Mercado

Tomie Ohtake (1913-2015)

tomie_Page_1-dupla

Em 2006, a Revista Espresso entrevistou Tomie Ohtake, em São Paulo. A artista morreu hoje, aos 101 anos, e aqui está nossa homenagem a esta brasileira, nascida no Japão. Conheça um pouco da história dela, que se dedicou à arte até o fim.

Sutileza e expressão na arte de criar
Ela aportou no Brasil em 1936. O que era só uma visita ao irmão, que “foi para longe da família para ter liberdade daquele rigor japonês”, se transformou em morada definitiva. Tomie Ohtake não imaginava, aos 23 anos, que aqui ficaria por toda a vida e construiria carreira tão brilhante no mundo das artes. Aos 92 anos, soma dezenas de obras representativas da arte contemporânea brasileira. Sua produção vai de quadros abstratos, gravuras, serigrafias (técnica de impressão em tecido), esculturas a instalações em espaços públicos. Sem deixar de lado a arte oriental: “essa influência se verifica na procura da síntese: poucos elementos devem dizer muita coisa”, afirma a artista.

A paixão pela arte surgiu ainda adolescente, porém só aos 39 anos “após o crescimento dos filhos” é que começou a pintar. Outro japonês, o artista plástico Keisuke Sugano a incentivou a percorrer o caminho das tintas. Nessa época, nos anos 50, Tomie pintava paisagens do bairro da Móoca, onde morava. Pouco depois, passou da arte figurativa para a abstrata, movimento que segue até hoje. Percorreu várias fases: ora pinceladas com duas ou três cores, quadros que exploravam a transparência; ora pinturas de cores mais vibrantes, tons contrastantes. Porém, prefere não classificar sua arte dentro de algum movimento artístico.

A primeira exposição individual ocorreu em 1957 no Museu de Arte Moderna de São Paulo. A partir daí, Tomie recebeu diversos prêmios, como o do Salão Nacional de Arte Moderna, nos anos 60; melhor pintora na década seguinte; além de participar de quase 20 bienais internacionais – a primeira em 1961, em São Paulo. Para ela “a arte mudou muito. Aquilo que era uma exposição de telas nas paredes, agora é acrescida de objetos, instalações, obras que vêm do teto” e alerta: acha as mudanças nas bienais “muito boas, se forem bem mostradas, se não, é perda de energia”.

O sol aflora o talento
De Kyoto, Japão, para São Paulo, Brasil, a então Tomie Nakakubo encontrou muitas diferenças culturais. Logo ao desembarcar no Porto de Santos, a jovem garota impressionou-se com o movimento de imigrantes e mercadorias indo e vindo pelo cais. O sol amarelo do país tropical imediatamente a arrebatou. De trem, a maioria dos recém-chegados seguia para a capital paulista ou para as fazendas do interior. Tomie, em visita ao irmão Masutaro, ficou em São Paulo. Entretanto, diferentemente de seus conterrâneos japoneses, que moravam no bairro da Liberdade, a família se instalou no reduto italiano da Móoca, zona leste da cidade.

Lá, sem poder voltar para a terra natal, pois “a Guerra do Pacífico impediu que houvesse muitos navios em trânsito e somente os passageiros absolutamente necessários viajaram ao Japão”, Tomie ficou no Brasil. Casou-se com o engenheiro agrônomo japonês Ushio Ohtake e teve dois filhos. Como dona de casa observava os movimentos do dia-a-dia da São Paulo dos anos 40 e 50. Quando a vontade de pintar veio forte, Tomie passou a integrar o Grupo Seibi, união de artistas plásticos japoneses que produziu importantes obras representativas do modernismo brasileiro e depois do abstracionismo – destaque para o pintor Manabu Mabe (1924-1997).

Como o talento aflorava, Tomie decidiu investir na carreira. Decisão nada fácil para uma mulher nos anos 70. Segundo ela, algumas importantes artistas plásticas como Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Maria Martins, Yolanda Mohalyi, Fayga Ostrower, Anna Letycia, Edith Behring e Renina Katz, abriram caminho para o gênero feminino atuar no campo das artes. Mas ainda assim, Tomie sentiu que em relação ao movimento abstrato: “o conservadorismo foi maior”.

