Café & Preparos

Vencedoras do concurso de xícaras do Museu do Café falam sobre processo de criação em live

As vencedoras do concurso “A xícara do Museu”, promovido em 2020 pelo Museu do Café, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, participarão de uma conversa ao vivo no YouTube da instituição. O bate-papo acontecerá na próxima terça-feira (23), às 17h, e será mediado pela ceramista Hideko Honma, que presidiu a comissão de avaliação.

Nadia Saad, ganhadora da categoria conceitual/artística, e Cristina Rocha, vencedora da categoria utilitária/funcional, irão falar como foram os processos de criação das xícaras, a experiência de ingressar nesse projeto e a importância da cerâmica para a cultura, a arte e a história.

Cristina Rocha, vencedora da categoria utilitária/funcional, recebendo o prêmio

Idealizado para comemorar os 22 anos do Museu do Café, o concurso recebeu inscrições de artesãos, artistas e ceramistas do País inteiro. Em outubro, a cerimônia de defesa final aconteceu no edifício da antiga Bolsa Oficial de Café, onde foram divulgadas as peças premiadas.

Mais informações: museudocafe.org.br

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Café & Preparos

Pesquisadores avaliam como o café pode reduzir riscos de problemas cardíacos

Uma pesquisa aponta que uma maior ingestão de café foi associada à redução do risco de insuficiência cardíaca em três grandes e conhecidos estudos sobre o tema: o FHS (Framingham Heart Study), o CHS (Cardiovascular Heart Study) e o ARIC (Atherosclerosis Risk in Communities).

A pesquisadora da Escola de Medicina Feinberg da Northwestern University, Linda Van Horn, aponta que os riscos e benefícios de beber café tem sido tópico de interesse científico contínuo devido à popularidade e frequência do consumo em todo o mundo.

“Os estudos que relatam associações com os resultados permanecem relativamente limitados devido a inconsistências na avaliação da dieta e metodologias analíticas, bem como problemas inerentes com a ingestão alimentar auto-relatada”, disse.

Os pesquisadores usaram o estudo original da FHS e os compararam com os dados dos estudos CHS e ARIC para ajudar a confirmar suas descobertas. Cada estudo incluiu pelo menos 10 anos de acompanhamento e, coletivamente, forneceram informações sobre mais de 21 mil participantes adultos nos Estados Unidos.

Para analisar os resultados de beber café com cafeína, os cientistas categorizaram o consumo em zero xícaras por dia, uma xícara por dia, duas xícaras por dia e três xícaras ou mais leia mais…

TEXTO As informações são do Sci-News.com. Tradução Juliana Santin • FOTO Jamie Long

Café & Preparos

Efeitos na saúde: quer uma boa razão para tomar café?

Não só uma, nós apresentamos várias razões para continuarmos consumindo essa bebida que tanto amamos! Selecionamos algumas informações do capítulo “Café é saúde”, do livro 101 razões para tomar café, escrito por Doutor Darcy Roberto Lima, que era PhD em medicina pela Universidade de Londres, e pesquisou por longos anos os efeitos do café na saúde humana 

Hoje em dia se sabe quase tudo sobre a cafeína. Mesmo assim, muitas pessoas ainda acreditam que o café pode ser prejudicial à saúde, o que é verdade se consumido em doses muito elevadas. Sinais de intoxicação podem ocorrer após a ingestão de vinte a cinquenta xícaras de café de uma vez só. Já a dose capaz de causar a morte em um adulto é de cerca de cem xícaras diárias! Bastante, não? Então fique tranquilo, tomar o equivalente a quatro ou cinco xícaras por dia não é prejudicial.

Agora que sabemos que, em doses moderadas, o café não faz mal, vamos aos benefícios. Tomar café é mais do que um hábito social. Uma pesquisa realizada na Noruega detectou que a maior fonte de antioxidantes na dieta humana é o café, seguido de frutas, chá, vinho, cereais, verduras e legumes. Sabia que as pessoas que ingerem quantidades adequadas de alimentos ricos em antioxidantes têm uma incidência menor de doenças cardiovasculares? 

