Avatar

Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

A importância das conexões entre produtores e exportadores

Em 50 anos, o Brasil passou de importador de alimentos para uma potência agropecuária. Nesse período, o desenvolvimento do setor permitiu à maioria da população o acesso a uma alimentação saudável e diversificada, com crescentes volumes exportados.

O agronegócio se consolidou como um setor estratégico para a economia brasileira. Especialmente no atual período de crise econômica, se mostrando como o principal vetor na geração de empregos, renda e divisas com as vendas externas, condicionando o desempenho de toda a economia. Em 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro apresentou crescimento de 4,48%, atingindo R$ 1,48 trilhão, o que representa aproximadamente 25% do PIB brasileiro.

As ações de sustentabilidade e de responsabilidade social promovidas pelo agronegócio brasileiro resultaram na maior integração entre os agentes das cadeias produtivas. No caso do café, o fortalecimento de sistemas agroindustriais sustentáveis tem sido constante, por meio das ações que aproximam os produtores rurais, buscando a inovação. Soma-se a isso as ações promovidas pelo setor exportador de café que há mais de 15 anos buscam a inclusão digital, a melhoria dos processos produtivos, com incrementos consideráveis de produtividade e de qualidade do café colhido.

O setor exportador de café, representado pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), tem atuado para fortalecer as ações nas regiões cafeeiras, com base nos Programas Criança do café na escola e Produtor Informado, com importantes resultados que fortalecem a sustentabilidade na cadeia produtiva no Brasil.

Vale destacar as ações relacionadas ao Programa Criança do Café na Escola, que teve início em 2003, com o objetivo de montar Laboratórios Digitais, com equipamentos de informática e acesso à internet. No total, foram instalados 137 Laboratórios Digitais em 95 municípios cafeeiros, 1,37 mil computadores, sendo 116 deles com acesso à internet, com um investimento atualizado de aproximadamente R$ 9 milhões.

Já o Programa Produtor Informado foi criado pelo Cecafé, em 2006, com o intuito de levar inclusão digital para o meio rural e se expandiu significativamente em 2016. Com o início da parceria com a Plataforma Global do Café, além da inclusão digital, o programa passou a disseminar a sustentabilidade na cafeicultura. Tal conteúdo auxilia na adoção de boas práticas nos sistemas produtivos, objetivando, assim, o aumento da rentabilidade do negócio e qualidade do café, além de garantir a sustentabilidade do meio ambiente e a melhoria das condições de vida da população rural em geral. Foram contabilizadas, no ano passado, 125 turmas, com a capacitação de 1.500 produtores rurais, resultando na formação de mais de 2.600 participantes desde a criação do Programa em 2006.

Com base na iniciativa de revitalizar os Laboratórios Digitais e integrar os Programas, a partir de 2017 foi criado o Polo Café Sustentável, com o objetivo de fortalecer as ações de sustentabilidade na cafeicultura nacional. Por meio das parcerias regionais e de um sistema de gestão da informação estão sendo identificados os principais Laboratórios Digitais do Cecafé que se tornarão polos para execução de programas integrados no âmbito regional.

O Polo representa a zona de influência regional das ações de sustentabilidades, abrigadas, o que demonstra a integração entre os agentes da cadeia produtiva. Como foco da iniciativa, as pessoas que interagem com a produção de café, sendo elas: crianças, por meio da educação e da inclusão digital; professores, com a capacitação para discussão dos temas em sala de aula; Jovens, por meio da sucessão familiar e empreendedorismo; produtores, com ênfase nas boas práticas agrícolas e sustentabilidade na produção; mulheres, visando a igualdade de gênero com o empoderamento nas atividades agrícolas e de empreendedorismo.

Os esforços do setor exportador de café, de forma integrada aos cafeicultores, colocam o País no caminho certo para garantir competitividade, sustentabilidade e liderança absoluta no comércio mundial de café.

*Marco Antonio Matos é diretor-geral e Eduardo Heron Santos é diretor-técnico do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). Fale com os colunistas pelo e-mail colunacafe@cafeeditora.com.br

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso – única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui).

Deixe seu comentário