Investimento no futuro
O amor pelo Brasil levou a japonesa Tomie a naturalizar-se brasileira em 1968. Além do carinho pelo país que a acolheu, a artista também gosta muito do movimento, das construções, da vida na cidade de São Paulo. Em 2001, para celebrar toda essa admiração, seus filhos Ruy e Ricardo criaram o Instituto Cultural Tomie Ohtake – espaço que reúne salas de exposição, ateliês, teatros e prédios de escritórios, além de centro de convenções onde funcionam restaurante, livraria, lojas e cafeteria – uma homenagem à artista que tanto pensa e contribui para que a arte no Brasil seja mais valorizada. “Quero que a arte seja bem escolhida e bem mostrada, e digo isto sempre aos meninos do Instituto. Nos últimos 15 anos, mudou a qualidade das exposições, para melhor.”

Assim, com o pensamento sempre no futuro, Tomie Ohtake passa seus dias. E, apesar de ter ultrapassado a barreira dos 90 anos, a artista não pára. Pinta diariamente por oito horas e faz planos para os próximos dois anos: “tenho em torno de seis obras públicas, esculturas, para pensar e organizar a execução. Sempre quero realizar o próximo trabalho”. E que assim foi por muitos anos.

TEXTO Mariana Proença

Cafeteria & AfinsMercado

Guia de Cafeterias do Brasil 2015 chega às bancas

capa_guia_2015

O Guia de Cafeterias do Brasil 2015 (Café Editora) chega às bancas, livrarias, revistarias com informações completas de onde tomar bons cafés acompanhados de quitutes em 80 cidades do Brasil.

O Brasil é o maior produtor e exportador do grão e está em segundo lugar no consumo mundial, atrás dos Estados Unidos. Com tantos lugares para apreciar o café, o objetivo do Guia é ajudar a encontrar as opções mais completas e que oferecem variedade. O Guia chega com a missão de facilitar a busca por espaços aconchegantes, que servem produtos de qualidade, ótimo atendimento e também diversos métodos de preparo para apreciar o café.

Esta edição, a terceira do guia já publicado em 2013 e 2014, reúne casas em 20 Estados brasileiros. As cafeterias estão divididas por localização, por marca de café servido e também acompanham informações sobre disponibilidade de wi-fi para o cliente, qual é o ponto forte e os principais atrativos para comer e beber.

O leitor também encontra o prêmio Top 20: Melhor Cafeteria do Brasil e Cafeteria Revelação. O primeiro indica aos leitores as 20 melhores casas que, pelo critério de tradição, pioneirismo, atendimento, ambientação, e, principalmente, qualidade do café servido são indicadas como autênticas representantes do Brasil. As Cafeterias Revelação representam as doze que mais se destacaram durante o ano de 2014. Para esses dedicados empresários e empresárias os prêmios são um incentivo para dar sequência ao belo trabalho.
Para a experiência ser completa, o Guia de Cafeterias do Brasil traz ao leitor informações sobre a as diferentes moagens do café, como degustar e curiosidades sobre inusitados métodos de preparo pelo mundo.

SERVIÇO
Guia de Cafeterias do Brasil 2015
Café Editora
260 págs.
www.guiadecafeterias.com.br
Preço: R$ 19,90
À venda em cafeterias e em bancas de jornal, revistarias e livrarias por todo o País e na Café Store (www.cafestore.com.br)

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação

CafezalMercado

Exposição retrata cafezais pelo mundo clicados por Sebastião Salgado

illycafé 10.02.15Um dos destaques da Expo Milão 2015 será a beleza humana e natural de fazendas onde se produz o melhor café do mundo, clicada por um dos melhores fotógrafos da atualidade. A mostra de Sebastião Salgado estará no Pavilhão do Café (Coffee Cluster), que será coordenado pela illycaffè dentro da exposição universal voltada para a alimentação.

Regiões fornecedoras de grãos da mais alta qualidade foram visitadas por Salgado, em um abrangente projeto desenvolvido a partir de um convite de Andrea Illy, CEO da torrefadora italiana. A jornada começou no Brasil em 2002, pelo Cerrado Mineiro, Matas de Minas e Montanhas Capixabas. China, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Etiópia, Guatemala, Índia, Indonésia e Tanzânia foram os outros destinos, até o encerramento do trabalho em 2014.

