Avatar

Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

Olhos para a China

O dragão despertou; ele está ávido por uma xícara de café para começar o dia. Assim têm sido as manhãs chinesas, à medida que o consumo cresce a um ritmo de dois dígitos. Essa aceleração levou esse mercado a uma posição de destaque no cenário internacional e fez com que se voltassem os olhos de toda a cadeia do café para a China.

Durante séculos, com forte cultura milenar e gigantesca população, a China fascina mentes ocidentais. Os primeiros relatos das antigas rotas comerciais já descreviam o imenso potencial do mercado chinês, mas, somente nas últimas décadas, sua impressionante ascensão econômica foi capaz de transformá-la, verdadeiramente, em um imenso canteiro de obras e na fábrica do mundo. Ao mesmo tempo, a vigorosa expansão do poder aquisitivo fez da China alvo prioritário para o desenvolvimento de novos negócios, sem deixar indiferente nenhum setor comercial. Em se tratando de café, a emergência chinesa tem causado alvoroço em produtores e amantes de café. Quais serão os desdobramentos e implicações no comércio mundial do grão?

Visto do Brasil, o desbravamento desse crescente mercado representaria possibilidades quase infinitas para o produto nacional. Sobretudo entre os produtores, sempre foi comum a crença de que bastava que os chineses “aprendessem” a tomar café para que, de forma mágica, os preços cotados em bolsa atingissem novos patamares.

Não obstante, uma análise mais criteriosa pode revelar outras nuances, pois a China desenvolve simultaneamente sua capacidade de produção. O grande pensador chinês Confúcio dizia “não aceitar nem rejeitar absolutamente nada, mas consultar sempre as circunstâncias”. Esse ensinamento encontra plena aplicação na elucidação desse complexo binômio café-china.

O longo caminho
Para ver em primeira mão essa face menos conhecida da China, é necessário certo apetite por aventuras. Famosa pelas vastas montanhas, natureza exuberante e particularmente pelos chás, a província de Yunnan, que literalmente significa lugar ao sul das nuvens, acaba de acrescentar a essa lista o café.

Essa província, a mais meridional do território Chinês, espalha-se por 400 mil quilômetros quadrados (o equivalente ao estado do Mato Grosso do Sul), desde o poderoso Rio Mekong até o sopé do Himalaia, nas fronteiras com Birmânia, Laos e Vietnã. Com altitude média de 2 mil metros, clima subtropical e latitude de 20º N, a região apresenta condições muito favoráveis ao cultivo da espécie arábica, condições estas, a rigor, bastante semelhantes àquelas encontradas na América Central. Por isso, a província de Yunnan responde, atualmente, por cerca de 98% de toda a produção de café chinesa.

Plantações chinesas têm altitude média de 2 mil metros e são favoráveis ao cultivo do arábica.

Contemplar as belas paisagens da região exige, contudo, uma longa jornada. A partir de Xangai são cinco horas de avião até a capital da província Kunming e mais um voo complementar de uma hora e meia até os principais centros produtores de café, ao redor das cidades de Pu’er e Linchang.

A cidade de Kunming, com meros 3 milhões de habitantes, um número modesto para padrões chineses, dispõe de infraestrutura invejável, incluindo um reluzente aeroporto, amplas autoestradas e algumas linhas de metrô.

Enfim, a chegada ao destino traz alívio aos pulmões, outrora assolados pela poluição da capital xangaiense. A primeira impressão dessa longínqua província pouco se encaixa no estereótipo da China construído pelos brasileiros. Habitada por mais de trinta minorias étnicas, Yunnan constitui um verdadeiro mosaico cultural, rico em fisionomias, tradições e costumes diversos. Ao longo da história, sucederam-se diversos períodos de afastamento do poder central constituídos pelas dinastias Han, que imprimiram muitas características particulares à região. Credita-se a missionários franceses a introdução do café no final do século XIX.

Cafezais de Yunnan
É difícil conter a empolgação ao avistar ao longe as primeiras plantações de café, que mal se distinguem em meio às demais culturas tropicais, como a de cana-de-açúcar ou a borracha. O acesso a esses cafezais se dá através de estradas que serpenteiam o relevo escarpado – por vezes estreitas, por vezes sem pavimento, ou ainda parcialmente interrompidas pelos deslizamentos de encosta.

Assim como as estradas, as condições de vida mais precárias da população local são demonstração inequívoca de que a prosperidade chinesa ainda não foi capaz de alcançar os cantos mais remotos do país.

Estamos em época de colheita. As cerejas tingem de vermelho o tom viçoso da vegetação que se descortina. Diante dos olhos, cafeeiros de porte baixo (principalmente da variedade catimor), chamam atenção pela boa produtividade e total ausência de doenças corriqueiras no Brasil, como a ferrugem.

