Receitas

Casadinhos de doce de leite

Ingredientes

– 125 g de farinha de trigo
– 75 g de manteiga sem sal
– 50 g de açúcar refinado
– 150 g de doce de leite
– 1 gema
– 1 g de fermento em pó
– 1 g de café em pó solúvel (opcional)
– Um pouco de água quente

Preparo

Em uma tigela, misture o açúcar, a farinha, a manteiga e o fermento até obter uma textura de farofa. Adicione a gema e o café em pó diluído em 1 colher (sopa) de água quente. Misture o suficiente até dar liga aos ingredientes, sem sovar a massa. Embale a massa em filme plástico e deixe-a descansar por 5 minutos na geladeira. Feito isso, abra a massa com um rolo na espessura desejada e corte-a com cortadores para bolachas no formato que preferir. Asse em forno médio e preaquecido (180 oC) até as bordas das bolachas começarem a dourar. Deixe-as esfriar e faça “sanduíches” de duas bolachas com o doce de leite. 

Obs: caso queira, é possível decorar as bolachas, polvilhando um pouco de açúcar impalpável (vendido em lojas de produtos para confeitaria) ou banhando-as em chocolate derretido.

Rende cerca de 20 bolachas de tamanho médio

FOTO Daniel Ozana/Studio Oz • RECEITA Fernanda Ribeiro 

Mercado

Holanda começa a vender cafés da marca colombiana Juan Valdez

A Juan Valdez anuncia sua entrada na Holanda como resultado do trabalho conjunto com a Embaixada da Colômbia em Amsterdã e a Federação Colombiana de Cafeicultores. A marca colombiana estará presente em uma das principais redes de supermercados do território.

“Capitalizar as oportunidades de expansão de nosso café 100% colombiano premium tem sido uma prioridade para nós como empresa”, explicou Sebastián Mejía, vice-presidente internacional da Procafecol, empresa controladora da Juan Valdez.

Ele reforça que conseguiram entrar no mercado holandês com aliados importantes, como a ProColombia, a Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia, a Embaixada da Colômbia em Amesterdã.

“A entrada da marca ajudará a seguir o posicionamento da Colômbia como o principal produtor mundial de cafés suaves e especiais, que se destacam pela origem e qualidade premium”, afirma a presidente da ProColombia, Flávia Santoro.

O mercado europeu de café tem crescido continuamente nos últimos anos, representando 26% do consumo da bebida no mundo. Além disso, durante 2020, o consumo per capita de café na Holanda atingiu 8,3 quilos. Isso representou uma oportunidade única para a empresa, que busca entrar neste novo mercado e oferecer a experiências e variedades de cafés nacionais.

TEXTO  As informações são do Global Coffee Report / Tradução Juliana Santin • FOTO Mauro Lima

Cafezal

Diversidade no cultivo: 27º episódio da websérie da BSCA aborda a criação das variedades de café

Na quarta-feira (24) acontece o lançamento do 27º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz informações sobre a diversidade de variedades de café no Brasil e como ocorrem os melhoramentos genéticos nos institutos de pesquisa, a fim de se obter cultivares resistentes às doenças e às mudanças climáticas, com maior produtividade, qualidade de bebida, características diferenciadas na xícara, etc.

Para abordar o assunto, foram convidados pesquisadores de diferentes órgãos importantes: Gladyston Carvalho, da Epamig; Julio Mistro, do IAC; Aymbiré Francisco Almeida da Fonseca, do Incaper; Gustavo Hiroshi Sera, do IDR-Paraná; e Saulo Roque de Almeida, José Edgard Pinto Paiva e Lucas Bartelega, da Fundação Procafé.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados às quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Cafezal

Conheça os 40 produtores finalistas do 31º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade do Café

A illycaffè selecionou os 40 cafeicultores finalistas do 31º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café para Espresso. A Experimental Agrícola do Brasil, braço da illycaffè no país, analisou 754 amostras enviadas das principais regiões produtoras de café arábica da safra 2021/2022, por meio da Comissão Julgadora da premiação, composta por especialistas seniors em espresso da illycaffè.

Maior produtor nacional, Minas Gerais dominou a lista como estado de origem de 38 dos 40 finalistas. Eles são provenientes das quatro regiões cafeeiras mineiras: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Matas de Minas e Chapada de Minas. Entre os dois restantes da relação está um paulista, representando São Paulo, e uma produtora de Goiás, representando a região Centro-Oeste.

