Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

Manejo final do café para exportação: atualização técnica

Quase todo café exportado hoje é embarcado em containers, porém de maneiras diferentes: em sacas, em big bags ou a granel. O café é pesado em diferentes tipos de balanças, dependendo de como será colocado nos containers. Finalmente, a maior parte do café é misturado antes da pesagem. Vamos revisar como estas operações mudaram e evoluíram ao longo dos anos.

A liga é principalmente a combinação/mistura de diferentes tipos de café, qualidades e/ou origens para obter lotes homogêneos com as características e tamanhos de grãos requeridos. Mas também é a mistura de cafés da mesma qualidade produzidos por diferentes produtores ou que se originam de diferentes regiões para obter lotes homogêneos com o tamanho exigido pelo cliente. A liga é uma operação crítica para a entrega do café com as características exigidas nos contratos com os clientes. Esta operação pode ser uma grande fonte de reclamações (“claims”) se não for feita de forma adequada.

No processo de liga, o café deve ser juntado em certas proporções e misturado para se obter lotes homogêneos. Isto é geralmente feito com o auxílio de um silo redondo alimentado por um elevador especial de alto desempenho, que recebe o café em proporções pré-determinadas e garante uma mistura uniforme sem danificá-lo. As linhas de processamento de alta capacidade usam técnicas diferentes de liga. Cafés diferentes são alimentados a uma bateria de silos que descarregam em uma esteira por meio de um sistema de alimentação de volume ajustável, por exemplo, dispositivos de velocidade variável, instalados na saída de cada silo. A taxa de alimentação ou saída dos silos individuais é ajustada de acordo com as proporções exigidas no lote final.

O equipamento tradicional para pesar o café a ser colocado em sacos de juta ou outro tipo de saca no final das linhas de processamento é uma balança de plataforma mecânica. Isto mudou à medida que a mão-de-obra se tornou escassa, os lotes de café aumentaram de tamanho e outras alternativas de embarque foram desenvolvidas, especialmente o carregamento de containers a granel mas também big-bags. Balanças mecânicas automáticas foram usadas primeiro e ainda são utilizadas, mas hoje as balanças eletrônicas são preferidas. Os big-bags podem ser alimentados a partir de balanças automáticas no modo de fluxo contínuo ou podem ser pesados em balanças de plataforma específicas para big-bags, no nível do chão, com células de carga. Finalmente, o café que abastece os containers de 20’ é pesado em balanças automáticas no modo de fluxo contínuo ou em balanças de fluxo propriamente ditas.

As balanças automáticas têm uma caçamba de pesagem sob um silo elevado. Na versão mecânica, a caçamba é conectada por uma alavanca a um contrapeso com o peso desejado. O fluxo principal na balança é interrompido pouco antes do peso desejado ser atingido e um fluxo restrito muito menor continua por um tempo muito curto estimado para atingir o peso estabelecido. Balanças eletrônicas de caçamba e de fluxo contínuo usam células de carga para pesar o café e interromper o fluxo quando o peso requerido é alcançado. Balanças eletrônicas são muito mais fáceis de conectar a sistemas digitais que podem controlar a operação de processamento de maneira parcial ou completa.

Os big-bags com capacidades de 600 a 1.200 kg de café são normalmente pesados em plataformas no nível do chão equipadas com células de carga. O big-bag vazio colocado na plataforma é alimentado até atingir o peso desejado, conforme indicado pela célula de carga. Alternativamente, o café pode ser alimentado em um big-bag a partir de uma balança mecânica ou eletrônica que trabalha como uma balança de fluxo.

Os carregadores de containers a granel recebem café previamente pesado de silos ou elevadores e usam um ventilador de alta capacidade para soprar os grãos de café em um container de 20’ com revestimento interno. Balanças mecânicas ou eletrônicas, usadas como balanças de fluxo, ou as próprias balanças de fluxo no caso de operações de grande capacidade, são usadas para permitir que um peso predefinido de café equivalente a um determinado número de sacas seja alimentado a granel em containers. Os carregadores de containers a granel podem ter sistema de extração de pó ou deixar o pó dentro do container.

A maioria do café é exportado atualmente em containers a granel. Os containers com sacas vêm em seguida. Os big-bags são a opção de exportação menos comum, embora sejam muito utilizados na armazenagem de matéria-prima durante o processamento e depois dele e antes do embarque.

TEXTO Carlos Henrique Jorge Brando • FOTO Café Editora

Deixe seu comentário