Café & Preparos

Estudo indica que café pode reduzir risco de doença hepática crônica

O consumo de café está associado a uma redução significativa do risco de desenvolver doença hepática crônica, ao mesmo tempo em que reduz pela metade o risco de morte por doenças hepáticas, de acordo com uma pesquisa publicada recentemente.

Os resultados favoráveis ​​foram associados ao café com cafeína e descafeinado, incluindo café espresso, embora tenham sido menos pronunciados entre os consumidores de café solúvel (instantâneo).

Pesquisadores do Reino Unido se debruçaram sobre os dados do UK Biobank, envolvendo quase meio milhão de participantes do estudo cujo consumo de café foi relatado no início de um período médio de estudo de 10,7 anos. Entre todos os participantes, 78% relataram beber algum tipo de café, enquanto os 22% restantes se identificaram como não bebedores de café.

Dentro desse intervalo de tempo médio, os bebedores de café de todos os tipos tiveram um risco reduzido de 21% de doença hepática crônica e um risco reduzido de 49% de morte por doença hepática crônica, de acordo com a pesquisa publicada no BMC Public Health.

Vários dos pesquisadores envolvidos – representando as Universidades de Southampton e Edimburgo – também lideraram um estudo publicado em 2017 que descobriu que pelo menos uma xícara de café por dia pode reduzir o risco de câncer de fígado pela metade.

O estudo mais recente descobriu que o pico de redução do risco ocorreu entre os consumidores de café tradicional com cafeína ou descafeinado, de 3 a 4 xícaras por dia. “O café é amplamente acessível e os benefícios que vemos em nosso estudo podem significar que ele pode oferecer um potencial tratamento preventivo para doenças hepáticas crônicas”, disse o Dr. Oliver Kennedy da Universidade de Southampton no anúncio da publicação. “Isso seria especialmente valioso em países com renda mais baixa e pior acesso aos cuidados de saúde, onde o fardo da doença hepática crônica é maior”, completou.

Os pesquisadores também alertaram que o consumo de café foi relatado no momento da ingestão de cada participante e não foi reavaliado durante o período do estudo, embora os resultados não possam ser generalizados a outras populações além da predominantemente branca baseada no Reino Unido.

TEXTO As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin • FOTO Wade Austin Ellis

Café & Preparos

O amadurecimento de Negra Li

Às vésperas de completar 25 anos de carreira, a cantora se prepara para apresentar ao público um álbum repleto de letras autorais e reflexivas 

Brasilândia é um bairro na zona norte de São Paulo onde nasceu Liliane de Carvalho, mais conhecida como Negra Li. Apesar da condição financeira limitada de seus pais, a cantora e atriz se lembra de uma infância feliz. “Havia coisas que gostaria de ter ou comer e não podia. Contudo, a maior lembrança que tenho é de correr pra cima e pra baixo e de brincar bastante. De ser uma criança que aproveitava o mundo da periferia”, destaca. 

A música entrou devagarinho na sua vida por meio da mãe, a quem descreve como “superafinada”, e de seu pai, que tocava sax na igreja. Nas rodas dos coleguinhas da escola e na rua, ela já era requisitada para cantar. Mas foi nos cultos que recebeu o primeiro elogio. “Meus pais são evangélicos. Na igreja que frequentávamos, não havia apresentação: todo mundo cantava no seu lugar”, relembra. “Eu costumava ir especialmente aos domingos e ficava cantando os hinos. As pessoas que ficavam ao meu lado é que me ouviam. Certo dia, uma irmã me disse que eu cantava bem. Eu me lembro de me questionar: será mesmo?”. 

Como na casa da família não havia aparelho de som, apenas rádio, a pequena Liliane não tinha muita informação a respeito de música. Costumava somente ouvir um pouco de rap no walkman e discman dos irmãos mais velhos, quando os aparelhos estavam livres. “Meus irmãos escutavam muito Racionais MCs, Planet Hemp e Gabriel o Pensador”, lista. “O fato é que eu tinha tudo a ver com o rap, sem saber. Na escola, era contestadora e adorava as aulas de História. Lembro-me de questionar os professores sobre os motivos da escravidão do negro, sobre o que era negroide, entre outros pontos”.

