Mercado

Com ingressos esgotados, São Paulo Coffee Festival lota a Bienal do Ibirapuera

A Bienal nunca presenciou tantos apaixonados por café de uma só vez como nos últimos três dias! De 24 a 26 de junho, o famoso local foi palco da primeira edição presencial do São Paulo Coffee Festival, evento internacional que reuniu consumidores, cafeterias, torrefações, produtores e diversas pessoas da gastronomia. Com os ingressos esgotados e fila para entrar, deu para sentir no ar as conexões feitas, os negócios fechados, o aprendizado e o cheiro de café fresco! 

Além de circular pelos estandes e conhecer de perto as variadas marcas presentes e seus produtos, os participantes puderam participar das salas temáticas, como o “A Torrefação”, onde ocorreu torras ao vivo e palestras sobre o assunto. Outra atração concorrida foi o “Sensory Experience”, espaço que uniu café e degustações guiadas a fim de explorar os nossos sentidos.

O queridinho latte art também marcou presença no “Latte Art Ao Vivo”, ambiente criado especialmente para que profissionais baristas falassem sobre técnicas de vaporização, bebidas vegetais e diferentes desenhos no café. Aqui, os participantes tiveram a chance de participar de masterclasses, oficinas e até de um TNT, onde arriscaram as primeiras artes com leite!

Já quem passou pelo “O Laboratório” pôde acompanhar diversos profissionais, do campo à xícara, que abordaram o cultivo do fruto, os diferentes métodos filtrados, como você pode melhorar o seu café em casa, a profissão barista, dicas de planejamento para quem quer investir no setor e a arte de moer o grão na hora. Orbitando o universo dos cafés, o espaço “A Gastronomia” trouxe chefs famosos para palestrar sobre diferentes temas, como o doce choux cream, os queijos artesanais de São Paulo, pães italianos, a famosa banoffees, cookies, o hit vegano avocado toast, entre outras delícias. Todas as palestras dadas no São Paulo Coffee Festival foram gratuitas!

Para quem curte emoção, 20 baristas disputaram o Campeonato Brasileiro de Barista. Depois de dois dias de apresentações, os finalistas Marcondes Trindade, George Gepp, Vitor Coelho, Boram Um, Hugo Silva e Renan Dantas deram o seu melhor no domingo novamente. Consagrando-se bicampeão, Boram Um, da Um Coffee Co., de São Paulo (SP), levou a melhor, seguido por Hugo Silva, da Sabino Torrefação, e Vitor Coelho, do Manana Cafés. A ordem dos seis lugares você pode conferir aqui.

Como um bom festival, também proporcionou muita música, tocada por DJs e cantores convidados; drinques, desenvolvidos pela Cervejaria Tarantino e pelo Urbe Café Bar; e arte, que ficou por conta da exposição “Imigrantes do Café”, feita pelo Museu do Café e Museu da Imigração, e pelo painel artístico disponibilizado por nós lá no estande da Espresso, onde os frequentadores puderam deixar a sua marca no evento!

O São Paulo Coffee Festival foi patrocinado por Nescafé e 3corações, com apoio da A Tal da Castanha, Orfeu Cafés, Café Store, Philips Walita/Café Santa Mônica e Prefeitura de São Paulo.

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Mercado

M200 by La Cimbali: Nova máquina de espresso versátil e tecnológica

Disponível em duas versões e três cores, a novidade conta com design moderno, conectividade via Bluetooth e Wi-Fi, diversidade no preparo de bebidas com leite e qualidade nos resultados

“Uma verdadeira extensão da personalidade do barista”. É assim que a empresa italiana La Cimbali descreve sua mais nova máquina profissional de espresso, a M200, um equipamento inovador não apenas do ponto de vista tecnológico, mas também funcional.

Seu design único, assinado por Valerio Cometti, da V12 Design, traz a forma de um “C”, que, segundo a marca, remete à evolução da silhueta do produto e expressa um impulso para o futuro – do modelo anterior, o 100, para o de agora, 200. Disponível nas cores preto opaco, branco brilhante e alumínio com detalhes em vermelho, a M200 possui estrutura feita em metal, o que afirma a abordagem ecológica adotada pela La Cimbali na busca pela redução de elementos plásticos. 