Comparados a grande parte dos cafezais brasileiros, milimetricamente alinhados e com rígido controle de plantas invasoras, os cafeeiros locais, que crescem rodeados por mato espesso e muitas vezes consorciados com outras plantas, causam certo espanto pela desordem.

O terreno íngreme impede qualquer tipo de mecanização, por isso a colheita se realiza exclusivamente pelas mãos de camponeses que habitam os vilarejos salpicados pela região. São relativamente poucas pessoas trabalhando nas plantações de café. Mesmo os chineses reclamam de escassez de mão de obra para o trabalho no campo e do desinteresse das gerações mais jovens.

Não é tarefa fácil compreender a divisão das áreas de produção e as relações de trabalho a partir de uma lógica ocidental. Mas é fato que, ao final do dia, um verdadeiro enxame de motocicletas surge de todas as partes. Desafiando todas as leis do equilíbrio, morro acima, carregadas com três, quatro, até cinco “medidas” de café cereja, elas se dirigem às várias estações de beneficiamento espalhadas pela região. Essas estações são administradas por empresas ou investidores privados, em parceria com o governo local, outra vez em um modelo de negócios próprio, que não obedece à lógica ocidental da propriedade privada.

Embora rudimentares, essas estações possuem instalações completas para processamento do café. Pequenos pátios de cimento, terreiros suspensos, despolpador, tanques de fermentação e uma particularidade local: compartimentos de secagem (tais quais um grande forno), cuja fonte de energia é o carvão. Em geral a capacidade de processamento atende a volumes não muito grandes.

Grãos chegam ao terreiro de cimento em uma das áreas de benefício.

Uma equipe que vive em acomodações no próprio local se encarrega das operações de pós-colheita, conduzidas em ritmo acelerado e somente interrompidas para tomar um… chazinho… ou infusões com outras ervas nativas. Nas monumentais montanhas de Yunnan, é impossível encontrar pessoas tomando café em um raio de vários quilômetros, sinal de que esse cultivo ainda não se enraizou totalmente na cultura local.

Teimosos, os últimos raios de sol se extinguem no céu de Yunnan, oferecendo um espetáculo memorável mesmo aos observadores mais desatentos. Sob o entardecer, o parque cafeeiro dessa província, com várias lavouras em formação, deixa prenunciar o crescimento vigoroso da produção chinesa nos próximos anos, ainda que alguns limites sejam impostos pela impossibilidade de mecanização e pela concorrência de terras disponíveis com outras culturas agrícolas. Tanto que grandes multinacionais do ramo do café, como Starbucks e Nestlé, vêm investindo consideravelmente na região.

De volta ao dragão
O incremento na produção encontrará seguramente bom respaldo no mercado doméstico, já que a China também experimenta um “boom” no consumo, portado pela maior disponibilidade de renda, pela urbanização e pela ocidentalização do estilo de vida. Essa trajetória ascendente guarda semelhanças com o quadro observado anteriormente em outros países asiáticos, a exemplo do Japão e da Coreia do Sul, mas é turbinada por velocidades chinesas.

As cafeterias se multiplicam nas principais cidades e começam a ganhar maior capilaridade pelo país. Além das grandes redes internacionais que esperam que a China seja o maior mercado consumidor em um horizonte de poucos anos, uma infinidade de “genéricos” chineses não deixa dúvidas sobre a capacidade inventiva local.

Por outro lado, não custa lembrar que o mercado chinês ainda é composto, em mais de 90%, de café solúvel de baixa qualidade e apresenta baixos índices de consumo per capita, inferiores a 100 g por habitante, cerca de 6 a 7 xícaras ao ano. Face aos mais de 4 kg encontrados em mercados maduros como EUA, Europa e inclusive o Brasil, esse número traz a dimensão da reserva de mercado que se esconde atrás da muralha.

Em seu eterno yin-yang, a China revela grandes oportunidades. A qualidade não parece ser um objetivo imediato, apenas iniciativas pontuais despontam nesse sentido, já que o primeiro desafio é responder ao aumento no volume.  No entanto, a combinação de terroir propício e intensificação dos investimentos estrangeiros habilita a China a considerar outro posicionamento em longo prazo.

Segundo uma antiga lenda chinesa, os animais se movem pelo oceano, mas são incapazes de produzir ondas. O dragão, por sua vez, quando se move, pode afetar as marés. E é este dragão que despertou.

*Allan Botrel é consultor de cafés e teve sua viagem para a China custeada pelo projeto Brazil. The Coffee Nation.

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso – única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui)

TEXTO Allan Botrel • FOTO Allan Botrel

Deixe seu comentário