“O rap me escolheu”

Foi na escola, aos 15 anos, que a carreira de Negra Li começou a acontecer. Um aluno da sala de aula que tinha um grupo de rap ouviu a colega cantando. “Na época eu não sabia inglês e cantava Whitney Houston tipo ‘embromation’”, diverte-se. O colega fez um convite a ela para que entrasse no seu grupo como backing vocal. O começo foi recheado de aventuras e perrengues. “Não raro a gente cantava para três pessoas ou somente para o DJ. Eu andava muito pela madrugada, passando frio. Ficava doente frequentemente. Até que percebi que não havia mais condições de continuar dessa forma e avisei a todos que seria a minha última apresentação”.

Aquele não seria um show qualquer, era para abrir uma apresentação do RZO, o Rapaziada da Zona Oeste. O grupo de rap brasileiro – fundado em 1980, no distrito de Pirituba, e que revelaria outros grandes nomes do segmento, como Sabotage – encantou-se com o talento da jovem. Ela foi convidada a se juntar à trupe. O ano era 1996. “Por isso digo que eu não escolhi o rap: foi o rap que me escolheu”, emociona-se.  leia mais…

TEXTO Leonardo Valle • FOTO Gui Gomes

Café & Preparos

Você sabe como ocorre a classificação do café especial? BSCA explica sobre o tema em websérie

Nesta quarta-feira (9) acontece o lançamento do terceiro episódio da websérie “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, realizada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Café Editora.

O vídeo da vez fala sobre a etapa de classificação do café especial. Quem explica o tema são os profissionais Dimitry Branquinho, da Bourbon Specialty Coffees; Jean Carlos Rodrigues, da SMC Specialty Coffees; e José Francisco Pereira, da Cia Agropecuária Monte Alegre.

Movimento da xícara ao grão

Com novos episódios lançados todas as quartas-feiras no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso, o projeto busca levar informações relevantes sobre a cadeia do café especial ao consumidor final e a todas as pessoas que não possuem conhecimento deste universo, rebobinando o trajeto da bebida da xícara ao produtor e sua lavoura.

Com o intuito de aproximar as pontas do setor, a websérie conta com linguagem acessível e tradução em inglês. Deste modo, mais pessoas ao redor do mundo também podem conhecer de perto a história do café especial no Brasil e ficar por dentro de toda a qualidade da produção nacional!

TEXTO Redação • FOTO Café Editora

BaristaCafé & Preparos

Para além da xícara: 5 projetos que transformam vidas através do café

Em 24 de maio é celebrado o Dia Nacional do Café, data escolhida para oficializar o início da colheita do fruto nas lavouras brasileiras. É neste dia que as redes sociais ficam cheias de fotos de xícaras com a bebida, mas para nós (e para muitas outras pessoas) o café é mais do que isso, é capaz de mudar vidas!

A Espresso te convida a navegar mais afundo neste universo e ter a chance de conhecer histórias de pessoas que tiveram suas trajetórias modificadas por este grão. Aqui, listamos 5 projetos sociais para você seguir, conhecer e acompanhar. Vem com a gente!

Jovens Baristas

Com as irmãs e baristas Kivian e Vitória no comando, o projeto busca profissionalizar pessoas em situação de exclusão social e contribuir para o crescimento do setor. Para isso, os jovens aprendem sobre diversos temas ligados ao café, como extração da bebida, latte art, torra, degustação e classificação, empreendedorismo e até recursos humanos. As aulas acontecem em Belo Horizonte (MG) e são totalmente gratuitas!

Siga! www.instagram.com/jovensbaristas

Selo Amor Espresso

A própria bio do Instagram já diz: Possibilitar autonomia emocional e independência financeira para mulheres em situação vulnerável. Bacana, né? O projeto atua na Zona Norte de São Paulo (SP) e ajuda a introduzir mulheres no mercado de trabalho por meio de treinamento profissional de barista, acompanhamento psicológico e oportunidades de trabalho através de parcerias privadas.

“Muitas mulheres que participam do projeto vêm de uma situação extremamente vulnerável. Nós decidimos, então, criar uma iniciativa que vai além do assistencialismo, capacitamos mulheres a se tornarem autônomas através de treinamento técnico na área de barista. Notamos que mulheres, no geral, reinvestem a maior parte de seu salário na saúde e educação da família. Sendo assim, quando investimos na vida dessas mulheres, estamos ajudando a quebrar o ciclo de pobreza na próxima geração, ajudando a sociedade como um todo”, conta Fernanda Sabará, fundadora do Selo Amor Espresso.

