Mercado

Guia de Cafés #11: dicas do que estamos tomando

Mês de agosto e setembro! Meses que o Brasil está finalizando a colheita de cafés em diversas regiões do país e outras ainda terão mais alguns meses pela frente.

Recebemos mais de 300 cafés nos últimos meses e neste Guia de Cafés recomendamos aqueles que foram recebidos pela nossa equipe e aprovados. A proposta é que possamos “assinar embaixo” de produtos com rastreabilidade e qualidade.

Aqui na redação da Espresso ainda estamos trabalhando todos de casa devido à pandemia do Coronavírus, faz 18 meses. Conte para nós que cafés está tomando e experimente essas novidades!

As dicas de mais de 17 cafés desta leva da Espresso são grãos super variados. Quer nos enviar? Saiba como no fim desta matéria. 

Veja o que separamos para você:

Kaffe – Cerrado Mineiro

Produzido por: Fazenda Rio Brilhante
Produtor: Inácio Carlos Urban
Região: Cerrado Mineiro – Coromandel (MG)
Variedade: arara
Espécie: arábica
Processamento: natural
Torrado por: Kaffe Torrefação e Treinamento
Sensorial do café: azeitona preta, abacaxi e mel
Outros cafés da marca: Matas de Minas (João Luiz Carneiro Vianna), Norte Pioneiro do Paraná (Ricardo Batista dos Santos) e Alta Mogiana (Guilherme Dias de Souza Alves)
Cafés do projeto Adote uma Micro Torrefação
Compre: www.instagram.com/kaffe.tt

Mundo Café – Groselha Negra 2.0

Produzido por: Greciano Lacerda
Produtor: Greciano Lacerda
Região: Caparaó
Espécie: arábica
Variedade: catuaí vermelho
Torrado por: Mundo Café
Sensorial do café: frutas negras, groselha negra, bolo de floresta negra e finalização doce
Outros cafés do mesmo produtor: Witbier – sensorial: frutas amarelas, mousse de maracujá, doce de chocolate, pudim e caramelo
Preço: 35,00 (250 g)
Compre: www.mundocafe.com.br leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Mariana Proença

Receitas

Pão Alemão – Estilo Rugbrød

Ingredientes

– 500 g de farinha integral
– 500 g de água
– 25 g de mel
– 100 g de levain (fermento natural para pães)
– 10 g de sal
– 300 g de trigo ou centeio em grãos, demolhados por 12 horas ou germinados
– 150 g de grãos variados (pode ser chia, linhaça, gergelim, quinoa) 

Preparo

Deixe os grãos de molho, lave bem, escorra e deixe secar. Com exceção dos grãos, misture os demais ingredientes. Quando a massa estiver bem homogênea, adicione os grãos. Unte uma forma e coloque a mistura, que será bem pastosa, uniformize a massa, e deixe-a fermentar na geladeira por 24 horas. Antes de assar, passe o óleo vegetal na superfície e faça pequenos furos até a base para que o vapor saia. Asse em forno preaquecido a 180 oC por 1 hora. Espere a focaccia esfriar e deixe-a descansar por 24 horas até cortar.

Rende Aproximadamente 1 kg

FOTO Daniel Ozana/Studio Oz • RECEITA Izabela Tavares, da Iza Padaria Artesanal

Mercado

Como o café é armazenado? Assista ao 16º episódio da websérie da BSCA

Na quarta-feira (8) acontece o lançamento do 16º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz detalhes sobre a importância da armazenagem correta do café para manter a qualidade do produto. Para abordar o tema, foram convidados: Reymar Coutinho, da Pinhalense; José Marcos Magalhães, da Minasul; Luiz Paulo Pereira, da CarmoCoffees/Fazenda Santuário Sul; e Gabriel Miari, da Cocatrel Direct Trade.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados todas as quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Mercado

Amarula lança novo licor de café produzido com grãos da Etiópia

No mês passado, a Amarula trouxe para o Brasil o Amarula Ethiopian Coffee, uma bebida que mistura licor e café. Segundo a marca, a escolha foi baseada no amor dos consumidores tanto pelo licor de Marula, quanto pelo café, a segunda bebida mais consumida do Brasil.

“Observando o surgimento espontâneo desse ritual pelos consumidores, construímos uma plataforma de parceria com diversos perfis de cafeterias, reforçando ainda mais essa ocasião de consumo ao redor do país. A aceitação foi excelente”, conta Priscilla Gomes, Country Manager de Amarula na América Latina.

Vendido em garrafas de 50 ml e 750 ml, o novo licor possui teor alcoólico de 15,5% e um sabor marcante. Com sabor de café, a mistura com a Marula resulta em um licor cremoso e encorpado, com finalização de caramelo.