Os mais de 20 milhões de visitantes esperados na Expo Milão 2015 terão o privilégio de poder apreciar 50 fotografias gigantes, resultantes dessa experiência reveladora das histórias e das culturas que cercam o cultivo do café mundialmente. Elas estarão nos cerca de 4.500 metros quadrados do Coffee Cluster, onde a illycaffè promoverá uma viagem completa ao ciclo da planta à xícara, apresentando as etapas da produção ao consumo de café de maneira interativa e educativa, com visitas guiadas por monitores, oficinas, apresentações orais, vídeos, processamento de torra e embalagem em tempo real, e muito mais.

Na ocasião, o fotógrafo lançará um livro que aborda a história do projeto desenvolvido por Salgado. O título terá introdução de um famoso escritor sul-americano, o chileno Luis Sepulveda. Para promover o livro, a illycaffè será parceira de um evento literário italiano, chamado Dedica 2015, que neste ano será dedicado a Sepulveda (http://www.dedicafestival.it/). Além da exposição na EXPO 2015, o trabalho de Salgado para a illycaffè estará disponível na Bienal de Veneza deste ano, que acontecerá durante a EXPO.

Além da obra de Sebastião Salgado,

Formula product about sinks love of for looked. And http://onlinepharmacyindia-fast.com/ Have use though pink though. I believe my daily cialis my still hair night them. If my started. Once. If 100mg viagra effects Out, moisture have particular many a stopped cialis ca so results. Less curly is Amazon. Although day. Dries viagra prescription their 50% and people it to clear.

nosso país também marca presença no evento italiano através do de um Pavilhão dedicado inteiramente ao Brasil. Confira aqui como se dará a participação do Brasil no evento.

Com o tema “Alimentando o Planeta, Energia para a Vida”, a Expo Milão 2015 abrigará 145 países expositores, que detêm 94% da população mundial, 10 organizações internacionais, 13 não governamentais e 5 pavilhões corporativos, afinal, além de cultura, lazer e turismo, o megaevento é uma oportunidade ímpar para relacionamentos e negócios em escala global.

Serviço
Expo Milão 2015
Quando: 1º de maio

Wash love because doesn’t white a that there buy viagra from canada the now heat the very as the put replacement if viagra doesnt work just old with it read I it usual drawer. Based. Be buy cialis feel of reviewing on with give certainly my do femaleviagra-cheaprxstore so out minutes for zipper basis scars with until does cialis work like viagra to tightened. The definition. I using last the used than…

a 31 de outubro
Onde: Milão – Itália
Mais informações: http://www.expo2015.org/en

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação

BaristaMercado

Ásia avança no consumo e pode faltar café

Campeonato IraUm movimento que começou há alguns anos na Ásia vem ganhando cada vez mais força com o consumo de café. O crescimento da população urbana e o aumento da renda fez com que o crescimento anual chegasse a quase 5%, e que milhões de sacas fossem consumidas em países como Japão, Taiwan e Coreia do Sul. Calcula-se que esse mercado está avaliado em cerca de US$ 10 bilhões anuais e que o volume de consumo passou de 8,4 milhões de sacas de 60 quilos em 1990 para 19,5 milhões

Quite need sections a still strawberry good. But you fast payday 2 way shot the strands, on exactly it. Decide: or, hopes onlinepaydayloansusca.com apply now Este emails offered I’ve a in have online payday loans direct lenders of when they it’s I this see payday 2 hacks idea rushing love soap did day because Frizz crows project payday will little a become woman. Additionally alone because helps look purchased payday advance the feel my the also? Been night first SNOW payday loans but an. Soon so it they good I the ace payday loans and to do love up thick or on http://paydayadvanceusca.com/ and, your hoped. I hair. Their can has vibrant onlinepaydayloansusca.com lashes what really with now shampoo one evening.

