Café & Preparos

Participe da II Copa São Paulo Hario v60!

Em comemoração ano aniversário de 466 anos da cidade de São Paulo, no dia 25 de janeiro, às 17h, será realizada a II Copa São Paulo Hario v60. O evento, que busca premiar o melhor preparo no método japonês, está previsto para acontecer em Pinheiros, na cafeteria Um Coffee Co.

As rodadas serão compostas por três competidores e três juízes, que farão suas avaliações sensoriais individualmente. Cada barista terá seis minutos para preparar sua receita. O participante com a xícara melhor avaliada avança para a próxima etapa. Os prêmios das três primeiras colocações são:

1º lugar – R$ 700
2º lugar – R$ 350
3º lugar – R$ 150

O café oficial da competição é da variedade Pacamara, um híbrido de Pacas com Maragogipe. Os grãos foram cultivados na Fazenda Ambiental Fortaleza, na região de Mococa (SP). Aos interessados em competir, as inscrições abrem amanhã (11), às 10h, neste link. O valor é de R$ 55.

A II Copa São Paulo Hario v60 conta com organização da 55 Coffee Hub e parceria do São Paulo Coffee Festival, Isso É Café, Flavors, Hario, Bunn, Cropster, Atilla e Coffea Trips. A Espresso é mídia oficial.

Serviço
II Copa São Paulo Hario v60
Quando: 25/1, às 17h
Onde: Rua Paes Leme, 215 – Pinheiros – São Paulo (SP)
Mais informações: www.instagram.com/copasaopaulohariov60

TEXTO Redação

Café & Preparos

Museu do Café realiza programação cafeinada para crianças

A partir de hoje (8), o Museu do Café, localizado na cidade litorânea de Santos (SP), lançou uma programação especial de férias para as crianças. A agenda, idealizada até o dia 2 de fevereiro, conta com atividades extras aos fins de semana e com o ambiente temático chamado de “Espaço Café com Leite”.

Com piscina de bolinha, pula-pula, jogos de tabuleiro e fantasias, a área infantil funcionará de quarta a domingo, das 11h às 17h, dentro do edifício da antiga Bolsa Oficial do Café. Neste mesmo local o público infantil pode encontrar o “Cafezalzinho”, brincadeira lúdica que busca apresentar a rotina realizada na fazenda, incluindo processos como colheita, secagem e torra. Confira as atividades especiais do fim de semana aqui.

O ingresso para participar do espaço custa R$ 10 e dá direito às áreas expositivas do Museu. Crianças de até 5 anos não pagam e estudantes pagam meia entrada. Para participar das atrações adicionais, basta solicitar a adesão às monitoras do local. Aos sábados a visitação é franca, portanto, a mesma gratuidade vale para a área infantil e os eventos realizados no dia.

Mais informações: www.museudocafe.org.br

TEXTO Redação

Café & Preparos

Portugal e suas peculiaridades

Os portugueses são bastante parecidos com os brasileiros quando o assunto é café. E posso afirmar isso em muitos sentidos. Eles bebem café comercial e estão começando a descobrir o “café de especialidade”; é assim que chamam por lá o que intitulamos café especial.

Era 2016 quando resolvi fazer uma longa viagem a Portugal. Quase não se ouvia falar sobre cafés especiais, talvez uma ou duas cafeterias, mas nenhuma microtorrefação especializada. Nove meses se passaram quando voltei para o país e, para minha surpresa, encontrei um cenário diferente.

A velocidade com que o mercado cresceu e continua crescendo chama muito a atenção dos empreendedores, inclusive de brasileiros como o produtor Evaldo Coutinho, que resolveu aproveitar o benefício da dupla cidadania e escolheu Lisboa para montar uma microtorrefação, a Caparaó Specialty Coffees, e ser base de venda dos cafés no mercado europeu. Evaldo desenvolve um trabalho de extrema leia mais…

TEXTO Daniel Carvalho • FOTO Divulgação

Café & Preparos

Moído na hora

Um dos segredos para obter um café gostoso é, sem dúvida, uma moagem fresquinha. Apesar da importância dessa técnica, ainda é comum o uso do café já em pó, por conta da praticidade e pela falta de um moedor em casa. O X da questão é que usar um café que foi moído muito antes do preparo faz com que características fundamentais do fruto sejam perdidas, o que prejudica diretamente o resultado final.