Em questão de funcionamento, a novidade conta com o sistema BDS (Barista Drive System), que identifica automaticamente, junto ao moinho conectado via Bluetooth, a dose certa de café a ser moído (simples ou duplo), ativando apenas os botões da receita desejada e eliminando o risco de erros do barista e desperdícios de matéria-prima. Além disso, a tecnologia Multiboiler, sistema flexível que melhora a qualidade da distribuição e o perfil sensorial do espresso, monitora, de forma precisa e inteligente, o perfil de pressão e a temperatura de cada grupo para cada bebida, aperfeiçoando o resultado final.

Atualmente, a M200 conta com duas versões: a GT1 e a Profile. Na GT1, o sistema controla a temperatura da água de cada grupo, garantindo que o bom resultado seja aplicado em todas as xícaras de maneira igual. Visualmente, essa opção conta com botões em seu painel. Já a Profile permite ao barista personalizar a temperatura da água, o tempo de infusão e o perfil de pressão da extração, o que garante um maior controle no corpo da bebida e na intensidade de notas como acidez e amargor na xícara. Essa versão possui painel de controle touch.

As máquinas da série M200 apresentam sistema térmico patenteado, com caldeiras independentes; conectividade Wi-Fi integrada, que permite enviar os dados de funcionamento para a nuvem ou vice-versa, controlando a funcionalidade e o desempenho à distância; e nova placa eletrônica de última geração, desenvolvida internamente pela La Cimbali. 

Buscando ir além do espresso, a novidade também está disponível junto ao Milk 4 Cold Touch, um dispositivo que permite personalizar até quatro receitas com leite, desde a temperatura até o nível de espuma em cada uma delas. Com essa versatilidade de bebidas, a M200 conta com base regulável em três alturas para facilitar o posicionamento de diferentes tamanhos de xícara.

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Divulgação

Mercado

Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) anuncia novo presidente: Pavel Cardoso

Na última terça-feira (21), na reunião do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), realizada na sede da entidade, no Rio de Janeiro, Pavel Cardoso foi eleito o novo presidente para o triênio de 2022/2025. Cardoso é formado em direito pela Universidade Católica de Salvador e é sócio gestor da Café Sobesa, atuando há mais de 50 anos na comercialização e produção do alimento no estado. Na ABIC, já atuou como vice-presidente de Qualidades e Certificações, no período de 2013/2016, e como vice-presidente Jurídico, entre 2019 e 2022.

No seu discurso de posse, o novo presidente destacou os avanços conquistados pela ABIC em 49 anos de atuação no resgate à credibilidade do café brasileiro, cujos programas de Pureza e Qualidade são reconhecidos internacionalmente pela Organização Internacional do Café (OIC) e referendados em mais de 60 países. Ele afirmou querer dar seguimento a esse trabalho: “Estamos iniciando uma nova fase, vamos fortalecer e expandir ainda mais nossos programas e processos, de forma ampla e responsável, com total empenho, para se obter cada vez mais relevância da nossa Associação.”

O presidente determinou as cinco diretrizes de sua gestão, que visa implementar novos projetos com um olhar para as tendências do mercado. São elas:

  • Defesa da Qualidade Certificada, ampliando os programas de certificações com maior divulgação junto aos Associados e aos consumidores, através das mais diversas ferramentas e tecnologias disponíveis para que o brasileiro possa cada vez mais receber um café de qualidade na sua mesa.
  • Ampliar o Consumo, buscando desenvolver o maior e melhor programa de marketing possível do café brasileiro, com suas ricas e diversas variações, origens, seus benefícios para saúde, contando com o apoio coordenado dos Associados.
  • Estimular a Sustentabilidade e a responsabilidade sócio ambiental, fomentando o desenvolvimento sustentável do mercado e dos Associados, incentivando as boas práticas, o consumo consciente, buscando parcerias para novos processos e soluções que preservem o meio ambiente.
  • Contribuir para a valorização da imagem institucional da ABIC e dos seus Associados, ampliando a qualificação dos números e indicadores setoriais, seus programas, certificações e serviços, e o relacionamento entre os agentes da cadeia, entidades representativas do setor, sindicatos das indústrias de café, visando ampliação da base de Associados e o fortalecimento do café brasileiro na percepção do consumidor.
  • Ampliar as exportações de café torrado e moído com projetos e ações efetivas que apoiem o desenvolvimento e incentivem a internacionalização das indústrias associadas, buscando incrementar toda a cadeia com a exportação do nosso café como produto acabado, com maior valor agregado, visando incrementar a rentabilidade do nosso industrial e criando mais empregos para todo segmento.