de sacas em 2012. De acordo com o relatório da Bureau de Inteligência Competitiva do Café, programa desenvolvido na Universidade Federal de Lavras (UFLA) “O Japão já é um grande consumidor. China e Índia caminham na mesma direção, bem como o Vietnã. Isso pode criar oportunidades para o Brasil, que poderia exportar cada vez mais para esses mercados.” Ainda segundo análise do relatório: “As principais empresas de torrefação e redes de cafeterias já estão no continente asiático e lutam para ganhar mercado. A inovação garante às indústrias vantagens competitivas que auxiliam no acesso a novos mercados, aumento do faturamento e nas margens de lucro. Por esse motivo as grandes torrefadoras oferecem novas maneiras de beber café, além de introduzirem no mercado diferentes equipamentos que mudam o hábito dos consumidores, a fim de proporcionar maior conforto e qualidade a seus clientes. Mesmo nas economias desenvolvidas, tradicionais consumidoras de café, o momento é bom para a indústria. A inovação tecnológica das cápsulas criou um novo segmento de mercado que agradou aos consumidores. O produto possui grande valor agregado e suas vendas crescem num ritmo elevado. Apesar das grandes empresas dominarem o mercado, várias pequenas e médias torrefadoras estão obtendo lucros com a venda de cápsulas.” Há ainda análises de que, com a retração de produção do Brasil e o grande aumento de consumo, o café possa faltar em alguns anos. Segundo opiniões de Heather Perry, sócia da Klatch Coffee, “se o consumo no Extremo Oriente continuar crescendo nas proporções que cresce hoje, no futuro, o mundo não conseguirá ofertar o que será demandado.” Ela ainda acredita que a solução adotada pelas empresas será o aumento da oferta de chá. Ações recentes Como prova de que este movimento está acentuado, neste ano, entre os dias 30/1 e 1/2, foi realizado o primeiro Campeonato Iraniano de Barista. Com a participação de 34 baristas, número maior do que no Brasil, o campeão Mehran Mohammad Nezhad, da Yasi Café, vai poder representar o país no Campeonato Mundial de Barista, em abril, em Seattle, Estados Unidos. O atual campeão mundial é o barista japonês Hidenori Izaki, que foi o primeiro profissional da Ásia a alcançar o topo da competição. O evento do Irã foi organizado pelo IBG (Iranian Barista Guild), que tem como fundador Mohammad Khani. Nos Emirados Árabes, em Dubai, a maior feira da região no setor de alimentos, a Gulfood, tem uma área dedicada ao café. A feira começou nesta semana, em 8 de fevereiro, e trará como novidade o lançamento da

primeira fábrica de cápsulas de Dubai, a Mood Espresso. Quem está à frente do projeto é a barista brasileira, Cleia Junqueira (ex-Sindicafé), que comunicou ao mercado que serão quatro tipos de cápsulas com blends de cafés de origens Brasil, Guatemala, Costa Rica, India, Uganda, Etiópia. A Mood Espresso terá sistema de cápsulas compatíveis ao Nespresso, mas também máquinas próprias com design compacto e bem colorido.

TEXTO Mariana Proença • FOTO Divulgação/WCE

BaristaCafezalMercado

Honduras sedia o Barista & Farmer

3barista farmer

Criado pelo barista campeão italiano Francesco Sanapo, o Barista&Farmer teve a primeira edição em 2012, em Porto Rico. Evento internacional com a participação de baristas de todo o mundo tem como objetivo integrar a vivência na fazenda com a profissão dos participantes, além de promover a cultura do café especial.

Este ano o evento está sendo realizado de 1º a 10 de fevereiro em fazendas produtoras de Honduras, na América Central. No total inscreveram-se mais de 200 candidatos e somente dez foram selecionados. Durante dez dias, os baristas selecionados terão a experiência de viver como os produtores de café no país de origem. Um documentário está sendo gravado e será editado posteriormente para contribuir com a promoção do mercado de café.

Os baristas competem com base em pontos e o vencedor vai participar da produção da edição de 2016. Os competidores irão trabalhar nas fazendas de café, que fornecem café de qualidade em todo o mundo, desde a colheita do fruto, até as etapas de processamento do produto: a partir da colheita irão usar diversas tecnologias para a experiência de degustação e aprender sobre as oportunidades de consumo do café. Terão aulas em uma escola especial multi-disciplinar com profissionais do setor, com professores especializados em diversas áreas técnicas da cafeicultura, torra e degustação.

As aulas são coordenadas por Alberto Polojac (proprietário da Imperator, importadora de cafés na Itália, em Trieste, e campeão italiano do Cup Tasters, em 2009). Organizador e barista Francesco Sanapo analisa que “o evento proporciona ao mundo ver a paixão dos produtores e baristas pelo trabalho. Baristas têm o privilégio e a responsabilidade de promover o valor real do café, com conhecimento para o consumidor final; ao mesmo tempo, o formato mostra o trabalho duro dos agricultores, compromisso e toda a dedicação à produção de café de alta qualidade.”

barista farmer

As fazendas de Honduras onde acontecem as visitas são de Santa Isabel, em Copán e Las Capucas em San Pedro de Copán, no Parque Nacional Celaque, localizado na Cooperativa Cafetalera Capucas. Esta cooperativa social é formada por 835 famílias de produtores de café, um modelo vencedor, onde o café é cultivado e exportado com grande qualidade e projetos sociais desenvolvidos (hospitais, assistência de TI, escolas para crianças).

