Café & Preparos

Afinal, quando é o dia do café?

O Dia Internacional do Café (ou Dia Mundial como passaram a usar em 2021), comemorado em 14 de abril, não foi oficializado e também não existe registro que conte a sua origem. A data é apenas lembrada no Brasil, outros países produtores e consumidores não tem esse dia como referência.

A data oficial, anunciada pela Organização Internacional do Café (OIC), é em 1º de outubro. A primeira celebração do Dia Internacional do Café foi realizada em 2015 na 115ª sessão do Conselho Internacional do Café e do 1º Fórum Global do Café, na Expo Milão, na Itália.

Em diversas partes do mundo são realizadas homenagens ao café. No primeiro dia de outubro, os 74 estados membros da OIC e as 26 associações do setor cafeeiro de todo o mundo comemoram a diversidade, a qualidade e a paixão em todas as pontas da cadeia. A hashtag #internationalcoffeeday conta com mais 100 mil publicações. Portanto, por aqui, nosso Dia Internacional do Café é celebrado em 1º de outubro e não em abril.

Outra data muito importante para nós brasileiros é o Dia Nacional do Café, celebrado em 24 de maio, desde 2005, quando foi incluído no calendário de eventos do País por iniciativa da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC). A data simboliza o início da colheita em grande parte das regiões cafeeiras do Brasil. É no período da colheita que se inicia uma nova safra.

Essa matéria foi originalmente publicada em 13 de abril de 2018. 

TEXTO Redação • FOTO Felipe Gombossy

Barista

Barista de Curitiba (PR) leva a melhor no 1º Campeonato Brasileiro de Latte Art com leite vegetal

No último domingo (11), foi divulgado o resultado do Campeonato Brasileiro de Latte Art com Deleite Vegetal, promovido pela Naveia. A grande campeã foi a barista Amanda Albuquerque, de Curitiba (PR), que enfrentou Leonardo Pires, também da capital paranaense, na final da edição.

Leonardo Pires, barista do Senac Paraná, e Amanda Albuquerque, barista do Prestinaria

“Esse campeonato me tirou completamente não só da zona de conforto, mas também de dias de desânimo nessa loucura que estamos vivendo no mundo. Em várias fases eu achei que não conseguiria passar, até porque só tinha baristas muito bons competindo”, comemorou a vencedora. Já o vice-campeão escreveu em sua rede social que a disputa é uma oportunidade de autoavaliação: “quando a Amanda falou que iríamos competir um contra o outro, contestei falando que nunca competiríamos contra, mas sim juntos. Na verdade competimos contra nós mesmos”.

A disputa “mata-mata”

A competição contou com 32 participantes de diversas partes do Brasil e teve início em 1º de março. Organizadas totalmente à distância, de maneira on-line através do Instagram, as disputas consistiram em sistema “mata-mata”, com os baristas de cada chave escolhidos aleatoriamente.

Ao longo das semanas seguintes, os latte arts feitos pelos competidores foram soltos nos stories da Naveia, onde o público pôde votar no favorito de cada chave. Além do voto popular, os desenhos feitos com o leite vegetal da marca também foram julgados pelo atual Campeão Brasileiro de Latte Art e anfitrião da competição, Tiago Rocha, e por Camila Romano, sócia da cafeteria paulista King of the Fork.

“O campeonato da Naveia foi pensado para trazer oportunidades e uma experiência em competição à baristas de todas as regiões do Brasil. Organizar isso de forma on-line é um grande desafio, mas o que sempre mantém essas ideias de competição conectadas são as pessoas que participam. E o campeonato da Naveia juntou pessoas do Brasil inteiro, fazendo com leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Divulgação

Barista

Trabalha com café? Saiba como participar do Catálogo de Educadoras criado pela IWCA Brasil

Foto: Felipe Gombossy

Com o intuito de ajudar novos profissionais e empreendedores do café, a Aliança Internacional das Mulheres do Café (IWCA Brasil), ao lado do Programa Ganha-Ganha da Onu Mulheres, Organização Internacional do Trabalho e União Europeia, está criando um mapa de competências.

O Catálogo de Educadoras é exclusivo para mulheres que prestam serviços educacionais no café e a Trilha de Aprendizagem irá gerar um mapa trilíngue que será útil para todos os profissionais do café.

Helga Andrade, consultora da Onu Mulheres para o Ganha-Ganha, explica que o mapa de competências será uma relação dos principais conhecimentos, habilidades e comportamentos que profissionais do setor consideram essenciais para obter sucesso na carreira ou no negócio.