Além dessas diretrizes, Cardoso defendeu a participação e fortalecimento  do Conselho Consultivo da ABIC, formado por Almir Filho, que presidiu a ABIC no período 2008/2011, Marcelo Barbieri, CEO da Melitta South America, André Maurino, presidente da JDE Brasil, Ricardo Silveira, ex-presidente da ABIC no triênio 2019/2022, e Vicente Lima, da 3corações.

O presidente destacou que, em 2023, a Associação completará 50 anos: “A ABIC tem muitas conquistas e vitórias a serem comemoradas, atingidas com grandes esforços de todo o setor e dedicação de nossas lideranças”. Ele concluiu seu discurso afirmando haver muitas tarefas a serem feitas, mas que está confiante que sua gestão será pautada pela busca do consenso, sem nunca deixar de lado as  necessidades dos Associados.

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Mercado

Café Cultura lança café em cápsula com venda para todo o Brasil

A rede de cafeterias Café Cultura lançou um produto focado em clientes que querem aproveitar os cafés da marca em casa: as cápsulas. Disponível nas unidades físicas e no site oficial, com entrega para todo o Brasil, o café escolhido para a abrir a nova linha foi o House Blend, que traz equilíbrio entre doçura, acidez e corpo, e é composto pelas variedades bourbon amarelo, catuaí vermelho e icatú amarelo.

A caixa, que custa R$ 34,90, conta com dez cápsulas feitas de alumínio e compatíveis com as máquinas Nespresso. Mais sustentáveis, vêm com instruções para reciclagem, valorizando o cuidado com o meio ambiente.

A rede Café Cultura está presente em cinco estados brasileiros, nas cidades do Rio de Janeiro, Florianópolis, Curitiba, Cuiabá e Porto Alegre. “Os produtos disponíveis no site são uma forma de alcançar um maior público interessado em cafés especiais e que está em cidades que ainda não temos presença física”, comenta Luciana Melo, CEO do Café Cultura.

Mais informações: www.cafeculturabrasil.com/ 

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

CafezalMercado

São Paulo Coffee Festival recebe exposição “Imigrantes do Café”

Entre 24 e 26 de junho, os coffee lovers terão a oportunidade de compreender um pouco mais sobre a trajetória dos migrantes que saíram de seus países de origem rumo às fazendas de café, e como esse importante fragmento da história influenciou na formação de uma identidade paulista. Realizada pelo Museu do Café, em parceria com o Museu da Imigração, – instituições da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – a Imigrantes do Café levará ao prédio da Bienal registros e testemunhos conduzidos pelos acervos museológicos, iconográficos e de história oral, preservados por ambos os equipamentos. A exposição, que ficará na entrada do São Paulo Coffee Festival, evento que acontece pela primeira vez presencialmente na capital paulista, faz parte das comemorações do CentFest, que marcam os 100 anos do palácio da Bolsa Oficial de Café, sede do MC.

A narrativa acompanha o caminho e as memórias desses migrantes, partindo da motivação pela busca de uma vida melhor, passando pelas etapas da viagem de navio, do Porto de Santos e do cotidiano da Hospedaria de Imigrantes do Brás, local que acolheu cerca de três milhões de migrantes e encaminhou esses trabalhadores para as plantações, definindo o futuro do produto que mudou o cenário econômico brasileiro: o café.

A mostra contextualiza ainda a presença dos italianos nesse processo migratório, uma vez que, essa nacionalidade, entre 1887 e 1900, soma mais de 70% dos registros de chegada de estrangeiros no Brasil. Com financiamento do governo, pessoas de mais de 70 países tiveram a antiga Hospedaria como ponto de partida para uma vida nova e desconhecida rumo ao interior. A mescla socioeconômica e de origem desses milhões de migrantes resultou em experiências diversas no dia a dia das fazendas e nas pequenas povoações do seu entorno, bem como no encontro de trabalhadores urbanos e rurais com bagagens culturais e anseios distintos.