Além dos antioxidantes, o café contém altos níveis de fibras solúveis dietéticas, ou seja, a ingestão da bebida, com ou sem cafeína, pode estimular os intestinos e o reflexo do estômago, o que aumenta o movimento gastrointestinal. Ainda sobre as fibras, uma delas, muito importante presente no café, é a pectina, que, de acordo com estudos, atua na luta contra o câncer. Além dela, o café tem compostos ácidos clorogênicos antioxidantes, e diterpenos, como o cafestol, que também têm ação anticancerígena. leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Gustavo Gialuca

Café & Preparos

Você sabe o que é um blend de café?

Blend é traduzido como mistura, ou seja, são combinações planejadas de diversos grãos de café. Basicamente é feito com o intuito de misturar as melhores características de cada café para criar bebidas equilibradas e resultados exclusivos.

Segundo o livro Coffee com Tim Wendelboe, muitas torrefadoras vendem blends ao lado de cafés de fazendas ou regiões famosas. Esses últimos são geralmente denominados single origin (única origem). Entretanto, a maioria dos cafés vendidos em supermercados é de blends de grãos de diferentes plantações, regiões e países produtores.

Um dos motivos do blend é a criação, pelo mestre de torra, de um sabor mais complexo a partir da mistura de diversos cafés com diferentes características. Fazer um blend pode ser extremamente desafiador. Ele requer uma boa dose de paciência e referências sensoriais, combinadas com uma visão do sabor que o blend deve ter. Mesmo que você faça um blend de cafés fantásticos, o resultado final pode não ter, necessariamente, um bom sabor. A coisa mais importante quando se faz um blend é saber que os cafés devem complementar-se para que o conjunto final seja melhor do que os componentes individualmente. Você pode, também, ajustar o equilíbrio de sabor num blend com diferentes níveis de torra. Mas, como um blend deve ser torrado?

Alguns dizem que, se torrados juntos, os grãos trocarão calor entre si, produzindo uma torra mais estável. Outros afirmam que torram cafés diferentes individualmente para que eles possam ser corretamente torrados antes de compor o blend. Afinal, o que é melhor? Tim Wendelboe* aponta que, por sua experiência, não se pode sempre torrar cafés diferentes juntos, pois grãos distintos têm tamanhos e densidades diversos, e é por isso que nós, às vezes, precisamos torrá-los individualmente antes de misturá-los. Outras vezes, isso não importa. Novamente, o sabor é o mais importante, e não a teoria.

*Tim Wendelboe é um barista norueguês que venceu diversos campeonatos em seu país. Em 2004 se tornou o campeão Mundial de Barista e, em 2005, venceu o mundial de Cup Tasters (prova do café).  Em 2007 iniciou o seu próprio negócio, que reúne uma cafeteria, um centro de treinamento e uma microtorrefação no bairro Grünerløkka, em Oslo, na Noruega.

TEXTO Redação • FOTO Tim Umphreys

Café & Preparos

Chico César: arte em movimento

Seja em forma de livro, seja de canção, o cantor e compositor faz da poesia um elo para se conectar com o mundo

Farinha, rapadura, arroz e um folheto de cordel. Esses eram os produtos que não podiam faltar na lista de compras que o pai do cantor Chico César levava no bolso, toda semana, quando ia à feira na cidade grande. Natural de Catolé da Rocha, no Sertão da Paraíba, a família de Chico valorizava a cultura em todas as suas manifestações, mas principalmente a popular. “Aos 7 anos, eu já era o encarregado de fazer a leitura do cordel à noite, quando toda a família se reunia à luz da lamparina. Meus pais, minhas irmãs e meu irmão adoravam a minha performance declamando os textos”, relembra.