“O próximo passo é a revisão das competências por especialistas de cada área e o desenvolvimento de um catálogo que vai contar por que elas são relevantes e dar dicas aos novos profissionais sobre como construir a sua própria trilha de aprendizagem no café. Em paralelo a isso, o Catálogo de Educadoras vai trazer visibilidade para as mulheres que podem ajudar novos profissionais por meio de cursos e consultoria”, completa.

Como funciona

O Catálogo Educadoras do Café é uma oportunidade para consultoras, professoras, instrutoras e mentoras de todas as áreas serem reconhecidas e localizadas por potenciais clientes que queiram aprender mais sobre o assunto.

Para participar, basta realizar o cadastro neste link até 18 de abril. Cada mulher inscrita terá suas informações comerciais e uma foto de rosto publicadas no catálogo. As associadas IWCA Brasil terão espaço extra com informações sobre currículo, certificados e prêmios. Para se associar, acesse aqui. Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.

Já a Trilha de Aprendizagem consistirá em um catálogo de mapas em três idiomas (inglês, espanhol e português) que descreverá as principais competências que profissionais do café precisam desenvolver para alcançar o sucesso em seus negócios/carreira. O formulário deve ser preenchido até 20 de abril.

A publicação será distribuída gratuitamente em junho de 2021. Para esclarecer as dúvidas dos projetos, nesta terça-feira (13) será realizada uma live, às 19h, no Instagram da IWCA. Para demais esclarecimentos, envie um e-mail para helgacristina.carval@unwomen.org.

TEXTO Redação • FOTO Felipe Gombossy

Café & Preparos

Café faz bem! 5 benefícios da cafeína no nosso corpo

Café é sinônimo de energia, mas mais do que isso, a bebida pode trazer inúmeros benefícios para o corpo humano devido ao seu principal componente: a cafeína. Ao ser absorvida pelo organismo, a substância é levada até o cérebro pela corrente sanguínea, favorecendo a saúde e o bem-estar.

Daniela Zaminiani, barista da rede Sterna Café esclarece: “o café pode fazer muito bem ao corpo quando consumido com moderação, compondo uma dieta saudável se for ingerido diariamente”. Confira abaixo 5 benefícios que o queridinho dos brasileiros atribui ao corpo humano:

Auxilia na nossa memória

Para quem ainda não está habituado a consumir café todos os dias, os primeiros goles da bebida ajudam na fixação de algumas memórias no cérebro e reforçam as lembranças. Além disso, segundo estudos de pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida, nos Estados Unidos, o café pode ajudar a prevenir o Alzheimer.

Intensifica o foco e a atenção

Quem se sente constantemente cansado tem a cafeína como parceira no dia a dia. Pesquisas mostram que o consumo de café com cafeína pode ajudar a combater a sonolência. Entretanto, muitas doses podem causar o efeito reverso e atrapalhar a atenção.

Aumenta a estimativa de vida

Os entusiastas do café possuem menos chances de morrer de doenças cardíacas, diabetes e câncer. Além disso, o café também ajuda na digestão, combate ao estresse, é bom para a pele, pode ajudar na prevenção de Parkinson e cálculos da vesícula.

Ajuda a diminuir o estresse

Sabia que o famoso cheirinho de café pode reduzir o estresse de uma noite mal dormida? Testes mostram que todos os animais que sentiram o aroma do café apresentaram diferentes níveis de atividades como funções antiestresse, autorregulação do corpo e da mente, e prazer.

Auxilia nos exercícios físicos

A ingestão diária de café, não apenas pela cafeína, mas pelos demais componentes existentes na bebida, beneficia quem pratica exercícios. A cafeína possui efeitos comprovados, dentre eles: aumenta o rendimento em exercícios, reduz a fadiga e aumenta a concentração e o estado de alerta. Clique aqui para saber mais sobre a relação entre a cafeína e os exercícios físicos.

TEXTO Redação • FOTO Felipe Gombossy

Mercado

Brasil registra crescimento das exportações de café solúvel em março deste ano

O relatório mensal divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) aponta que as exportações nacionais do solúvel, em março de 2021, totalizaram 369.640 sacas de 60 kg, alta de 9,2% na comparação com o mesmo mês de 2020 e de 21,9% em relação a fevereiro deste ano. Com o desempenho, as remessas de solúvel ao exterior, no primeiro trimestre, alcançaram 946.267 sacas.

Para o diretor de Relações Institucionais da Abics, Aguinaldo Lima, o resultado de março foi bom e compensou o ritmo menos acelerado visto em janeiro e fevereiro. “Com a retomada observada no mês passado, consideramos que as exportações de café solúvel do Brasil demonstram estabilidade anual, mas com viés de alta, o que nos faz crer que seja possível alcançar a meta, prevista pela Abics, de crescimento de 3% ante 2020”, projeta.