Com importância fundamental na preservação do patrimônio cafeeiro e migrante para a construção da nossa história, o Museu do Café, localizado em Santos, mostra ao público como a evolução da cafeicultura e o desenvolvimento político, econômico e cultural do país estão ligados, desde meados do século XVIII até os dias de hoje, e o Museu da Imigração guarda a história das pessoas que chegaram ao Brasil por meio da Hospedaria do Brás, fomentando o diálogo sobre os deslocamentos como um fenômeno contemporâneo.

São Paulo Coffee Festival

Com o objetivo de celebrar a cultura da bebida na capital paulista, além de incentivar os negócios do setor, como cafeterias, torrefações e produtores, o São Paulo Coffee Festival realiza a sua primeira edição entre 24 e 26 de junho, na Bienal do Parque Ibirapuera. Com degustações ilimitadas de cafés, o evento reunirá gastronomia, coquetéis, música e arte em uma programação voltada, principalmente, para os apaixonados pela bebida.

Mais informações e ingressos: www.saopaulocoffeefestival.com.br

TEXTO Redação • FOTO Museu do Café

Café & PreparosMercado

São Paulo Coffee Festival reúne cafés, comidinhas e experiências na Bienal do Ibirapuera

Voltado para o consumidor final, o São Paulo Coffee Festival é uma celebração da comunidade e da cultura do café, com diversas experiências gastronômicas e culturais: degustação de café das principais cafeterias e microtorrefações, oficinas interativas e sensoriais, coquetéis à base do grão, música ao vivo e arte, sem faltar, claro, as comidas que orbitam esse universo. O evento, marcado para os dias 24 a 26 de junho, é para todos os amantes da bebida!

O Brasil é conhecido por ser um dos grandes produtores de café. Nos últimos anos, observamos o aumento na preocupação em relação ao grão e seus processos, fazendo a categoria do café especial despontar, assim como o surgimento de novas cafeterias junto aos seus admiradores e frequentadores. Do café feito em casa ao especial das modernas cafeterias, seja ele com ou sem açúcar, a bebida faz parte do DNA brasileiro. 

Pela primeira vez no País, o festival internacional que nasceu em Londres e marca presença em Amsterdã, Cidade do Cabo, Los Angeles, Milão, Nova Iorque e Paris, aterrissa em São Paulo em um dos grandes cartões postais da cidade, na Bienal, localizada no Parque do Ibirapuera. 

Com expectativa de atrair mais de nove mil visitantes em três dias, o festival realizado pela Allegra Events há mais de dez anos, chega ao país em parceria com a Revista Espresso/Café Editora – empresa com mais de 19 anos de experiência em eventos e conteúdo de café especial. Na 11ª edição britânica, o evento contou com 30 mil visitantes. 

O público poderá participar de diversas experiências e atividades  do universo do café, entre elas: degustações da bebida e de comidinhas, workshops com profissionais, oficinas e espaços interativos, além de assistir ao Campeonato Brasileiro de Barista organizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).

“A cena de cafés especiais de São Paulo é repleta de ótimos profissionais e cafeterias de ponta. O consumidor vai ter a alegria de conhecer tudo isso no festival e levar para casa experiências inesquecíveis. A ideia é que ele se sinta numa grande cafeteria e desfrute o melhor que esse universo pode proporcionar”, comenta Caio Alonso Fontes, diretor da Café Editora e organizador do São Paulo Coffee Festival.

Os espaços de experiência e interação para os visitantes no Festival serão:

  • O Laboratório – local reservado para bate-papo com os profissionais do universo do café;
  • Gastronomia – que recebe aulas com chefs e confeiteiros, como Vivianne Wakuda e José Barattino, que demonstrarão suas receitas especiais;
  • Latte Art Ao Vivo – com ações que envolvem a arte de “desenhar” no café utilizando o leite, como, por exemplo,  o TNT (competição de quem realiza o melhor latte art. Poderão participar profissionais e amadores), além de oficinas diversas sobre o assunto;
  • A Torrefação – onde serão debatidas, com profissionais da área, curiosidades e informações sobre essa etapa tão importante. O público ainda poderá torrar seu próprio grão com a ajuda dos especialistas;
  • Sensory Experience – que traz degustações guiadas que desvendam os aromas e sabores dessa bebida tão amada.

