Cafezal

Há algo fermentado no reino dos cafés brasileiros

Fermentado e fermentando. A técnica cresceu muito nos últimos anos e traz oportunidades, desafios e riscos para todos os pontos da cadeia de café no Brasil

Fermentação de um black honey – Foto: Lucas Louzada

O processo de fermentação está em alta e não é só no café. Fala-se muito sobre a fermentação do pão, da cerveja, da kombucha, das conservas de alimentos, como os picles, por exemplo. No café, o processo de fermentação também não é novo. É tradicional de muitas regiões produtoras no mundo e já tem alguns anos que vem sendo usado e testado por produtores nacionais. Já falamos sobre o tema aqui na Espresso algumas vezes, e você pode conferir um bom resumo no boxe “O básico da fermentação”, nesta reportagem.

Com os bons resultados que os cafés fermentados brasileiros vêm obtendo nos últimos anos, era natural que o interesse se disseminasse, primeiro entre os produtores, passando pelas cafeterias, até chegar ao consumidor final. Os entusiastas do café – os coffee geek ou coffee lovers, se assim você preferir chamá-losbuscam essas opções, seja por iniciativa própria, seja por sugestão dos baristas. 

Café de safra

Uma das possibilidades que os cafés fermentados oferecem ao mercado brasileiro é a ampliação do repertório. Com a impossibilidade legal de importar grãos verdes de outros países produtores, que trariam características diferentes para ser exploradas na torra e na extração, experiências de processamento são uma alternativa possível e, até relativamente pouco tempo atrás, inexplorada.

O resultado, quando o processo é bem realizado, são cafés ainda mais únicos, que costumam ser comparados aos vinhos de safras especiais, que dificilmente terão uma garrafa com as mesmas características em anos posteriores. Isso abre uma possibilidade de mercado interessante, mas que deve ser encarada como uma opção a mais pelo produtor e não como uma alternativa para toda uma fazenda ou colheita. 

Um caso interessante é o das experiências de fermentação com cafés da espécie canéfora. Já há algum tempo os produtores localizados principalmente na região amazônica, em Rondônia, e no Espírito Santo vêm desenvolvendo os canéforas finos e quebrando o preconceito existente com relação às variedades não pertencentes à espécie arábica. Para cafés robusta e conilon, por exemplo, a fermentação é capaz de trazer para a xícara uma importante acidez, algo raro quando esses cafés passam pelos processamentos mais tradicionais.

Segurança alimentar 

Um dos pontos importantes levantados por todos os entrevistados é o fato de que a fermentação secundária ou induzida, assim como pode trazer e acentuar pontos fortes do café, pode originar sabores ruins e até toxinas não seguras para consumo. Nunca é demais lembrar: notas sensoriais químicas, medicinais, azedas e muito untuosas são sinais de que algo deu errado.  leia mais…

TEXTO Cintia Marcucci

Cafezal

“Os grãos brasileiros são reconhecidos entre os melhores do mundo. Estou orgulhoso disso”, destaca Andrea Illy

No dia 2 de dezembro, a illycaffè anunciou o vencedor do Prêmio Ernesto Illy Internacional 2021, que foi Jumboor Estate, na Índia, representado por B.M. Nachappa e eleito o “Melhor dos Melhores” (Best of the Best) por um painel independente de especialistas internacionais em gastronomia e café. Saiba mais sobre a premiação aqui.

A equipe da Espresso entrevistou o presidente da illycaffè, Andrea Illy, que destaca a homenagem que o Prêmio proporciona aos cafés premiados mundialmente, das origens mais selecionadas. “O ‘melhor dos melhores’ é selecionado por uma equipe super qualificada de provadores independentes, enquanto a ‘escolha popular’ é a preferida de milhares de apreciadores de café em todo o mundo. É difícil imaginar uma abordagem mais rigorosa e isso contribui para o prestígio do EIICA. Para os produtores, isso é um impulso de orgulho e motivação, e para a illycaffè é uma forma de elevar continuamente o padrão da qualidade sustentável”, aponta.

