Cafezal

Você conhece o termo “agricultura familiar”?

Neste sábado, 25 de julho, é a data escolhida para homenagear a agricultura familiar. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no Brasil existem mais de 4 milhões de estabelecimentos familiares rurais e o setor é responsável por gerar renda para 70% dos brasileiros no campo.

Segundo o 3º parágrafo da Lei nº 11.326/2006, é considerado agricultor familiar aquele que pratica atividade no meio rural e não detenha área maior que quatro módulos fiscais, utilize predominantemente mão de obra da própria família nas atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento. Além disso, tenha renda familiar originada principalmente das práticas em seu estabelecimento, sendo este gerenciado pela família.

O Censo Agropecuário 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), explica que a categoria caracterizada como agricultura familiar responde, hoje, pela maioria da população que vive e trabalha no meio rural. De acordo o instituto, dos 607.557 estabelecimentos rurais de Minas Gerais, 72,72%, ou 441.829, são da agricultura familiar. E das 1.836.353 pessoas ocupadas na agropecuária, 59,02%, ou 1.083.824, pertencem ao setor.

Já o Sistema Safra Agrícola da Emater-MG, que capta dados da produção agropecuária da agricultura familiar nos municípios mineiros, mostra algumas atividades produtivas, desenvolvidas leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Fermentação do café: saiba mais sobre a técnica em destaque no mercado

Fermentar café é um processo que gosto muito e já faz alguns anos que pratico. Podemos ter a fermentação negativa e a positiva, a qual irei explicar neste artigo. Para muitos produtores isto pode significar um risco demais na qualidade, para outros uma aventura em buscar diferentes aromas e sabores.

Muitos produtores me perguntam se vale a pena fazer fermentação. Sempre brinco e respondo: é um processo que fica entre o céu e o inferno. Temos que saber onde estamos e onde queremos chegar. Podemos ter bebidas extraordinárias e bebidas negativas com uma fermentação.

Mas vamos lá, o mercado está crescendo em busca dessa nova experiência sensorial que a fermentação oferece e o produtor correndo atrás das técnicas para conseguir entregar seu melhor produto.

Dentre os processos de fermentações estão as anaeróbicas (obtenção de energia sem a utilização do oxigênio) e as fermentações aeróbicas (com a utilização do oxigênio). Para mim, ela é leia mais…

TEXTO Leonardo Custódio, técnico em cafeicultura, supervisor de qualidade da empresa Agro Fonte Alta, Q-Grader e mestre de torra • FOTO Leonardo Custódio

Cafezal

Inscrições abertas para o Cup Of Excellence 2020

Cup of Excellence, concurso de qualidade realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), em parceria com a Alliance for Coffee Excellence (ACE) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), está com as inscrições abertas.

Os produtores de café arábica de todo o País devem se inscrever no site da BSCA e enviar suas amostras até o dia 2 de setembro. Para esta edição, a organização da competição realizou algumas alterações no regulamento visando à proteção dos profissionais envolvidos por conta da Covid-19 (coronavírus).

“Os juízes da pré-seleção e da Fase Nacional não serão definidos através de provas, para evitar aglomerações. Faremos a composição do júri com base no desempenho dos profissionais do Brasil que atuaram nas duas edições anteriores do Cup of Excellence e na proximidade deles com Varginha (MG), onde serão realizadas as análises. Para esse trabalho, seguiremos rígido protocolo de prevenção à Covid-19, com todos se higienizando e mantendo o distanciamento recomendado pelas organizações de saúde”, explica Vanusia Nogueira, diretora da BSCA.

A Fase Internacional da competição também ocorrerá de maneira diferente em 2020. “Não teremos deslocamento dos juízes internacionais para o Brasil. Os lotes que se classificarem para essa etapa serão enviados pela BSCA a grupos de especialistas em diversos países, que selecionaremos previamente para que façam a análise final, elegendo nossos campeões”, completa a diretora.

O concurso tem o objetivo de encontrar os melhores cafés especiais da nova safra e passou por uma modificação técnica, elevando a nota de corte nos processos de avaliação. “O Brasil e seus cafeicultores vêm ampliando o nível de qualidade e sustentabilidade dos cafés produzidos constantemente e, como reflexo, subimos a pontuação leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Barra do Choça e seus cafés

Localizada em Vitória da Conquista, na Bahia, a região é reconhecida pelo café commodity e conta com produtores que buscam investir no especial e ganhar notoriedade no mercado

Vista de cima da região Barra do Choça com cafezais que guardam muitas histórias

Vitória da Conquista, cidade baiana, localizada a 1.455 quilômetros de São Paulo. Imagine, uma viagem de carro daria uma média de dezoito horas, mas, por sorte do destino, a cidade conta com um aeroporto novinho (inaugurado em julho de 2019, em substituição ao antigo Aeroporto Pedro Otacílio Figueiredo, no qual era possível apenas o pouso e a decolagem de aeronaves de pequeno porte), em que pousamos numa segunda-feira à tarde a convite de Luiz Melo, proprietário da Supernova Coffee Roasters, que lançou na cidade o documentário Café Não É Só Café.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Vitória da Conquista conta com uma população de 338.480 habitantes, o que faz dela a terceira maior cidade do estado, atrás de Salvador e Feira de Santana, e a quinta do interior do Nordeste, atrás de Feira de Santana, Campina Grande, Caruaru e Petrolina.

Situados no mapa e pensando onde encontraríamos café na região? Em um município chamado Barra do Choça. Caso nunca tenha ouvido falar, está aí uma oportunidade de conhecer, e aproveitar para se aventurar pelos grãos locais.

Barra do Choça está a 27 quilômetros de Vitória da Conquista e a 524 quilômetros de Salvador. O município tem um dos maiores e mais crescentes PIBs do interior da região Nordeste. É o sexto maior PIB baiano, com mais de R$ 6 bilhões. É a capital regional de uma área que abrange aproximadamente oitenta municípios na Bahia e dezesseis no norte de Minas Gerais.

Segundo o Mapa das Origens Produtoras do Brasil da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), Barra do Choça faz parte do Planalto de Vitória da Conquista, conta com uma altitude em média de 850 metros e a temperatura amena é ideal para o cultivo do arábica. Muitas propriedades nessa região da Bahia realizam a leia mais…

TEXTO Natália Camoleze • FOTO Paulo Pereira

Cafezal

Mantiqueira de Minas obtém selo de Denominação de Origem

Na última terça-feira (9), o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), do Ministério da Economia, comunicou que foi deferido o pedido de alteração de registro da Indicação de Procedência da Serra de Mantiqueira de Minas Gerais para Denominação de Origem Mantiqueira de Minas. Com isso, a região se torna a segunda D.O. do Brasil, junto com o Cerrado Mineiro.

A alteração, válida para café verde em grão e café industrializado torrado em grão ou moído, foi solicitada pela Associação dos Produtores de Café da Mantiqueira (Aprocam), em 5 de maio de 2016. Na época, Antônio Junqueira Vilela era o presidente da associação, que é responsável pela produção anual de 1,2 milhão de sacas de café.

Segundo ele, a Aprocam, as cooperativas Cocarive, Cooperrita e Coopervass, e os pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (Ufla), da Embrapa Café, do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Mineiro de Agropecuária, reuniram esforços para desenvolver um embasamento técnico e científico para a conformidade de padrões de identidade e qualidade do café da região, conhecida como Serra da Mantiqueira, tendo em vista a delimitação geográfica com leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Gui Gomes

Cafezal

Fala Café #8 apresenta segunda parte do projeto Unidades Demonstrativas de Cultivares de Café

Na quinta-feira (4) foi realizada a segunda parte da apresentação dos resultados de produtividade da 2ª safra do projeto Unidades Demonstrativas de cultivares de café – Região do Cerrado Mineiro.

O projeto é desenvolvido pela Federação dos Cafeicultores do Cerrado, por meio da Fundaccer em parceria com a Epamig e Embrapa. A apresentação aconteceu através do YouTube, via 8º episódio do Fala Café.

O objetivo do encontro foi mostrar a validação, difusão e recomendação de cultivares de café desenvolvidas pelo programa de melhoramento da Epamig com adaptabilidade de produção e qualidade superior de bebida para a Região do Cerrado Mineiro.

Dentro do escopo deste projeto estão sendo testadas 12 cultivares em 26 propriedades, distribuídas em 12 municípios da região. Juliano Tarabal, Superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado Mineiro, destaca a importância do projeto, que já está no segundo ano. Ele conta que no ano passado, a pesquisa foi apresentada nos municípios em um Dia de Campo, por conta da pandemia de covid-19, tiveram que adaptar para um evento virtual.

Assim como no primeiro dia, os convidados apresentaram suas pesquisas de variedades em determinadas propriedades e o resultado em relação a produção e sensorial das que mais se destacaram.

Lembrando que o objetivo do projeto é analisar o comportamento regional de novas cultivares e compará-las com os relatórios do catuaí vermelho IAC 144, que é referência em produtividade, e o bourbon amarelo IAC J10, que é referência em qualidade da bebida. Foram avaliadas leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

Cafezal

Fala Café #7 apresenta pesquisa de cultivares que mais se destacaram na colheita de 2019

Na quarta-feira (3), a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, por meio da Fundaccer em parceria com a Epamig e Embrapa, realizou o primeiro dia da apresentação dos resultados de produtividade da segunda safra do projeto Unidades Demonstrativas de cultivares de café – Região do Cerrado Mineiro.

A apresentação aconteceu através do YouTube, via sétimo episódio do Fala Café. O objetivo do encontro é mostrar a validação, difusão e recomendação de cultivares de café desenvolvidas pelo programa de melhoramento da Epamig com adaptabilidade de produção e qualidade superior de bebida para a Região do Cerrado Mineiro. Dentro do escopo deste projeto estão sendo testadas 12 cultivares em 26 propriedades distribuídas em 12 municípios das Região.

Os convidados apresentaram suas pesquisas de variedades em determinadas propriedades e o resultado em relação a produção e sensorial das que mais se destacaram.

O pesquisador da Epamig, Diego Júnior Martins Vilela, foi o primeiro a se apresentar. Ele analisou as unidades demonstrativas na Fazenda Londrina Monte Carmelo, do proprietário Cesar Jordão.

Diego explicou que o projeto teve início em 2016 e contou com 26 unidades demonstrativas que possuem diferentes microclimas, altitudes e lavouras, tanto em sequeiros, quanto irrigadas.

O objetivo do projeto é analisar o comportamento regional de novas cultivares e compará-las com os relatórios do catuaí vermelho IAC 144, que é referência em produtividade leia mais…

TEXTO Redação

CafezalMercado

Cerrado Mineiro apresenta pesquisas de cultivares em parceria com projeto Fala Café

Nos dias 3 e 4 de junho, a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, por meio da Fundaccer e em parceria com a Epamig e Embrapa, realizará as apresentações dos resultados de produtividade da segunda safra do projeto Unidades Demonstrativas de cultivares de café – Região do Cerrado Mineiro.

Por conta da pandemia, o evento ocorrerá no formato digital, desta forma produtores, técnicos e pesquisadores poderão participar deste encontro na segurança e comodidade de suas casas, conforme as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). A transmissão é através do Fala Café, projeto criado em conjunto pela Revista Espresso e pelo portal de notícias CaféPoint, que apresenta conteúdos e debates relevantes para ajudar na tomada de decisão dos profissionais do mercado durante a pandemia.

O projeto Unidades Demonstrativas tem como objetivo validação, difusão e recomendação de cultivares de café desenvolvidas pelo programa de melhoramento da Epamig, com adaptação de produção e qualidade superior de bebida para a região do Cerrado Mineiro. Estão sendo testadas 12 cultivares em 26 propriedades distribuídas em 12 municípios da região.

Para assistir as apresentações, basta clicar aqui para acessar o canal no YouTube.

Confira a programação digital completa:

3 de junho (quarta-feira)

19h às 19h10: Abertura

19h10min às 19h30: Estação 1 – Unidade Demonstrativa Fazenda Londrina – Monte Carmelo – Proprietário César Jordão

Apresentação – Diego Júnior leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

CafezalMercado

Fala Café #6: Produtores apontam a importância da solidariedade e cuidados durante pandemia

Na última quarta-feira (27), o Fala Café, programa criado pela Revista Espresso e CaféPoint, que apresenta conteúdos e debates relevantes para ajudar na tomada de decisão dos profissionais do mercado com a atual pandemia, com transmissões ao vivo no YouTube, trouxe o tema: “Como Funciona o Passo a Passo da Cadeia do Café Especial na Pandemia: Produtores Explicam”.

Os convidados para esse debate foram:

– Paula Paiva, é de família de produtores em Machado, no Sul de Minas, na Fazenda Recanto;

– Renato Rodrigues precisou ajudar o pai, que adoecera, a cuidar da pequena lavoura de café em Piatã, na Chapada Diamantina (BA) e hoje segue a frente do negócio da família, o café da sua esposa Tainã Bittencourt foi campeão no Concurso Florada Premiada, promovido pela 3corações;

– Lucas Venturim fica em São Domingos do Norte, no Espírito Santo. Ao lado do seu irmão Isaac, toca a fazenda, que foi adquirida pelo seu pai, Bento, em 1980 e ali produzem grãos canéfora;

– Simone Aparecida Dias Sampaio é produtora no Sítio Jardim das Oliveiras, em Araponga, nas Matas de Minas.  Filha de cafeicultor, se formou em nutrição e depois de trabalhar em grandes empresas, ela e seu marido João da Silva Neto, optaram por investir no sítio. Simone é uma das lideranças na região e exemplo de uma produção sem agroquímicos, apenas adubo e garante que tem baixa produtividade, mas alta qualidade;

– Anderson Minamihara, é a quarta geração da família Minamihara envolvida no cultivo do café. Se formou em Administração com a intenção de aprimorar a gestão e a produção leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

CafezalMercado

Fala Café #6: produtores falam sobre processos na fazenda durante pandemia

Com o tema “Como Funciona o Passo a Passo da Cadeia do Café Especial na Pandemia: Produtores Explicam”, o Fala Café apresenta seu 6º episódio nesta quarta-feira (27) e traz produtores convidados de diferentes regiões para contarem suas experiências, expectativas com a colheita e como estão planejando a venda dos grãos.

O encontro acontecerá às 18h30, no YouTube. Clique aqui para assistir. Também já está disponível uma playlist com todos os vídeos anteriores do Fala Café, onde foram discutidos temas como desafios e realidades no campo, mulheres na cafeicultura, melhorias na produção e mercado pós covid-19. Clique aqui para acessar.

27/5, às 18h30 – “Como Funciona o Passo a Passo da Cadeia do Café Especial na Pandemia: Produtores Explicam”

Convidados:
– Paula Paiva
– Fazenda Recanto – Sul de Minas – Machado
– Lucas Venturim – Café Fazenda Venturim – Conilon Capixaba – São Domingos do Norte
– Simone Aparecida Dias Sampaio – Jardim das Oliveiras – Matas de Minas – Araponga
– Renato Rodrigues – Fazenda Vista Alegre – Chapada Diamantina – Piatã
– Anderson Minamihara – Minamihara – Alta Mogiana – Franca
– Ronaldo Bento – Chácara Rio Limão – Café Don Bento – Rondônia – Cacoal
– Afonso Lacerda – Sítio Forquilha do Rio – Caparaó – Dores do Rio Preto

Moderação: Mariana Proença, diretora de conteúdo da Revista Espresso e do CaféPoint

O Fala Café é um projeto criado pela Revista Espresso em parceria com o site de notícias CaféPoint.

TEXTO Redação • FOTO Café Editora