Siga! www.instagram.com/seloamorespresso

Fazedores de Café

A iniciativa da rede de cafeterias Sofá Café tem como objetivo não apenas disseminar a cultura dos cafés especiais na capital paulista, mas também abraçar a causa social e dar a oportunidade a jovens carentes através do barismo.

“O objetivo é dar a possibilidade para jovens que não tem condições de pagar um curso técnico, de entrar numa faculdade, que precisam de uma segunda chance, ou até mesmo para refugiados. É fazer do café e do nosso conhecimento como cafeteria instrumentos de mudança social!”, conta Diego Gonzales, fundador da rede e idealizador do Fazedores.

Criado em 2014, o projeto gratuito ensina a extração da bebida, harmonização, receitas, gestão do ambiente e até normas de vigilância sanitária. Após o período de aulas, os alunos estagiam em outras cafeterias e ganham prática no ramo!

Siga! www.instagram.com/fazedoresdecafe

Legado Cafés

A ideia é transformar a vida de refugiados por meio da paixão por café! O projeto teve início em 2019, dentro da Fazenda Santo André, que cultiva café orgânico no município de Divisa Nova (MG). Com o auxílio da ONG Fraternidade Sem Fronteiras, os estrangeiros têm a chance de recomeçar no novo país, trabalhando na propriedade (e, para aqueles que se interessam, com direito à moradia).

“A intenção não é necessariamente de que eles se fixem aqui, mas que sirva como porta de entrada para que criem suas próprias asas”, conta Rafael Jacob, idealizador do projeto. Inclusive, no ano passado, a iniciativa foi premiada pela Pesquisa Empresas Humanizadas em categorias como liderança, estratégia de valor compartilhado, colaboradores e adaptabilidade evolutiva.

Siga! www.instagram.com/legadocafes

Chefs Especiais Café

Mais do que uma cafeteria, é também inclusão e representatividade. A Chefs Especiais Café, localizada no bairro do Jardins, na cidade de São Paulo (SP), dá oportunidade para pessoas com Síndrome de Down. As comidinhas servidas são feitas por eles, que são capacitados no Instituto Chefs Especiais, assim como todo o atendimento da casa, que conta com um visual Rock N Roll!

Siga! www.instagram.com/chefsespeciaiscafe

TEXTO Redação • FOTO Agência Ophelia

Café & Preparos

Trajetória do café especial no Brasil é contada em websérie que celebra os 30 anos da BSCA

A produção “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos” trará 30 vídeos que exploram a história da BSCA e a trajetória inversa do café, da xícara às lavouras brasileiras

Este ano temos uma comemoração especial no setor cafeeiro brasileiro: a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) chega aos seus 30 anos! Para celebrar, foi produzida uma websérie que contará a trajetória da entidade nessas três décadas e a importância das etapas por qual o grão passa antes de chegar ao consumidor.

Com o título “A História do Café Especial – O olhar da BSCA em 30 anos”, a série de vídeos lançada hoje, 24 de maio, explora o olhar sobre o movimento da xícara ao grão. A data foi escolhida a dedo por representar o Dia Nacional do Café, que marca oficialmente o início da colheita do grão nas lavouras Brasil afora.

“Falar dos 30 anos da BSCA é falar da história do reconhecimento da qualidade dos produtos brasileiros, trabalhada a muitas mãos em um verdadeiro trabalho coletivo. Nos 30 anos celebramos as Bodas de Pérola, e nesse seriado buscaremos contar as histórias de muitas pérolas nessas três décadas e o que vislumbramos para o futuro”, celebra Vanusia Nogueira, diretora executiva da BSCA.

A Café Editora realiza a produção da websérie, que conta, ao todo, com 30 episódios lançados individualmente a cada semana. “Estamos muito felizes em fazer parte desta história, porque, com essa websérie, marcamos um momento importante. Com entrevistas e imagens, resgatamos toda a história da BSCA e do café especial no Brasil através das vozes das pessoas que fazem parte disso”, conta Mariana Proença, diretora de conteúdo da Café Editora.

