiu que as mudanças ambientais associadas às mudanças climáticas e à adaptação ao clima podem, de fato, afetar a qualidade do café. As descobertas têm implicações para os consumidores que preferem cafés de alta qualidade, fazendeiros e produtores que dependem tanto do volume quanto da qualidade para sua renda, e todos os outros envolvidos no processo do grão à xícara.

A equipe de pesquisadores por trás do estudo analisou cerca de 1.600 artigos científicos de revisão por pares publicados neste século, identificando 73 para uma revisão abrangente em torno da questão: quais são os efeitos dos fatores ambientais relacionados às mudanças climáticas e às condições de manejo ligadas à adaptação do clima sobre a qualidade do café com base em metabólitos secundários e atributos sensoriais?

Em termos leigos, isso pode ser: como as mudanças climáticas estão afetando a qualidade do café? Os pesquisadores descobriram duas tendências claras: 1) o sabor e o aroma do café melhoram quando o café é cultivado em altitudes mais elevadas; e 2) o aumento da exposição à luz está associado à diminuição dos atributos sensoriais.

Os pesquisadores também descobriram que a qualidade do café é afetada por mudanças na quantidade de água que a planta recebe, temperatura, níveis de dióxido de carbono e gestão de nutrientes no solo – todos os quais são potencialmente afetados pelas mudanças climáticas e adaptação.

“Um melhor entendimento da relação entre clima e qualidade do café está atrasado e será essencial para que a indústria de cafés especiais se adapte aos desafios que enfrentamos e prospere no futuro”, disse Peter Giuliano, diretor executivo da Coffee Science Foundation, um braço de pesquisa sem fins lucrativos da Specialty  Coffee Association (SCA). leia mais…

TEXTO As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin

Cafezal

Instituto Biológico comemora 94 anos com evento gratuito e aberto ao público

O Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, comemora 94 anos. No próximo domingo (21), às 10h, a população poderá participar de visitas monitoradas ao cafezal urbano do Instituto, considerado um dos maiores do mundo, conhecer a exposição Planeta Inseto, único zoológico de insetos do Brasil, e brincar em um espaço ao ar livre. O evento é gratuito.

O Instituto Biológico é referência em pesquisas na área de sanidade animal e vegetal, além de proteção ambiental e pragas urbanas. Neste mês de novembro, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo também celebra seus 130 anos.

De acordo com a diretora do Instituto Biológico, Ana Eugênia de Carvalho Campos, o evento de comemoração ao aniversário do IB é realizado em conjunto com a comunidade, por meio do jornal Pedaço da Vila, Feira do Bem, Associação dos Moradores da Vila Mariana e da República da Vila Mariana.

“O IB sempre teve por princípio essa aproximação com a comunidade e nada mais justo que comemorar essa data tão importante com a participação da população, que se beneficia direta ou indiretamente das nossas pesquisas. Resolvemos fazer esse evento neste momento em que temos altos índices de vacinação da população e melhora nos indicadores da pandemia, mas respeitando todo o protocolo contra a covid-19, como o distanciamento, uso de máscaras e de álcool em gel, ambiente aberto e bem ventilado”, afirma.

O evento contará com mais de 60 barracas de produtos autorais de artesãos ligados a Feira do Bem, praça de alimentação com food trucks e música ao vivo. Para as crianças, haverá brincadeiras, brinquedões e oficinas espalhados pelos jardins do IB.

“O público poderá fazer visitas monitoradas ao nosso cafezal urbano, matar a saudade da exposição Planeta Inseto, além de ter a oportunidade de conhecer o trabalho dos pesquisadores das leia mais…

Cafezal

Cerrado Mineiro leva a melhor no Cup of Excellence – Brazil 2021 com café de 90.50 pontos

Através de transmissão ao vivo pelo YouTube, a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) divulgou os resultados do Cup of Excellence – Brazil 2021 na tarde desta quinta-feira (18). A apresentação ficou por conta de Vanusia Nogueira, diretora executiva da BSCA.

Dos 40 cafés finalistas deste ano, duas amostras foram desclassificadas por apresentarem xícara riada. Dentre os que permaneceram no concurso, nove entraram na lista dos National Winners, que consiste em cafés com média acima de 86 pontos, mas abaixo de 87. Já os demais, com notas acima de 87 pontos, se enquadram como COE Winners.

As dez primeiras colocações foram compostas por seis origens diferentes e cinco variedades de café, sendo seis naturais e quatro via úmida. O grande campeão da edição foi o produtor Vitor Marcelo de Queiroz Barbosa, da Fazenda Cachoeira, de Carmo do Paranaíba, no Cerrado Mineiro. Vitor chegou ao primeiro lugar com um catuaí amarelo de via seca, que marcou 90.50 pontos.

Vanusia Nogueira e a família de Vitor Marcelo de Queiroz Barbosa, vencedor do Cup of Excellence 2021

“Nós temos uma pluralidade muito grande e esse é um ponto que a gente sempre coloca pelo mundo. O que o comprador quiser, nós temos aqui no Brasil para oferecer. E podemos oferecer tudo isso com consistência, qualidade e terroir diferentes, características de sabor extremamente diferentes durante todo o tempo”, disse Vanusia durante o anúncio.