Aos 6 anos, Chico começou os estudos em um colégio de freiras alemãs que fugiram da II Guerra Mundial. Além das disciplinas tradicionais, como Matemática e Língua Portuguesa, sua grade incluía aulas de Música, nas quais aprenderia a tocar flauta doce. Na sequência, veio o violão. “Eu percorria a cidade sempre pedindo para uma ou outra pessoa me ensinar algum acorde. O violão se tornaria meu instrumento inseparável por toda a vida”, revela.

Dos 8 aos 15 anos, o menino Chico passou a trabalhar numa loja de fotos que também vendia discos e livros. Lá, seria introduzido, pela primeira vez, na arte e na cultura formal. “Conheci de Kraftwerk (renomado grupo alemão de música eletrônica) a Luiz Gonzaga. Lia também João Cabral de Melo Neto, Guimarães Rosa, José de Alencar. Foi uma oportunidade ímpar ter tantas referências nacionais e internacionais ao meu dispor.”

Já sabendo que era músico de corpo e alma, Chico César entrou em um dilema: como fazer para levar o seu sonho adiante na idade adulta? Para conseguir se sustentar, escolheu uma profissão que também lidava com palavras: jornalismo. “Aos 20 anos, já estava formado e comecei a trabalhar no jornal O Norte, dos Diários Associados – veículo criado por Assis Chateaubriand”, conta. “Na sequência, vim para São Paulo trabalhar como revisor. Mas nunca deixei a música de lado. Estava sempre compondo e fazendo shows.” leia mais…

TEXTO Leonardo Valle • FOTO Agência Ophelia

Café & Preparos

Cada um no seu cantinho: 8 pessoas preparam o mesmo café em métodos diferentes!

A redação da Espresso fica em São Paulo. Foi na segunda semana do mês de março que ouvimos pela primeira vez por aqui que teríamos que trabalhar de casa, por causa da pandemia Covid-19. A maioria acreditou que seria rápido, porém, março passou, chegou abril e seguimos na quarentena. E o mês de maio todo também. 

No meio de tantas mudanças, a nova publicação da revista e a dúvida sobre como produzi-la. Tivemos que aprender a trabalhar de outra maneira, com a equipe distante fisicamente e próxima virtualmente. Nossas reuniões passaram a ser diárias e ideias foram surgindo para a edição da Espresso, que, por sinal, completa 17 anos! 

Para esta seção, depois da pauta definida, normalmente o primeiro passo é escolher as pessoas que farão parte da degustação. Em seguida, encontrar um local em que o café pudesse ser preparado e as fotos, realizadas. Sem poder sair de casa, como produzir essa matéria? 

Em primeiro lugar, entramos em contato com a Café Store e escolhemos um café do Coffee Lab que foi torrado exclusivamente para o e-commerce, produzido por José Carlos Velten, do Sitio Nossa Senhora das Graças, localizado em Marechal Floriano, no Espírito Santo. Um arábica, catuaí vermelho e amarelo, processo honey. 

Segundo passo: como fazer com as fotos, sem fotógrafo e sem os convidados? Foi aí que tivemos a ideia de uma produção em casa e totalmente “instagramável”. 

A degustação 

Além da nossa equipe, contamos nesta degustação com a jornalista Clara Campoli, que está em Brasília, e escolheu o método aeropress; o tecnólogo e barista Otávio Augusto, em Patrocínio, Minas Gerais, que usou o koar; e a nutricionista e fundadora do Foodpass, Priscila Sabará, que, em São Paulo, preparou o café na moka italiana. Para esta produção caseira, criamos um roteirinho de como as fotos poderiam ser feitas. 