Nos primeiros três meses de 2021, o Brasil comercializou café solúvel para 94 países, sendo o principal importador os Estados Unidos, com a compra de 163.519 sacas. Na sequência vêm: Rússia, com 96.174 sacas; Argentina, com 75.599 sacas; Japão, com 74.354 sacas; e Indonésia, com a aquisição de 64.621 sacas.

Para Aguinaldo, entre as principais nações compradoras de café solúvel do País, é notório o avanço registrado nas importações realizadas por Turquia e Colômbia. Os turcos incrementaram as aquisições em 132,4%, em relação a 2020, e ocupam a oitava posição no ranking. Já os colombianos, que ocupam a 12ª posição, elevaram suas importações em 115,9%.

Ele também destaca a presença da Holanda entre os 15 principais destinos do produto brasileiro. “Os holandeses estão entre os grandes produtores de café solúvel no mundo e, desde o ano passado, subiram no ranking de nossos clientes, o que demonstra uma aceitação à qualidade e à diversidade de nossas fabricações”, conclui.

Os dados completo do relatório estão disponíveis aqui. https://bit.ly/2OFrgXY.

TEXTO Redação • FOTO Amr Taha

Cafezal

Mulheres na cafeicultura: IWCA Brasil destaca o trabalho feminino no setor

Ganhando cada vez mais destaque na produção do café, as mulheres buscam se unir, como é o caso da Aliança Internacional das Mulheres do Café, conhecida pela sigla IWCA, uma organização sem fins lucrativos que foi criada em 2003 a partir do encontro de mulheres da indústria do café dos Estados Unidos com produtoras de café na Nicarágua. A metodologia da IWCA é o “success through localization”, através da criação de capítulos nos países produtores e consumidores. Atualmente existem capítulos em 22 países de todo o mundo e diversos outros já manifestaram a intenção de criar os seus.

No Brasil ela ganhou força em 2012, durante o encontro de mulheres de diferentes regiões produtoras no 7º Espaço Café Brasil, realizado em São Paulo (SP). A IWCA Brasil constitui um fórum de conexão e troca de experiências e conhecimentos, além de inspirar e fortalecer as mulheres através do acesso a treinamentos, aprendizados e informações, defendendo a redução de barreiras para as mulheres proporcionando acesso a mercados, representando as mulheres em instâncias nacionais e internacionais e tornando visível o papel das delas no negócio café.

Em 14 de janeiro deste ano aconteceu a Assembleia Geral Ordinária da IWCA Brasil referente ao ano de 2020, na qual foi feita a prestação de contas da IWCA Brasil e também a votação da nova diretoria que assume a frente da leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Cafezal

BSCA e Apex-Brasil renovam projeto de promoção internacional dos cafés brasileiros

O projeto setorial Brazil. The Coffee Nation acaba de ser renovado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e terá vigência de abril deste ano até março de 2023.

A iniciativa foi estruturada sobre os pilares de inteligência mercadológica, promoção interna e externa e consolidação da imagem sustentável dos cafés nacionais de qualidade. “Com o objetivo de reforçar, em nível mundial, a sustentabilidade da cafeicultura brasileira, que respeita o meio ambiente, a responsabilidade social e busca a rentabilidade aos produtores de forma sistemática, seguiremos realizando concursos internacionais de qualidade, participando das principais feiras globais, ainda que virtualmente nesse momento de pandemia, e fortalecendo a presença em mídias internacionais para conquistar mais espaço em novos mercados e expandir a participação, com cafés de altíssima qualidade, nos mercados mais maduros”, revela Vanusia Nogueira, diretora da BSCA.

Em 2020, através do projeto, o Brasil obteve receita de US$ 1,804 bilhão com a exportação realizada por empresas apoiadas pelo projeto, superando a projeção estipulada de US$ 1,015 bi e apresentando crescimento de 6% sobre o desempenho registrado em 2019 (US$ 1,701 bi). No ano passado, 68 empresários realizaram embarques – ultrapassando a meta de 55 – e 268 empresas foram atendidas pela iniciativa, 23 a mais que o objetivo de 245 companhias.

Vanusia reforça que a consolidação internacional da imagem passada pelo projeto setorial foi fundamental para o desempenho positivo obtido em 2020, um ano atípico marcado pelos entraves ocasionados pela pandemia do novo coronavírus, com fechamento de estabelecimentos e isolamento social em todo o globo.

“O conceito do projeto sintetiza a escolha feita pelo setor dos cafés especiais para posicionar o Brasil como a nação que, além de ser dotada dos recursos naturais essenciais para o cultivo dos melhores leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Mercado

Adote Uma Micro Torrefação: Projeto que busca unir cadeia do café entra em nova fase

O projeto Adote uma Micro Torrefação surgiu no ano passado com o objetivo de unir toda a cadeia e levar ao consumidor cafés de diferentes regiões de Indicações Geográficas (IG). O intuito foi ligar produtor, microtorrefação e cafeterias. Clique aqui para conferir como foi o lançamento.

