Mercado

Delivery, take away ou portas abertas? Como algumas cafeterias têm lidado com a reabertura gradual das atividades

A pandemia de Covid-19 (coronavírus) que ainda estamos enfrentando atingiu em cheio o setor de cafés especiais. As cafeterias de diversas cidades brasileiras, por exemplo, tiveram que fechar suas portas e adaptar seus serviços para que seus clientes seguissem comprando e consumindo as comidinhas e os cafés de qualidade, mantendo, assim, o negócio de pé.

Infelizmente, nem todas conseguiram suportar essa nova realidade e chegar ao sétimo mês do ano em funcionamento. Além dos pequenos comércios que optaram pelo fim dos trabalhos, muitos profissionais do setor e clientes ficaram surpresos com o comunicado da rede paulistana Octavio Café, que anunciou, na última quarta-feira (8), em seu perfil no Instagram, o encerramento das operações das cafeterias na Avenida Faria Lima e no Shopping Cidade Jardim.

Reabertura gradual

Em São Paulo, uma das capitais mais movimentadas do País, o setor de restaurantes pôde retomar suas atividades no dia 6 de julho, incluindo as casas de café. Porém, mesmo com a impressão de que as coisas estão “entrando nos eixos”, a prática mostra que essa reabertura não será tão fácil assim.

“Eu abri com uma expectativa alta e foi super frustrante”, conta Diego Gonzales, proprietário do Sofá Café, que voltou com duas de suas unidades – Pinheiros e Atrium – no primeiro dia de liberação, atendendo às recomendações de prevenção e com rotatividade entre seus funcionários.

Ele explica que suas cafeterias dependem muito de um público que ainda está trabalhando em sistema home office. “Temos aberto porque é um movimento crescente, mas não chega leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Café Editora

Mercado

Fundadora do Café Cultura é selecionada para programa de mentoria de negócios da EY Winning Women

A EY, que atua em serviços de auditoria, impostos, transações corporativas e consultoria em mais de 150 países, conta com um programa customizado de mentoria que proporciona às empreendedoras a oportunidade de aperfeiçoar conhecimentos essenciais ao mundo dos negócios, intitulado EY Entrepreneurial Winning Women.

Nesta semana foram anunciadas as 16 empreendedoras escolhidas para participar do programa deste ano. São representantes de 13 empresas que receberão uma mentoria das conselheiras apoiadoras da iniciativa e acompanhamento de um time de especialistas. Segundo a EY, o programa busca promover a troca de experiências e a ampliação das redes de contatos das empreendedoras participantes. São desenvolvidos, ainda, conceitos como branding, liderança e gestão.

A EY conta com alguns pilares como:

  • Criar uma poderosa e influente rede de mulheres notáveis e partilhar suas histórias inspiradoras;
  • Atuar para que esta rede de mulheres líderes cresça e se fortaleça a cada ano;
  • Conectar empreendedoras a outras organizações e indivíduos que possam apoiar suas empresas, organizações ou comunidades em sua jornada para o crescimento;
  • Fortalecer habilidades de liderança e identificar oportunidades de crescimento por meio de encontros com conselheiros seniores e demais empreendedores.

Em meio aos nomes escolhidos está a fundadora do Café Cultura, de Florianópolis (SC), Luciana Melo. Segundo ela, a EY entrou em contato para que ela fizesse parte do processo leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Mercado

Micro e pequenos empreendedores: ações que podem auxiliar na retomada dos negócios em meio à pandemia

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de micro e pequenas empresas. O foco é no fortalecimento do empreendedorismo e na aceleração do processo de formalização da economia por meio de parcerias com os setores público e privado, programas de capacitação, acesso ao crédito e à inovação, estímulo ao associativismo, feiras e rodadas de negócios.

As soluções desenvolvidas pelo Sebrae atendem desde o empreendedor que pretende abrir seu primeiro negócio até pequenas empresas que já estão consolidadas e buscam um novo posicionamento no mercado.

No meio da pandemia de Covid-19 (coronavírus), os estabelecimentos foram fechados. Algumas cidades já estão na fase de reabertura e muitos empreendedores ficam em dúvida sobre possíveis ações a serem tomada. Pensando nisso, o Sebrae conta com alguns programas, como o Kit de Enfrentamento – Entenda o que o Governo está fazendo por você.

