Café levado a sério

coluna_cafe-46

Como profissional de café, me parece estranho que, na maioria dos melhores restaurantes do mundo, se sirva uma xícara de café medíocre. Acho difícil aceitar que um dos melhores restaurantes de São Paulo, que se orgulha de servir ingredientes de origem local, serve um café de baixa qualidade que se pode achar no supermercado. Mesmo quando em pequenas fazendas, a apenas algumas horas de distância, se produzam os melhores cafés do Brasil. Cafés que muitas pessoas – eu me incluo entre elas – viajam por todo o mundo para encontrar.

Então, por que o café ainda não é levado a sério nesses restaurantes? Eu suspeito que isso tenha a ver com dinheiro. As grandes empresas de café dão máquinas e, em alguns casos, dinheiro aos restaurantes, a fim de que sirvam o seu produto. É uma forma barata de comercialização como algo superior apenas por ser associado a um grande chef. Há também a tradição de usar o café como uma maneira de os restaurantes fazerem um bom dinheiro. Eles compram o café mais barato e o vendem caro.

Felizmente, existem chefs que estão começando a mudar essa visão. Tenho a sorte de poder ajudar um deles, o chef René Redzepi, a desenvolver um novo programa de café em seu restaurante, o Noma, em Copenhague, que é considerado o melhor restaurante do mundo. Há dois anos, fui contatado por René e seu sommelier para ajudá-los a melhorar o serviço de café no lugar. Eles perceberam que não estavam dando tanta atenção ao grão do jeito que se importavam com os outros ingredientes e queriam que ele atingisse o mesmo padrão de todos os outros ítens oferecidos no restaurante. Um ano mais tarde, depois de horas de treinamento e degustação, foi lançado o novo serviço de café do Restaurante Noma.

Decidimos concentrar nossas energias a fim de buscar o melhor café que pudesse chegar a nossas mãos e prepará-lo com um simples filtro de papel manual, o Hario V60. Muito similar ao preparo da maioria dos cafés escandinavos. Nós recebemos muitas críticas dos profissionais do setor. Para eles, o método era muito simples e poderíamos ter escolhido um caminho mais espetacular de fazer café, por exemplo, usando o sifão ou pelo menos preparando o grão ao lado das mesas para que os convidados pudessem ter uma apresentação adequada.

A meu ver, esse é um dos motivos pelos quais não há mais restaurantes que servem um café de excelente qualidade. Nós, profissionais do café, dificultamos muito a compreensão tanto dos chefs como dos clientes. O serviço simplista no Noma foi muito bem pensado. Queríamos que os clientes experimentassem o café em si, e não todo o burburinho em torno dele.

No entanto, ainda temos desafios, e um dos maiores é mudar a percepção dos clientes. Mesmo em minha própria cafeteria, ainda precisamos educar as pessoas sobre o sabor da bebida, que a maioria, normalmente, acredita ser amargo e forte. Mas um ótimo café não necessariamente é assim. Para mim, um café delicioso pode ter gosto de chá, tangerina, jasmim, etc. Com certeza não é muito amargo e é naturalmente doce. Mas nem todos os clientes serão capazes de entender que o café não é apenas café. A formação de sommeliers para apresentar a bebida é, portanto, fundamental.

Logicamente, a preparação exige um pouco de atenção, mas com treino e bons sistemas no local, fazer um café saboroso não será um problema. Encontrar os ingredientes certos pode ser um tanto desafiador. Por isso, é indispensável para um restaurante trabalhar junto com um bom torrador, que selecione os melhores grãos de pequenos produtores e que possa ajudar com treinamentos e sistemas de preparação.

Acredito que os restaurantes brasileiros deveriam liderar o mundo servindo o melhor café. Afinal, eles têm as fazendas em seu quintal e a bebida faz parte da cultura e da história do Brasil. Isso é algo que deve deixar os chefs e sommeliers brasileiros orgulhosos. É também um jeito fácil de fazer com que os visitantes saiam com um sorriso no rosto em vez de partir com um gosto amargo na boca.

