Coluna Café por Convidado Especial

Do campo à xícara, profissionais convidados refletem sobre o setor

O melhor do café são as pessoas

Há um tempo eu percebi que o café é mais que uma bebida. Há um tempo também eu falo que o melhor do café são as pessoas. Essas percepções vêm de muitos momentos que passei em companhia desta bebida e de todos com quem eu de alguma forma a compartilhei.

Perdi a conta de quantas pessoas conheci, e da diversidade das situações que vivenciei. Do lazer ao profissional, tenho sempre uma boa recordação, um sentimento bom pela experiência que me agrega. O aprendizado é constante, as pessoas são interessantes, e os cafés não ficam por menos. Me desculpem aqueles que não apreciam a bebida, mas a minha vida não seria a mesma se o café não fosse o protagonista. Ao café toda a minha reverência.

Da fazenda à cafeteria, é sempre bom conhecer gente envolvida neste ramo, ou que compartilha deste hábito. Aprendo, me motivo, me divirto e observo muito. Acho interessante o quanto as reuniões de negócio ficam mais leves diante da xícara, ou o quanto os amigos se sentem mais confortáveis ao compartilharem este ritual. Me remete também aos mais solitários em um mundo particular. Com o café em punho nem parecem tão distantes. Lendo, desenhando, ouvindo música, conversando bobagens do dia a dia, ou mesmo algo importante, o café é bem-vindo a todos os tipos de situação.

Destaco ainda o quanto os produtores, ou aqueles que ajudam a cuidar da terra, da planta, do beneficiamento, da torra, aos que preparam e servem, expressam com paixão o que fazem. Na maioria das vezes de forma muito simples, mas com muito amor pela sua missão. A essas pessoas, todo meu respeito e admiração.

Isto me remete a uma visita que fiz recentemente a uma fazenda do Sul de Minas, a qual o proprietário tratava como um verdadeiro jardim. O esmero, o cuidado, o amor por aquele trabalho estavam vivos em seus olhos. O que me impressionou foi como este sentimento estava presente em todas as etapas do processo, ao qual o próprio, com muita gentileza, me apresentou. Posso dizer que este sentimento, da terra, do cultivo, está presente no sabor do seu café, que chega à xícara em sua cafeteria no Rio de Janeiro, que eu também tive o privilégio de conhecer.

A emoção não parou por aí, pois o que me surpreendeu foi perceber que o sentimento não estava restrito à família, mas também aos seus colaboradores. Particularmente pelo Sr Niltinho, que com muito gosto nos guiou no cafezal, onde dedica a sua vida aos talhões.

O café conota a bons momentos, a alegrias e bons sentimentos. Remete a cuidado e memórias de afeto. O convite pra um café sempre vem em companhia de uma gentileza, de um apreço. Em “tempos de cólera” é sempre bom ter um carinho, mesmo que seja por poucos minutos, do bom cafezinho.

*Renato Falci é fundador do CoffeeLook, escritório de gerenciamento de projetos especializado em branding e design para o mercado de café. Fale com o colunista pelo e-mail renatofalci@coffeelook.com.br Mais informações: coffeelook.com.br e instagram.com/coffeelook

TEXTO Renato Falci • ILUSTRAÇÃO Renato Falci

Deixe seu comentário