Para Andrea, esse ano o prêmio teve um ‘sabor’ particular com a vitória da Índia, que mostra qual é o potencial de modelo agrícola, baseado na agrossilvicultura, incentivando outros países a seguirem o exemplo. “Este é um país onde o café é cultivado à sombra de árvores altas, geralmente junto com outras culturas, como pimenta, baunilha, cardamomo e canela: é uma agricultura virtuosa. Quem sabe se o Prêmio Internacional de Café Ernesto Illy também se tornará uma fonte de inspiração para os melhores produtores do mundo?”, questiona Andrea.

Brasil

O País é o maior produtor de café do mundo e sua notoriedade mundial é indiscutível, aponta Andrea. “Um grande trabalho tem sido feito em relação ao café produzido há mais de 30 anos, quando meu pai Ernesto, a quem este reconhecimento é dedicado, lançou uma colaboração direta com cafeicultores e desenvolveu o Prêmio Brasil de Qualidade do Café para Espresso, para motivar cafeicultores a produzir alta qualidade. Até o início dos anos 1990, o Brasil produzia grandes quantidades de café, mas de baixa qualidade. De acordo com algumas das vozes mais autorizadas do setor cafeeiro, o prêmio se tornou leia mais…

TEXTO Natália Camoleze • FOTO Divulgação

Cafezal

Noroeste Fluminense leva as duas categorias do 5° Concurso de Cafés Especiais do Rio com pontuação recorde

Realizada na tarde desta terça-feira, dia 7/12, no Palácio Guanabara, sede do Governo do Rio de Janeiro, a cerimônia de premiação da quinta edição do concurso guardou muitas surpresas e emoções. Produtores de diferentes regiões do Estado estiveram presentes para acompanhar o resultado.

O Rio de Janeiro tem tradição na produção de cafés, mas em 2016 começou a realizar um trabalho focado na qualidade dos grãos. Com a organização da Associação dos Cafeicultores do Estado do Rio de Janeiro (ARCARJ), incentivo do Sebrae Rio e da Emater-Rio, são realizados diversos projetos de assistência aos produtores nas regiões Noroeste, Serrana e Vale do Café.

Dentre as iniciativas criaram o Concurso de Cafés Especiais do Rio de Janeiro, que também tem o apoio da BSCA (Associação Brasileira de Cafés Especiais), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; da Secretaria de Estado de Agricultura; e da COOPERCANOL (Cooperativa de Produtores de Café do Noroeste Fluminense).

Resultado de 2021

Com a juíza principal Cecília Sanada, consultora e provadora de cafés, e mais oito classificadores de diferentes regiões, o concurso de 2021 teve a participação de 30 cafés, nas categorias via úmida (cereja descascado) e via seca (natural).

De acordo com Cecilia, os cafés “surpreenderam pois apresentaram muita qualidade. O que percebemos nas avaliações foram notas cítricas, florais, frutas tropicais e secas, corpo aveludado e doçura acentuada, além de finalização prolongada, nuances que são apreciadas por muitos compradores e acredito que os cafés têm muito potencial. Foquem na qualidade”.

Moacir Carvalho Filho, presidente da Ascarj: “Depois que o produtor é reconhecido, vai procurar cada vez mais melhorar o seu café e envolver a família. No Rio de Janeiro, 80% dos produtores do estado são de agricultura familiar e isso dá auto-estima e a vontade de vencer. Isso é o grande projeto com vários parceiros que torna estruturante e incentiva o produtor a investir no café”.

A apresentação dos resultados foi feita por Vanúsia Nogueira, diretora-executiva da BSCA. A associação conduziu as avaliações técnicas do concurso e que também apoiou ao leilão, com a participação de diversas cafeterias e torrefações. A futura diretora da Organização Internacional do Café (OIC), emocionou-se ao anunciar o grande momento histórico da tarde, o café de 90,50 pontos do produtor Estanislau Kostka da Silva e sua família, produtores no Sítio Duas Barras, no Noroeste Fluminense. “Um café produzido a 730 metros, na cidade de Bom Jesus de Itabapoana, que alcançou a pontuação ‘ninety plus’. É muita dedicação, trabalho e tecnologia envolvidos”.

A marca alcançada pelo café levou ao lance de R$ 9.450 pela saca comprada por duas torrefações brasileiras: Five Roasters e Café do Especialista, que irão torrar esse café no próprio Rio de Janeiro e em Varginha (MG).

