Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

A Semana Internacional é, antes de tudo, uma celebração do café

A Semana Internacional do Café (SIC) promove anualmente, no mês de setembro, o encontro de profissionais dedicados a fomentar o mercado, que cresce cada vez mais e apaixona os apreciadores da bebida. A escolha de Belo Horizonte para sediar o evento nos últimos quatro anos foi um presente para a cidade e fez jus à importância de Minas Gerais na produção de café no cenário nacional e no internacional.

O café especial vem ocupando um espaço maior nos últimos anos na capital mineira e o interesse por esse nicho merece atenção. O consumo da bebida diferenciada é uma experiência e muitos a transformam em um ritual.

A abertura de novas cafeterias, a formação e capacitação de profissionais e o interesse maior do público formador de opinião têm sido um movimento crescente. Vejo como tendência muito forte a preocupação com a qualidade do produto, que não se limita à bebida na xícara, mas engloba todos os elos da cadeia, do plantio à mesa.

O café é o protagonista desse universo, mas a cultura em torno da bebida ultrapassa as expectativas do que ela oferece como produto. A sua excelência flerta diretamente com o que está ao seu redor, principalmente durante o seu consumo – a apresentação deve ser coerente com a sua qualidade.

A preocupação com a sustentabilidade da produção, que impacta no âmbito social, econômico e ambiental, é constante. A história do café também tem se tornado muito relevante, já que o público do café especial está cada vez mais exigente e sedento de informações.

Nesse contexto, a Semana Internacional do Café contribui grandemente para o fomento da economia local, ao apresentar possibilidades e facilitar a interação de potenciais empreendedores.

O universo do café me influencia e me inspira de diversas maneiras. Tenho a bebida como uma “companheira”, presente diariamente em minha vida, e acredito que ela seja um agente importante no dia a dia de outras pessoas também. Sou frequentador assíduo de cafeterias e consumidor de cafés especiais. Observo de perto o crescimento desse mercado em Belo Horizonte e um interesse cada vez maior por parte de leigos, os coffee lovers, coffee geeks, que desejam explorar mais essa cultura. A Semana Internacional do Café favorece esse movimento, não somente como realizadora de negócios, mas também como um agente educador.

Diante desse cenário, destaco ainda as relações humanas, nas quais o café funciona como um grande provedor de negócios e amizades. Nesse aspecto, a SIC se tornou um grande ponto de encontro daqueles que vivem do café e pelo café. Ter a oportunidade de encontrar profissionais que atuam pelo País, quiçá pelo mundo, conhecer as suas trajetórias e empenho em promover um trabalho dedicado ao desenvolvimento do mercado é motivador e relevante para que cresça o interesse pelo produto.

Na última edição da SIC, tive a oportunidade de observar de perto a sinergia desse mercado e como é interessante participar e interagir com pessoas que compreendem o que significa trabalhar com café. Vai além do profissional, muitas vezes está no sangue de famílias que têm o café como tradição.

A SIC veio para agregar e tem cumprido sua missão com bastante competência. É assim que observo essa iniciativa, que aproxima pessoas, profissionais e empreendimentos focados em um só objetivo: o café!

*Renato Falci é apaixonado por café. Empreendedor com formação em Comunicação Social e Gestão de Projetos, é o fundador do CoffeeLook, escritório onde desenvolve projetos de branding e design para o mercado de café, e que transcende as artes e o seu estilo de vida. Fale com este colunista pelo e-mail colunacafe@cafeeditora.com.br ou renatofalci@coffeelook.com.br

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso – única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui).

TEXTO Renato Falci • ILUSTRAÇÃO Eduardo Nunes

Deixe seu comentário