Alguns contaram com a ajuda de quem estava confinado na quarentena para a produção das fotos e a degustação do café. Outros fizeram tudo sozinhos. E chegamos a uma conclusão: como é difícil produzir uma foto em casa! Retirar a bagunça, atentar para os detalhes, achar um ângulo bom, uma luz, o momento certo do clique, tudo isso unido à hora de provar o café. Fica aqui nosso agradecimento e admiração a todos os fotógrafos que já passaram pela Espresso. Conseguimos um bom resultado. Ainda bem que nossos convidados foram ótimos como fotógrafos e produziram fotos lindas!  leia mais…

TEXTO Redação

Café & Preparos

A xícara do Museu: conheça as peças vencedoras do concurso realizado pelo Museu do Café

Na esquerda, a xícara vencedora da categoria utilitária, feita por Cristina Rocha. Na direita, a vencedora da categoria artística, produzida por Nadia Saad

Lançado em março para comemorar os 22 anos do Museu do Café, localizado em Santos (SP), o concurso “A xícara do Museu” recebeu 142 inscrições de artesãos, artistas e ceramistas de todo o Brasil.

As peças foram analisadas por uma comissão de avaliação presidida pela ceramista Hideko Honma e formada por representantes do grupo Cerâmica Contemporânea Brasileira (CCBRas), que selecionou as dez finalistas da competição.

A cerimônia de premiação aconteceu em outubro. Na categoria artística, Nadia Saad foi a grande vencedora, enquanto que na categoria utilitária o prêmio foi para Cristina Rocha.

Até o dia 31 de janeiro, os trabalhos de todos os aprovados para a segunda fase do concurso vão ficar expostos no Museu do Café e, em breve, as peças vencedoras serão comercializadas na loja do museu.

Mais informações: museudocafe.org.br

TEXTO Redação • FOTO Gino Pasquato

Café & Preparos

5 métodos práticos de fazer café para você ter em casa

Café vai bem a qualquer momento do dia, não é mesmo? Por isso, é importante que você tenha em mãos os utensílios certos para preparar aquela xícara boa sempre que bater a vontade. Para te auxiliar no momento da extração, separamos 5 equipamentos práticos para ter em casa que vão te proporcionar uma excelente bebida!

1- Clever

Foto: Gabriela Kaneto

Criada em 2010, em Taiwan, a Clever é uma mistura entre a extração da prensa francesa com a do filtro de papel. Seu sistema não goteja a bebida ao mesmo tempo em que a água é jogada sobre o pó, uma vez que seu porta-filtro é vedado embaixo através de uma trava, que só é liberada quando o método é colocado sobre um recipiente, como, por exemplo, uma jarra ou xícara.

Essa vedação permite com que o usuário brinque com o tempo de infusão, podendo deixar o café em contato com a água por mais ou menos tempo, obtendo diferentes características na bebida final. Para usar a Clever é necessário ter também o seu filtro de papel. O método é vendido em acrílico e pode ser encontrado em dois tamanhos (300 ml e 500 ml).

Moagem: média
Filtro: papel
Dica de preparo: 18 g de café + 220 ml de água + 3 a 4 minutos de infusão (sem pré-infusão)
Investimento: R$ 239 (300 ml) + R$ 41 (filtro 300 ml com 100 unidades)
Onde comprar: www.cafestore.com.br

2- Hario v60

Foto: Giulianna Iannaco

O método japonês criado em 2011 possui filtro cônico triangular com vértice de 60 graus (daí o nome). Internamente, conta com linhas verticais levemente espiraladas que permitem que a água passe pelo pó em um fluxo que acentua o movimento circular, além de afastar o papel do equipamento e permitir que o café respire. O orifício leia mais…

TEXTO Gabriela Kaneto

Café & Preparos

Café pode minimizar déficits de atenção causados pela falta de sono?

Pesquisas publicadas recentemente sugerem que consumir café com cafeína durante o dia ajuda a minimizar os déficits de atenção e funções cerebrais, causados ​​pela falta de sono. Os pesquisadores por trás do estudo disseram que  foi o primeiro do tipo, pois selecionou resultados das condições do “mundo real” dos consumidores da bebida durante os dias de trabalho.