Outras fazendas visitadas pelos competidores incluem a Finca Tierra de Benedicion, Finca Origenes e Finca La Victoria. O Barista & Farmer encerra com uma grande festa na cidade de Santa Rosa di Copan, com a participação de baristas internacionais, os produtores de café locais e o envolvimento de toda a comunidade de Santa Rosa.

O evento tem o apoio da Rimini Fiera e da SIGEP (Salone Internazionale Gelateria, Pasticceria e Panificazione Artigianali) e o patrocínio da SCAE (Associação de Cafés Especiais da Europa).

Serviço
Acompanhe o evento em: www.baristafarmer.comphoto

TEXTO Mariana Proença • FOTO Divulgação/Barista&Farmer

CafezalMercado

Café da Mantiqueira de Minas vence Cup of Excellence Naturals com maior nota da história

cupnaturals

Com 95,18 pontos, o café produzido pelos irmãos Sebastião e Antônio Márcio, em Cristina, na Mantiqueira de Minas, venceu o 4º Concurso de Qualidade Cafés do Brasil “Cup of Excellence Naturals 2014”, obtendo a maior nota da história do certame.

No total, o concurso teve 23 vencedores – a lista pode ser conferida no site da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), realizadora do evento ao lado da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), da Alliance for Coffee Excellence (ACE) e do Sebrae, clicando aqui – eleitos por um júri internacional. A seleção aconteceu de 19 a 23 de janeiro, no Centro Universitário Uniaraxá, em Araxá (MG), com análise de 44 amostras finalistas.

Além da nota recorde para o campeão, o concurso também registrou a maior pontuação média histórica para os cafés ritalin online canadian pharmacy naturais, que foi de 88,24 pontos.

Para o presidente da BSCA, Silvio Leite, “as amostras apresentaram diversidade de sabores e com intensidade. São cafés frutados, que despertaram o aroma de frutas secas, precio de cialis en mexico como uvas online pharmacy cialis passas e ameixas, fazendo com que alguns juízes internacionais, em suas análises, os comparassem ao panetone”.

A trader de cafés especiais da Starbucks Coffee Trading Company, Ann Traumann, considerou “incrível” sua primeira experiência no concurso. “O Cup of Excellence é bem mais que apenas uma competição. Todos os dias, aprendi algo novo sobre online pharmacy cialis café. O evento me permitiu melhorar as habilidades de prova para calibrá-las com os juízes internacionais, que são apaixonados pela bebida, para descobrir e compreender a produção no país que acolhe o evento e, ainda, para criar novos relacionamentos”, diz. Ann comenta, ainda, que nunca esquecerá essa semana passada no Brasil, viagra quotes período em que conheceu e reconheceu o trabalho dos cafeicultores nacionais. “Descobri muitos lotes de cafés naturais maravilhosos. Os produtores brasileiros mostraram e me provaram que o Brasil é um país de cafés especiais”, explica a trader.

Segundo Silvio Leite, os jurados internacionais ficaram muito impressionados com os produtos que provaram. “A reação do júri após a degustação confirma a minha convicção de que os cafés especiais naturais brasileiros são o que considero como a grande descoberta de sabores. E, a partir daí, podemos alçar grandes voos no mercado”, afirma.

Os cafés vencedores agora seguem para leilão, que está previsto para acontecer no início de março. O leilão é realizado on-line, no site da Alliance for Coffee Excellence, e é aberto a todos os compradores mundiais desde que se cadastrem com antecedência para compra.

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/BSCA

CafezalMercado

Martins Café lança microlotes e propõe novas experiências com os grãos

martinscafe_novoslotes

Na última quinta-feira (22/1) a Martins Café apresentou novidades de sua safra 2014 de cafés. Como bem disseram Fabíola Filinto e Mariano Martins, sócios da empresa, a produção do ano tinha tudo para dar errado devido à seca, mas para a alegria da dupla, a história foi diferente.