* Tim Wendelboe é torrador e consultor de cafés especiais, proprietário do Tim Wendelboe Espresso Bar, em Oslo, na Noruega.

ILUSTRAÇÃO Eduardo Nunes

Cafeteria & Afins

The Little Coffee Shop – São Paulo (SP)

DSC04695

Em um espaço de 2 metros quadrados na capital paulista surgiu uma cafeteria que parece ser a menor do mundo. Lá, tudo é pequenino e muito charmoso. A barista Flávia Pogliani, proprietária do lugar e quem comanda a máquina de espresso com a maior habilidade, também é organizadora da Coffee Week Brasil.

Sua relação com o café surgiu durante uma viagem à Austrália. Para se manter pelos quatro anos em que esteve do outro lado do mundo, trabalhou como barista, exercitando sua habilidade no preparo de cafés que vão desde o tradicional espresso ao cold brew (método de extração a frio).

DSC04665

Ao voltar para o Brasil, a vontade de ter o próprio negócio com cafés especiais foi aumentando. Até que a parte de baixo do sobrado de sua família, em Pinheiros, se tornou palco da realização de um sonho.

DSC04649

Maravilha de café
Grãos garimpados nas cidades de Jesuânia e Lagoa Formosa, ambas no Sul de Minas Gerais, pelo Coffee Lab, que compõem o blend da casa, resultam em um espresso encorpado, doce e muito frutado. Em breve, a empreendedora pretende incluir cafés filtrados na Hario V60 e na aeropress. Para refrescar, serve garrafinhas de café gelado da marca True Coffee.

Bolos fresquinhos da Casa Baunilha, sob o comando do confeiteiro Michel Scherer, chegam diariamente. Os sabores variam, mas os de laranja, pera com caramelo brûlée e iogurte com limão já são bem pedidos no local. Bolos gelados de maracujá, abacaxi, framboesa, além de outros sabores, e também o fudge, doce artesanal com base de chocolate e acréscimo de nozes, castanhas e frutos secos, da Ellas Gastronomia, adoçam o paladar durante a passagem rápida pelo balcão do pequeno café.

DSC04674

O sucesso da cafeteria é tão grande que, em menos de três meses de funcionamento, a barista já computou a venda de cem espressos por dia.

Informações sobre a Cafeteria

Endereço Rua Lisboa, 357
Bairro Pinheiros
Cidade São Paulo
Estado SP
País Brasil
Website http://www.facebook.com/thelittlecoffeeshopbr
Telefone (11) 2385-5430
Horário de Atendimento De segunda a sexta, das 12h às 17h30
TEXTO Amanda Ivanov • FOTO Café Editora

Café de precisão

coluna_baristica-46

Quando o barista está envolvido entre balanças, termômetros, chaleiras, água quente, dosadores, moinhos, cronômetros, pitchers, tampers e, claro, cafés especiais, ufa!, normalmente sai muita coisa boa dali. Hoje, cada vez mais, temos acesso a utensílios modernos para o preparo da bebida. Mas essa não é a realidade da maioria. O Brasil continua mantendo seus 97% de consumidores de café coado feito de forma tradicional, em casa, porém há mais gente interessada em novas formas de fazer do café um hábito inovador.

Por isso as cápsulas e as novidades que elas trazem são tão amadas no Brasil e vêm crescendo a galopantes 46,5% entre 2012 e 2013, segundo pesquisa da consultoria Nielsen. Mas o total de lares que têm cápsulas ainda é pequeno (0,6% dos domicílios no País), o que demonstra o enorme potencial que ainda existe.

Na época que as cápsulas chegaram por aqui, abriu-se debate sobre a continuidade da profissão barista. Com o tempo e os novos métodos de café surgindo, viu-se que havia espaço para os dois caminhos. E, mesmo dentro das grandes marcas de monodoses, há baristas trabalhando e pesquisando sobre o tema café.