A premiação reconheceu ainda os nove melhores cafés – quatro da categoria via seca e cinco da categoria via úmida. Abaixo segue a classificação e resultado do leilão:

Categoria via seca

Estanislau Kostka José da Silva, do Sítio Duas Barras, em Bom Jesus de Itabapoana, Noroeste Fluminense, vencedor da categoria via seca

1° lugar – Estanislau Kostka José da Silva, do Sítio Duas Barras (Bom Jesus de Itabapoana – Noroeste Fluminense). Variedade: catucaí 785/15. Pontuação: 90,50. Compradores: Café do Especialista e Five Roasters. Valor da saca: R$ 9.450

2° lugar – José Eugênio Erthal, da Fazenda Goiabal e Café Monthal (Bom Jardim – Serrana). Variedade: catuaí vermelho e amarelo. Pontuação: 87,88. Comprador: 3Corações. Valor da saca: R$ 5.500

3° lugar – Geraldo Zanirate Neles, da Fazenda São Mamede (Porciúncula – Noroeste). Variedade: catuaí 44. Pontuação: 87,00. Comprador: Cofice. Valor da saca: R$ 5.700

4° lugar – Cristiane de Fátima Freitas Aguiar Menezes, do Sítio Arataca (Varre-Sai – Noroeste). Variedade: catuaí amarelo. Pontuação: 85,75. Comprador: Cofice. Valor da Saca: R$ 4.300

Categoria via úmida

Produtores do Sítio Vai e Volta, de Varre-Sai, Noroeste Fluminense, que conquistaram as três primeiras colocações na categoria via úmida

1° lugar – Fidelis Rodolphi, do Sítio Vai e Volta (Varre-Sai – Noroeste Fluminense). Variedade: Japi. Pontuação: 88,00. Compradores: Café do Especialista e Five Roasters. Valor da saca: R$ 9.000

2° lugar – Alyne Rodolphi, do Sítio Vai e Volta (Varre-Sai – Noroeste Fluminense). Variedade: catucaí 785/15. Pontuação: 87,13. Compradores: Café Capital. Valor da saca: R$ 5.500

3° lugar – Maria Auxiliadora Rodolphi, do Sítio Vai e Volta (Varre-Sai – Noroeste Fluminense). Variedade: palma 2. Pontuação: 85,63. Comprador: 3Corações. Valor da saca: R$ 3.900

4° lugar – Maria Adriana Erthal, da Fazendinha Bela Vista 2 (Bom Jardim – Serrana). Variedade: rubi. Comprador: Café Capital. Valor da Saca: R$ 4.200

5° lugar – Everardo Tardin Erthal, da Fazendinha Bela Vista 1 (Bom Jardim – Serrana). Variedade: japi. Comprador: 3Corações. Valor da Saca: R$ 4.000

Marcelo Costa, presidente da Emater-Rio: “temos como prioridade a cafeicultura familiar e quero parabenizar a todos pelo trabalho e estamos trabalhando há mais de um ano em critérios para um selo de sustentabilidade para café e contamos com o apoio de muitas instituições e venho agradecer a todas as regiões representadas e trabalhando com a mesma finalidade e com a qualidade do café”

Sergio Malta, diretor de desenvolvimento do Sebrae Rio: “quero parabenizar todos os cafeicultores que participaram e aos técnicos do Governo do Estado que vêm fazendo um trabalho enorme em qualificar a cafeicultura fluminense e expresso o prazer do Sebrae em participar desse projeto”

Durante a cerimônia o Secretário de Agricultura do Rio de Janeiro, Marcelo Queiroz, juntamente com Jair Bittencourt, deputado da Alerj, ressaltou como “o café é grande exemplo para outras cadeias com associações propositivas, eventos cheios e sempre muito animadores. Quero ressaltar também o trabalho da Emater e o papel social que realizam. Também aproveito para anunciar o selo de cafés do Rio de Janeiro que teve o apoio de várias instituições como Sebrae, Emater, Associações”. O selo foi apresentado durante a cerimônia e será usado por cafeicultores do estado para representar a produção das regiões fluminenses.

O 5° Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro teve a transmissão ao vivo realizada pelo Instagram da Revista Espresso (a gravação está disponível).