Dentro do site o Sebrae é possível encontrar algumas dicas leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Lucas Albin/Agência Ophelia

Mercado

Café ganha cada vez mais destaque na mídia

Que o café já faz parte da vida dos brasileiros, nós já sabemos. Mas, durante a pandemia de Covid-19 (coronavírus), muita gente passou a consumir mais a bebida e até se aventurar em testar métodos de preparo diversificados. Uma pesquisa que realizamos no Dia Nacional do Café (24 de maio) mostra que 41,3% das pessoas consomem de 2 a 3 xícaras de café, enquanto que 30,9% tomam de 4 a 5 e 24,1% mais que 5 xícaras.

Pensando nisso, as marcas têm criado estratégias para divulgar cada vez mais o grão para o consumidor, como é o caso da L’OR, empresa francesa que acaba de firmar uma parceria com a Band e Endemol Shine Brasil e será o café oficial da sétima edição do programa MasterChef Brasil.

“A L’OR se une ao MasterChef Brasil, reality show de culinária do país, para fortalecer e reforçar a qualidade dos nossos produtos junto ao grande público e também dos amantes de gastronomia e da boa culinária”, explica Tina Cação, Diretora de Marketing da JDE no Brasil.

Já a empresa Magazine Luiza optou por uma série de lives no Instagram com o objetivo de apresentar as variedades de produtos hoje disponível na plataforma. Na primeira semana de julho, trouxe leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Mercado

Qualidade à flor da pele: Robusta Amazônico especial é matéria-prima para cosméticos

Os Robustas Amazônicos especiais estão proporcionando desenvolvimento social, econômico e também benefícios para saúde. Além de serem fonte de bebida de qualidade, por serem ricos em constituintes nutricionais, químicos e com muitos aromas e sabores, estes cafés começam a ser utilizados na indústria de cosméticos. O café é considerado um alimento com propriedades nutracêuticas, ou seja, seus compostos possuem valor nutricional e que proporcionam também benefícios para a saúde.

Um grupo de mulheres empreendedoras deu início, em 2015, a um trabalho que alia preservação ambiental, empoderamento feminino e desenvolvimento socioeconômico local. Com a denominação de Saboaria Rondônia, elas passaram a utilizar a riqueza da biodiversidade amazônica nas essências dos produtos de higiene pessoal e voltados para os cuidados com a pele. Como o café é um dos principais produtos agrícolas do estado, não demorou muito para que migrasse da xícara para os potes e barras de sabonete, sempre misturados a óleos vegetais e outros ativos.

Sabonetes glicerinados feitos à base de Robustas Amazônicos – Foto: Divulgação

Uma das fundadoras do empreendimento e responsável pela comercialização dos produtos, Jaqueline Freire de Almeida, conta que elas sempre pesquisam sobre elementos naturais com propriedades benéficas ao cuidado corporal, e buscam aliar estes produtos à valorização da cadeia produtiva regional. “Em nossas pesquisas vimos os benefícios do café para a pele. Foi onde nasceu a ideia de utilizar o café no sabonete, esfoliante corporal e também em outros produtos. Além disso, pensamos em também fomentar essa cadeia produtiva em Rondônia, que cresce bastante, caminhando junto aos cafeicultores familiares”.

Em 2019, colocaram estes produtos à base de café no mercado, o que despertou grande interesse dos consumidores. Entretanto, os clientes mais exigentes demonstraram certo desapontamento com o aroma dos produtos, apesar de gostarem dos efeitos na pele. “Sabíamos da atuação da Embrapa Rondônia em pesquisas com café e buscamos apoio para aprimorar nossos produtos à base deste grão”, diz Jaqueline Freire.

Após questionamentos e relatos sobre o processo produtivo, o pesquisador da Embrapa Rondônia, Enrique Alves, que atua na qualidade do café, observou que a matéria prima leia mais…

TEXTO Embrapa Rondônia

Mercado

2ª Maratona Empreendedora – Hub do Café Experience acontece neste sábado

No dia 4 de julho, das 9h às 15h, acontece a 2ª edição da Maratona Empreendedora – Hub do Café Experience, que promoverá a conexão de empreendedores e/ou futuros empresários com palestrantes de diversas áreas de atuação e histórias de sucesso.