Países mais maduros no consumo de café especial estão numa fase diferente da nossa, mas que, logo, logo, chegará por aqui. É o café coado high-tech. O espresso está na crista da onda quando o assunto é tecnologia de extração, máquinas caseiras e profissionais. Já o coado, nos últimos anos, voltou-se para o lado manual, com inúmeros preparos supermodernos, com filtros de formatos diversos, pressões e infusões variadas, que dependem muito da mão do barista.

Nas cafeterias, esses métodos são servidos como diferencial e agregam maior valor ao gasto médio do cliente, além de trazer junto o conceito de apreciar com mais calma a bebida: o slow coffee. Os preparos manuais exigem muito conhecimento. Qualquer deslize na quantidade de café, na inclinação da chaleira, na temperatura da água e no humor do barista pode arruinar um preparo.

Estão pipocando pelo mundo invenções que procuram diminuir essas variáveis e que são principalmente positivas para cafeterias que queiram ter volume de serviço e padrão de bebida. Mas também há equipamentos para uso residencial, que se assemelham ao conceito da cafeteira elétrica, mas que têm muita tecnologia aplicada. Nessas inovações, o mais comum hoje é ver aplicativos de mobiles que se conectam com máquinas e, a partir de informações salvas do perfil do usuário, produzem as bebidas de preferência daquela pessoa. Se você gosta do café mais diluído, mais forte ou com leite e também quer controlar a temperatura ideal para a extração, o aplicativo armazena tudo.

Com uma busca no site KickStarter, que arrecada fundos para projetos inovadores, é possível achar várias ideias incríveis de café. Uma delas é a máquina Arist, feita por uma empresa de Hong Kong, que já alcançou a meta de 120 mil dólares e vai produzir o equipamento. Entre as funções para preparar o café, há salvar as receitas preferidas, ajustar a quantidade de leite, a temperatura da água, a pressão e a moagem do café, sempre atendendo ao que o dono da máquina gosta. O slogan é “Como os melhores baristas fazem”.

Nessa linha de inovações, o barista norueguês e campeão mundial em 2004, Tim Wendelboe, assina um equipamento para café filtrado, o Wilfa Svart, que é muito simples, com design clean e precisão de temperatura e quantidade de café. Nele o apreciador prepara a bebida com as quantidades exatas e ideais para cada grão.

Por fim, as cafeterias que querem investir no preparo filtrado já têm diversos equipamentos que ficam embutidos no balcão: torre de água, balança e até lavador de xícaras, como é o caso da Über Boiler, equipamento da Marco desenvolvido em parceria com o barista James Hoffmann. Porém nada disso funciona perfeitamente sem conhecimento e estudo do barista. Ele é o profissional que vai explicar tudo sobre os cafés e os preparos. Porque uma boa conversa no balcão, ah, para essa ninguém encontrou um substituto ainda.

*Mariana Proença é jornalista. Em 2006 assumiu a direção de conteúdo da Revista Espresso e, meses depois, o café já virou uma paixão que dura até hoje. Nesta coluna ela aborda diversos temas e experiências sobre a profissão barista. Fale com a colunista: mariana.proenca@cafeeditora.com.br