Com o lançamento do Amarula Ethiopian Coffee, a expectativa é de que, em um ano, os produtos saborizados representem, juntos, 16% do volume total da marca. “Em países líderes no consumo de licor, as extensões de linha já representam +15% no volume das marcas. Estamos liderando esse movimento de categoria aqui no Brasil com um projeto de inovação que não para por aqui”, finaliza Priscilla.

Campanha

O licor inicia uma ação com charmosas cafeterias de bairro, ícones da capital paulista, com a intenção de ajudar os pequenos negócios neste finalzinho de pandemia. A campanha já conta com cinco estabelecimentos participantes confirmados e vai disponibilizar vouchers de desconto, presentes, e uma garrafa de 50 ml do Amarula Ethiopian Coffee aos consumidores.

Outra grande estratégia da marca para o lançamento é o movimento ‘Café com Propósito’, como um suporte às pequenas cafeterias de São Paulo que, assim como diversos outros pontos de comércio e serviços, tiveram prejudicados os seus faturamentos devido à pandemia.

A Amarula investe em ações para estimular o consumo dentro dos cafés, oferecendo vouchers promocionais de R$ 20, atrelados a compra de um café com Amarula Ethiopian Coffee no delivery dos parceiros. Também será oferecido um copo ecológico exclusivo como brinde. As cafeterias participantes são: We Coffee, Um Coffee, Cupping Café, e Carú Café. A ação é válida enquanto durarem os estoques.

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Mercado

28 anos de Expocaccer: Cafeteria Dulcerrado lança café geisha em edição especial

Neste mês de setembro, a cafetereira Dulcerrado celebra os 28 anos da Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocaccer), com o lançamento da Edição Especial do Produtor de setembro. Gabriel Nunes, cooperado da Expocaccer, é o produtor da vez. Para essa edição, apresenta um café de 90 pontos da variedade geisha, produzido a 960 metros de altitude na Fazenda Bom Jardim, em Patrocínio (MG). Os frutos passaram por processo de cereja descascado, com fermentação anaeróbica.

A variedade de origem etíope é considerada uma iguaria entre os especialistas devido à complexidade e ao sabor marcante, que demonstra uma boa adaptação ao clima do Cerrado Mineiro e possui como principais características a doçura, a acidez e os aromas florais.

Segundo a cooperativa, os pontos fortes do produtor envolvem o foco em qualidade e ativa atuação junto às entidades ligadas à cafeicultura. Filho de cafeicultor, trabalha com o seu pai na produção de cafés especiais. Em 2017, com apenas 4 anos de experiência na produção de qualidade, foi campeão do Cup of Excellence, superando um recorde mundial com o café mais caro do mundo. Atualmente, Gabriel é membro do Conselho de Administração da Expocaccer e integra o Conselho Diretor da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).

O café da Edição Especial do Produtor de setembro, da Cafeteria Dulcerrado, foi rebeneficiado na Unidade exclusiva para Cafés Especiais da Expocaccer, única na região. De acordo com o cooperado, o suporte oferecido pela cooperativa aos cafeicultores é o que faz dela a mais representativa do Cerrado Mineiro.

Gabriel Nunes e seu pai, Osmar Nunes Júnior

“Eu vejo a Expocaccer como uma cooperativa inovadora e de empreendedores. Desde que voltei para ajudar meus pais na fazenda, percebi o quanto a Expocaccer foi essencial para o sucesso do nosso trabalho. Ela traz conforto, comodidade e busca resolver o problema do cooperado, sempre ajudando a região, a comunidade, trabalhando pelo bem comum. Para mim, é uma honra ter o lançamento do meu café na Edição Especial do Produtor e poder representar todos os cooperados numa data tão importante,” ressalta Gabriel.

Em homenagem ao aniversário da Expocaccer, o vídeo de lançamento do café apresenta ao público um pouco da infraestrutura que a cooperativa oferece aos seus produtores, desde o preparo dos leia mais…

Receitas

Musse de doce de leite

Ingredientes

– 3 claras
– 45 g de açúcar refinado
– 200 ml de creme de leite fresco
– 400 g de doce de leite
– 15 g de gelatina em pó sem sabor