Serão dez palestras em videoconferência via plataforma Sympla Streaming, com dicas, desafios e tendências de mercado, especialmente para o mundo pós Covid-19 e a nova Economia de Baixo Contato.

O valor é de R$ 72,73. Alunos do Hub do Café que já realizaram algum curso, workshop ou webinário com Alan Cavalcanti possuem desconto de 50%. Para se inscrever, clique aqui.

Confira programação completa:

9h Abertura com Alan Cavalcanti – empreendedor – sócio fundador Malakoff Café, consultor em planejamento e gestão estratégica

9h30 Investidor Anjo – Como captar investimento para meu negócio – Cláudio Castro – empresário, empreendedor e investidor anjo-sócio proprietário da Pitang – representante da plataforma de ensino Google for Education no NE.

10h Os desafios do cenário econômico para o mercado de café – Patrícia Azevedo – Mestre em ciências e economia do café – empresária e barista. leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Mercado

Costa Coffee reabre mais de mil lojas no Reino Unido

A Costa Coffee anunciou que mais de 1.100 de suas lojas serão reabertas em todo o Reino Unido até o final de junho. Segundo a empresa, as unidades estão seguras e acolhedoras para clientes e funcionários. Cada loja foi equipada com equipamentos de proteção, estações de higienização para as mãos e continuará a operar com pagamento sem contato.

Telas de acrílico foram instaladas em todos os balcões das lojas take away e placas de dois metros foram cuidadosamente colocadas para seguir as diretrizes de distanciamento social. Haverá também o sistema drive-thru para garantir que os clientes possam receber seus pedidos sem contato.

A ideia da abertura foi resultado de uma pesquisa da Market Measures, que revelou que 45% dos consumidores deixaram de visitar sua cafeteria local mais do que pubs, bares e restaurantes de fast-food durante a quarentena. De todas as marcas pesquisadas, mais de um quarto dos consumidores afirmaram que o Costa Coffee era um local que sentiam falta.

“Estamos felizes em poder compartilhar as notícias de que até o final de junho mais de 1.100 de nossas lojas serão reabertas para retirada ou entrega. Ficamos impressionados com o feedback positivo que recebemos de nossos clientes e temos o prazer de poder servir novamente nosso café artesanal de assinatura”, diz Jill McDonald, CEO da Costa Coffee.

TEXTO As informações são do Global Coffee Report / Tradução Juliana Santin • FOTO Briana Tozour

Mercado

Starbucks deve fechar 200 lojas no Canadá

Na última semana, a rede Starbucks anunciou que, nos próximos anos, planeja fechar até 200 lojas no Canadá. Segundo o comunicado, o setor cafeeiro, como muitos outros, esteve efetivamente em pausa durante a pandemia da covid-19 e a ideia da empresa é começar a olhar para o futuro e como será o negócio em longo prazo.

A Starbucks afirma que planeja abrir mais lojas em todo o mundo, mas terá uma menor presença em muitos mercados, como nos Estados Unidos e no Canadá. A ideia é adicionar cerca de 300 novas lojas na América ainda esse ano, abaixo das 600 esperadas anteriormente. Mas, enquanto algumas lojas serão abertas, outras antigas serão fechadas.

“Esse reposicionamento incluirá o fechamento de até 400 lojas operadas pela empresa nos próximos 18 meses”, afirmou a rede. Por conta da pandemia, a Starbucks aponta um prejuízo de cerca de US$ 3,2 bilhões em suas vendas.