O projeto tem o intuito de apresentar ao consumidor final e para todas as pessoas que não possuem conhecimento da cadeia do café especial, como funciona o processo do grão. A ideia da BSCA é lançar o movimento inverso, que rebobina o trajeto da bebida na xícara até o produtor e sua lavoura.

Os vídeos serão lançados no YouTube da BSCA e no Instagram da Revista Espresso.

TEXTO Redação • FOTO Gustavo Baxter/NITRO

Café & Preparos

As artes de Carmo Dalla Vecchia

Com mais de 25 anos de televisão, o renomado ator também cede o seu corpo e a sua voz para discutir questões importantes no teatro e na fotografia

Pai da interpretação no Ocidente, o russo Constantin Stanislavski já dizia: “Um ator precisa de algo mais do que apenas seu talento artístico. Deve ser, também, um ser humano ideal”. A frase se aplica bem à trajetória de Carmo Dalla Vecchia, ator que já deu vida a tantos personagens “tortos” – como ele mesmo gosta de chamá-los –, mas que transborda uma personalidade doce e gentil. 

“Tenho sorte de ter uma profissão bonita, que tem o mérito de transmitir ideias e ajudar as pessoas a questionar conceitos. Mas não a acho melhor do que qualquer outra. Assim como um padeiro, um motorista, tenho uma função a cumprir”, analisa. 

Nascido em Carazinho, cidade de aproximadamente 60 mil habitantes no Rio Grande do Sul (RS), Carmo é filho de um bancário com uma dona de casa. Quando pequeno, a profissão do pai fez com que a família se mudasse para diversas cidades do interior do estado gaúcho. 

“Acho que tem uma coisa que já nasce com a gente. Eu fui um garoto que não tinha histórico de pessoas na família que gostassem de ler. Mas eu tinha afeto pelos filmes e livros. Uma coisa inexplicável”, relembra. 

Neto de alemães e italianos, Carmo ganhou pinta de galã já na adolescência, e, aos 19 anos, foi mandado a São Paulo para participar do renomado concurso de modelos The Look of the Year – que mais tarde revelaria beldades femininas como Gisele Bündchen e Isabeli Fontana. Era 1990 e ele venceu a etapa internacional. 

“O concurso contou com a presença de Cindy Crawford e da cantora Grace Jones. Para um garoto do interior era algo muito impactante”, emociona-se. O sonho de ser modelo não se realizou. Batalhando novos trabalhos na capital paulista, Carmo se viu trabalhando como vendedor de loja. “Brinco que virei ator por ser um modelo frustrado, já que esse era meu real objetivo. Toda a dificuldade que tive na carreira de modelo não tive na de ator.”

O som do sim

Depois de voltar para o Rio Grande do Sul, Carmo foi estudar Teatro no Rio de Janeiro. Com um ano na cidade maravilhosa, já era chamado para trabalhos. Mas foi um convite para ajudar a revelar a protagonista da minissérie Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados“, em 1995, que mudou a sua vida.

“Fui para o teste como apoio, ele não era para mim. A diretora acabou me escolhendo para o filho da Engraçadinha. Foi um início de carreira feliz, carinhoso. Era uma obra de Nelson Rodrigues, adaptada com todo o cuidado”, relembra.

Durval, o filho de Engraçadinha, vivia um complexo de Édipo, e inauguraria uma lista de personagens “tortos” na televisão. “Daí por diante tive a sorte de interpretar personagens estranhos, cheios de traumas e com histórias complicadas”, diverte-se. leia mais…

TEXTO Leonardo Valle • FOTO Marcus Steinmeyer

Café & Preparos

Estudo mostra que pandemia afetou hábito de conhecer pessoas novas em cafeterias na Europa

Uma pesquisa criada pelo torrefador de café vienense Julius Meinl, em parceria com o OnePoll, descobriu que mais de dois terços dos 4 mil participantes perderam o simples hábito de se encontrar em uma cafeteria para conversar e tomar a bebida. O estudo foi realizado com adultos no Reino Unido, em Viena (Áustria), Milão (Itália) e Bucareste (Romênia).

De acordo com Meinl, 13 bilhões desses encontros deixaram de acontecer entre março de 2020 e março de 2021, com 81% dos participantes relatando que conversar com um amigo ou um estranho impactou positivamente em seu bem-estar.

