Avatar

Coluna Barística por Mariana Proença

Experiências com café e sobre a profissão barista

Eles passarão, eu cafezinho

coluna-baristica_45

A língua está em constante mudança e as palavras sempre em processo de evolução. Assim como o café também. Alguns vocábulos caem em desuso, assim como alguns métodos de preparo ganham releituras. A estruturação e a origem das palavras e dos hábitos têm vida. É disso que vou falar hoje.

Pois bem, o café chegou aqui em 1727, com o senhor Francisco de Melo Palheta, que introduziu as primeiras mudas no Brasil. Desde então sabemos que a história desse grão não pode mais ser dissociada da história do País. Mas quando será que a primeira pessoa disse: “Aceita um cafezinho?” ou “Vamos tomar um cafezinho?” Difícil de saber. O que realmente sei é que essa simples pergunta define muito o nosso modo de pensar o café.

Voltemos para os dias atuais, ao início dos anos 2000, quando o conceito de café especial começou a ser divulgado no Brasil. Muitos artigos sobre o tema passaram a ser escritos, empresários abriram seus negócios de cafeterias e torrefações especializadas; o varejo passou a olhar com outros olhos para esse produto. O “cafezinho” então ganharia ares mais modernos. Mas como fazer com que esse produto fosse mais valorizado se ele era só um “cafezinho”?

Questionei isso logo que comecei a escrever sobre café. Em um rompante baixei um decreto na redação: é proibido o uso da palavra “cafezinho” nas publicações. Não dessa forma assim, antidemocrática, mas foi quase uma imposição mesmo: vamos escrever sempre “café”. Nada de “pretinho básico” ou “cafezinho gourmet”. Por que usá-lo de forma tão pejorativa? Pensava eu. A defesa sempre foi: vamos exaltar, quase dizer, cafezão (exagerando bem). Temos que fazer com que as pessoas entendam esse produto como ele é. Na época, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) criou até o personagem: Super Café. Ele voava pelos cafezais, passava por dentro das casas e falava que o café é muito saudável para todas as idades.

Enfim, anos se foram e as pessoas continuaram a me chamar para um “cafezinho”. Os cafés melhoraram muito. A qualidade do que temos hoje é infinitamente superior. Mas, realmente, o meu decreto foi em vão. Joguei a toalha. O filtrado ainda continua sendo café passado. O café vai ser sempre o cafezinho.

Para não ficar tão chateada, fui atrás do significado da palavra. Por que na língua portuguesa usamos tanto o diminutivo? Será que é um recurso usado em outras línguas? Sim, é. Mas somos únicos nesse exagerozinho, eu acho. O uso do diminutivo está ligado, muitas vezes, diretamente ao afetivo, carinhoso, sentimental, de ternura. Aquilo que é nosso, que está, segundo o escritor Luís Fernando Veríssimo “perto de nós, de aconchego, familiar, à mão, é o da gente”. O café é isso tudo.

Como desvincular toda essa história de amor pela bebida e passar a chamar de forma sisuda o café de todo o dia? Difícil. Porém, mesmo voltando atrás na língua falada, ainda quero reforçar que vocês não encontrarão tão facilmente o “cafezinho” nessas páginas. Talvez eu nunca tenha escrito tantas vezes essa palavra. Afinal, a palavra escrita não tem toda aquela inflexão da voz carinhosa de quando convidamos alguém para uma tarde de conversas regadas a café. Mas eu sei que, mesmo com a evolução da língua, não deixaremos de usar o nosso “inho”. Em Minas Gerais a história é até mais amorosa. Virou “cafezim” que vem sempre acompanhado de um “docím” e de uma “prosinha”.

Mas o que eu quero mesmo é que, cada vez mais, possamos tomar cafezinhos melhorzinhos por aí. E lembrando Mário Quintana, com seu Poeminha do Contra, de 1978, peço licença ao poeta para adaptar o famoso trecho “Eles passarão, eu passarinho”. Para brincar com aquele café que a gente sempre vai passar e que sempre será o nosso queridinho: “eles sempre passarão, e, nós, por que não? Cafezinho, por favor”.

*Mariana Proença é jornalista. Em 2006 assumiu a direção de conteúdo da Revista Espresso e, meses depois, o café já virou uma paixão que dura até hoje. Nesta coluna ela aborda diversos temas e experiências sobre a profissão barista. Fale com a colunista: mariana.proenca@cafeeditora.com.br

ILUSTRAÇÃO Eduardo Nunes

Deixe seu comentário