O evento tem patrocínio da 3corações e Nescafé. Apoio oficial do Café Orfeu, Café Santa Mônica com Philips Walita e Café Store. A realização é por conta da Allegra Events e Revista Espresso/Café Editora.  

Ingressos

Entrada e participação em toda a programação durante todo o dia, além de degustação de cafés e bebidas à base de café, oficinas interativas e experiência com baristas e chefs.

Diária (individual): R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia entrada), R$ 10 (infantil – até 12 anos) e gratuito (crianças até 3 anos).
Combo 3 dias (individual): R$ 100 (inteira),  R$ 50 (meia entrada), R$ 20 (infantil – até 12 anos) e gratuito (crianças até 3 anos).
VIP Diário (individual):  R$ 95 – com direito ao kit com uma ecobag SPCF, cafés de patrocinadores, um copo SPCF e um Coffee Cocktail Drink.

Serviço
Quando:
24 a 26 de junho de 2022
Horário:
14h às 21h (sexta-feira) e 10h às 18h (sábado e domingo)
Onde:
Fundação Bienal de São Paulo – Parque do Ibirapuera (Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n – Vila Mariana – São Paulo/SP)
Ingressos: www.ticketfacil.com.br/eventos/coffee-festival.aspx 
Mais informações: www.saopaulocoffeefestival.com.br

TEXTO Redação

Mercado

Cafés especiais da Bahia são destaque na feira de negócios Origem Week

Experiências de preparo, demonstrações, degustações e workshops sobre cultivo, comércio e consumo de café farão parte da programação do Origem Week – Feira de Negócios, que acontece no Centro de Convenções de Salvador, entre os dias 9 e 12 de junho.

Durante os quatro dias, os participantes poderão conhecer e degustar cafés, chocolates, derivados do cacau, doces e geleias, cervejas artesanais, vinhos, cachaças, licores, gins, embutidos, biscoitos e muito mais, além de prestigiar o artesanato típico de várias partes do interior, destinos turísticos e festas populares.

Uma das atrações é o Salão do Café, que conta com curadoria da jornalista Mariana Proença. No local, representantes das principais marcas da Bahia destacarão o que há de melhor nos grãos arábica e canéfora produzidos nas regiões da Chapada Diamantina, Planalto de Vitória da Conquista, Serrana de Itiruçu/Brejões, Oeste da Bahia e o Atlântico Baiano.

O evento conta com o apoio do Governo do Estado, por meio das secretarias de Turismo (Setur), de Desenvolvimento Rural (SDR), da Agricultura (Seagri) e Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre). É uma realização da MVU, com o apoio e parceria do Governo da Bahia, Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Sebrae, GL Events e Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio da Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN), e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Serviço
Origem Week – Feira de Negócios
Quando: 9 a 12 de junho
Onde: Centro de Convenções de Salvador, Bahia
Mais informações: http://origemweek.com.br 

TEXTO Redação • FOTO Michael Burrows

CafezalMercado

Expocaccer promove curso de classificação e degustação de cafés neste sábado (4)

Neste sábado (4), a Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocaccer) realiza o Curso de Classificação e Degustação. O conteúdo será totalmente prático e com ênfase na identificação e classificação dos grãos defeituosos, analisando a causa, os efeitos e as formas de prevenção de possíveis defeitos. Outro aspecto a ser abordado é sobre os efeitos do manejo dentro da fazenda.

De acordo com a Q-Grader e Classificadora da Expocaccer, Rosângela Soares, o curso de classificação e degustação é muito importante para que o produtor ou funcionário da fazenda estejam atentos e alinhados sobre prováveis formações de defeitos. “De forma prática, vamos conhecer as causas dos defeitos dos grãos e aprender como fazer para amenizá-los, melhorando a qualidade do café e consequentemente o preço dele”, destaca.

As vagas são limitadas e os interessados poderão se inscrever até o dia 3 de junho, através do e-mail contato@expocaccer.com.br. As inscrições terão um investimento de R$ 50 e os valores arrecadados serão doados para a Casa do Idoso de Patrocínio (MG). 