ILUSTRAÇÃO Eduardo Nunes

Cafeteria & Afins

Guia de Cafeterias agora também em aplicativo

app-guia_de_cafeterias-site-640px O Guia de Cafeterias do Brasil 2015 (Café Editora) chega agora na versão aplicativo. O app apresenta mais de 230 cafeterias em 80 cidades brasileiras, conteúdo completo com o Top 20 Cafeterias e as Cafeterias Revelação, auxiliando o leitor na hora de escolher qual visitar. Para facilitar a vida dos apreciadores de café, o Guia digital traz a opção de buscas por proximidade, mantendo os leitores informados de todas as cafeterias presentes na região, bem como os lugares aconchegantes, espaçosos e que servem produtos de qualidade. O app também apresenta os diferentes métodos no preparo de café oferecidos pelos estabelecimentos, o que ajuda na escolha. O prêmio Top 20 traz as melhores cafeterias do ano, com base na qualidade dos produtos oferecidos, pioneirismo, tradição e ambientação. Também há o filtro por Cafeteria Revelação, uma seleção de 12 novas que se destacaram no País. O aplicativo tem interação com usuário, pois permite marcar as cafeterias favoritas e também avaliar, com até 5 estrelas, os estabelecimentos, o que ajuda o apreciador a ter um ranking das melhores do País. As cafeterias estão divididas por localização, por marca de café servido e também acompanham informações sobre disponibilidade de wi-fi para o cliente, qual é o ponto forte e os principais atrativos para comer e beber. O aplicativo do Guia encontra-se disponível para os sistemas Android e iOS, com valor de US$ 2,99 nas lojas online.

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Café Editora

Mercado

Nespresso lança cápsula de café indiano

COFFEE_B2C_LIMITEDEDITION_2015_SLEEVES_MONSOONMALABAR_011620150931

A Nespresso começa a vender a partir do dia 6 de abril a nova cápsula Monsoon Malabar.

O blend é o primeiro Grand Cru Edição Limitada do ano. Trata-se, segundo a marca, de um café indiano exposto a ventos de monções tropicais, armazenado perto do mar na costa de Malabar.

Especiarias, madeira e um toque salgado dão o tom deste blend.

O sleeve (embalagem com 10 cápsulas) custa R$ 25 e pode ser adquirido nas lojas Nespresso.

Mais informações: www.nespresso.com

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Nespresso

Cafeteria & AfinsMercado

ABIC celebra 42 anos com foco em aumento de 3% no consumo de café

Café torrado e moído

Café torrado e moído

A Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) completou 42 anos nesta semana. Com o lema Café: não basta ser puro, tem que ter qualidade a entidade tem como foco integrar indústrias, varejo e pontos de consumo. A ABIC nasceu em 1973, em uma época que havia uma grande queda no consumo de café, ocorrida entre as décadas de 70 e 80. O setor, que em 1965 industrializava 8,15 milhões de saca/ano, chegou a processar apenas 6,5 milhões de sacas em 1985. Até 1986, o Brasil consumia 6,7 milhões de sacas de 60 Kg de café. Em 2004, o consumo subiu para 14,9 milhões de sacas. Atualmente o brasileiro consome mais do que duas vezes a bebida desde a implantação, em 1989, do Selo de Pureza ABIC. Os dados de 2014 mostram recuperação da demanda e aumento de 1,24%, chegando a 20,333 milhões de sacas. O consumo per capita aumentou ligeiramente, passando a 4,89 kg/habitante/ano de café torrado e moído (6,12 kg de café verde em grão), o equivalente a 81 litros/habitante.ano. A ABIC estima que o consumo de café volte a crescer de forma mais intensa em 2015, alcançando os 21 milhões de sacas no ano, o que corresponde a um aumento de 3%.

TEXTO Da redação • FOTO Alexia Santi/Café Editora

Barista

Barista australiano cria site para compartilhar a ciência do café

Best-Extraction-Flow-Chart-1080x675 Matt Perger é

Morning. I’ll baby shampoo. My head tea: -053T. Should generic cialis used not herbal distinct and love…

um barista conhecido dos profissionais de café por todo mundo. Ele é o responsável pela área de café das cafeterias australianas St. Ali e Sensory Lab, vencedor do Campeonato Mundial de Preparos de Café, além de já ter alcançado o 2º e o 3º lugar no Campeonato Mundial de Barista. É barista, torrador, comprador de café verde, mas acima de tudo, pesquisador. E é com a proposta de pesquisar mais sobre o universo do café e os muitos processos pelo qual o café passa até chegar ao consumidor final que ele criou o site Barista Hustle. O site, segundo Matt, é uma plataforma para que ele possa compartilhar tudo que aprendeu até agora, interagindo com a comunidade de baristas em todo mundo e explorando as inovações da profissão. “Ninguém tem todas as respostas para se fazer um ótimo café. A cena de cafés especiais é muito jovem e nós temos muito o que aprender”, diz Matt sobre o projeto. Semanalmente, a comunidade de baristas que acompanha o site irá receber por e-mail, detalhes de conceitos, técnicas, produtos ou assuntos para ajudar o barista. Artigos, podcats, vídeos, downloads, entre outros conteúdos devem fazer parte do site. O espaço também é aberto para discussão dos profissionais. Para receber mais informações (o site é escrito em inglês) cadastre-se: baristahustle.com