Ao todo, cinco IGs brasileiras que possuem selo de origem participam da campanha, que tem o apoio da Probat Leogap e do Sebrae: Alta Mogiana, Cerrado Mineiro, Mantiqueira de Minas, Matas de Minas e Norte Pioneiro do Paraná.

O objetivo inicial foi que os produtores doassem as sacas de café para as micro torrefações, que por sua vez doaram café torrado para cafeterias com o compromisso de compra de café torrado e verde em retorno. O marketing do selo de origem ficará por conta das cafeterias.

Aproximadamente 47 produtores participaram da iniciativa e 40 micro torrefações preencheram um questionário, que foi analisado e levado em conta alguns itens, como ter mais de dois anos de existência e já trabalhar com o café especial. “Fizemos uma seleção dos inscritos, promovemos um encontro virtual entre todos os micro torrefadores e distribuímos o café que foi doado de acordo com as necessidades. Procuramos levar novidades aos torrefadores para eles divulgarem selos de regiões que ainda não tinham”, explica uma leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Café & Preparos

Coadores de pano: menos papel, mais café!

Morando no Brasil desde 2016, a barista venezuelana Giovanna Serrano idealizou o Fabrikafe, no início de 2020. Dois meses depois, no início da quarentena na cidade de São Paulo (SP), Giovanna decidiu pôr em prática as ideias, costurando os primeiros filtros de algodão cru.

“Com tanto tempo dentro de casa, vieram-me as lembranças das origens de minha família produtora de café na região de Portuguesa, na Venezuela. Cerquei-me de tecidos, fitas métricas e tesouras. Entre uma xícara e outra, fui desenvolvendo os primeiros modelos, guiada pela minha experiência como barista”, explica.

Hoje a marca tem uma loja on-line onde Giovanna recebe os pedidos. De acordo com ela, até novembro de 2020 já foram encomendados mais de 800 filtros de algodão. No e-commerce é possível encontrar modelos para Hario V60, Melitta, Clever e o tradicional coador de pano, e os preços variam entre R$ 18 e R$ 23.

Para a barista, o Fabrikafe se resume não apenas às vendas, mas também à sustentabilidade, ao consumo de cafés de forma consciente e ao diálogo constante sobre as experiências que envolvem a bebida.

Mais informações: fabrikafe.co

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Divulgação

CafezalMercado

Governador e Secretário de Agricultura de SP falam sobre agronegócio no Fórum SuperAgro

Está sendo realizado nesta quinta-feira (8), de maneira virtual com transmissão via YouTube, o Fórum SuperAgro. Organizado pela Exame, o evento contou com a participação do Governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Gustavo Junqueira, no painel “Como o Estado de São Paulo incentivará o agronegócio em 2021 e 2022”.

Sobre o tema, Gustavo Junqueira destacou alguns projetos criados pelo Governo do Estado para conectar a cidade ao campo. “No caso do agro, nós temos o programa Cidadania no Campo, que busca levar o mesmo nível de cidadania que nós temos nas cidades para o campo. Isso passa fundamentalmente por um trabalho de tecnologia. Desde o início, o Governador tem liderado processos onde o Estado fica mais eficiente pela implementação de tecnologia. Nós fizemos uma parceria com o Google, em 2019, para que fosse feito todo o endereçamento de propriedades rurais no Estado de São Paulo, que são 350 mil propriedades. Isso é importante para a segurança, ganho de eficiência na logística, mas, fundamentalmente, para que a gente possa integrar os mercados e fazer tudo que a gente faz de grande nas cidades, no campo”, explicou.

O Secretário de Agricultura e Abastecimento também destacou o mapeamento digital de todas as estradas paulistas e o cadastramento de pequenos produtores rurais e supermercados a uma plataforma digital. “Há todo um programa de conectividade no campo, porque nada disso funcionará se não tiver uma ligação. Então começa um projeto dentro da Secretaria de Agricultura com o setor privado, que é o Conectar Agro, liderado pelo Governo para que a gente tenha conectividade no campo”, disse.

Relações entre o Brasil e o exterior

Em relação à crise de reputação brasileira quanto ao meio ambiente, que acaba tendo relação com o agronegócio, João Doria disse: “Apesar de nós termos a Ministra Tereza Cristina fazendo um esforço louvável, eu reconheço isso, é muito difícil um esforço isolado dentro de um Governo desconectado”.

Ele também comentou que o Brasil vive hoje a sua pior leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Felipe Gombossy