Corpo, doçura e aroma são alguns dos traços encontrados dentro dos grãos, mais especificamente nos óleos, que são voláteis e sofrem oxidação com facilidade, principalmente depois da moagem (em cerca de três minutos). Por isso, para garantir que muitas qualidades do grão sejam mantidas na xícara, é importante que a bebida seja preparada logo após esse processo. Vale lembrar que o café é uma bebida feita de uma fruta e, que assim como qualquer outra, sofre interferência da oxidação se exposta por muito tempo.

O mercado de moedores está crescendo cada vez mais, os modelos vão desde os mais potentes, que aguentam moer uma quantidade maior de café, até os compactos e mais simples, ótimos para quem prepara café em casa. Além disso, há diversos tipos de lâmina e material que fazem com que alguns sejam mais resistentes que outros, ou que entreguem uma moagem mais uniforme.

Tipos de lâmina

Flat: a moagem se dá com a parte de cima girando sobre a parte de baixo. A moagem entregue costuma ser mais precisa, com partículas mais uniformes. No resultado final é possível encontrar poucos fines, porém eles são mais finos. Sua lâmina roda e esquenta menos vezes.

Cônica: em formato de cone, a parte de dentro gira e mói o grão através do atrito com a parte de fora. O resultado é mais desuniforme do que o entregue pela flat, porém os fines são menos finos. O aparelho costuma esquentar mais.

Hélice: a moagem é mais desuniforme do que as encontradas na flat e na cônica. Também é possível achar uma maior quantidade de fines no resultado final. É comum encontrá-la em moedores elétricos.

O que são fines?

São partículas finas que podem interferir no resultado final, tanto positiva como negativamente. Para eliminá-las existem algumas peneiras para usar após a moagem, e assim excluir os fragmentos que podem atrapalhar o sabor da bebida. Mas, antes de peneirar, vale a pena fazer o teste para ver como essas partículas se comportam em determinados métodos.

É importante limpar a lâmina?

Sim! A falta de limpeza faz com que o pó de moagens anteriores vire uma pasta, fixando-se nas lâminas. Com isso, o equipamento perde seu corte, girando mais vezes para alcançar o resultado desejado e, consequentemente, esquentando mais. A elevação da temperatura no processo é algo negativo.

Dica:

Dê preferência a moedores cujos fabricantes tenham representação no Brasil. Caso alguma peça se quebre, fica muito mais fácil realizar a troca e a manutenção.

Moagem ideal para cada método

Italiana: média grossa
French Press: média grossa
Kalita: média fina
Clever: média
Chemex: média
Hario V60: média
Aeropress: média

Média grossa = textura de trigo para quibe
Média = textura de açúcar cristal
Média fina = textura de farinha de rosca

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso referente aos meses março, abril e maio de 2019 – única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui).

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Daniel Ozana/Studio Oz

Café & Preparos

Em troca de cappuccinos, Projeto Natalatte recebe 400 brinquedos

Com o intuito de distribuir cafés especiais e fazer a alegria de crianças carentes, o Natalatte foi criado pelo pessoal da cafeteria paulistana True Coffee e da advogada e educadora social Bruna Dorneles.

Este ano, a arrecadação aconteceu no último sábado (14): quem entregava um brinquedo novo ou usado em bom estado para doação, ganhava um cappuccino da casa! Com isso, o projeto recebeu 400 brinquedos.

As doações foram entregues em uma ocupação localizada no bairro do Grajaú, na cidade de São Paulo, conhecida como “Favela da 19”. Além dos brinquedos, foram oferecidos 200 cachorros quentes e, no próximo domingo, também serão distribuídas 45 cestas básicas. Confira a galeria de fotos:

TEXTO Redação • FOTO Divulgação

Café & Preparos

Rio de Janeiro (RJ) recebe concurso e feira de cafés especiais neste sábado

No próximo sábado, 30 de novembro, o Palácio Guanabara, no Rio de Janeiro (RJ), será sede do III Concurso dos Cafés Especiais do Rio de Janeiro e da I Feira de Cafés Especiais e Produtos Agrícolas do Rio de Janeiro. Os eventos acontecem das 9h às 17h e a entrada é gratuita.

Com apoio da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Seappa), realização Sebrae, Ascarj e Emater, a ação pretende oferecer gratuitamente cursos e workshops com baristas sobre bebidas, gastronomia, degustação e torra dos cafés do estado, proporcionando diferentes experiências sensoriais aos visitantes.