“A cada ano que passa, a disputa fica mais acirrada. Já virou hábito dizer que a seleção dos 40 finalistas é muito difícil, pois os cafeicultores estão se aprimorando cada vez mais na produção de cafés de qualidade. Para a escolha das primeiras colocadas, a Comissão Julgadora teve que ir nos detalhes. Foram cafés muito aromáticos, doces e cada um com sua personalidade. Ficamos felizes com o resultado, depois de um ano tão complicado para todos”, avalia o Dr. Aldir Teixeira, Presidente da Comissão Julgadora.

Os seis melhores cafés do País serão revelados na cerimônia de premiação, prevista para o segundo trimestre de 2022. Os três primeiros ganharão viagem ao exterior para participar do 7º Prêmio Ernesto Illy Internacional, evento em que será revelada a ordem de classificação entre eles (primeiro, segundo e terceiro colocados).

Na cerimônia do 31° Prêmio Ernesto Illy também serão conhecidos os melhores classificadores segundo o Prêmio Classificador do Ano e os premiados das categorias regionais. Para esta premiação, a illycaffè divide o mapa do país em 10 regiões: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Chapada de Minas, Matas de Minas, Espírito Santo, Norte/Nordeste, Rio de Janeiro, São Paulo, Sul e Centro-Oeste.

Veja a lista de finalistas nacionais (a ordem alfabética não revela qualquer colocação):

TEXTO Redação

CafezalMercado

Pesquisa conclui que mudanças climáticas afetam a produtividade e a qualidade do café

Um novo estudo concluiu que as mudanças ambientais associadas às mudanças climáticas e à adaptação ao clima podem, de fato, afetar a qualidade do café. As descobertas têm implicações para os consumidores que preferem cafés de alta qualidade, fazendeiros e produtores que dependem tanto do volume quanto da qualidade para sua renda, e todos os outros envolvidos no processo do grão à xícara.

A equipe de pesquisadores por trás do estudo analisou cerca de 1.600 artigos científicos de revisão por pares publicados neste século, identificando 73 para uma revisão abrangente em torno da questão: quais são os efeitos dos fatores ambientais relacionados às mudanças climáticas e às condições de manejo ligadas à adaptação do clima sobre a qualidade do café com base em metabólitos secundários e atributos sensoriais?

Em termos leigos, isso pode ser: como as mudanças climáticas estão afetando a qualidade do café? Os pesquisadores descobriram duas tendências claras: 1) o sabor e o aroma do café melhoram quando o café é cultivado em altitudes mais elevadas; e 2) o aumento da exposição à luz está associado à diminuição dos atributos sensoriais.

Os pesquisadores também descobriram que a qualidade do café é afetada por mudanças na quantidade de água que a planta recebe, temperatura, níveis de dióxido de carbono e gestão de nutrientes no solo – todos os quais são potencialmente afetados pelas mudanças climáticas e adaptação.

“Um melhor entendimento da relação entre clima e qualidade do café está atrasado e será essencial para que a indústria de cafés especiais se adapte aos desafios que enfrentamos e prospere no futuro”, disse Peter Giuliano, diretor executivo da Coffee Science Foundation, um braço de pesquisa sem fins lucrativos da Specialty  Coffee Association (SCA). leia mais…

TEXTO As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin

Mercado

Entre janeiro e outubro de 2021, café brasileiro foi exportado para 119 países

Os dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), analisados pelo Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, destaca que, de janeiro a outubro de 2021, os cafés brasileiros foram exportados para 119 países, totalizando um volume físico equivalente a 33,27 milhões de sacas de 60 kg e receita cambial de US$ 4,81 bilhões.

Mesmo com números expressivos, o registro é de uma queda de 6,3% do volume vendido ao exterior. Em contrapartida, existe um acréscimo de 7% na arrecadação da receita no comparativo com o desempenho das exportações da cafeicultura nos mesmos dez primeiros meses do ano anterior.

Neste contexto, um ranking dos cinco maiores importadores dos Cafés do Brasil aponta que os Estados Unidos se mantêm tradicionalmente como principal país importador, por ter adquirido 6,46 milhões de sacas, volume praticamente similar às 6,48 milhões de sacas compradas nos dez primeiros meses do ano anterior. Com esse volume, as compras norte-americanas corresponderam a 19,4% do que foi exportado aos 119 países no período em tela.

Na sequência está a Alemanha, que importou 5,47 milhões de sacas dos Cafés do Brasil e teve seu volume de importação equivalente a 16,5% no período em destaque, apesar de registrar uma queda de 8,2% do número de sacas adquiridas na comparação com o mesmo período no ano passado. Na terceira colocação destaca-se a Itália, com a compra de 2,38 milhões de sacas, cujo volume físico representa uma queda de 7,7%. Bélgica, em quarto, com 2,27 milhões (-22,6%), e Japão, em quinto, com a aquisição de 2,074 milhões de sacas, volume que registrou um acréscimo expressivo de 12,5% na compra dos cafés brasileiros nos períodos comparados.

O café arábica foi o mais exportado nos dez primeiros meses de 2021, com a venda equivalente a 26,77 milhões de sacas, as quais corresponderam a 80,5% do total. Já o canéfora (robusta e conilon) teve 3,25 milhões de sacas embarcadas, o que representou 9,8% do total exportado no período, além dos segmentos do produto na forma de café solúvel, com 3,21 milhões de sacas (9,7%), e café torrado e torrado e moído, com 37.540 sacas (0,1%).

Exclusivamente no mês de outubro de 2021, o relatório do Cecafé ressalta que as exportações brasileiras totais de café atingiram 3,43 milhões de sacas de 60 kg, o que representou uma queda de 23,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. Contudo, com relação à receita cambial, essas exportações tiveram um crescimento de 11,3% na mesma comparação, saltando de US$ 564,7 milhões para US$ 628,5 milhões.

Vale destacar que dois países produtores de café também foram destinos importantes das exportações dos Cafés do Brasil, como é o caso da Colômbia, com a aquisição de 945,70 mil sacas entre janeiro e outubro de 2021, performance que representou substancial alta de 56,7% em relação às compras feitas no mesmo período anterior. O México aparece com a importação de 787,48 mil sacas, apesar de representar uma queda de 12,5%, na mesma base comparativa.

O relatório completo está disponível no site do Cecafé.

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Mercado

Nescafé Dolce Gusto lança opções de cápsulas veganas e sem lactose

A ZeroLac e a nova linha de cápsulas veganas da Nescafé Dolce Gusto buscam ampliar as possibilidades de consumo, contemplando consumidores intolerantes à lactose e também aqueles que buscam reduzir ou não consumir produtos de origem animal.

“Dados do Ministério da Saúde indicam que 70% dos brasileiros adultos sofrem de intolerância à lactose em algum grau e, em fevereiro de 2021, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) revelou uma pesquisa, encomendada à Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec), que mostra que um terço dos brasileiros busca opções veganas nos cardápios e estabelecimentos, indicando, assim, uma mudança de comportamento diante da alimentação”, conta Tiago Buischi, Gerente Executivo de Marketing de Nescafé Dolce Gusto.

Com o toque de um botão, os amantes de latte poderão aproveitar a cremosidade da espuma da cápsula ZeroLac, creamer Nestlé sem adição láctea – um composto à base do suplemento maltodextrina, carboidrato produzido a partir do amido de vegetais como milho, arroz, batata, mandioca e trigo.

A cápsula é vendida em três formatos: avulsa (R$ 1,62), com Cappuccino (R$ 22,90) ou Latte Machiato (R$ 22,90). A venda é exclusiva no canal de e-commerce da marca e da caixa DGUSTA, onde o consumidor pode adicionar as cápsulas de sua preferência e montá-la do seu jeito (também exclusividade Dolce Gusto). Já a linha vegana conta com três sabores: café com os leites de amêndoa, coco e aveia (R$ 22,90 cada).

TEXTO Redação • FOTO Charisse Kenion

Cafezal

Instituto Biológico comemora 94 anos com evento gratuito e aberto ao público

O Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, comemora 94 anos. No próximo domingo (21), às 10h, a população poderá participar de visitas monitoradas ao cafezal urbano do Instituto, considerado um dos maiores do mundo, conhecer a exposição Planeta Inseto, único zoológico de insetos do Brasil, e brincar em um espaço ao ar livre. O evento é gratuito.

O Instituto Biológico é referência em pesquisas na área de sanidade animal e vegetal, além de proteção ambiental e pragas urbanas. Neste mês de novembro, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo também celebra seus 130 anos.

De acordo com a diretora do Instituto Biológico, Ana Eugênia de Carvalho Campos, o evento de comemoração ao aniversário do IB é realizado em conjunto com a comunidade, por meio do jornal Pedaço da Vila, Feira do Bem, Associação dos Moradores da Vila Mariana e da República da Vila Mariana.