TEXTO Mariana Proença • FOTO André Telles/Divulgação/Sebrae Rio

Cafezal

29º episódio da websérie da BSCA aborda a sustentabilidade na cafeicultura

Na quarta-feira (8) acontece o lançamento do 29º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre a importância da sustentabilidade na cafeicultura mundial, a redução de impactos no meio ambiente, a responsabilidade social e a mudança de hábitos dos consumidores, que estão cada vez mais atentos às origens dos produtos.

Para falar sobre o assunto, foram convidados: Thais Staut, da Qualicafex Specialty Coffee; Fabrício Andrade, da Sancoffee/Fazenda Samambaia; Henrique Cambraia, da Fazenda Samambaia/Cambraia Cafés; Felipe Mesquita, da SMC Specialty Coffees; Ubion Terra, da O’Coffee; Henrique Sloper, da Camocim Organic; Vanusia Nogueira, diretora-executiva da BSCA; Carmem Lucia Chaves de Brito, das Fazendas Caxambu e Aracaçu; Reymar Coutinho, da Pinhalense; Silvio Leite, da Silvio Leite Café;

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Vitor Barão

Cafezal

5º Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro promove os melhores da região

Com o objetivo de dar visibilidade às regiões cafeicultoras no estado do Rio de Janeiro e incentivar a adesão dos produtores à produção de cafés de qualidade, a Associação dos Cafeicultores do Estado do Rio de Janeiro (ASCARJ ), em parceria com o Sebrae Rio, a Secretaria de Estado de Agricultura (Seappa), a Emater-Rio e a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA ), promove o 5° Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro.

Nesta terça-feira, dia 7 de dezembro, será realizado o leilão e o anúncio dos vencedores em cerimônia de premiação no Palácio Guanabara, a partir das 13h. Torrefadores, donos de cafeterias, baristas e especialistas em café estão convidados a participar. Para se inscrever é necessário preencher gratuitamente o formulário com dados pessoais.

A Espresso estará transmitindo ao vivo o evento pelo Instagram para quem não puder estar presencialmente. Serão leiloados lotes de cafés especiais de produtores em duas categorias: Úmida e Via Natural. Haverá premiação para os melhores cafés e também degustações.

O concurso conta com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Secretaria de Estado de Agricultura e da Cooperativa de Produtores de Café do Noroeste Fluminense (COOPERCANOL).

Mais informações: www.instagram.com/ascarj.oficial

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Selos Brasileiros de Indicações Geográficas são apresentados em evento on-line

Nos dias 8 e 9 de dezembro acontece o IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas, com transmissão 100% on-line e inscrições gratuitas. Com realização do Sebrae, Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Organização Mundial da Propriedade Industrial (OMPI), o encontro contará com o lançamento oficial dos Selos Brasileiros de Indicações Geográficas, que foram instituídos por meio da Portaria nº 46/2021 do INPI e entrou em vigor em 1º de novembro. Para participar basta se inscrever aqui.

Cerca de 150 mil produtores brasileiros, que integram as 88 IGs atualmente reconhecidas no país, ganharam uma identidade única que facilita a identificação pelos consumidores e pelo público em geral dos produtos e serviços brasileiros com alta qualidade. Os selos também contribuem para a promoção e valorização dos pequenos negócios que são maioria entre as Indicações Geográficas. Em 2021, o Brasil bateu recorde de concessões de IGs, com mais 13 novos reconhecimentos pelo INPI, órgão responsável pela análise dos pedidos.

A analista de inovação do Sebrae, Hulda Giesbrecht, explica que desde a publicação da portaria do INPI, muitos produtores vinculados às IGs já modificaram seus rótulos e outros foram motivados a aderir ao controle da IG e utilizar os novos selos.

“Sabemos que leva um tempo para que os produtores das IGs possam adequar os seus rótulos e aplicar o selo nacional, que é de uso gratuito e facultativo, mas durante o evento vamos contar com a participação de produtores de algumas Indicações Geográficas que já estão utilizando a identificação e vão contar suas expectativas com essa iniciativa”, explicou Hulda. Entre as 12 IGs confirmadas estão: o café da Região do Cerrado Mineiro, o queijo da Canastra, o mel do Oeste do Paraná, as joias em prata de Pirenópolis, os vinhos de altitude de Santa Catarina.

A programação do IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas também inclui a realização de painéis ao longo dos dois dias, com participação de especialistas nacionais e internacionais. No primeiro dia, o painel “Indicações Geográficas no Brasil e no Mundo” traz a discussão do cenário brasileiro e mundial, além de temas como propósito e visão do futuro da Associação Brasileira das Indicações Geográficas (Abrig), que foi recentemente criada, e apresentação do tour virtual na Denominação se Origem Protegida Asiago, da região do Vêneto, no nordeste da Itália.

No mesmo dia também acontece o painel “Promoção das IGs junto ao mercado”, com participação de IGs como das balas de banana de Antonina no Paraná, entre outros. Já o “UP Day Indicação Geográfica” será uma mentoria virtual pocket com a participação do público on-line e representantes de produtores de IGs do café, cacau e bordado, que apresentarão seus desafios e tirarão dúvidas com um consultor sobre como ampliar o envolvimento da região e ter sucesso no mercado.

“Será um momento para que os empresários apresentem problemas reais que serão analisados por um consultor e discutidos ao vivo para busca de soluções rápidas para as dores do negócio”, comentou a analista de Inovação do Sebrae.

O segundo dia começa com o painel “Experiências com Selos Nacionais de IGs”, com a presença de produtores da Argentina, Chile, França e Índia para compartilhar aprendizados com seus selos nacionais. Ao longo do dia também acontecem o painel “Marca Coletiva para o Desenvolvimento Econômico Local”, com representantes do Brasil, Filipinas e Tunísia. O painel “Tecnologias de controle e garantia dos produtos das IGs” contará com a participação de produtores do cacau do Sul da Bahia, vinhos da Campanha Gaúcha e especialistas na área.

O evento também proporcionará ao público a oportunidade de conhecer mais sobre as principais Indicações Geográficas e Marcas Coletivas brasileiras durante oficinas virtuais de degustação, com apresentação de vinhos, café e queijo.

A abertura institucional do encontro será realizada na sede do Sebrae Nacional em Brasília, com transmissão ao vivo pela internet, com as presenças da diretoria do Sebrae, representada por seu presidente, Carlos Melles; do secretário Especial Adjunto de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Bruno Portela; da ministra do MAPA, Tereza Cristina; da representante da OMPI, Alexandra Grazioli e do presidente do INPI, Cláudio Furtado.

Serviço
IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas
Quando: 8 e 9 de dezembro
Transmissão gratuita
Inscrições e mais informações:
https://www.eventoigs.com.br/

TEXTO Redação

Cafezal

Entenda a importância do pós-colheita do café no 28º episódio da websérie da BSCA

Na quarta-feira (1º) acontece o lançamento do 28º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre a importância dos cuidados no processo de pós-colheita do café para a obtenção de uma xícara de qualidade. Para falar sobre o assunto, foram convidados Luiz Paulo Pereira, da CarmoCoffees/Fazenda Santuário Sul; Gabriel Nunes, da Nunes Coffee; Cristiano Junior de Souza, da Klem Company; Luiz Saldanha Rodrigues, da Capricornio Coffees; e Reymar Coutinho, da Pinhalense.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Café especial é tema de palestra em evento realizado em Campinas (SP)

Entre os dias 1 e 2 de dezembro acontece o Top Farmers – Desenvolvendo Competências para o Campo, no Royal Palm Hall, em Campinas (SP). O evento é tradicional entre os grandes produtores rurais de café, soja, milho e algodão, e tem a proposta de compartilhar conhecimentos técnicos e de mercado. Este ano, será realizado de maneira híbrida, podendo ser assistido pessoalmente ou através de transmissão pela internet.

No segundo dia, a vice-presidente da Café Labareda, Flávia Lancha Alves de Oliveira, fará uma palestra com o tema “Café: da commodity ao especial”. Em 2001, a Café Labareda começou a pesquisar sobre os cafés especiais, como conseguiriam atingir as exigências internacionais da produção desse tipo de produto e, em 2005, a empresa fundou a Associação de Cafés Especiais da Alta Mogiana. “Sou muito orgulhosa em fazer parte dessa transformação, que começou dentro da nossa empresa e depois conseguimos levar para toda a região. Hoje fico muito feliz em ver como a região tornou-se reconhecida pela produção de cafés especiais”, explica Flávia.

A empresária explica que a região da Alta Mogiana tem clima e altitude favoráveis à produção de um café privilegiado. “Porém, o manejo pós-colheita, que foi sendo aprimorado ao longo dos anos, passaram a valorizar ainda mais o produto”, salienta. O arábica produzido na Alta Mogiana tem características marcantes específicas, com sabor de chocolate e frutado.

Flávia confirma que 2021 foi ano desafiador para os produtores de café da Alta Mogiana, devido à seca e geadas muito acentuadas. “Mesmo que 2022  seja um ano de safra alta de café no Brasil, a expectativa é de uma queda de 30% decorrente desses fatores climáticos adversos”.

Porém, a trajetória dos cafés especiais tem sido positiva ao longo dos anos. Em 2020, por exemplo, o valor da saca de café commodity era de US$ 123 e a do especial era US$ 167. “A demanda está crescendo e com valor expressivo. Apesar dos desafios, o crescimento do mercado de cafés especiais é de cerca de 20% ao ano”, afirma Flávia.

Dentre os temas que serão debatidos no evento, estão as previsões para o agro 2030, custos operacionais, exportação e importação para 2022, além da governança ambiental, social e corporativa.

Mais informações: https://gpoconecta.com.br/top-farmers/

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Diversidade no cultivo: 27º episódio da websérie da BSCA aborda a criação das variedades de café

Na quarta-feira (24) acontece o lançamento do 27º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre a diversidade de variedades de café no Brasil e como ocorrem os melhoramentos genéticos nos institutos de pesquisa, a fim de se obter cultivares resistentes às doenças e às mudanças climáticas, com maior produtividade, qualidade de bebida, características diferenciadas na xícara, etc.

Para abordar o assunto, foram convidados pesquisadores de diferentes órgãos importantes: Gladyston Carvalho, da Epamig; Julio Mistro, do IAC; Aymbiré Francisco Almeida da Fonseca, do Incaper; Gustavo Hiroshi Sera, do IDR-Paraná; e Saulo Roque de Almeida, José Edgard Pinto Paiva e Lucas Bartelega, da Fundação Procafé.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Conheça os 40 produtores finalistas do 31º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade do Café

A illycaffè selecionou os 40 cafeicultores finalistas do 31º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café para Espresso. A Experimental Agrícola do Brasil, braço da illycaffè no país, analisou 754 amostras enviadas das principais regiões produtoras de café arábica da safra 2021/2022, por meio da Comissão Julgadora da premiação, composta por especialistas seniors em espresso da illycaffè.

Maior produtor nacional, Minas Gerais dominou a lista como estado de origem de 38 dos 40 finalistas. Eles são provenientes das quatro regiões cafeeiras mineiras: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Matas de Minas e Chapada de Minas. Entre os dois restantes da relação está um paulista, representando São Paulo, e uma produtora de Goiás, representando a região Centro-Oeste.

“A cada ano que passa, a disputa fica mais acirrada. Já virou hábito dizer que a seleção dos 40 finalistas é muito difícil, pois os cafeicultores estão se aprimorando cada vez mais na produção de cafés de qualidade. Para a escolha das primeiras colocadas, a Comissão Julgadora teve que ir nos detalhes. Foram cafés muito aromáticos, doces e cada um com sua personalidade. Ficamos felizes com o resultado, depois de um ano tão complicado para todos”, avalia o Dr. Aldir Teixeira, Presidente da Comissão Julgadora.

Os seis melhores cafés do País serão revelados na cerimônia de premiação, prevista para o segundo trimestre de 2022. Os três primeiros ganharão viagem ao exterior para participar do 7º Prêmio Ernesto Illy Internacional, evento em que será revelada a ordem de classificação entre eles (primeiro, segundo e terceiro colocados).

Na cerimônia do 31° Prêmio Ernesto Illy também serão conhecidos os melhores classificadores segundo o Prêmio Classificador do Ano e os premiados das categorias regionais. Para esta premiação, a illycaffè divide o mapa do país em 10 regiões: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Chapada de Minas, Matas de Minas, Espírito Santo, Norte/Nordeste, Rio de Janeiro, São Paulo, Sul e Centro-Oeste.

Veja a lista de finalistas nacionais (a ordem alfabética não revela qualquer colocação):

TEXTO Redação