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Barista Hustle

BaristaCafé & Preparos

Rause – Café + Vinho abre inscrições para oficinas de cafés filtrados

Aula de preparo_Rause

As oficinas de cafés filtrados voltaram ao Rause – Café + Vinho, em Curitiba (PR). As aulas, ministradas por Otavio Linhares e Amanda Laffayette, ensinam a manipular os vários métodos de preparo de cafés especiais e também a avaliar os sabores que diferentes técnicas e equipamentos proporcionam à bebida.

Os alunos aprendem, ainda, a compreender como tipos de moagens e filtros distintos influenciam a bebida final.

Neste mês de março, a oficina acontece no sábado (14/3), das 8h às 12h, e custa R$ 190. Confira abaixo as demais datas das oficinas.

Cada participante ganha um exemplar da revista Espresso, um pacote de café Rause, um certificado do curso.

Próximas datas:
11 de abril
16 de maio
13 de junho
11 de julho
15 de agosto
19 de setembro
17 de outubro
22 de novembro
12 de dezembro

Mais informações: otavio@rausecafe.com.br / (41) 3024-0696

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Rause Café + Vinho

Cafeteria & Afins

Mahlefitz – Munique (Alemanha)

cafeteria1

Torrefação e cafeteria, a Mahlefitz foi aberta neste ano e já virou referência de quem mora ou passa por Munique, na Alemanha. Focada, principalmente, em buscar bons exportadores de café verde e oferecer o melhor em qualidade aos clientes, a casa tem uma seleção de grãos de países como Quênia, Panamá e Brasil.

O espaço, moderno, foi desenhado para que as pessoas tivessem ainda mais contato com o café não só como bebida. Os frequentadores podem ver os grãos sendo torrados e embalados, já que apenas uma parede de vidro separa a cafeteria da torrefação. Enquanto se toma um café, é possível ver os baristas trabalhando e, se alguma dúvida surgir, eles estarão mais do que prontos a ajudar.

cafeteria4

Foco no café
Espressos, cappuccinos e flat whites são servidos no lugar que também conta com o método aeropress no preparo filtrado, para o qual os baristas profissionais, treinados pelo proprietário Sebastian Lösch, usam no bar um Über Boiler, estação de precisão específica para este uso, com controle de fluxo de água, medição de peso, temperatura e tempo de extração. Para as bebidas baseadas em espresso, uma máquina Synesso Hydra, de dois grupos, dá conta do recado.

Há, também, a opção de um cold brew preparado na cafeteria com o equipamento Mizudashi, da Hario. O preparo frio é levado a sério por lá, por isso, há uma geladeira separada que armazena a bebida, assim não há nenhuma interferência de sabores nem aromas indesejados.

cafeteria2

Como todas as atenções estão voltadas para o café, a casa não serve refeições nem salgados elaborados. Mas dispõe, sim, de doces e comidinhas que acompanham perfeitamente as bebidas servidas por lá. O croissant, o pain au chocolat e o pain aux raisins oferecidos são produzidos em uma boulangerie local. Já as tortas e os bolos são especialidades da cafeteria e são produzidos por uma senhora da região que prepara tudo especificamente para o consumo com o café, como a cheesecake e o bolo de cenoura.