Confira abaixo a colocação dos 38 finalistas do Cup of Excellence 2021:

1º Vitor Marcelo de Queiroz Barbosa – DBarbosa Coffee/Fazenda Cachoeira – Cerrado Mineiro – 90.50
2º Luiz Paulo Dias Pereira – Fazenda do I.P. – Mantiqueira de Minas – 90.14
3º Pedro Brás – Sítio São Pedro – Sul de Minas – 89.43
4º Wedson Marques de Souza – Fazenda Ressaca – Chapada Diamantina – 89.18
5º Antonio José Junqueira Vilella – Fazenda São Benedito – Mantiqueira de Minas – 89.11
6º José Renato Rodrigues Alves – Chácara Vista Alegre – Chapada Diamantina – 89.07
7º Matheus Lopes Sanglard – Fazenda Serra do Boné – Matas de Minas – 88.93
8º Ricardo Vagne Ignotti – Fazenda Santo Antônio – Cerrado Mineiro – 88.89
9º Simone Sampaio Silva – Sítio Jardim das Oliveiras – Matas de Minas – 88.68
10º José Danilo Braga – Sítio Batista – Mantiqueira de Minas – 88.68
11º Tuca Dias – Fazenda Santa Alina – Vale da Grama – 88.17
12º Marie Nakao Sasaki – Fazenda Catanduva II – Cerrado Mineiro – 88.17
13º Edson Junior de Miranda – Sítio Matinha – Matas de Minas – 88.13
14º Glycia Carneiro – Sítio Monte Alegre – Mantiqueira de Minas – 88.10
15º Homero Teixeira de Macedo Junior – Fazenda Recreio – Média Mogiana – 88.10
16º Waldemar Ferreira de Paula – Vista Brigadeiro – Matas de Minas – 87.87
17º Silvio Leite – Fazenda Cerca de Pedra São Benedito – Chapada Diamantina – 87.87
18º Amarildo Corsi da Silva – Fazenda Campo Alegre – Chapada Diamantina – 87.83
19º Osman Chirgo Martins – Sítio Rochedo – Matas de Minas – 87.83
20º Valgleber S. Santos Mafra – Fazenda Pedro Rodrigues – Chapada Diamantina – 87.83
21º Nathan Lopes Sanglard – Sítio Mutuca – Matas de Minas – 87.80
22º Claudia Maria Carneiro Bustamante – Fazenda Pedra Preta – Mantiqueira de Minas – 87.67
23º Fazenda Sertãozinho LTDA – Fazenda Rainha – Média Mogiana – 87.47
24º Paulo Henrique Miranda – Sítio da Serra – Matas de Minas – 87.40
25º João Batista dos Santos – Sítio São João – Matas de Minas – 87.33
26º Florentino Meneguetti – Sítio Rancho Dantas – Montanhas do Espírito Santo – 87.33
27º Maria Rogéria Costa Pereira – Fazenda Irmãs Pereira – Mantiqueira de Minas – 87.30
28º Lindolfo Martins de Assunção – Sítio Santa Barbara – Chapada Diamantina – 87.17
29º Marina Brito Oliveira – Fazenda Ponte Alta – Mantiqueira de Minas – 87.10
30º Luiz Flávio Pereira de Castro – Sítio Serra Azul – Mantiqueira de Minas – 86.97 National Winner
31º Odilia Aparecida Miranda Ribas – Sítio Esperança – Matas de Minas – 86.97 National Winner
32º Amador Dias Filho – Fazenda Criciuma – Matas de Minas – 86.83 National Winner
33º José Aparecido dos Santos – Sítio Rancho – Chapada Diamantina – 86.73 National Winner
34º Elton Rodrigues de Lima – Sítio Serra das Cabeças – Matas de Minas – 86.63 National Winner
35º Ronis Pasti – Vale Café Quality – Montanhas do Espírito Santo – 86.57 National Winner
36º Salvador da Paixão Mesquita – Chácara São Severino – Chapada Diamantina – 86.53 National Winner
37º William Dalvi Sartori – Sítio Alto Bateia – Montanhas do Espírito Santo – 86.47 National Winner
38º José Roberto Cintra – Sítio das Aroeiras – Alta Mogiana – 86.37 National Winner

Para assistir a cerimônia de premiação completa do Cup of Excellence – Brazil 2021, clique aqui.

TEXTO Gabriela Kaneto

Cafezal

Conheça as principais regiões produtoras de café do Brasil no 26º episódio da websérie da BSCA

Na quarta-feira (17) acontece o lançamento do 26º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre as principais regiões produtoras de café do Brasil, contadas através de pessoas locais que explicam sobre a singularidade de cada ambiente e cultivo. Os convidados foram: Francisco Lentini, Q-Grader; Henrique Cambraia, da Cambraia Cafés; Luiz Saldanha Rodrigues, da Capricornio Coffees; Henrique Sloper, da Camocim Organic; Carmem Lucia Chaves de Brito (Ucha), das Fazendas Caxambu e Aracaçu; Gabriel Nunes, da Nunes Coffee; Wellington Carlos Pereira, da Cocarive; Enrique Alves, da Embrapa Rondônia; César Viana Klem, da Klem Company; José Renato Rodrigues Alves, da Chácara Vista Alegre

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia