Cafezal

Caminhante faz o caminho

Fomos conhecer as histórias de pequenos produtores brasileiros que focam qualidade e governança e estão prestes a conquistar três selos de indicação geográfica para café: Conilon Capixaba, Montanhas do Espírito Santo e Caparaó

Uma energia diferente toma conta de nós no palco do Coffee of the Year. Abraços, lágrimas e sorrisos encerram cada edição da Semana Internacional do Café. Momentos de tensão para saber quem levará o prêmio. Uma explosão de alegria contagia os finalistas. De cima do palco, como curadora do projeto, é possível sentir o clima de meses de trabalho sendo resumidos ali, naqueles instantes.

Tempos depois lá vamos nós vivenciar a emoção de conhecer de perto o dia a dia dos produtores nas suas casas, e com a missão de mostrar aos leitores os detalhes que os levaram ao topo, entre os melhores do País.

Uma peculiaridade da edição de 2018 foi a conquista dos produtores do Estado do Espírito Santo, tanto na categoria arábica quanto na canéfora. Malas prontas e iniciamos nossa jornada pela capital, Vitória. Nome um tanto sugestivo, não é mesmo?

O café é a principal atividade do estado e gera 400 mil empregos. A produção familiar é a cara da cafeicultura de lá e o primeiro item da exportação tem muito valor por onde se anda nas regiões.

Uma das peculiaridades do Espírito Santo é que, apesar de ser um estado de território pequeno (é o quarto menor do Brasil), ele produz as duas espécies de café: arábica e canéfora. Recentemente, em julho, as quatro principais cooperativas do estado fundaram a Federação dos Cafés do Estado do Espírito Santo (Fecafés), composta de Cooabriel, Coopeavi, Cafesul e Coopbac. As cooperativas atuam leia mais…

TEXTO Mariana Proença • FOTO Lucas Albin / Agência Ophelia

Cafezal

Arábica x Canéfora

Segundo contam algumas lendas, o café foi descoberto há muito tempo onde hoje é a Etiópia. A história diz que um pastor chamado Kaldi, ao cuidar de seu rebanho de cabras nas montanhas, começou a perceber que algumas delas ficavam muito saltitantes após comer um frutinho vermelho de um arbusto. A partir dessa observação, os humanos passaram a fazer experimentos com as plantas e os grãos, torrando-os de diversas formas e testando diferentes preparos, até chegar ao que hoje é o nosso café.

Frutos arábica – Foto: Vitor Barão

Ao longo dos anos a bebida caiu tão bem no gosto das pessoas que atualmente lidera o ranking de consumo mundial. Segundo pesquisas, nossa nação está entre as que mais consomem café. Além disso, o Brasil está no topo da lista quando o assunto é produção. Sabia que na safra 2018/2019 as lavouras brasileiras produziram mais de 60 milhões de sacas? Nosso cultivo é composto de grãos das espécies Coffea arabica e Coffea canephora, que se divide nas variedades robusta e conilon (muitas pessoas acham que se trata da mesma variedade, mas provaremos que são diferentes!). Que tal voltarmos às plantações para conhecermos um pouco sobre os processos por que passam os nossos diferentes cafés antes de chegarem à xícara?

Como ocorre a fecundação?

Os cafeeiros da espécie arábica têm maior facilidade para realizar a fecundação, já que são plantas autógamas, ou seja, têm um índice de autofecundação superior a 90%. Já as da espécie canéfora são alógamas, ou seja, possuem autoincompatibilidade, o que significa que a planta não fecunda outras do mesmo grupo de compatibilidade nem a si mesma. Para que isso aconteça é necessário que haja a chamada “fecundação cruzada”, realizada entre grupos diferentes na mesma lavoura, quando então a condução do leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto

Cafezal

De ponta a ponta – Fazenda Sertãozinho

As etapas de produção do café especial são minuciosas, são diversas mãos para chegar ao consumidor. Fomos conhecer a história do Café Orfeu, que, de fazenda que exportava, virou foco do mercado interno, e cujas variedades mostram a história da pesquisa do grão no Brasil

Dia nublado e a esperança de um solzinho para aquela foto ficar incrível. Assim que chegamos à Fazenda Sertãozinho, em Botelhos, no Sul de Minas, encontramos esse céu e uma vista maravilhosa. Lá conhecemos alguns personagens que nos guiaram pela história de toda a fazenda que tem tradição no café: seu talhão mais antigo é de 1948.

Foi no ano de 1995 que Roberto Irineu Marinho se interessou pela fazenda e começou a investir em tecnologia e maquinário para uma produção melhor. José Renato Gonçalves Dias (conhecido como Zé Renato), engenheiro agrônomo e atual diretor de todo o grupo das Fazendas Sertãozinho, que são compostas por 5 fazendas, sendo 2 localizadas no Sul de Minas Gerais (Sertãozinho e Cachoeira) e 3 localizadas na Mogiana, região do Vale da Grama (Rainha, Santa Inês e Laranjal). A principal e maior fazenda é a Sertãozinho, onde se localiza o Jequitibá-rosa de 1.500 anos, um ícone da marca, e também a Torrefação de Orfeu, local em que o café já sai embalado e pronto para consumo, conta que sempre se produziu café na fazenda Sertãozinho. O problema, segundo ele, é que todo grão colhido virava um único lote. “Começamos a perceber que cada área dava uma bebida diferente, por isso tínhamos que separar os lotes das fazendas”, explica.

Símbolo da fazenda, o jequitibá-rosa de 1.500 anos, árvore que simboliza a longevidade, o respeito à natureza, a força, a tradição e a história do Orfeu

O café plantado até então era exportado e muito conhecido pelo mercado japonês, inclusive por marcas como Nespresso e illy (para o café italiano). “Quando os gringos vinham a Sertãozinho, a fazenda era rota certa de visita”, afirma Zé Renato.

Com investimento e muito estudo, os funcionários perceberam a importância de mapear a fazenda por variedade, altitude, fácil exposição solar e tipo de solo.  Os grãos passaram a ser colhidos isoladamente e guardados nas tulhas. “Quando separamos esses lotes, vimos os verdadeiros tesouros leia mais…

TEXTO Natália Camoleze • FOTO Lucas Albin / Agência Ophelia

Cafezal

Raízes da terra

Com persistência e profundo vínculo entre homem e campo, aos poucos pequenos produtores provam o valor do café orgânico e familiar

Um janeiro chuvoso tomou conta de Poço Fundo, Sul de Minas, neste ano. Os produtores contam, com alívio, que o clima tem entrado nos eixos. Logo na chegada à cidade, a Cooperativa dos Agricultores Familiares de Poço Fundo e Região (Coopfam) agita-se com produtores e produtoras discutindo mercado e produção orgânica versus convencional. Não é só a chuva que torna a terra fértil aqui. O clima no município é inundado por debate, política e inquietação.

Antes desse cenário, quem reinava era o fumo de corda, mas, nesses anos de lida, Sinval Domingues da Silva, 53, viu a cultura cair 90% enquanto o café tomava seu lugar. Ele também estava lá quando os cafeicultores começaram a se organizar na política e no manejo. “Considero-me presente desde a fundação. As pessoas não conheciam orgânico, não achávamos o insumo correto e, por isso, a produtividade caía pela metade”, revela.

As dificuldades do início exigiram persistência do grupo que se reunia na igreja, na Câmara dos Vereadores ou nas calçadas da cidade. “Ninguém acreditava. Os idealizadores tiveram que ir sozinhos, com a cara e a coragem”, conta Sinval. Para superar os percalços, eles aprendiam como potencializar as lavouras. “A minha orgânica, posso dizer com orgulho, era referência. Eles tinham medo que o café não aguentasse, mas os meus ficavam de pé. A terra é muito boa”, afirma o produtor sobre seus nove anos com orgânico.

Uma nova leva de mudas de café tem sido adquirida pelos produtores. Com o apoio da Cooperativa, a época do plantio tem levado mais variedades resistentes ao solo de Poço Fundo (MG)

Anos depois, a Cooperativa enfrentou novos desafios e o desânimo geral, quando produtores abandonaram o cultivo orgânico. Foi nesse tempo que os cooperados decidiram buscar novas lideranças, entre elas Clemilson José Pereira. “O presidente entrou novo, a gente desconfiava por conta da idade. Mas hoje vemos que valeu a pena!”, confidencia Sinval.

Ainda em 1991, quando os fundadores tinham em comum a ligação com a Pastoral da Terra, Clemilson já frequentava as reuniões. “Foi fazendo, errando e acertando, que tudo foi construído”, explica. “Comecei a participar com 13 anos e até 2010 eu era apenas associado. Foi aí que entrei para leia mais…

TEXTO Thais Fernandes • FOTO Lucas Albin / Agência Ophelia

Cafezal

Da terra, pela terra e para a terra

A paixão de uma família pelo ciclo de vida de plantas, animais, águas e ventos fez com que Pernambuco voltasse ao mapa dos bons cafés nacionais com a Yaguara Ecológico.

No meio da agrofloresta, o café convive e coopera com outras espécies.

O brasão da família Peebles, originária da Escócia, tem um salmão. O peixe é conhecido por nadar contra a corrente, e a imagem está logo na entrada para a casa grande da Fazenda Várzea da Onça, em Taquaritinga do Norte, Pernambuco. E, como quem sai aos seus não degenera, é isso que o braço da família que acabou fincando raízes em terras brasileiras faz há muitos anos: ir na direção oposta à que o mercado ditava para as terras daquelas bandas do Nordeste.

“Tem muito pernambucano que nem sabe que aqui se produz café. E olha que lá nos primórdios o estado foi um dos primeiros a receber plantações e esteve entre os maiores produtores até os anos 1920, 1930”, conta Tatiana Peebles, também conhecida por aí como Tatiana Yaguara, que comanda a fazenda ao lado do pai, David Peebles, e do marido, Juscelino Felipe da Silva. Essa é uma das explicações para que a maior quantidade de pés das terras da família seja de arábica typica, um dos cultivares mais antigos da espécie e que, diz a lenda, foi o que Francisco de Melo Palheta trouxe ao país para descer pelas capitanias até encontrar seu chão mais produtivo, no Vale do Paraíba, na região Sudeste. Hoje o typica é preterido em razão de outros cultivares se adaptarem mais à lavoura moderna.

Quando avistou Taquaritinga do Norte do alto, David, um norte-americano que veio ao Brasil ainda jovem em uma missão e acabou achando o amor em Pernambuco, logo se apaixonou, de novo. No meio do sertão nordestino, o microclima da cidade é frio no inverno (chega a fazer leia mais…

TEXTO Cíntia Marcucci • FOTO Alessandra Luvisotto/Agência Como

Cafezal

Produtor do Vale do Café, no RJ, tem saca arrematada por mais de R$ 11 mil

Mariana Proença, diretamente do Rio de Janeiro

Em resgate histórico da região do Vale do Café, produtor tem lance recorde para o concurso que completou a terceira edição

Nesta tarde, 30 de novembro, foi anunciado o resultado do III Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro. Cafés das regiões produtoras fluminenses conquistaram as finais do certame e tiveram destaque na mesa de cupping realizada no Palácio Guanabara.

Às cegas, cafeterias, torrefações e indústrias locais e nacionais provaram os cafés e puderam dar lances em leilão durante o evento.

Em 1º lugar na categoria natural ficou o produtor Paulo Roberto dos Santos, da Fazenda Florença, coroando um trabalho de qualidade iniciado em 2014 na região do Vale do Café com as antigas propriedades que produziam café no Estado. Localizada em Conservatória, a Fazenda retomou o plantio de café em 2017, com variedades novas e sob orientação da Universidade Federal de Lavras (UFLA) com a coordenação do professor Flavio Borem.

O projeto coordenado pelo Sebrae RJ tem o objetivo de revitalizar o Vale do Café, região histórica que foi responsável pelo produção de 75% do café do mundo.

Com muita emoção o produtor recebeu o prêmio e teve sua saca arrematada por R$ 11.500 pela Café Capital – indústria e cafeteria da cidade – que disputou lance a lance com o Supermercado Zona Sul. No fim, Luciano Inácio, da Capital, deu o maior lance: 

“Extrema emoção pois a Fazenda Florença foi uma tradicional produtora de café no século XIX e ficou quase 80 anos sem produzir café. E agora foi coroada com essa premiação”, fala Paulo Roberto.

Com 36 amostras, os produtores da região Serrana, Noroeste e do Vale do Café tiveram seus cafés da safra 2019/2020 provados por um time de Q-Graders da Academia do Café, em Belo Horizonte, em seleção prévia. Os 10 melhores foram conhecidos em cerimônia no Palácio Guanabara e, os cafés, participaram de leilão com torrefações, cafeterias e indústrias locais.

Segundo Moacyr Carvalho, presidente da Associação de Cafeicultores do Rio de Janeiro (Ascarj), hoje são 2.600 produtores de café no Estado que já foi o maior produtor do mundo. Em média são 50 hectares de pequenos cafeicultores, familiares e que produzem um total de 386 mil sacas/ano. 

Todos destacaram o potencial de consumo de café do Estado do Rio de Janeiro e a importância do investimento em qualidade para ampliar o mercado e agregar valor ao produtor, inclusive citado pelo novo Secretário de Agricultura do Estado, Marcelo Queiroz.

Reforçando o perfil do cafeicultor do Estado, o 1º lugar da categoria Via Úmida foi Paulo Ricci, da região do Noroeste do Estado, da cidade de Porciúncula, a quinta geração da família no café no Sítio Santa Reginalda e Bom Jardim. Com 23 hectares, Paulo explica que está desde que nasceu no café e que agora passa para o filho, Tiago, a responsabilidade da produção de qualidade, que começou em 2003.

O produtor teve a saca arrematada por R$ 6.500 em um coletivo de cafeterias: Beco do Café, Ás Café Ipanema e Academia do Café, que ficarão cada um com 20 kg do grão premiado.

Para Bruno Souza, coordenador do concurso e proprietário da Academia do Café, os cafés estavam muito complexos e os finalistas tiveram notas acima de 82 pontos. “Os produtores do Rio de Janeiro estão de parabéns e esse é um trabalho muito importante. É prazeroso ter esses cafés expressivos e de qualidade excepcional”.

Os demais café finalistas foram leiloados com valores altos, com média de R$ 4.000 a saca. 

Resultado Final:

Via Úmida
1º lugar: Paulo Henrique Ricci (Sítio Santa Reginalda e Bom Jardim – Noroeste – Despolpado – 85,56 pontos)
2º lugar: Fabiano Antonio de Oliveira Rodolphi (Sítio Vai e Volta – Noroeste – Desmucilado – 84,81 pontos)
3º lugar: Enio Geraldo Marteline Neles (Fazenda São Mamede – Noroeste – Despolpado – 84,75 pontos)
4º lugar: Everaldo Tardin Erthal (Fazendinha Bela Vista 1 – Serrana – Descascado – 84,38 pontos)
5º lugar: Alyne Silva de Almeida (Sítio Vai e Volta – Noroeste – Desmucilado – 82,56 pontos)

Natural
1º lugar: Paulo Roberto dos Santos (Fazenda Florença – Vale do Café – Natural – 84,69 pontos)
2º lugar: Evando José Menim (Fazenda Boa Esperança – Noroeste – Natural – 84,25 pontos)
3º lugar: Geraldo Vargas de Moraes (Fazenda Ribeira e Soledade – Noroeste – 83,38 pontos)
4º lugar: Enio Geraldo Marteline Neles (Fazenda São Mamede – Noroeste – 83,31 pontos)

O leilão arrecadou em disputados lances o recorde de R$ 11.500 pela saca do produtor Paulo Roberto dos Santos, via natural, da Fazenda Florença, no Vale do Café, em cerimônia comandada pela diretora-executiva da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), Vanusia Nogueira.

Na área externa do Palácio Guanabara foi realizada a feira de cafés especiais em que o público pode provar os grãos do Rio de Janeiro. Dentre as marcas presentes, os cafés dos finalistas e também o Café Iranita, o Café Monthal, dentre outros produtores de diferentes regiões.

*A jornalista viajou a convite da organização do Concurso de Cafés Especiais do Estado do Rio de Janeiro

TEXTO Mariana Proença • FOTO Mariana Proença/Revista Espresso

Cafezal

Orfeu Cafés Especiais ganha prêmio no Concurso Aroma BSCA 2019

Durante a Semana Internacional do Café, feira do setor realizada entre os dias 20 e 22 de novembro, em Belo Horizonte (MG), a Orfeu Cafés Especiais apresentou experiências sensoriais aos participantes do evento, como degustações guiadas, workshops, drinques e uma sala de aromas.

Além disso, este ano, a empresa conquistou novamente o primeiro lugar no concurso Aroma BSCA 2019, organizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA). Na ocasião, a Fazenda Sertãozinho, pertencente ao Grupo, foi pontuada em 92,5 pontos, e o café Arara, com processo cereja descascado e via úmida, levou a melhor no anúncio realizado na última quinta-feira (21).

Em 2018, a Orfeu conquistou prêmios nas categorias via seca, com a Fazenda Rainha ficando em primeiro lugar, com 91,05 pontos, e a Fazenda Sertãozinho em segundo, com 91,05 pontos. Na categoria via úmida, o primeiro lugar ficou com a Fazenda Sertãozinho, com 91,15 pontos, e o quarto lugar foi para a Fazenda Rainha, com 87,55 pontos.

Neste ano, no estande, os visitantes puderam conhecer cinco blends da linha permanente: Intenso, Clássico, Suave, Descafeinado e Orgânico, disponíveis nas versões grãos, torrado & moído, cápsulas e drip coffee.

TEXTO Redação • FOTO Lucas Albin / Agência Ophelia

Cafezal

Confira as vencedoras da 2ª edição do Concurso Florada Premiada

Na última sexta-feira (22), durante a Semana Internacional do Café (SIC), o Grupo 3corações realizou a cerimônia de premiação do Concurso Florada Premiada. Nesta 2ª edição, a competição recebeu mais de 600 inscrições de cafeicultoras de todo o País.

As grandes campeãs receberam R$ 25 mil, uma viagem missão técnica para a Costa Rica e a compra de um lote pelo dobro da cotação. As segundas colocadas ganharam R$ 15 mil e a compra do lote pelo dobro da cotação. Já as terceiras tiveram seus lotes adquiridos pelo dobro da cotação.

Além disso, o melhor café de cada região também foi premiado com a compra pelo dobro da cotação, assim como os 100 melhores cafés do concurso, que foram adquiridos R$ 300 acima da cotação. Confira o pódio das categorias:

Via úmida

1º lugar Daiana Aparecida Juliano da Silva – 91,50 pontos
2º lugar Sônia Maria Lopes Sanglard – 89,79 pontos
3º lugar Ana Cláudia dos Reis – 88,73 pontos

Via seca

1º lugar Maria Simone Prock Borges – 92,04 pontos
2º lugar Sandra Lelis da Silva – 90,15 pontos
3º lugar Luciene Aparecida Santos Mota – 88,88 pontos

Na ocasião, o Grupo também anunciou o Padre Fábio de Melo como embaixador do Projeto. Ele esteve presente na cerimônia de premiação do concurso. “É uma honra contar com Pe. Fábio de Melo como embaixador do Florada, agregando tamanha sensibilidade em prol das produtoras. Hoje é dia de celebrar às conquistas das cafeicultoras”, disse Patrícia Carvalho, líder do Projeto na 3corações.

TEXTO Redação • FOTO NITRO Historias Visuais

Cafezal

Divulgada a lista dos 35 melhores cafés do Coffee of the Year 2019

Ontem, 20 de novembro, primeiro dia de Semana Internacional do Café (SIC), foram divulgadas as 35 melhores amostras do Coffee of the Year 2019, sendo 25 de café arábica e 10 de canéfora. Confira quem são:

Categoria arábica

Rafael Ribeiro Vinhal – Fazenda Estrela – Serra do Salitre – Cerrado Mineiro
José Renato Rodrigues Alves – Chácara Vista Alegre – Piatã – Chapada Diamantina
Neusa Venturin Pansini – Sítio Indaia – Venda Nova do Imigrante – Montanhas do Espírito Santo
Renato Caetano Domingos – Fazenda São João Batista – Campos Altos – Cerrado Mineiro
Marcio Alves de Oliveira – Fazenda Uaimii – Ouro Preto – Microrregião do Quadrilátero Ferrífero
Gislene da Silva Portilho – Café Portilho – Luisburgo – Matas de Minas
Lucas Lancha Mei Alvez de Oliveira – Fazenda Bom Jesus – Cristais Paulista – Alta Mogiana
Waldemar Ferreira de Paula Neto – Sítio Vista do Brigadeiro – Pedra Bonita – Matas de Minas
Wilians Valério – Sítio Recanto dos Tucanos – Alto Caparaó – Caparaó
Rejane Faleiros de Moraes – Fazenda Boa Esperança – Ibiraci – Sul de Minas
Francisco Souza Guimarães – Fazenda leia mais…

TEXTO Redação

Cafezal

Encontro anual da IWCA Brasil acontece na próxima semana

Mais de 800 mulheres estarão reunidas na próxima semana para o encontro anual da Aliança Internacional das Mulheres do Café do Brasil (IWCA Brasil), rede formada por profissionais envolvidas em toda a cadeia produtiva cafeeira. O encontro será realizado dentro da Semana Internacional do Café (SIC), que ocorre entre 20 e 22 de novembro, no Expominas, em Belo Horizonte.

Nesta edição, com o intuito de ampliar o debate, a Aliança convidou mulheres da América Latina e do Caribe. Já estão confirmadas as presenças de representantes de 12 países. No IWCA Regional Leadership Summit haverá prova de cafés, workshops sobre comercialização, painéis e palestras com temáticas variadas.

“A SIC é fundamental para nossa existência, é o mais importante acontecimento para as mulheres do café brasileiro. Um momento de prospectar negócios, trocar experiências, fazer conexão com todos os setores, resumindo: um mundo de oportunidades”, ressalta Cíntia de Matos, diretora-presidente da IWCA.

Este ano, o encontro recebe o apoio do projeto Ganha-Ganha, da ONU Mulheres, que tem como objetivo a igualdade de gênero. A IWCA busca dar visibilidade às mulheres em toda a cadeia do negócio café e tem como missão participar e influenciar nas decisões das políticas cafeeiras; incentivar a permanência no campo, promovendo o desenvolvimento socioambiental; divulgar e valorizar os cafés de qualidade, conquistando novos mercados e adicionando valor aos mercados já existentes.

“A presença das mulheres na atividade cafeeira sempre foi de extrema importância, em cada detalhe do processo: na produção com sua habilidade de organização, que traz um excelente resultado na bebida; na sensibilidade de agregar pessoas; na gestão dos recursos e na capacidade de aceitar com maior facilidade o novo. Hoje, temos mulheres apoiando umas às outras em vários setores, não só na produção, mas na comercialização, no desenvolvimento social, nas pesquisas, na habilidade da prova, somando às mais lindas histórias de sabor e de vida”, diz Cíntia.

Questionada sobre os desafios ainda enfrentados pelas mulheres em um setor tradicionalmente comandado por homens, a diretora-presidente da IWCA diz que há muito o que evoluir. “São grandes os desafios. Percebemos, principalmente na agricultura familiar, que as mulheres que desempenham o papel de mãe, esposa, proprietária e trabalhadora rural ainda não estão inseridas claramente no processo, deixando ainda o palco para o marido ou filhos homens. Nesse sentido, há muitos paradigmas a serem quebrados e eu sonho com o dia em que as mulheres do café passem a ser inseridas normalmente no seu lugar de profissionais do café, ativas e importantes’”, complementa ela.

Serviço
IWCA Regional Leadership Summit
Quando: 22 de novembro
Horário: 8h às 16h30
Onde: Grande Auditório – Expominas – Belo Horizonte (MG)
Mais informações: www.semanainternacionaldocafe.com.br

TEXTO Redação • FOTO Vitor Barão