O III Concurso dos Cafés Especiais contará com cafeicultores do interior do estado que chegam nesta última etapa com os dez finalistas (vias úmida e seca). Após a apresentação dos vencedores, haverá um leilão com a venda das sacas de cafés em grão cru dos finalistas premiados. Confira a programação:

9h Cerimônia de abertura
9h45 Apresentação dos cafés especiais pela Academia do Café
10h45 Cupping com participação dos compradores
11h45 Divulgação do ranking dos melhores cafés
12h Leilão dos dez melhores cafés
12h30 Premiação
13h Encerramento do concurso e do leilão

Já a feira, que acontece durante todo o período, apresentará barraquinhas leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Gui Gomes

Café & Preparos

Deguste cafés especiais em Pernambuco até o próximo domingo

O Festival Eu Amo Café acontece até o próximo domingo (01) e engloba 31 cafeterias espalhadas pelas cidades de Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes, oferecendo sugestões de espresso + sobremesa por R$ 15,90.

Segundo a Associação de Cafeterias de Especialidade de Pernambuco (Ascape), que realiza o evento, duas das regras de seleção são: a casa precisa trabalhar com grãos especiais e ter um barista profissional especializado.

Confira abaixo as cafeterias participantes:

Jaboatão dos Guararapes
Fridda Café

Olinda
Olinda Café
Xêro Café
Arte e Zoco Café

Recife
A Vida é Bela (Derby e Várzea)
Amai Café
Café com Dengo
Café do Brejo
Café da Jaqueira (Jaqueira e Paço Alfândega)
Café Lumiére
Café Mais Prosa
Castigliani (Parnamirim)
Coffee Cube
Confitaria Cake and Coffee
Cordel Cafés
Dom Afonso Café & Bistrô leia mais…

TEXTO Redação • FOTO Filipe Ramos

Café & Preparos

Café como protagonista em sessão de degustação

Durante o painel “Os paladares e os cinco gostos básicos” foi abordado o protagonismo do café dentro das degustações por se tratar de uma bebida complexa em sabores como o vinho. Doce, salgado, ácido, amargo e umami (sensação agradável que dá água na boca e deixa um gosto duradouro) podem ser percebidas em torno de uma xícara. “Todos os sentidos têm que estar conectados para sentirmos o sabor da bebida”, comenta o palestrante Daniel Carvalho, fundador da 55 Coffee Hub.

A harmonização de um café fermentado do cerrado mineiro – preparado por Paulinha Dulgheroff, do Mundo do Café – com queijo e chocolate foi oferecida para os participantes, “para que eles relatassem a experiência sensorial da combinação desses alimentos”, diz Hellen Maluly, presidente da Associação Brasileira de Ciências Sensoriais.

A proposta do painel foi mostrar que além do café ser uma bebida complexa, muitos outros fatores (ambiente, xícara utilizada, por exemplo) também influenciam na experiência do sabor.

TEXTO Janice Kiss, direto da Semana Internacional do Café • FOTO Nitro

Café & Preparos

Cafeicultura valoriza produtos e ações sustentáveis

A sustentabilidade tem sido tema recorrente durante a sétima edição da Semana Internacional do Café (SIC), em Belo Horizonte, MG. Durante o painel Produtos e Ações Sustentáveis para a Cadeia do Café, realizado na Cafeteria Modelo, a torrefadora Fabíola Jungles apresentou o projeto paranaense Consolida (do qual é idealizadora), criado em 2017, e que tem o objetivo de promover o protagonismo feminino na produção cafeeira.

Segundo ela, os aspectos social e econômico que compõem a sustentabilidade estão presentes no projeto, além da visibilidade da mulher no campo, tema bastante atual na cafeicultura e agronegócio como um todo. “Encontramos cafeicultoras que dividem de igual por igual os negócios da família, mas elas não têm uma conta bancária própria”, comenta.

Por outro lado, Marcelo Brussi, da Minas Hill, empresa sediada em Melbourne, na Austrália, contou sobre sua experiência na comercialização de cafés brasileiros no mercado externo. Não é incomum, segundo ele, o cliente “relevar” a qualidade em detrimento das condições ambientais e de trabalho nas lavouras. “É inaceitável para os consumidores australianos e neozelandeses, por exemplo, tomarem uma xícara de café que não respeite essas condições”, diz.

Durante a feira, Brussi lançou a Harvest, um saco de plástico fabricado com um percentual de milho em sua composição, diminuindo o consumo de energia na produção. Ele serve como um “forro” da tradicional saca de juta para evitar a contaminação do alimento. O produto não contém metais pesados, BPA (substância tóxica utilizado na fabricação de plástico) e organismos geneticamente modificados (GMO, na sigla em inglês). A previsão para a saca ser comercializada no Brasil é fevereiro de 2020 e o preço dela está estimado em torno de três dólares.

TEXTO Janice Kiss, direto da Semana Internacional do Café • FOTO Gustavo Baxter / NITRO