Preparo

Primeiro, hidrate a gelatina em pó em 20 ml de água fria e reserve. Bata o creme de leite até ficar em ponto de chantili e reserve. Aqueça as claras e o açúcar em banho-maria, sempre mexendo, até que a mistura fique em temperatura morna e os grãos de açúcar derretam. Muito cuidado para não cozinhar as claras em temperaturas muito altas. Em seguida, bata essa mistura aquecida (as claras e o açúcar) até formar um merengue branco e leve. Com a ajuda de um batedor de arame (fouet), adicione o doce de leite sem perder o ar da mistura. O próximo passo é ativar a gelatina hidratada, aquecendo-a em banho-maria até que fique líquida. Adicione a gelatina à mistura de claras e doce de leite. Finalize a musse colocando na mistura o creme de leite batido em ponto de chantili até que todos os ingredientes estejam homogeneizados, sempre com cuidado para não perder o ar dos ingredientes. Isso faz com que a musse fique leve e fofa. Disponha o doce em taças e leve-as à geladeira por 4 horas antes de servir.

Rende 4 porções

FOTO Daniel Ozana/Studio Oz • RECEITA Fernanda Ribeiro

Barista

Brasileiros campeões de Brewers e Cup Tasters não participarão dos Campeonatos Mundiais na Itália

Foto: Gustavo Baxter / NITRO

A embaixada da Itália no Brasil divulgou na última segunda-feira (30) que, de acordo com a nova Portaria do Ministro da Saúde, assinada em 28 de agosto de 2021, estão proibidos a entrada e o trânsito no território nacional italiano para pessoas que tenham permanecido ou transitado no Brasil nos 14 dias anteriores à viagem. A nova norma entrou em vigor na terça-feira (31) e é válida até 25 de outubro de 2021.

Com isso, a pergunta que paira sobre o mercado de cafés é: como ficarão os Campeonatos Mundiais de Barismo? Para quem não sabe, as competições de Barista, Brewers e Cup Tasters estão marcadas para acontecer entre os dias 22 e 26 de outubro deste ano, na Itália. Para sabermos mais sobre a atual situação e os planos futuros, conversamos com os nossos representantes!

Julia Fortini, atual campeã brasileira de Brewers , competição de café filtrado, já se decidiu. A mineira não irá competir nos mundiais este ano. “Com essa notícia da Itália, infelizmente eu decidi que o melhor é adiar”, disse. Mesmo com as incertezas, a barista da Academia do Café passou os últimos meses buscando possibilidades de representar o Brasil ainda em 2021. “Quando eles anunciaram o Campeonato Mundial, eu já comecei a correr atrás de todas as possibilidades para eu poder competir, mas já fiquei bem angustiada porque eu não tinha tomado nem a primeira dose da vacina”, contou.

Julia Fortini, atual Campeã Brasileira de Brewers – Foto: NITRO Histórias Visuais

Ao lado de seu companheiro Ivan Heyden, Julia montou um cronograma de treinos que vem seguindo a risca diariamente há quase dois anos. “Venho investindo tempo e me preparando para isso. É um sonho!”. Com a mudança das regras de entrada na Itália, a campeã solicitou à World Coffee Events (WCE) o adiamento de seu título, que foi aprovado. Com isso, Julia representará o Brasil em 2022, no Mundial que está programado para ocorrer em Melbourne, na Austrália.

“A gente fica meio abalada com isso. Estou me preparando, investindo. Estou muito empolgada pra competir em um mundial, mas agora é olhar pra frente. É algo que estava fora do meu controle, então não leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto

Café & Preparos

Estudo associa o consumo de café a uma melhor saúde cardíaca a longo prazo

Uma nova pesquisa sugere que o consumo diário de café pode ser bom para a saúde cardíaca a longo prazo, com redução da incidência de derrames, doenças cardiovasculares e até mesmo mortalidade por todas as causas (morte de qualquer tipo).

As descobertas foram apresentadas no Congresso anual da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC), após uma revisão dos dados de saúde envolvendo quase meio milhão de pessoas no Biobanco do Reino Unido sem sinais de doença cardíaca no início do período de estudo.

“Até onde sabemos, este é o maior estudo para avaliar sistematicamente os efeitos cardiovasculares do consumo regular de café em uma população sem doença cardíaca diagnosticada”, disse Judit Simon, do Centro Cardíaco e Vascular da Universidade Semmelweis em Budapeste, Hungria. “Nossos resultados sugerem que o consumo regular de café é seguro, já que mesmo uma alta ingestão diária não foi associada a resultados cardiovasculares adversos e mortalidade por todas as causas após um acompanhamento de 10 a 15 anos”, completou.

Focando especificamente na faixa de 0,5 a 3 xícaras por dia – constituindo 58,4% do grupo de estudo de 468.628 pessoas – os pesquisadores descobriram uma incidência visivelmente menor de eventos cardíacos em um período médio de acompanhamento de 11 anos. A média de idade no início do estudo era de 56,2 anos, enquanto 55,8% eram mulheres.

