Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

Cresce a produção e o consumo de robusta no mundo

A participação do café Robusta na produção mundial passou de 25% em 1980 para cerca de 35% em 2005, excedeu 42% em 2020 e está caminhando para 45% ou mais. O Brasil terá uma safra recorde de Conilon este ano, o Vietnã provavelmente terá um ano normal e Uganda é a nova estrela em ascensão na produção de Robusta. Além disso, produtores tradicionais de Arábica como México e Nicarágua estão aumentando sua produção de Robusta, sem contar que a Colômbia também o está plantando.

O recente crescimento do preço do café verde bem como a queda na renda em muitos países devido à pandemia continuarão exigindo o aumento da participação de Robusta nas ligas de café a fim de limitar o aumento dos preços do café aos consumidores. Essas tendências recentes somam-se a mudanças mais fundamentais e de longo prazo no mercado de café que favoreceram o aumento de longo prazo na produção e no consumo de Robusta.

Um importante desenvolvimento de mercado neste século foi a introdução do café em grandes mercados emergentes que são tradicionais consumidores de chá, como Indonésia, China, Índia e Vietnã. A bebida de café inicialmente escolhida nestes países é o café solúvel, produzido principalmente com Robustas, pois os consumidores preferem um produto de café de preparação semelhante à do chá. Do café solúvel em pó (“spray dried”) eles tendem a passar para o café solúvel liofilizado, de melhor qualidade. Dependendo da renda e percepção da qualidade do café, os consumidores podem mudar para café torrado e moído e café espresso e, eventualmente, cafés especiais. Os jovens, consumidores de refrigerantes, podem preferir bebidas de café prontas para beber ou “3 em 1”, que são pequenos envelopes de dose única com café solúvel, leite não lácteo e açúcar. O próximo passo pode ser bebidas de café à base de leite, como shakes ou cappuccinos, e eventualmente cafés especiais, novamente dependendo da renda e da educação sobre a qualidade do café.

Outro desenvolvimento relevante é a melhoria da qualidade dos Robustas, incluindo aquela proveniente do benefício úmido, que vem permitindo sua maior participação nas ligas de torrado e moído e cápsulas oferecidas por indústrias de todos os portes. Há uma nova visão sobre a qualidade dos Robustas, com concursos de qualidade e ligas de origem única e 100% Robusta. Os cafés Robusta, que estavam mais presentes na base da pirâmide de renda com produtos de menor preço para a população de menor renda, estão agora abrangendo toda a pirâmide e se aproximando do topo. O Coffee Quality Institute (CQI) tem agora classificadores Q Grader tanto para Arábica quanto para Robusta. Eles são profissionais credenciados para classificar e pontuar cafés Arábica e/ou Robusta utilizando padrões desenvolvidos pela Specialty Coffee Association (SCA). O CQI está em processo de implantação dos Cursos de Processamento Q Robusta, para certificar os estágios de competência no processamento do café Robusta, como já é feito para os cafés Arábica. 

O café solúvel, cuja base é o Robusta, não só abre novos mercados, como também cria espaço para maior consumo de Arábica, já que alguns consumidores buscam produtos diferentes, de melhor qualidade e mais caros. Por outro lado, a indústria de café solúvel está melhorando a qualidade de seus produtos para fidelizar os consumidores. A Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (ABICS) está desenvolvendo uma metodologia para avaliar a qualidade do café solúvel e descrever suas características sensoriais. Isso ajudará a ampliar o mercado de café solúvel.

O retorno do consumo fora de casa – cafeterias e escritórios – no mundo pós-pandemia criará riscos e oportunidades para os cafés Robusta. A melhoria da qualidade do café Robusta verde é uma forma segura de manter os mercados conquistados durante a pandemia e abrir outros. Há muitas maneiras de melhorar a qualidade do café Robusta mas talvez a mais rápida seja por meio do processamento pós-colheita.

TEXTO Carlos Brando • FOTO Café Editora

Deixe seu comentário