Serviço
Curso de Classificação e Degustação Expocaccer
Quando: 4 de junho (sábado)
Horário: 8h30 às 12h
Inscrições: contato@expocaccer.com.br   

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Mercado

SouthRock e Starbucks Foundation apoiam projetos sociais no Brasil

Por meio do programa Global Community Impact Grants, da Starbucks Foundation, e em comemoração ao 12º Mês Global do Bem da Starbucks, a SouthRock, operadora licenciada da marca no Brasil, apoia organizações sem fins lucrativos no País. Através deste projeto exclusivo, a companhia elegeu as instituições Casa 1, Inglês para Nossa Gente e a Rede Gerando Falcões para promover impacto relevante na comunidade local. Os subsídios concedidos têm como foco a criação de oportunidades equitativas e de empregabilidade para pessoas em situação de vulnerabilidade, por meio de projetos que oferecem preparação, desenvolvimento e qualificação para quem busca ingressar no mercado de trabalho.

“No Brasil e no mundo, a Starbucks promove uma jornada de inclusão, diversidade e equidade, implementando políticas, programas e iniciativas importantes para a sociedade local. Atuamos para fortalecer nossas comunidades ouvindo, apoiando, investindo e promovendo de forma significativa as regiões que recebem nossas lojas”, comenta Sandra Collier, diretora de marketing, fidelidade e responsabilidade social da SouthRock. “Essas refletem as causas que acreditamos e criam oportunidades iguais para todos, fomentando a inclusão em tudo o que fazemos”.

Tendo a qualificação e inclusão de profissionais no mercado de trabalho como foco de atuação, as organizações Casa 1, Inglês Para Nossa Gente e a Rede Gerando Falcões desenvolvem projetos pelo Brasil, formando e desenvolvendo profissionais de populações vulneráveis e comunidades carentes para o mercado formal de trabalho, uma forma de proporcionar dignidade e a abertura de oportunidades para melhorar seus meios de subsistência.

“Ações como as de parceiros como a SouthRock são essenciais para que a Gerando Falcões continue promovendo programas de transformação sistêmica em territórios de favelas. A união de forças entre poder público, segundo e terceiro setores é essencial para continuarmos fazendo a diferença e mudarmos a história do nosso País. Essa é uma das formas de derrubar muros, construindo pontes para cumprir a nossa missão de transformar a pobreza da favela em peça de museu”, destaca Edu Lyra, CEO e Fundador da Gerando Falcões.

Anunciado em março de 2022, a iniciativa Global Community Impact Grants, da Starbucks Foundation, investirá US$ 30 milhões até 2030 em projetos que geram impacto positivo em diversas áreas sociais, como o empoderamento de jovens, inclusão e diversidade, serviços sociais, combate à fome, projetos que geram oportunidades econômicas e no apoio às comunidades produtoras de café, chá e cacau. 

Com mais de 50 doações concedidas em 30 mercados nesta primeira edição, o programa representa a missão da Starbucks em promover impacto positivo para as pessoas e melhorar o bem-estar de todos aqueles ao redor da Starbucks. O programa se baseia em outras iniciativas da Starbucks Foundation, entre eles o Neighborhood Grants, Origin Grants e Disaster Response Grants – que se concentram em apoiar e elevar comunidades afetadas por desastres. No início de 2022, a Starbucks Foundation anunciou uma doação para apoiar comunidades cafeeiras na Bahia e Minas Gerais, melhorando o acesso a soluções domésticas de água e saneamento.

“Desde o início, a Starbucks tem sido mais do que uma empresa de café. Somos uma empresa de pessoas, impulsionada por nossa missão de inspirar e nutrir o espírito humano de todos aqueles que entram em contato com a Starbucks”, comenta Michael Conway, presidente do grupo de Desenvolvimento Internacional e de Canais da Starbucks e membro do conselho da Starbucks Foundation. “Nossos parceiros conhecem suas comunidades melhor do que ninguém e estamos orgulhosos em trabalhar ao lado de nossos parceiros de negócios licenciados em todo o mundo para aprofundar nosso impacto coletivo e investir de maneiras significativas que ajudarão pessoas e comunidades a prosperar”.