Em comparação com os que não bebiam café, as pessoas que bebiam até três xícaras por dia tinham risco 12% menor de morte por todas as causas, risco 17% menor de morte por doença cardiovascular e 21% a menos de risco de derrame. A análise ajustou fatores como peso, tabagismo, atividade física, hipertensão, diabetes, nível de colesterol, consumo de álcool, dieta e nível socioeconômico.

Encontrando outras boas notícias para os consumidores de café, o estudo coletou dados de mais de 30 mil participantes que fizeram uma ressonância magnética cardíaca em algum momento durante um período médio de acompanhamento de 11 anos. “A análise de imagem indicou que, em comparação com participantes que não bebiam café regularmente, os consumidores diários tinham corações mais saudáveis ​​e com melhor funcionamento. Isso foi consistente com a reversão dos efeitos prejudiciais do envelhecimento no coração”, afirmou Simon.

Só neste ano, estudos de longo prazo surgiram para mostrar que o consumo de café pode evitar a morte, pode reduzir muito a doença hepática, pode reduzir drasticamente a insuficiência cardíaca e pode até reduzir as arritmias cardíacas.

TEXTO As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin • FOTO Devin Avery

Barista

Começa a 2ª edição do Campeonato Brasileiro de Latte Art com bebida vegetal

Neste ano, o Naveia está promovendo o 2º Campeonato Brasileiro de LatteArt com Deleite Vegetal. A partir de 30 de agosto, 34 baristas de 17 cidades e 14 estados brasileiros disputarão as etapas regionais para definir um representante de cada região. Esta etapa vai acontecer on-line através do Instagram do Naveia da seguinte forma: a cada semana, profissionais de uma determinada região vão duelar em chaves definidas por sorteio através da dinâmica TNT (Thursday Night Throwdown), sistema mata-mata que é muito comum em competições do gênero.

Em cada disputa, dois baristas se enfrentam, cada um com um desenho, utilizando o Naveia Barista e as técnicas free pour (usando apenas a leiteira) ou etching (desenhando no café com ajuda de um palito), como preferirem. Cada rodada será avaliada por duas juízas especialistas (Lidiane Santos e Fafá Jungles) e também pelo público, que poderá eleger o seu latte art preferido através de enquetes postadas nos stories do Naveia. Quem conquistar o maior número destes três votos passa à fase seguinte até se chegar a um único representante de cada região.

Definidos os cinco finalistas, eles vão disputar a grande final presencialmente no Rio de Janeiro, no dia 24 de outubro, durante o Rio Coffee Nation. A disputa também terá transmissão ao vivo pelas redes sociais. O grande campeão vai ganhar uma passagem para Varsóvia, na Polônia, para assistir o mundial de latte art que acontece em junho de 2022, acompanhado de Tiago Rocha, barista embaixador do torneio, e da Amanda Albuquerque, vencedora da primeira edição do campeonato. Conheça os participantes:

Região Norte

– Rebeca Farias, da Barista Wave, Manaus (AM)
– Fábio Pereira, do Armazém 25, Belém (PA)

Região Nordeste

– Túlio Fernando, do Nerd Coffee House, João Pessoa (PB)
– Ramon Tenório, da SO LO Brewing, Recife (PE)
– Pedro Ícaro dos Santos, do Bom Café Brasil, Fortaleza (CE)
– Jhonata Torres, da Chocolate Lugano, João Pessoa (PB)
– Gustavo Rocha, do Versado Café, Recife (PE) leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Pete Willis

CafezalMercado

15º episódio da websérie da BSCA conta como a qualidade dos cafés brasileiros ganha o mundo

Na quarta-feira (1º) acontece o lançamento do 15º episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo traz detalhes sobre as exportações brasileiras de café e como a visão do mundo mudou, ao longo dos últimos anos, a respeito dos grãos cultivados em nosso país. Para contar essa história, foram convidados: Henrique Sloper, da Camocim Organic; Carmem Lucia Chaves Brito (Ucha), das Fazendas Caxambu e Aracaçu; Javier Faus, da Bourbon Specialty Coffees; Luiz Paulo Pereira, da CarmoCoffees/Fazenda Santuário Sul; Reymar Coutinho, da Pinhalense; Julia Fortini, da Academia do Café; Maria Dirceia Mendes, da SMC Specialty Coffees; Luiz Eduardo Melo, da Supernova Coffee Roasters; Paulo Kleinke, da Probat Leogap; e Thais Staut, da Qualicafex Specialty Coffees.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados todas as quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Café Editora