“O IB sempre teve por princípio essa aproximação com a comunidade e nada mais justo que comemorar essa data tão importante com a participação da população, que se beneficia direta ou indiretamente das nossas pesquisas. Resolvemos fazer esse evento neste momento em que temos altos índices de vacinação da população e melhora nos indicadores da pandemia, mas respeitando todo o protocolo contra a covid-19, como o distanciamento, uso de máscaras e de álcool em gel, ambiente aberto e bem ventilado”, afirma.

O evento contará com mais de 60 barracas de produtos autorais de artesãos ligados a Feira do Bem, praça de alimentação com food trucks e música ao vivo. Para as crianças, haverá brincadeiras, brinquedões e oficinas espalhados pelos jardins do IB.

“O público poderá fazer visitas monitoradas ao nosso cafezal urbano, matar a saudade da exposição Planeta Inseto, além de ter a oportunidade de conhecer o trabalho dos pesquisadores das leia mais…

Café & Preparos

Pesquisas analisam como a borra de café pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa

Alivia Mukherjee, candidata ao doutorado em engenharia química da Universidade de Saskatchewan, investiga como o pó de café pode ser usado para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, agregando valor a um produto residual canadense.

O café é uma das bebidas e fontes de cafeína mais consumidas no mundo. Mais de 70% dos canadenses provavelmente tomaram uma xícara de café nas últimas 24 horas. “Um dia, sentado em um Tim Hortons local, vi os funcionários descartando os resíduos em enormes sacos plásticos. Comecei a fazer um brainstorm para entender como sobras de matéria orgânica – borra de café de uma das maiores cadeias de café do Canadá – pode ser valorizada para produzir produtos de valor agregado”, destaca Mukherjee.

Quando um produto residual, como borra de café, é depositado em um aterro, o processo de decomposição produz metano, que tem 21 vezes mais efeito de gases de efeito estufa do que o dióxido de carbono.

Mukherjee e sua equipe de pesquisa têm o objetivo de encontrar estratégias sustentáveis ​​para reutilizar e reciclar resíduos orgânicos no Canadá, em vez de enviá-los para aterros sanitários. No caso dos resíduos moídos de café, a substância residual tem o potencial de servir como uma armadilha para o dióxido de carbono.

Usando a tecnologia síncrotron da Fonte de Luz Canadense (CLS) da Universidade de Saskatchewan, Mukherjee tratou a borra com calor para alterar as características da superfície dos leia mais…

TEXTO As informações são do Saskatoon Starphoenix / Tradução Juliana Santin • FOTO Devin Avery

Mercado

Recuperação dos preços do café pode ajudar a retomar consumo em níveis pré Covid

Em outubro de 2021, a Organização Internacional do Café (OIC) constatou que os preços do café haviam atingido novos máximos plurianuais, já que a média mensal do preço indicativo composto da OIC aumentou 6,8%, para 181,57 centavos de dólar dos EUA por libra, em comparação com 170,02 centavos por libra em setembro de 2021.

Os níveis alcançados em outubro de 2021 marcam um aumento de 71,5% em comparação com o preço do café de 105,85 centavos de dólar por libra registrado em outubro de 2020. O preço médio registrado em outubro de 2021 é o mais alto registrado desde que fevereiro de 2021 registrou 182,29 centavos de dólar por libra. De acordo com a OIC, esses níveis de preços para o ano cafeeiro de 2020/2021 marcam uma recuperação significativa dos baixos níveis experimentados nos últimos três anos cafeeiros.

O maior aumento ocorreu no preço indicativo do Brazilian Naturals Group, que atingiu 199,98 centavos de dólar dos EUA por libra, um aumento de 8,9% em comparação com 183,72 centavos de dólar dos EUA por libra que foi registrado em setembro de 2021. Ele marca um aumento de 99,2% em relação aos preços de outubro de 2020 e é o nível mais alto alcançado desde fevereiro de 2012.

O preço dos Suaves Colombianos aumentou 7,7%, para 258,87 centavos de dólar dos EUA por libra em outubro de 2021, em comparação com 240,38 centavos de dólar dos EUA por libra em setembro de 2021. Este é o nível mais alto registrado desde setembro de 2011.

Os preços dos Outros Suaves aumentaram 6,9%, para 241,06 centavos de dólar dos EUA por libra em outubro de 2021, em comparação com 225,54 centavos de dólar dos leia mais…

TEXTO As informações são do Global Coffee Report / Tradução Juliana Santin • FOTO Jonas Jacobsson