A empresa normalmente fecha cerca de 100 lojas por ano, levando em consideração os contratos que expiram e os desempenhos individuais de cada unidade. Mas, no Canadá, o cenário é diferente leia mais…

TEXTO As informações são da CBC / Tradução Juliana Santin • FOTO Divulgação

Mercado

Fala Café #9 aborda desafios do varejo em tempos de pandemia

A última terça-feira (9) contou com mais um episódio do programa Fala Café. O tema Tendências de mercado e novas estratégias para o varejo de café foi debatido por cinco profissionais do setor, entre eles Marcos Djinishian, executivo da Nespresso desde 2017 e head de marketing da companhia; Tina Cação, diretora de marketing da JDE Brasil, empresa multinacional de origem holandesa especializada em cafés e presente em todas as categorias no País; Bruna Caselato, sócia-diretora do Suplicy Cafés Especiais, empresa pioneira na venda de cafés especiais no Brasil; Caio Alonso Fontes, sócio-fundador do e-commerce Café Store, com atuação na venda de produtos desde 2010, e da Café Editora, presente no setor cafeeiro desde 2003; e Eliana Relvas, engenheira de alimentos com especialização em administração industrial, Q-grader e consultora de varejo desde 2004.

O primeiro bloco contou com uma introdução de cada convidado abordando o cenário atual do varejo em meio à pandemia.

Mariana Proença: Eliana, quero dar início com você que está há 24 anos nesse mercado de varejo já tendo passado por diversos grandes grupos. Como você enxerga o crescimento do mercado de café de qualidade antes da pandemia? Quais eram nossos principais desafios e também pontos positivos no mercado brasileiro?

Eliana Relvas: Tínhamos uma previsão para 2020 super positiva para o crescimento dos especiais, que seria em torno de 19%. As cápsulas já puxavam os números mais alto e as mono doses (drips), trouxe um diferencial para o consumidor que buscava novos sabores e de maneira prática. Também tivemos a entrada dos solúveis de excelência e microlotes no varejo, além de um público jovem, mais moderno, atraído pela bebida. O principal desafio da cadeia do café especial sempre foi a educação do consumidor, hoje há uma humanização dentro do café. As pessoas começaram a comprar os grãos por conta da origem, a conhecer cada vez mais sobre produção. A expectativa, portanto, para 2020 era esse reforço de todas as entradas e novidades no mercado.

Mariana Proença: Marcos, obrigada pela presença. Nós da Revista Espresso acompanhamos de muito perto a chegada da Nespresso ao Brasil. Em 2006 quando a marca suíça começou a realizar seus primeiros trabalhos aqui, o café de qualidade não era uma realidade de consumo. Como a Nespresso avalia esse percurso até aqui e qual é a importância do Brasil para a marca?

Marcos Djinishian: A Nespresso tem papel de protagonista na cena de cafés global. Os ensaios da empresa começaram na década de 70, em 86 foi lançado pela primeira vez em cápsula na Europa e chegou no brasil apenas em 2006, inaugurando a categoria, e trazendo um café de qualidade e sustentável para o consumidor. A Nespresso contribui para a formação do consumidor ao falar de um café especial. O Brasil é um produtor importante para nós a nível global. Aqui estamos em 1200 fazendas, sendo que 30% são de pequeno porte onde a gente entende que contribuímos na produção, modificamos leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Mercado

Associação Mulheres de Paraisópolis receberá gratuitamente café da illycaffè

A Associação Mulheres de Paraisópolis é um centro de distribuição, ajuda, controle e capacitação profissional que serve aos mais de 100 mil habitantes da comunidade paulistana. Ela organiza a preparação e entrega de marmitas a partir de alimentos doados, faz a transferência para as Casas de Recolhimento, fabrica máscaras de proteção para distribuição local e também revenda, possui centro médico com ambulâncias para atendimentos e encaminhamentos de emergência, entre muitas outras atividades.

No dia 4 de junho, a entidade ganhou uma máquina de café instantâneo da empresa italiana illycaffè e passará a receber gratuitamente o café solúvel da marca para consumo local e abastecimento das “Casas de Recolhimento”, residências utilizadas para moradores que tenham contraído o coronavírus.

Roberto Calderini, Felipe Rodrigues, Frederico Canepa e a presidente da Associação, Elizandra Cerqueira

A entrega oficial da máquina Bunn + illy Instant contou com a participação do chef Felipe Rodrigues, do Palácio Tangará, que já realiza ação social para a Associação através da doação de refeições para a população mais carente. O chef é parceiro da illycaffè no programa illy Chef Ambassador, criando leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Divulgação