Café & PreparosCafezal

Inscreva sua amostra no concurso Coffee of The Year 2021!

Estão abertas oficialmente as inscrições para o Coffee of The Year 2021, concurso que tem como objetivo reunir os melhores cafés do Brasil e eleger os grandes destaques do ano, com incentivo ao desenvolvimento e ao aprimoramento da produção nacional e à divulgação de novas origens do café.

Assim como no ano passado, a edição também contará com quatro categorias: as tradicionais (arábica e canéfora) e as menções honrosas para fermentação induzida arábica e para fermentação induzida canéfora.

A novidade de 2021 é que, com o anúncio divulgado na última segunda-feira (9) pela Semana Internacional do Café, de que o evento acontecerá de forma presencial e digital entre os dias 10 e 12 de novembro, em Belo Horizonte (MG), os participantes da feira terão a oportunidade de votar em seu café favorito dentre as amostras finalistas (10 arábicas, 10 canéforas, 3 fermentação arábica e 3 fermentação canéfora).

“Em 2021 temos um novo desafio que é retomar a etapa do público provando os cafés no Expominas, em Belo Horizonte. Acreditamos que essa troca entre os visitantes da SIC e também essa referência de sabores da safra é extremamente importante como aprendizado para os produtores”, comenta Mariana Proença, diretora de conteúdo da Café Editora, uma das realizadoras do evento.

Como participar?

As inscrições para o Coffee of The Year 2021 ficarão abertas até o dia 1º de outubro. Para participar, é necessário se registrar no Sympla e pagar uma taxa de R$ 150. O comprovante será encaminhado para o e-mail inscrito. Na sequência, deve-se preencher uma ficha on-line da amostra, que será recebida através do e-mail, imprimi-la e anexá-la à amostra de 5 kg de café.

As torras e provas das amostras serão realizadas pelo IFSULDEMINAS, sob a coordenação do Professor Leandro Paiva. A Cropster, ferramenta de gestão de provas, é apoiadora do concurso. Diferentemente de 2020, não haverá núcleos parceiros de degustação espalhados pelo País.

Os cafés inscritos

Serão aceitos cafés que no pós-colheita são levados aos processos:

– via seca (fruto seco com todas as suas partes constituintes, resultando nos cafés em coco/café natural);
– via úmida (cafés secos após a retirada da casca do fruto, podendo ainda, haver ou não, a retirada da mucilagem por fermentação natural ou com uso de desmuciladores mecânicos);
 fermentações induzidas ou controladas, onde os frutos – na sua forma natural ou descascados ou desmucilados ou despolpados – são induzidos de forma deliberada no intuito de promover fermentações (igual ou superiores a 10 horas contínuas ou intermitentes) aeróbicas ou anaeróbicas, com ou sem adição de componentes exógenos.

Mais informações: www.semanainternacionaldocafe.com.br/coffee-of-the-year

TEXTO Redação • FOTO Marcus Desimoni / NITRO

Cafezal

Modernização da cafeicultura: BSCA aborda o tema em 12º episódio de websérie

Na quarta-feira (11) acontece o lançamento do 12º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo da vez aborda a aplicação de novas tecnologias no campo. Para falar sobre o assunto, foram convidados: Luiz Saldanha Rodrigues, da Capricornio Coffees; José Francisco Pereira, da Cia Agropecuária Monte Alegre; e Reymar Coutinho, da Pinhalense.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados todas as quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Livro apresenta a cafeicultura na Serra da Mantiqueira através de fotos

O fotógrafo Ricardo Martins realizou uma expedição de 45 dias em que registrou as colheitas dos cafezais da Serra da Mantiqueira, os cafeicultores locais, a fauna e a flora locais. Os cliques trazem o olhar artístico e cultural da região, no Sul de Minas, responsável pela produção de grande parte dos cafés brasileiros.

Chamado de Cafés da Mantiqueira, o livro de 204 páginas também conta a história da região e as narrativas de agricultores que vivem daquela terra. Se interessou? A obra está disponível por R$ 60 no site.

Mais informações: ricardomartins.org 

TEXTO Redação • FOTO Ricardo Martins

Cafezal

Inscrições abertas para o Cup of Excellence 2021

Estão abertas as inscrições para o Cup of Excellence 2021, concurso realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Alliance for Coffee Excellence (ACE) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Os produtores nacionais de café arábica podem se inscrever no site e enviar suas amostras, produzidas na safra atual, até 8 de setembro, para “Cup of Excellence 2021”, Rua Gaspar Batista Paiva, 416, bairro Santa Luiza, Varginha (MG) – CEP: 37026-680.

Os lotes inscritos serão avaliados quanto a tipo, cor, aspecto, umidade, atividade de água, defeitos e qualidade de bebida na pré-seleção. Os que obtiverem nota média igual ou superior a 86 pontos, respeitado o limite dos 100 primeiros colocados, serão encaminhados para a comissão julgadora nacional, que reavaliará esses cafés. As amostras que voltarem a obter 86 pontos ou mais, observando o limite das 40 melhores selecionadas, serão classificadas para a fase internacional da competição, quando juízes do exterior definirão os 30 campeões do Cup of Excellence 2021, que serão aquelas que alcançarem nota igual ou superior a 87 pontos e ganharão o direito de serem comercializados em disputado leilão internacional, via internet.

Para esta edição, a organização traz novidades ao ampliar as possibilidades de comercialização dos lotes de cafés que se classificarem para a fase nacional da competição. “Além dos melhores cafés que passarem para a fase internacional, as 40 amostras seguintes na classificação, desde que tenham obtido nota também superior a 86 pontos, serão denominadas semifinalistas da fase nacional e irão para venda em um marketplace desenvolvido pela empresa MCultivo, durante 45 dias, pelo valor máximo de US$ 4,20 por libra-peso. Assim, o concurso deste ano abre a oportunidade para a comercialização de 80 cafés: 30 campeões, 10 National Winners, que são os lotes que não forem vencedores na fase internacional, e esses 40 semifinalistas”, explica Vanusia Nogueira, diretora da BSCA.

Essa nova possibilidade de comercialização é um projeto piloto da organização desenvolvido em parceria com o Brasil, que poderá ser implantada nas competições futuras dos demais países que leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Diretora da Rainforest Alliance Brasil discute sustentabilidade e certificações na cadeia cafeeira

Na quinta-feira (29), a Espresso convida Mariana Barbosa, diretora da Rainforest Alliance no Brasil, para debater sobre dois temas importantes e atuais: a sustentabilidade e as certificações na cadeia cafeeira. A apresentação ficará por conta da diretora de conteúdo da Café Editora, Mariana Proença.

Marcada para acontecer às 18h no Instagram da Revista Espresso, a live abordará o trabalho da Rainforest Alliance no País e no mundo, a importância e o impacto das certificações para o cafeicultor, o valor agregado ao café certificado, a necessidade da área de preservação ambiental no cultivo, o investimento na sustentabilidade e os cuidados indicados quanto às geadas.

A diretora também contará sobre a nova certificação contextualizada para cada região e cultivo, com novos critérios específicos em relação aos riscos e operações, e os reconhecimentos e premiações aos produtores que possuem cultivo sustentável.

Não perca!

Serviço
Live – Rainforest Alliance Brasil
Quando: 29 de julho
Horário: 18h
Onde: www.instagram.com/revistaespresso

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Cafezais são atingidos por geadas e produção do grão é impactada

A semana começou com dificuldades para os produtores de café. Na madrugada da última terça-feira (20), uma forte onda de ar frio tomou conta de diversas regiões produtoras do grão nos estados de Minas Gerais e São Paulo, queimando cafezais e afetando potencialmente tanto a safra 2021/2022, que ainda está sendo colhida, como também a próxima, 2022/2023.

“Nós temos uma noção do número de hectares atingidos e a porcentagem da área total de nossa propriedade, mas ainda não sabemos quantificar as perdas”, conta João Moraes, da Fazenda Santana. O cafeicultor teve sua lavoura de Santo Antônio do Jardim (SP) atingida duas vezes por geadas este mês. “Meu pai adquiriu a propriedade em 1994, um ano de geada forte na região de Pinhal. Consideramos que a geada do dia 20 pode ter sido tão forte quanto a de 1994, porém com impacto ainda maior”. Ele acredita que, dos 87 hectares plantados com variedades de cafés bourbon, catuaí amarelo, catucaí amarelo, mundo novo e icatu vermelho, cerca de 35 a 40 foram impactos negativamente pelo fenômeno.

Foto: João Moraes

Em Minas Gerais, estado que mais produz café no Brasil, o município de Ilicínea também sofreu com as geadas da última terça-feira. A produtora Simone Dutra, da Fazenda Bandeira Branca, relatou que a parte baixa de sua lavoura foi a mais impactada. “Tem produtor aqui perto que foi muito atingido. Nós sabemos os custos, o quanto é difícil a vida no campo, e com os fenômenos da natureza fica ainda mais complicado. Ano passado a seca judiou tanto que não deu café direito. Agora, a geada foi muito brava”, comenta.

O cafezal administrado por Simone e sua irmã Kátia conta com 19 mil pés das variedades bourbon, mundo novo, catucaí amarelo e catuaí amarelo. Deste total, aproximadamente mil será perdido. “Eu acredito que pelo menos mil não vai ter como. Os outros foram mais na parte de cima, do capote, e talvez ainda dê para salvar. É muito triste. Eu tenho 34 anos e nunca tinha visto uma geada tão forte quanto essa”, destaca a produtora.

Ainda em Ilicínea, a lavoura de café mundo novo da produtora Regina Alves também sofre com as consequências da massa de ar polar. A expectativa era de colher de 80 a 100 sacas do grão no cafezal de 1 hectare, mas a realidade agora é outra. “A lavoura estava bem cuidada. Fizemos o tratamento baseado em orientações de agrônomos os quais temos leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto

Cafezal

Saiba mais sobre a etapa de secagem do café no 9º episódio da websérie da BSCA

Nesta quarta-feira (21) acontece o lançamento do nono episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo da vez aborda a etapa da secagem do café e a sua importância para o resultado final na xícara. Quem fala sobre o assunto é Adolfo Henrique Vieira Ferreira, proprietário da Fazenda Passeio, que destaca, também, as diferenças entre os terreiros que podem ser utilizados no processo.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados todas as quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Felipe Gombossy

Cafezal

Arábica x canéfora: Diferenças entre espécies de café são debatidas em websérie da BSCA

Nesta quarta-feira (14) acontece o lançamento do oitavo episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo da vez aborda as diferenças entre as espécies de café cultivadas no Brasil e mais consumidas no mundo: arábica x canéfora. Para falar sobre o cultivo, resistência a doenças, volume de produção e diferenças na xícara, foram convidados os especialistas Guy Carvalho, engenheiro agrônomo e consultor técnico, e Enrique Alves, pesquisador da Embrapa-RO.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados todas as quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Associação Brasileira de Cafés Especiais confirma Cup of Excellence 2021

A Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) divulgou ontem (12) a edição do Cup of Excellence 2021. O concurso mundial é realizado no Brasil em parceria com a Alliance for Coffee Excellence (ACE) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Os produtores podem enviar as amostras de café arábica até 8 de setembro, para sede da BSCA em Varginha (MG), que fica na Rua Gaspar Batista Paiva, 416 – Santa Luiza. CEP: 37026-680.

Através de sorteio, o júri nacional será composto por juízes BSCA e jurados nacionais da edição 2020, de acordo com suas disponibilidades, buscando envolver, o máximo possível, as diversas origens produtoras do Brasil.

Seguindo rigorosamente os protocolos sanitários, a Fase Internacional da competição não será presencial. Assim como no concurso do ano passado, as amostras classificadas na Fase Nacional serão enviadas pela BSCA a grupos de especialistas de importantes países compradores, que farão a análise final, definindo os campeões.

A BSCA disponibilizará mais informações sobre prazos, cerimônia e o regulamento completo do Cup of Excellence 2021 em breve.

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Plataforma digital busca melhorar acesso dos cafeicultores de Honduras ao mercado global

Sustentável sem fins lucrativos, a Heifer International fez uma parceria com a International Business Machines (IBM) para lançar a IBM Watson Decision Platform for Agriculture digital. A plataforma visa melhorar o acesso dos produtores de café e cacau de Honduras aos dados do mercado global, aumentando a velocidade das transações e melhorando a tomada de decisões em nível de fazenda. A novidade usará a tecnologia blockchain Food Trust da IBM, aumentando a transparência da cadeia de suprimentos.

Jesús Pizarro, vice-presidente de Inovação Financeira da Heifer International, afirmou: “Por 18 meses trabalhamos junto aos agricultores para identificar as melhores maneiras de melhorar os processos de produção, digitalizar a cadeia de valor e, por fim, abrir o acesso ao mercado para os pequenos agricultores para que eles possam garantir preços premium”.

A tecnologia blockchain da IBM permitirá que os compradores de café que estão comprando café da cooperativa COPRANIL, em Honduras, e cacau da Chocolate Halba entendam melhor a cadeia de suprimentos do produto e por que os produtos são vendidos a um determinado preço. A Chocolate Halba obtém seu cacau de agricultores que também fazem parte da iniciativa Chocolate4All de Honduras da Heifer International.

“Como uma das primeiras cooperativas do mundo a implantar o sistema, a COPRANIL está liderando o caminho, equipando seus agricultores com as ferramentas e a tecnologia de que precisam para construir e sustentar negócios agrícolas lucrativos”, disse Pizarro.

Essa tecnologia também permite que os compradores rastreiem os grãos de café e cacau desde a fazenda até o ponto de venda. Isso não apenas melhora o acesso ao mercado para produtores e leia mais…

TEXTO As informações são do Global Coffee News / Tradução Juliana Santin