Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

A diversidade da produção mundial de café está ameaçada?

A tabela abaixo inclui os 14 países que produziram mais de 1 milhão de sacas de café em 2019/20. Os países estão agrupados de acordo com o tamanho da produção.

As colunas do lado direito da tabela mostram a produção média em 2010/11 a 2014/15 e 2015/16 a 2019/20, a participação mundial da produção dessas médias e o crescimento das médias entre os dois períodos. A última coluna do lado direito contém números surpreendentes.

Ao contrário do que se menciona com frequência, que o Vietnã e o Brasil juntos estão ganhando participação crescente e expressiva no mercado global, esta última coluna mostra que o segundo e terceiro grupos de países tiveram um crescimento percentual da produção muito maior do que os dois maiores produtores, o que fez com que seu volume de produção adicional se situe na mesma faixa dos dois principais produtores. Enquanto o Vietnã e o Brasil adicionaram 9,3 milhões de sacas à produção média mundial neste período, os próximos 6 países – Grupos B e C da tabela – adicionaram 4,4 + 4,4 = 8,8 milhões de sacas. Isto mostra que a concentração da produção é um processo que envolve mais países do que apenas o Vietnã e o Brasil, o que é bem vindo para a diversidade da oferta de café.

Por outro lado, não é bom que juntos os próximos dois grupos – D e E – não tenham crescido e tenham perdido um pouco de participação. Com exceção da Nicarágua, que teve um dos maiores crescimentos percentuais da tabela (37%), e da Guatemala, que teve um crescimento pequeno (2%), todos os outros países viram sua produção média cair. Isto não é bom para a diversidade.

A escolha aleatória de anos para calcular as médias pode ser criticada. Pode-se argumentar, por exemplo, que esta escolha abordou os períodos durante e após a renovação da cafeicultura da Colômbia e que a produção do país se manteve bastante estável nos últimos 5 anos. A produção vietnamita também tem oscilado em torno de uma média de 30,5 milhões de sacas nos últimos 5 anos, após forte crescimento em relação ao período anterior. Em outras palavras, esses dois grandes produtores não cresceram significativamente nos últimos 5 anos. O crescimento da produção foi modesto no Brasil entre os dois períodos e também no segundo período, apesar das oscilações típicas da bienalidade da produção brasileira.

Crescimento entre médias à parte, a análise da produção anual de cada país na tabela mostra uma tendência visível de expansão em países como Etiópia, Honduras, Uganda, Nicarágua e Costa do Marfim. É interessante saber o que estes países estão fazendo para aumentar a produção e usar tais informações como base para ajudar outros países a fazerem o mesmo.

Esta troca de experiências entre países produtores médios e pequenos é especialmente relevante considerando o argumento de que Brasil e Vietnã têm uma escala de produção muito maior e que seu agronegócio café é tão mais desenvolvido que é difícil transferir o que estão fazendo para outros países produtores. Provavelmente verdade em uma perspectiva macro, isto pode não ser o caso em nível de fazenda, em uma perspectiva micro, onde as soluções podem de fato ser transferíveis, especialmente aquelas usadas pelos pequenos cafeicultores. Em realidade, o ambiente facilitador institucional e de negócios que funciona bem e está mais desenvolvido no Brasil e no Vietnã deve também ser introduzido ou melhorado em todos os países produtores, mas esta é uma tarefa muito mais complexa e de longo prazo.

A outra boa notícia é que apenas 4 dos 14 países descritos na tabela perderam produção entre as médias dos períodos em questão e estas perdas ocorreram no final de um período bastante longo de preços baixos do café. O crescimento médio para todos os 14 países (13%) foi superior ao do Brasil e do Vietnã juntos (12%) e a produção mundial total cresceu apenas um pouco menos (11%). A diversidade de produção não está se perdendo… mas pode crescer mais, inclusive dentro dos países líderes de produção.

É um bom desafio dedicar mais tempo à análise dos números na tabela acima e, principalmente, do que está por trás destes números para chegar a conclusões adicionais. O aumento da produção nos países produtores médios foi fruto de vontade política, melhoria do ambiente favorável ou outro(s) fator(es)? Uma forte razão para o aumento da produção em qualquer lugar é que os cafeicultores ganhem mais dinheiro. Foi o caso destes países?

TEXTO Carlos Henrique Jorge Brando

Deixe seu comentário