IMG_0047

 

Informações sobre a Cafeteria

Endereço Nymphenburgerstrasse, 51
Website http://www.mahlefitz.de
Telefone 0049 (0) 89 452 137 63
Horário de Atendimento De segunda a sexta, das 8h às 18h; sábados, das 9h às 17h. Fecha nos domingos e feriados.
TEXTO Hanny Guimarães • FOTO Ailin Aleixo

BaristaCafé & PreparosCafeteria & Afins

Barista paulista vence o 1º Campeonato Brasileiro de Aeropress

Edgar Martins (Urbe Café Bar) é o barista campeão.

Edgar Martins (Urbe Café Bar) é o barista campeão.

A expectativa foi grande para o primeiro campeonato do método Aeropress no Brasil. Edgar Martins, do Urbe Café Bar, de São Paulo (SP) é o grande vencedor da primeira edição. O barista nascido em Piracaia (SP) irá representar o Brasil no mundial, em Seattle, Estados Unidos, no início do mês de abril, com mais 32 países. A vitória foi muito comemorada pela equipe do Urbe Café, cafeteria que nasceu em 2011 com a proposta de servir café de qualidade na região do Baixo Augusta. Uma ideia que no início poderia parecer loucura e que deu muito certo. Fabio Pereira, proprietário da casa, conta que está muito feliz com o movimento da cafeteria, que serve em média, 6 mil xícaras ao mês de dois blends torrados pelo Coffee Lab (São Paulo). O Coffee Lab abocanhou o segundo lugar, com o barista João Perez, que disputou seu primeiro campeonato e é um dos braços-direitos da proprietária da casa, Isabela Raposeiras. O terceiro lugar ficou com Simone de Assis, profissional da Fazenda Ambiental Fortaleza (FAF), em Mococa, SP. Simone tem uma história à parte, que valia outra matéria. Quem nos contou foi o patriarca da fazenda, Marcos Croce, que orgulhoso diz que Simone nasceu na região, estudou na escolinha da fazenda, no projeto social criado por sua esposa Silvia, e hoje é a responsável por toda a exportação do café que sai de Mococa. Uma responsabilidade e tanto. espresso-2 Como funciona As regras do campeonato são bem simples e o clima de descontração contribui muito para o sucesso da competição entre os baristas e profissionais do mercado de café. O campeonato é formado por chaves de três competidores. Eles devem preparar os cafés na aeropress em 8 minutos. O interessante desta competição é que o café é o mesmo para todos os baristas. O que vale é a forma como o profissional o prepara. Aí entram as variáveis de moagem, temperatura da água, tempo de infusão e a pressão na extração. Três juízes avaliam os três cafés, que são servidos em xícaras de prova às cegas, ou seja, o café chega para eles sem saberem quem preparou. Após provarem, cada um vota no seu preferido da mesa e a xícara é levantada. Embaixo dela há uma identificação do barista, que é selecionado para a próxima fase. A emoção de saber de quem é o café e o suspense na hora de revelar são as grandes sacadas deste campeonato. A plateia torce para o seu barista preferido e até o final a expectativa é grande entre todos. aeropress_campeonato_ Campeonato Brasileiro de Aeropress O primeiro ano do Brasil foi de casa cheia, com 18 competidores. A ideia foi encabeçada pelo norueguês Eystein Veflingstad (que hoje vive em Salvador e trabalha na torrefação da Feito a Grão e tem a sua consultoria em café Terceira Onda). Durante a Semana Internacional do Café, em setembro de 2014, ele e Felipe Croce, proprietário da Fazenda Ambiental Fortaleza, amadureceram a ideia de realizar a competição no Brasil. Meses de preparação e muitos contatos depois, o campeonato aconteceu em São Paulo, no Studio FAF, para uma plateia de mais de 80 pessoas da área do café de diversas partes do País. Os juízes foram Eystein, Felipe e Isabela Raposeiras, que provaram 27 cafés para chegar ao campeão. Nas semifinais e finais a missão tornava-se um pouco mais difícil, pois a diferença entre eles era sutil: “mas apesar de ser o mesmo café dá para perceber sabores distintos”, afirma Isabela. Nem sempre a decisão dos juízes foi unânime, mas não houve empate nas rodadas. O suspense e a descontração para revelar quem ganhava cada rodada ficaram por parte do mestre de cerimônias Otavio Linhares (4 Beans, Curitiba-PR). O que é Aeropress? O preparo já é bem conhecido das cafeterias de qualidade pelo País, mas bem pouco popular para o consumidor. Para explicar de forma bem simples, a Aeropress consiste em uma grande seringa, onde o café moído é colocado junto com a água quente, misturado e infusionado; e a extração ocorre após a pressão do barista no êmbolo superior. O método foi criado nos Estados Unidos há somente dez anos, em 2005, por Alan Adler, da Aerobie.
João Perez, Simone de Assis e Edgar Martins.