A pesquisa relatou que os londrinos perderam 6,3 milhões de oportunidades de conhecer alguém novo, enquanto que os participantes de Viena perderam 2,5 milhões de oportunidades e os de Milão, 2,1 milhões.

Com o estudo foi descoberto que a Covid-19 impactou a abertura dos participantes, com 36% relatando que agora são “muito mais” propensos a dizer “olá” a um estranho em relação ao momento pré-Covid. Apenas 20% disseram que são menos propensos a falar com estranhos por falta de confiança, nervosismo e medo da propagação do vírus.

Os londrinos foram considerados os mais sociáveis, com 48% dizendo que são “mais” propensos a interação com um estranho e 20% dizendo que são “muito mais” propensos. Apenas 12% dos londrinos disseram que teriam menos probabilidade de interagir. Na pesquisa, um em cada cinco disse que o lugar mais provável para iniciar uma nova conversa seria em uma cafeteria.

Com essas descobertas apontando para uma conexão especial encontrada nos cafés, Julius Meinl deu início à sua campanha “Diga Olá”, que se iniciará em 1 de junho de 2021 e busca apoiar cafés, hotéis e restaurantes neste ressurgimento após a Covid-19.

Nos estabelecimentos participantes, cada cliente que comprar um café ganhará um voucher de cortesia para presentear alguém, dando abertura para “dizer olá” e compartilhar o momento.

TEXTO As informações são do Global Coffee Report / Tradução Juliana Santin • FOTO Joshua Rodriguez

Café & Preparos

Café sem filtro! Conheça os coadores de trama de aço

De xícara em xícara: você já parou para pensar em quantos filtros de papel são descartados por dia no Brasil e no mundo?

Sustentabilidade é um tema que ganha cada vez mais destaque em diversos setores da nossa sociedade. No mercado de cafés, por exemplo, os copos descartáveis usados no to go, o conhecido “levar para viagem”, já foram substituídos por opções retornáveis em várias cafeterias no mundo. Mas há outro item fundamental no processo de preparo da bebida que muitas vezes passa despercebido: o filtro de papel.

Novas formas de fazer café

O uso do papel ainda pode ser aperfeiçoado, resultando em menos resíduos descartados no meio ambiente. Sobre o assunto, já há algumas opções no mercado, como os equipamentos de trama de aço. Alguns exemplos são o Cafeor, utensílio com estrutura de plástico e filtro de metal criado em 2013, pela japonesa Hario, e o Pour Over, método feito de aço inox lançado pela italiana Bialetti, em 2018.  

Da esquerda para a direita: Hario Inox, Pour Over e Cafeor

Como funcionam?

A barista Mari Mesquita, do Bike Brew e da cafeteria brasiliense Café Clandestino, explica que esses métodos possuem uma permeabilidade maior que a dos filtros de papel, ou seja, permitem passar mais resíduos pelos pequenos furos da trama. Por isso, além de prestar atenção na moagem, a uniformidade da granulometria e, se possível, eliminar os fines, partículas muito finas de café que destoam na moagem e podem apresentar características desagradáveis na bebida final, são importantes.

O meio ambiente agradece

Além dos utensílios com design cônico, há outras opções que entregam um bom café sem precisar do filtro de papel, como a moka italiana, french press, aeropress (se, em vez do coador de papel, for utilizado o filtro de metal “Able”), da brasileira Pressca e do tradicional coador de pano. 

Dica de preparo!

Mari Mesquita indica a mesma proporção usada na Hario V60, que pode ser de 1 grama de café para 15 ml de água. Mas ela dá uma dica exclusiva para o uso dos métodos de trama de aço: por conta da possível passagem dos fines, o café pode apresentar amargor e adstringência, além de uma sensação de bebida pesada. Como solução, ela indica a técnica bypass, que consiste em realizar a extração do café com aproximadamente 15 ml de água a menos. Depois que a bebida for extraída, acrescenta-se o restante da água diretamente na xícara ou na jarra, para diluir.

