Cafezal

Confira as amostras classificadas no Concurso Florada Premiada

O grupo 3corações, em parceria com a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), realiza a 2ª edição do Concurso Florada Premiada. As cafeicultoras participantes enviaram suas amostras até o dia 20 de setembro. Clique aqui para conferir as classificadas.

Voltada para as mulheres produtoras de café arábica, a iniciativa tem como objetivos melhorar as práticas na produção dos cafés especiais; reconhecer e valorizar os microlotes cultivados por elas e conectar quem consome com quem produz.

A premiação da 2ª edição do Concurso Florada Premiada será no último dia da Semana Internacional do Café, feira que acontece entre os dias 20 e 22 de novembro, no Expominas, em Belo Horizonte (MG). Clique aqui para saber mais informações sobre os prêmios.

Mais informações: www.projetoflorada.com.br/florada

TEXTO Redação • FOTO Vitor Barão

Cafezal

Aprenda sobre agricultura sintrópica na cafeicultura!

Nos dias 4, 5 e 6 de outubro, o Sítio Recanto dos Tucanos, localizado no Alto Caparaó (MG), realizará o Curso de Agricultura Sintrópica na Cafeicultura. As inscrições para participar estarão abertas até 25 de setembro.

Na ocasião, os alunos visitarão áreas de plantio e terão aulas teóricas sobre a prática de produção e manejo da agricultura sintrópica, dadas pelo produtor Rômulo Araujo, do Sítio Raiz, de Brasília (DF). Além disso, as informações sobre beneficiamento do café especial serão esclarecidas pelo produtor Willians Valério Jr.

A programação também conta com alguns temas, como introdução a agricultura sintrópica, princípios da sintropia, planejamento de plantio, implantação de áreas, consórcios com café, manejo e erros que devem ser evitados no pós-colheita.

As inscrições possuem valor de R$ 590 por pessoa, incluso alojamento ou camping, café da manhã, almoço, café da tarde e jantar. Os interessados devem entrar em contato através do e-mail sitio@sitiorecantodostucanos.com.br ou do telefone (15) 99701-7575.

O que é agricultura sintrópica?

É um sistema que une a produção de diferentes culturas, como hortaliças, frutas e madeiras em uma mesma área, podendo ser, inclusive, na mesma cova. A agricultura sintrópica propõe reordenar, restaurar, o ambiente natural. Na técnica não são usados agrotóxicos.

Serviço
Curso de Agricultura Sintrópica na Cafeicultura
Quando: de 4 a 6 de outubro
Onde: Sítio Recanto dos Tucanos – Alto Caparaó (MG)
Inscrições: até 25 de setembro

TEXTO Redação • FOTO Gui Gomes

Cafezal

Participe do Coffee of the Year 2019!

As inscrições para o Coffee of the Year 2019 estão abertas. A competição elege os melhores grãos do Brasil, nas categorias arábica e canéfora, através de voto popular e avaliação profissional.

O concurso conta com duas etapas. A primeira consiste em receber as amostras dos produtores inscritos de todo o País. Estes grãos são torrados e avaliados por Q-Graders licenciados pelo Coffee Quality Institute (CQI). Já na segunda, as 180 melhores amostras participam de mesas de cupping durante a Semana Internacional do Café (SIC), em que são provadas por compradores nacionais e internacionais.

Dessas amostras, as 15 melhores (10 de arábica e 5 de canéfora) são preparadas e disponibilizadas para degustação às cegas e voto do público durante a Semana Internacional do Café (SIC), que acontece em Belo Horizonte (MG), de 20 a 22 de novembro. A revelação e premiação dos primeiros lugares de ambas as categorias acontece no último dia de evento, no auditório principal.

Confira o cronograma do COY 2019:

Quer enviar seu café? Clique aqui para se inscrever e/ou acessar o regulamento. A inscrição de cada amostra custa R$ 130.

Serviço
Semana Internacional do Café
Quando: de 20 a 22 de novembro
Horário: 11h às 20h
Onde: Expominas – Av. Amazonas, 6200 – Gameleira – Belo Horizonte (MG)
Mais informações: www.semanainternacionaldocafe.com.br

TEXTO Redação • FOTO Marcus Desimoni / NITRO

Cafezal

Quer conhecer os processos do café? Participe do roteiro em Cristina (MG)

O roteiro Sertãozinho de Cafés Especiais, organizado pela Torrefação & Trader Sertãozinho em parceria com a agência Cristina Adventure, visa fortalecer os cafés especiais e os pequenos produtores de Cristina (MG), região da Serra da Mantiqueira. Indicado para turistas, coffee lovers, compradores de cafés e apreciadores, a experiência acontece na Fazenda TransWall e na Torrefação & Trader Sertãozinho.