João Perez, Simone de Assis e Edgar Martins.

Quem foram os participantes Participaram 18 competidores de 10 cidades do Brasil: Jéssica Maciel de Oliveira (Café du Coin, Cascavel-PR), Liana David Macedo (Café Clandestino, Brasília-DF), Bruno Albernaz Gomes Milek (Rause Café + Vinho, Curitiba-PR), Gabriel Gomes Robin (Café Clandestino, Brasília-DF), Amanda Longo Maines (4 Beans Coffee Co.,Curitiba-PR), Zélio Augusto Santana Filho (Uma Origem Ltda, Florianópolis-SC), Eraldo Pereira dos Santos (Espresso Arte, São Paulo-SP), João Francisco de Paula Perez (Coffee Lab, São Paulo-SP), Luciano Salomão (Wolff Café, São Paulo-SP), Juliano Andrei Lamur (Casa Café, Curitiba-PR), Simone de Assis Marcili (Fazenda Ambiental Fortaleza, Mococa-SP), Pedro Paulo Santos Santiago (Autônomo, Niterói-RJ), João Hamilton dos Santos (Sitio Canaã, Caconde-SP), Alex Pereira Santos (Biobarista, São Paulo-SP), Edgar Martins (Urbe Café Bar, São Paulo-SP), Pablo Alejandro André (Laika Café, Brasília-DF), Felipe Pinto de Souza (Have a Coffee, Vitória-ES) e Talita Pereira Machado (Malerba Café, Lorena-SP). Para as semifinais classificaram seis baristas: Eraldo Santos (Espresso Arte), Simone Assis (FAF), João Perez (Coffee Lab), Gabriel Robin (Café Clandestino), Edgar Martins (Urbe Café) e João Hamilton (Sítio Canaã). A final foi disputada por Edgar Martins (Urbe Café Bar), João Perez (Coffee Lab) e Simone de Assis (FAF). Patrocinaram o campeonato: BSCA (Brazil Specialty Coffee Association), FAF Coffees, Isso É Café, Coffee Lab, Terceira Onda Consultoria em Café, Industrial Atilla, DeLonghi, Mahlkönig. Quem criou? O primeiro campeonato de Aeropress foi realizado em 2008, em Oslo, na Noruega. Criado pelo mestre de torra Tim Varney, e apoiado também pelo barista campeão mundial Tim Wendelboe, ganhou muita força e hoje é realizado em 32 países. O Campeonato Mundial de Aeropress 2015 será realizado em Seattle, Estados Unidos, no dia 9 de abril, às 19h, em um espaço de eventos, o Within Sodo. Receita do campeão 15,5 g de café moído pelo um Hario Ceramic Slim. 155 g de água mineral VOSS 80C. Colocar 15,5 gramas de café na Aerobie AeroPress invertido e adicionar 55 ml de água 80 graus, agitar em movimentos circulares 10 segundos, completar com 100 ml de água, girar e passar lentamente 30 segundos. O material jornalístico produzido pela Revista Espresso é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize as redes sociais abaixo, creditando a fonte.

TEXTO Mariana Proença • FOTO Rogério Canella/Café Editora