Esta primeira edição de doações marca o 12º Mês Global do Bem da Starbucks, uma iniciativa anual que reúne colaboradores e clientes para ajudar a fortalecer as comunidades durante um mês. Celebrando esta ação anual, a SouthRock ofereceu autonomia para cada uma de suas lojas realizar ações sociais voluntárias. A iniciativa envolveu 95 lojas e mais de 250 partners no Brasil, que participaram de 110 ações diferentes para combater à fome no país, apoiar moradores de rua, crianças em situação de vulnerabilidade e membros da comunidade LGBTQIA+ e promover a sustentabilidade e a educação. As atividades impactaram mais de 1200 pessoas, durante o mês de abril.

Mais informações: https://stories.starbucks.com/stories/global-community-impact-grants/ 

TEXTO Redação • FOTO Engin Akyurt

Mercado

Consumidores preparam cada vez mais cafés especiais em casa

O café costuma ser uma parte essencial da rotina das pessoas, e muitos compram a bebida a caminho do trabalho. Mas, como trabalhar em casa se tornou essencial durante a pandemia e cada vez mais empregadores mantêm uma política de trabalho remoto ou híbrido, muitos consumidores estão optando por fazer seu próprio café especial.

“Estamos vendo os consumidores passando muito mais tempo preparando café em casa do que antes da pandemia”, disse Maurice Contreras, fundador e presidente da Volcanica Coffee, torrefadora de cafés especiais que importa grãos de regiões vulcânicas. “Eles estão interessados em aprender mais sobre os diferentes métodos de fabricação do café e as nuances regionais de sabor”, destacou.

De acordo com Michele Waits, vice-presidente de marketing e suporte comercial da illycaffè North America, as novas técnicas e produtos vão se manter porque esses consumidores continuam buscando por preparar cafés especiais em casa. “É uma das razões pelas quais o consumo em casa continuará após a pandemia e, apoiando esse aumento, há um crescimento nos acessórios de café e no conteúdo da cultura do grão para permitir que os amantes da bebida criem e imitem experiências do local em casa”, disse.

Recriando o café premium

Embora a experiência do café ainda seja desejável para muitos, as pessoas estão descobrindo que podem replicar essas bebidas em casa com algum conhecimento e esforço extras. “Além disso, custa muito menos tomar café em casa”, disse Contreras. “Uma xícara de café premium em casa custa menos de US$ 0,50 em comparação com US$ 3 a US$ 5 em uma cafeteria local. Com a inflação subindo, esperamos que isso aumente ainda mais a tendência de consumo no lar”, completou o presidente da Volcanica Coffee.

A illycaffè se orgulha de poder atender aos desejos dos consumidores em mercados específicos, especialmente com as variedades de café frio e pronto para beber crescendo. A marca testou seu próprio produto de café gelado enlatado antes de sua estreia oficial e, segundo Waits, observou uma vantagem significativa no sabor com a intenção de compra superior acima da média do setor.

Entrando em um nicho de mercado

A Volcanica Coffee também monitora de perto o feedback do consumidor para rastrear tendências e desenvolver produtos de café que correspondam às preferências do cliente. “Por exemplo, notamos que outra nova área são os cafés naturais, que têm um sabor mais frutado, e ampliamos nossas ofertas nessa área. O feedback do cliente é um presente que continua dando”, disse Contreras.

Uma preocupação específica que chamou a atenção da Volcanica foi a ânsia por uma oferta de café com baixa acidez. A marca produziu uma mistura que ainda é cultivada naturalmente com um nível de pH mais alto, permitindo que a Volcanica entre na categoria de nicho. “O feedback tem sido tremendo, pois recebemos regularmente críticas e comentários de que resolvemos o refluxo ácido dos clientes e doenças relacionadas, e que agora eles podem voltar a desfrutar de um café”, relatou.

À medida que empresas como a Volcanica e a illycaffè continuam atendendo aos interesses dos consumidores por meio do desenvolvimento de produtos com base em feedback, o boom do consumo de café em casa provavelmente perdurará. “Os consumidores estão se tornando educados e desenvolvendo um nível de conhecimento de café semelhante ao de vinho, cerveja artesanal e outros produtos alimentícios premium”, disse Waits.

TEXTO As informações são do SmartBrief / Tradução Juliana Santin • FOTO Jamie Long