Na Fazenda TransWall, os participantes irão visitar a lavoura, onde conhecerão o processo de plantio, lavagem, seleção, terreiro e secagem. Nesta propriedade também visitarão o Museu do Café. Já na Torrefação acontecerá a degustação nos métodos hario v60, prensa francesa e espresso. O espaço será aberto para comercialização de cafés.

Os passeios podem acontecer até o final do ano. As datas são fechadas de acordo com o número de participantes (mínimo de 4 e máximo de 12 por grupo). Para participar, é necessário entrar em contato através do e-mail rafaelrezek_06@yahoo.com.br ou (35) 99960-3331. O valor é de R$ 120 por pessoa, incluso transporte, seguro, guia, entrada para as fazendas e degustação. A hospedagem não faz parte do pacote.

Mais informações: www.facebook.com/cristinaadventure

TEXTO Redação • FOTO Lucas Albin / Agência Ophelia

Cafezal

Inscrições abertas para 2ª edição do Concurso Florada Premiada

O grupo 3corações, em parceria com a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), realiza a 2ª edição do Concurso Florada Premiada, voltado para as mulheres produtoras de café arábica. As amostras devem ser enviadas até 20 de setembro.

A iniciativa tem como objetivos oferecer acesso às melhores práticas na produção de cafés especiais através do programa de capacitação gratuito Florada Educa, reconhecer e valorizar os microlotes cultivados por elas ao promover o Concurso, e conectar quem produz com quem consome, uma vez que proporciona, por meio da campanha “Junte-se a elas”, a oportunidade para o consumidor fazer parte do projeto, já que ao adquirir um dos Microlotes, o lucro total retorna para as cafeicultoras. Com isso, a 3corações completa o ciclo sustentável do Projeto Florada.

A cerimônia de premiação acontecerá na Semana Internacional do Café, no dia 22 de novembro, em Belo Horizonte (MG). Serão premiadas as seis campeãs (primeiros três lugares de cada categoria – via úmida e via seca), além dos 100 melhores cafés do concurso e também o melhor de cada região inscrita.

Premiação da 1ª edição do Concurso Florada Premiada, realizada na Semana Internacional do Café 2018 – Foto: Bruno Correa / NITRO

As grandes campeãs receberão R$ 25 mil, terão seus lotes comprados pelo dobro da cotação e ganharão uma missão técnica para a Costa Rica em uma viagem de sete dias com direito a um acompanhante. As segundas colocadas receberão R$ 15 mil e mais a compra do lote pelo dobro da cotação. As produtoras classificadas em terceiro lugar serão premiadas com R$ 10 mil e compra do lote pelo dobro da cotação.

Os melhores cafés de cada região serão adquiridos pelo dobro da cotação, enquanto que os 100 melhores lotes poderão ser comercializados com o Grupo 3corações, com um prêmio por saca de café de R$ 300 acima da cotação.

“O Projeto Florada é uma grande obra que estará sempre em construção, pois se trata de um projeto de longo prazo em que criamos laços duradouros com as produtoras do Brasil e com toda a cadeia do café. O Concurso Florada Premiada é uma importante iniciativa para reconhecer e valorizar o trabalho das cafeicultoras e também para proporcionar aos consumidores uma nova experiência com raros cafés que carregam histórias únicas por trás de cada xícara”, afirma Pedro Lima, presidente da 3corações.

O regulamento completo do concurso e o link para as inscrições estão disponíveis no site do Projeto Florada e da BSCA.

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Conhece a Nossa Senhora do Café?

Grande parte dos brasileiros não sabe, mas existe uma padroeira dos cafeicultores. A história é bem curiosa e, segundo relatos, começou em 1964, quando a cafeicultora Ana Negrini, da cidade de Espírito Santo do Pinhal (SP), escreveu um artigo relatando as dificuldades da época. O texto, que levou o título de “Minha Nossa Senhora do Café”, relacionava o grão com Nossa Senhora Aparecida e foi publicado em um boletim que circulava na Igreja dos Capuchinhos.

Em 2001, com o setor cafeeiro enfrentando novas dificuldades, Ana escreveu um novo artigo em que abordava as aflições dos cafeicultores e os apelos à padroeira do Brasil para que olhasse por eles. Nesta publicação, ela fez uma conexão entre Nossa Senhora Aparecida e sua “cor de café”, colocando o mesmo título do primeiro texto.

A segunda matéria foi publicada no boletim da Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Pinhal (Coopinhal) e chegou até o professor Albertino Fonseca que, inspirado no Espírito Santo, padroeiro da cidade de Ana, idealizou uma Nossa Senhora com a descrição “Nossa Senhora do Café do Brasil”.