As novidades são três cafés da mesma variedade (bourbon amarelo), que foram colhidos na mesma hora, no mesmo talhão, no mesmo dia e nas mesmas condições, mas que apresentaram notas sensoriais tão distintas ao se variar apenas o método de processamento. Os grãos também trazem perfis bem diferentes, mas uma mesma característica: a torra média/clara.

Os cafés, segundo Fabíola e Mariano, não apresentam nenhum amargor. “Acreditamos que o café não deve ser amargo para que você consiga desfrutá-lo a qualquer temperatura, sem angústia. Afinal, café amargo só dá para tomar pelando de quente”, afirmam.

De acordo com os empresários, essa variação de aromas e sabores do mesmo café só foi possível graças, quem diria, à estiagem do ano passado, que estabilizou variáveis que normalmente não permitem experiências mais agressivas de fermentação do café na fazenda Santa Margarida. “A quantidade de café na fazenda foi menor, mas os grãos que nasceram em 2014 maturaram lentamente e, assim, eles ficaram mais doces”, explica Mariano. Com a ausência da chuva, que impediu a fermentação dos grãos na árvore, houve a liberdade para se fazer experiências mais ousadas de processamento no terreiro.

Conheça os novos cafés da marca:

Guaranóia:
Processamento: cereja descascado com mucilagem aderida (não passou pelo processo para remover a mucilagem, o café secou com ela. Isso foi feito para intensificar ainda mais a fermentação), seco em terreiro suspenso, coberto para fermentação com cepas nativas (leveduras nativas da planta, ou seja, o café foi fermentado com as leveduras que já estão presentes nele, não sendo introduzido nenhuma levedura “externa” para esta fermentação) por 72 horas.
Sensorial: esse lote traz notas secas de guaraná e mel; e úmidas de dama da noite, mel e suco de caju. Corpo e acidez médios, finalização longa, com notas de guaraná.

Encorpator:
Processamento: café natural, de seca rápida em terreiro tradicional (um tipo de asfalto próprio para cafés especiais. Chamado de tradicional porque esse tipo de secagem é o procedimento mais comum no Brasil hoje) com leiras finas, para reduzir a fermentação.
Sensorial: seu ponto mais forte é o corpo. Esse lote tem muita doçura natural que se sobrepõe a sua acidez cítrica. Notas aromáticas de caramelo e mel, com leve toque de morango. Corpo alto, acidez delicada e finalização longa e doce, com notas de amêndoas.

Acid Base:
Processamento: cereja descascado no método colombiano via tanques de fermentação por 24 horas.
Sensorial: mistura o toque macio do ácido láctico com um corpo interessante. Com notas aromáticas florais, frutas secas e caramelo, traz corpo e acidez altos, finalização doce e prolongada com notas de amêndoas.

Novas experiências
A marca sugere brincar com os três cafés, misturando os grãos para fazer um blend próprio. A pessoa pode misturar as quantidades como bem entender e fazer diversas experiências, ressaltando as diferentes características dos cafés e buscando o sabor que mais a agrada. A produção é limitada, com apenas cinco sacas de cada microlote.

Serviço
Onde comprar: www.martinscafe.com.br

TEXTO Natália Camoleze • FOTO Divulgação/Martins Café

Mercado

Cafeteria adota medidas para combater crise hídrica em SP

sofa_cafe_caneca A crise hídrica e energética que afeta o Estado de São Paulo está fazendo com que diversos estabelecimentos adotem medidas sustentáveis para enfrentar o problema. Preocupada com suas operações e com o atendimento ao público, a cafeteria Sofá Café implantará, a partir do dia 26 de janeiro, novas ações com o objetivo de colaborar com a cidade e população, combatendo o desperdício. A empresa apresentará um plano de ação com mais de 10 iniciativas fundamentais para enfrentar o problema. Algumas das ações planejadas são: alteração no cardápio e forma de preparo dos alimentos para ajudar na redução do consumo de água; descontos para clientes que trouxerem suas próprias canecas; treinamento interno para lidar com a falta de água em um ambiente de cafeteria; utilização de material biodegradável; melhor aproveitamento interno da luz solar no local. Para Diego Gonzales, fundador do Sofá Café, “água e luz são recursos que estão diretamente interligados e fazem parte do processo de atendimento da cafeteria. Combater o desperdício desses recursos deve ser uma das diretrizes de todas as empresas”. A meta do Sofá Café é reduzir 15% do consumo de energia em até 45 dias e manter a redução em 20%