Para o estudo, os participantes do Instituto de Medicina Aeroespacial em Colônia, na Alemanha, cada um carregando um receptor genético conhecido por responder à cafeína, foram limitados a cinco horas por sono ao longo de cinco noites de trabalho.

Os participantes receberam aleatoriamente uma dose diária de café cafeinado com 300 mg de cafeína ou café descafeinado para o período do estudo. Eles pediram, ao longo do estudo, para avaliar seu nível de sonolência enquanto eram testados em seus níveis de vigilância, estado de alerta, tempo de reação, memória e outras funções cognitivas. Os participantes que receberam o café com cafeína se saíram melhor, embora os benefícios durassem apenas entre três a quatro dias no período de estudo.

“Pesquisas anteriores sugerem que o consumo de café com cafeína pode reduzir o impacto da privação de sono nos déficits de atenção e função cognitiva em um ambiente de curto prazo”, disse Denise Lange, pesquisadora do sono no Instituto de Medicina Aeroespacial e co-autora do estudo. “Este estudo está entre os primeiros a examinar se esse efeito pode ser traduzido em uma situação do mundo real, onde bebidas com cafeína são comumente consumidas todos os dias por pessoas que sofrem de restrição crônica de sono. Nosso estudo indica que a ingestão moderada de café pode mitigar algumas repercussões da redução do sono ao longo de alguns dias, no entanto, isso não é um substituto para uma boa noite de sono a longo prazo”, completou.

Deve-se notar que este é o estudo mais recente em uma série de estudos científicos de três décadas que têm duas coisas em comum: 1) Eles mostraram principalmente o consumo de café sob uma luz positiva; e 2) foram financiados principalmente pelo Instituto de Informação Científica sobre Café (ISIC), sem fins lucrativos.

O ISIC, promovido sob o nome de Coffee & Health, foi criado e é financeiramente apoiado por um punhado das maiores torrefadoras de café europeias, atualmente incluindo illycaffè, Jacobs Douwe Egberts, Lavazza, Nestlé, Paulig e Tchibo.

O grupo foi listado como a principal fonte de financiamento para este estudo, embora diga que não controla a pesquisa e que incentiva a publicação das conclusões independentemente dos resultados.

TEXTO As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin • FOTO Wade Austin Ellis

Café & Preparos

Guia de Cafés #4: dicas do que estamos tomando

Muitos leitores nos perguntam quais cafés indicamos. Resolvemos indicar os grãos especiais neste Guia de Cafés que ora é semanal, ora é mensal, depende da safra de recebidos e também da época do ano. A proposta é que possamos “assinar embaixo” de produtos com rastreabilidade e qualidade.

Aqui na redação da Espresso estamos trabalhando todos de casa devido à pandemia de Coronavírus. Conte para nós que cafés está tomando e experimente essas novidades! A colheita de café no Brasil ocorre de maio até novembro nas 31 regiões produtoras, tanto de cafés arábicas quanto canéforas. Busque provar diferentes cafés e encontre os seus preferidos.

As dicas de cafés especiais desta leva da Espresso são:

Arco – Amazon Roasting

Produzido por: Fazenda Um
Produtor: Stefano Um
Região: Sul de Minas – Campanha (MG)
Espécie: arábica
Variedade: mundo novo
Processo: natural
Torrado por: Arco – Amazon Roasting Company
Sensorial do café: lácteo, doce e equilibrado
Compre: www.assinearco.com.br
Preço: R$ 40 (planos de assinatura para 1 café por mês)

Blum’s Kaffee – Drip Coffee

Produzido por: Sítio Pedra Dourada
Produtor: Renato Lacerda
Região: Matas de Minas
Espécie: arábica
Variedade: catuaí e catuaí-açu
Processo: natural
Torrado por: Blum’s Kaffee
Sensorial do café: frutas amarelas secas, menta, chocolate, muito encorpado.
Compre: www.blumskaffee.com.br
Preço: R$ 37 (10 sachês) leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Mariana Proença