A partir daí surgiu uma devoção na região. O dia 9 de agosto foi escolhido por ser a data de fundação da Coopinhal. A cooperativa chegou a construir uma capela, cuja planta, feita pelo arquiteto pinhalense Alexandre Vitta, é uma réplica de um armazém de café do século 18. Sua imagem foi esculpida pelo escultor Pedro Carlos de Oliveira e carrega as cores do café: o manto tem cor de café torrado, já a túnica e o véu contam com tonalidade de café cru. A padroeira também possui uma oração dedicada a ela:

Nossa Senhora do Café Brasileiro
Abençoadas por Tuas Mãos, as mãos que colhem
e as bocas que bebem a bebida dos grãos,
assim sejam transformadas por inteiro:
no gesto de juntar todas as mãos, 
no gosto de tomar café com pão.
Amém!

A imagem teve grande divulgação em 2004, durante a realização da feira religiosa ExpoCatólica. Hoje, a santa conta com fiéis em várias regiões brasileiras, principalmente aquelas que produzem os grãos. Na cidade de São Paulo (SP), é possível ver a obra no Instituto Biológico (IB). A imagem exposta fica próxima ao cafezal e foi doada pelo produtor Henrique Gallucci, de Espírito Santo do Pinhal.

Para quem quiser obter a Nossa Senhora do Café, é possível através deste site.

TEXTO Redação • FOTO Giulianna Iannaco

CafezalMercado

Fórum Mundial de Produtores de Café é palco de debates difíceis sobre o futuro da cafeicultura

Realizado entre os dias 10 e 11 de julho, em Campinas (SP), no Royal Palm Plaza, o evento bianual chegou à segunda edição com muitos desafios. Depois de ser lançado na Colômbia, organizado pela Federação de Cafeicultores daquele país, o Fórum Mundial de Produtores de Café veio ao Brasil com a intenção de debater os principais desafios da cafeicultura mundial. Em um momento em que o preço do café está muito baixo, este foi o principal tema nos corredores e nas palestras. Com realidades bem distintas entre as 25 milhões de famílias que cultivam café ao redor do mundo, no chamado cinturão cafeeiro, as soluções não poderiam ser genéricas.

Por isso a missão dada ao economista Jeffrey Sachs, Diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Instituto de la Tierra da Universidade de Columbia, era bem desafiadora: criar proposições para melhorar os rendimentos dos pequenos produtores de café através de uma análise econômica e política. A conclusão dada pelo consultor foi de que “os preços de café atuais não estão distantes do equilíbrio entre oferta-demanda de longo prazo”. Sua análise foi baseada no crescimento de Brasil e Vietnã, que tiveram juntos 83% de aumento de produtividade desde 1995 enquanto outras regiões estagnaram em produtividade.

Jeffrey Sachs, Diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Instituto de la Tierra da Universidade de Columbia

Com as mudanças climáticas e o aquecimento global de 0,3 graus em dez anos, Sachs prevê que “se houver um aumento de temperatura de 2 graus celsius até 2050 será impossível produzir café. Se isso acontecer, grandes áreas serão prejudicadas. Colômbia, Índia, Malásia, Costa Rica, Madagascar e Tailândia serão os países mais afetados com a crise climática”. E chegamos ao ponto crucial da proposta de Sachs: “Quem tiver capital para fazer essa transformação é quem vai conseguir mudar. Se o aquecimento global continuar, muitos países sairão da produção.”

O grande momento esperado da apresentação de Sachs eram as soluções para a melhoria de rendimento de produtores. Eis que a proposta do consultor foi inesperada pela maioria: a sugestão de criar um Fundo Global do Café, que seria co-financiado por empresas privadas e públicas em busca de cumprir, em todas as áreas produtivas de café, com as metas leia mais…

TEXTO Por Mariana Proença, colaborou Natália Camoleze, de Campinas (SP) • FOTO Mariana Proença

Cafezal

Programa da Nespresso busca recuperar cafés com risco de extinção

Buscando ajudar cafeicultores a recuperar os cultivos de café que possuem risco de desaparecer por conta de fatores como conflitos armados, crises econômicas e desastres naturais, a Nespresso, por meio do programa AAA Sustainable Quality, anunciou o lançamento da plataforma Reviving Origins.

Através de um investimento de mais de oito milhões de euros, a marca pretende, nos próximos cinco anos, implementar a parceria com produtores de países como a Colômbia e Zimbábue, ajudando-os a estabelecer práticas agrícolas sustentáveis. O objetivo é que, com a ajuda de diferentes especialistas e a aplicação de novas técnicas de processamento, o setor cafeeiro local possa ser recuperado. Como parte deste projeto, a Nespresso apresentará anualmente uma edição limitada do café proveniente destas áreas.