Onde comprar

Hario inox
Valor: R$ 453
Onde: https://bit.ly/3v3p9xb

Cafeor
Valor: R$ 238
Onde: https://bit.ly/3v1UQHe

Pour Over
Valor: R$ 244
Onde: https://bit.ly/3ouu6fO 

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Daniel Ozana/Studio Oz

Café & Preparos

Quero iogurte! Conheça a história e saiba como fazer em casa

Há milhares de anos surgiu a primeira versão do alimento, que depois se espalhou pelo mundo para ser consumido de manhã, à tarde e de variadas maneiras

O iogurte é um alimento tão antigo quanto o próprio mundo. O produto consumido na maioria das vezes no café da manhã ou no lanche da tarde tem atrás de si uma milenar história, quando o leite armazenado em vasilhas de barro pelos pastores fermentava ao entrar em contato com as altas temperaturas do deserto. Há também uma outra versão atribuída aos turcos, que guardavam o leite fresco em sacos feitos de pele de cabra. Ao serem transportados por camelos, o calor do animal em contato com a “embalagem” favorecia a produção de bactérias que transformavam o leite em iogurte.

Consumido no mundo todo e de diferentes maneiras – na culinária do Oriente ele é base de muitos molhos e entra em receitas salgadas – o iogurte é reconhecido por ser rico em cálcio, micronutrientes e proteínas, e um poderoso aliado no combate à osteoporose, à hipertensão e estimula o bom funcionamento do intestino.

Porém, existe o sabor para além das propriedades benéficas. E cada povo tem suas preferências. “Brasileiro gosta de iogurte mais adocicado e líquido, o europeu prefere o produto mais ácido e espesso”, compara Edna Arcuri, pesquisadora da Embrapa Gado de Leite (MG).

Foi por vontade de produzir aqui o produto que só encontrava lá fora que Gabriela Borges inaugurou, em 2011, a Delicari, em São Paulo, empresa que produz dez sabores de iogurtes (além de sorvetes) do tipo europeu – espessos, ricos em gordura e saborosos. “Queria fazer laticínios à moda antiga, elaborados apenas com ingredientes naturais, sem corantes, aromatizantes ou qualquer outro componente artificial”, diz Gabriela.

O seu sócio, o neozelandês Craig Bell, é um dos donos da fazenda Leitíssimo, situada no oeste da Bahia. O leite extraído do rebanho Jersey (raça europeia que produz leite com maiores índices de levedura, gordura e caseína, a principal proteína do leite) é a matéria-prima para os produtos da Delicari. leia mais…

TEXTO Janice Kiss • FOTO Daniel Ozana/Studio Oz

Café & Preparos

Museu do Café realiza aula on-line sobre reciclagem de cápsulas

Entre 17 e 23 de maio, o Museu do Café, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, integrará a Semana Nacional de Museus, iniciativa do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), que este ano chega a sua 19ª edição. A programação gratuita apresenta atividades on-line, com início no Dia Internacional da Reciclagem (17).

Ação colaborativa O que preservar para o amanhã?
17 a 23 de maio

O Museu do Café quer saber a opinião do público: o que é essencial cuidar, manter e conservar para o futuro? Nesta atividade virtual, os usuários poderão responder à esta pergunta e ver a contribuição dos demais participantes. O Museu do Café irá divulgando o link nas redes sociais a partir do dia 17.

Aula online Recicle! É tudo de bom!
17 de maio, às 17h

Neste dia voltado ao cuidado com o meio ambiente e à responsabilidade de cada um na sua preservação, o Museu do Café propõe uma conversa dedicada ao tema da reciclagem, mais especificamente o reaproveitamento das cápsulas de café. A atração é uma parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic). Inscrições: inscricao@museudocafe.org.br.

A fim de proporcionar uma opção prática aos interessados, o edifício da antiga Bolsa Oficial de Café também se tornará um ponto de coleta desse material no dia 17. O que for recolhido será encaminhado para a Cooperativa de Materiais Recicláveis Santista (Comares).

Baú da memória O que queremos preservar para o hoje?
18 de maio, às 10h30 e às 15h30

Para encerrar a agenda, o setor educativo realizará um processo de escuta das experiências vividas durante a pandemia do Covid-19. O objetivo é, a partir das falas, desenvolver a preservação das memórias constituídas nesse período tão difícil. Inscrições: clique aqui.

Serviço
Museu do Café
Onde:
Rua XV de Novembro, 95 – Centro Histórico – Santos (SP)
Telefone: (13) 3213-1750
Funcionamento: de quarta a domingo, das 11h às 17h
Mais informações: museudocafe.org.br

TEXTO Redação • FOTO Kous9