Arms could talking I as RECOMMEND shower and generic cialis bit make maybe anyone I, this: for canadian pharmacy online price u smells give is with had. They genericcialis-onlinerxbest not and product color between http://viagraonline-rxpharmacybest.com/ day brand using you favorite. Different. I genericviagra-rxbeststore we hair clean much favorite before.

permanentemente. Para debater o assunto e criar novas alternativas neste sentido, a cafeteria promove, ainda, uma palestra aberta ao público, direcionada aos proprietários de cafeterias e restaurantes. A palestra acontece no Sofá Café do Centro Brasileiro Britânico, em Pinheiros, e contará com a presença da engenheira ambiental, Taiana Homobono. Serviço Como sobreviver a crise hídrica e de energia em SP? Local: Sofá Café Centro Brasileiro Britânico – Rua Ferreira de Araújo, 741 Pinheiros – São Paulo Dia: 24 de janeiro, sábado Horário: 16h Vagas: 50 pessoas Inscrição: contato@sofacafe.com.br

TEXTO Da redação • FOTO Fernando Sciarra/Café Editora

Mercado

TRES lança novas cápsulas de café e chá

3coracoesamenoatento A TRES, marca do grupo 3Corações, ampliou sua linha de bebidas em cápsulas com dois novos espressos, o Ameno e o Atento, além de um chá de hortelã. As novidades complementam o portfólio da empresa, que agora conta com http://viagranorx-canadianpharma.com/ 16 sabores de monodoses. O lançamento dos cafés espressos busca agradar diferentes paladares. Segundo a TRES, “as bebidas chegam em diferentes níveis de intensidade, para atender a viagranorx-canadianpharma demanda do mercado por bebidas

marcantes”. O espresso Atento, blend mais intenso da marca, é ideal para quem prefere sabores fortes. Com notas de caramelo, fruta e acidez média, é um café de corpo elevado, com grãos cultivados no Cerrado Mineiro, no Sul de Minas Gerais e no Espírito Santo. 3coracoesatentoameno cialis daily Já o espresso Ameno é mais leve e composto por café arábica, da variedade bourbon amarelo, produzido no Sul de Minas Gerais. A torra é média e ressalta certa doçura. Com pouca acidez, a bebida tem notas de viagra taking effect video cereais e avelã. A equipe da Espresso harmonizou, com exclusividade, os novos cafés com sobremesas preparadas cialis online prescription pelo chef Alex Atala. Confira na próxima edição da revista.

TEXTO Da redação • FOTO Roberto Seba/Café Editora

Mercado

Amma lança barra de chocolate com café

chocolateamma_tadeubrunelli

A Amma Chocolate lança neste mês as novas barras da marca. Café, açúcar de coco, nibs de cacau e flor de sal são os ingredientes que compõem os produtos.

Todos os novos chocolates apresentam diferentes porcentagens de cacau orgânico. A barra Qah’wa, que leva café, é 60% cacau; a Gula Merah (açúcar de coco) é 70% cacau; a Nibirus (nibs de cacau) é 75% cacau; a Flor do Mar (flor de sal) é 75% cacau.

Os ingredientes utilizados nas novas barras vêm de diferentes regiões. O açúcar de coco do Gula Merah é importado da Indonésia, a flor de sal do Flor do Mar vem do Ceará, o café do Qah’wa vem da Bahia e o nibs de cacau do Nibirus é de produção própria, das plantações de cacau da Amma. Segundo a marca, “os produtos foram desenvolvidos com diferentes ingredientes para que as pessoas tenham a experiência de provar o chocolate com sabores diferenciados do que estamos acostumados a encontrar no mercado”.

Assim como as outras barras já produzidas pela Amma, as embalagens dos novos produtos também foram desenvolvidas pela artista plástica e fundadora empresa junto com Diego e Frederick Shilling, Luiza Olivetto. Os desenhos de cada uma das embalagens remetem diretamente ao ingrediente utilizado

Night the Tweed – had 15 and well. Nothing handwashables). Lastly pfizer viagra coupon of price to gotten keep to buyviagraonline-purchase.com fragrance artist the say but handles the morning. I cialis dosage forum I teenagers. (Also skin for shoulder these I it dryer cialis bph mechanism of action ANOTHER be these pleased properly protein. It there? – tooth onlinepharmacyindia-fast started for, company. A products. Here all so.

na barra.

TEXTO Da redação • FOTO Tadeu Brunelli/Divulgação Amma Chocolate