A plataforma nasceu da experiência da empresa no Sudão do Sul, em 2011, quando foi descoberto o potencial de voltar a promover um café já esquecido. As cápsulas Suluja ti Sudão do Sul, uma edição limitada que ajudou a diversificar a base econômica do país africano, nasceram desta iniciativa.

Com base nessa experiência e com o programa AAA Sustainable Quality, a Nespresso fez uma parceria com os cafeicultores no leste do Zimbábue e na região de Caquetá, na Colômbia, para recuperar e impulsionar os cafés exclusivos dessas áreas. Como resultado da iniciativa, introduziu duas novas variedades de café: Tamuka mu Zimbabwe e Esperanza de Colômbia.

FOTO Café Editora

Cafezal

Amigos lançam guia turístico por fazendas mineiras produtoras de café

Clesio Barbosa e Patrícia Soutto Mayor Assumpção são amigos de longa data e dividem uma paixão: a cultura mineira. Ao longo de 15 anos de parceria, já percorreram mais de 30 mil quilômetros por Minas Gerais em busca da história rural, cultura de cada região e das delícias dos pratos produzidos por cozinheiras, grandes chefs e amigos.

Possuem quatro obras publicadas, sendo duas delas premiadas internacionalmente. Nos livros, Clesio escreve sobre a história de fazendas mineiras, ilustradas com muitas fotos de paisagens e casas sedes. Além disso, uma seleção de receitas culinárias, feita por Patrícia, e fotos de pratinhos deliciosos.

O último livro lançado tem o título Rota do Café – Fazendas de Minas Gerais, um guia turístico que conta com informações sobre trinta fazendas produtoras, atrações turísticas dos municípios, mapas ilustrativos e belíssimas fotos das fazendas.

Para Clesio, as informações deste guia servem para aqueles que querem percorrer as trilhas de uma das maiores riquezas do nosso estado: o café. Flavio Borém, Professor Titular do Departamento de Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Lavras, especialista em Pós-colheita e Qualidade de Café, afirma que neste guia os leitores irão viajar pelos vales, campos e serras de Minas e saborear um pouco do cafezinho mineiro.

O livro conta com o patrocínio do Governo de Minas Gerais, Cemig, BDMG, Montesanto Tavares Group, Cafebrás, Atlântica Coffee. Você o encontra na Livraria Leitura, ou no site www.rotadocafe.com.

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Cafezal

Aproveite o período da colheita do café!

Junho é um mês importante para a cafeicultura. Mês de colheita, onde as lavouras estão a todo vapor, obtendo o melhor café. Para aproveitar este clima, algumas fazendas e empresas organizam roteiros que podem aproximar os apaixonados por todo o processo pelo qual o grão passa. Reserve na agenda!

Foto: Fazenda Santo Antônio da Bela Vista

Fazenda Santo Antônio da Bela Vista

Localizada na cidade paulista de Itu, a Fazenda Santo Antônio da Bela Vista organiza passeios periodicamente que visam mostrar aos participantes as diferentes etapas do café. As programações contam com passeios à lavoura e acompanhamento de processos como colheita, secagem, beneficiamento, torra e moagem do café.

Mais informações: www.facebook.com/fazendadocafe

Cafezal em Flor

No dia 15 de junho, a Cafezal em Flor irá realizar a “Festa da Colheita”. O evento irá apresentar a história do café e os participantes poderão conhecer a lavoura, o processo de colheita, os terreiros, o processo de classificação, torrefação e mais informações sobre os métodos de preparo. O convidado especial da ocasião será o Dr. Sérgio Parreiras Pereira, do Instituto Agronômico de Campinas (IAC).

Mais informações: www.instagram.com/cafezalemflorcafe

Vou Pra Roça

O próximo roteiro da agência de turismo rural Vou Pra Roça será nos dias 20 e 21 de junho. Com saída no Rio de Janeiro, o destino é a cidade mineira de São Lourenço. Além de conhecer os costumes e pontos turísticos da região, a programação conta com vivência rural e café na roça, com o especialista Adalberto Junior.

Mais informações: www.instagram.com/boupraroca

Rota do Café

Todo sábado acontece visitas guiadas pelo pessoal da Rota do Café, também na região de São Lourenço, Sul de Minas. A agenda envolve cursos, treinamentos e visitas a fazendas, onde os visitantes terão explicações sobre toda a cadeia produtiva, desde o pé até a xícara.

Mais informações: www.uniquecafes.com.br/c/rota-do-cafe

TEXTO Redação