Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

O sonho de um imigrante

e51_colunacafe

Minha visão da evolução da terceira onda tem agricultores, baristas e torrefações trabalhando juntos, fazendo parte do “outro lado” para entender mais sobre o nosso café. A maioria dos cafés de qualidade é exportada. Isso significa que a troca de informações entre torrefadores e produtores sofre, muitas vezes, devido à barreira da língua. Mas não tem desespero! Podemos nos comunicar aqui entre agricultores, baristas e torrefadores que buscam se tornar profissionais, que querem evoluir, que querem ser melhores.

Como fazer isso? Primeiro, precisamos realmente virar profissionais. Existem livros, cursos, empregos, a internet, revistas e campeonatos de café que podem ajudar na nossa pesquisa. Sem deixar de tomar café! Um bom barista pode ajudar o agricultor a conhecer seu próprio café. Uma coisa que atrapalha na venda do grão é que quem o produz não sabe o que o mercado quer. A cultura de tomar café pode ser bem diferente entre países. Melhor, então, fazer um produto específico para vender do que tentar vender o que se tem. Os baristas também têm uma experiência grande com diferentes grãos e podem falar sobre qualidade, aspectos da colheita e pós-colheita, apenas avaliando o sabor e o aroma do café. Isso pode ser um pouco avançado para a maioria dos baristas. Torrefadores têm mais experiência com isso, mas você não deve dizer que não pode. Sim, você pode.

O agricultor (ou os filhos dele) pode se educar a respeito do trabalho dos baristas para saber mais sobre os limites de qualidade do café. Como identificar problemas provenientes da colheita ou da pós-colheita. Nem todo mundo pode viajar para Oslo, Londres ou Nova York para fazer pesquisa. Precisamos cuidar da lavoura. O que é fácil fazer é comprar café de fora, café torrado aqui, talvez de vizinhos, e logo você vai saber mais.

Não é verdade que o melhor café vai para fora. Os melhores lotes de café são pequenos, duas sacas, dez sacas de café bem cuidado, representando tudo o que nós podemos realizar. As torrefações pequenas do País estão fazendo um trabalho muito legal, encontrando caminhos novos, pesquisando sobre torra e pós-colheita. O agricultor, em conjunto com o torrefador, tem facilidade de fazer experimentos pequenos, que podem dar resultados incríveis. Eu já provei muitos cafés dessas experiências que se mostraram impressionantes. Cafés que subiram 3 ou 4 pontos só por causa de uma fermentação benéfica. Grãos que, normalmente, são considerados normais, mas que ganham personalidade e qualidade após apenas uma separação entre maduros e verdes.

Não posso realizar o meu sonho sozinho. Eu acho que podemos melhorar o nosso futuro, o futuro do café, o futuro do País, trabalhando para melhorar a qualidade dos grãos. Isso vem junto com a mudança que estamos vendo. Quem não segue em frente fica atrás, sofrendo com preço baixo, colheita menor, variedades que não toleram a seca, mesmo tendo um produto que pode ser melhorado com pouco investimento.

É isso que eu estou tentando fazer aqui no Brasil. Pouco a pouco, com cursos, aulas, projetos pequenos, divulgando o que eu posso, fazendo a minha parte. Sei que eu não estou sozinho, mas precisamos que todos tomem uma parte da responsabilidade para si. Fazer o melhor com o que você tem, pensar sobre o que é possível. Nesse sentido, vão faltar limites…

*Eystein Veflingstad é norueguês, residente no Brasil, barista, mestre de torra e proprietário da 3ª Onda Consultoria em Café, empresa que tem como foco trabalhar com agricultores e cooperativas na missão de ajudar o cafeicultor a saber mais sobre o próprio café. Fale com o colunista pelo e-mail colunacafe@cafeeditora.com.br

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso – única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui).

ILUSTRAÇÃO Eduardo Nunes

Deixe seu comentário