Cafezal

Brasileiro campeão de concurso bate recorde mundial em leilão

O campeão do concurso Cup of Excellence – Brazil 2017 na categoria Pulped Naturals, Gabriel Alves Nunes, bateu o recorde mundial no leilão dos vencedores. Seu café com Denominação de Origem do Cerrado Mineiro, produzido na Fazenda Bom Jardim, em Patrocínio (MG), recebeu o lance de US$ 130,20 por libra peso, o que equivale a mais de US$ 17,2 mil por saca de 60 kg, ou aproximadamente R$ 55,5 mil por saca.

Segundo informações da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), instituição responsável pela realização do concurso, o café campeão foi divido em dois lotes: o primeiro recebeu o lance de US$ 130,20 por libra pesa, valor que corresponde a aproximadamente R$ 55.457,60 por saca de 60 kg, e o segundo foi negociado por US$ 120 por libra peso, ou R$ 51.116,17 por saca. As empresas que adquiriram o produto foram Maruyama Coffee e Sarutahiko Coffee, ambas do Japão, e Campos Coffee, da Austrália.

Para Nunes, o resultado do leilão é motivo de extrema satisfação e orgulho, já que seu café bourbon é cultivado a 935 metros de altitude, enquanto outros países produzem a uma altura muito mais elevada, o que propiciava, até então, uma certa vantagem na obtenção da qualidade: “nosso café mostrou que se pode buscar excelência dentro dessas características. Pela primeira vez a região do Cerrado Mineiro vence o concurso e bate recorde mundial”.

Ele tem total consciência de que investir em qualidade é recompensador: “meu pai mexe com café há 30 anos e passei a mexer há quatro. Desde que voltei à fazenda procurei investir em estrutura e melhoramentos, sempre buscando qualidade, pois sabemos que o café está no mesmo caminho do vinho, com os consumidores cada vez mais exigentes”.

Com vistas na mudança de cenário por parte dos consumidores, o cafeicultor investiu em capacitação da equipe da propriedade para modificar a forma de produzir os cafés, almejando agradar aos compradores finais. Nunes destaca que o prêmio do leilão será quase que integralmente investido na fazenda, buscando preservar cada vez mais o meio ambiente e visando qualificar ainda mais os funcionários.

“Estamos em constante busca de termos sustentabilidade ambiental e social para alcançarmos nosso reconhecimento econômico na comercialização. Temos funcionários dedicados, que tratam com carinho cada lote na fazenda.  Há três anos estamos evoluindo e chegamos ao resultado, evidenciando todo o cuidado desde a produção até a pós-colheita. Obtivemos valores superiores aos cafés de altitudes mais elevadas, que possuem qualidade excepcional pelas questões fisiológicas envolvidas”, analisou o campeão.

Para conferir os resultados do leilão, clique aqui.

Concursos de Qualidade de Café
Responsáveis por premiar os cafeicultores que investem nas lavouras e se dedicam para oferecer aos compradores uma bebida considerada superior, os Concursos de Qualidade de Café têm papel indispensável na educação dos produtores que, para conseguirem uma boa colocação na disputa, precisam obedecer a uma série de procedimentos, conhecerem sobre a bebida e desenvolverem classificadores que provem do café, para indicar se está bom ou se precisa ser melhorado.

(Texto publicado originalmente no site CaféPoint)

TEXTO Camila Cechinel • FOTO Divulgação/Lucas Albin Agencia Ophelia/Aislan Henrique da Silva

CafezalMercado

Confira os finalistas do 27º Prêmio Ernesto Illy

Com um número recorde de amostras enviadas, a illycaffè, marca global de cafés de alta qualidade, definiu os 40 cafeicultores finalistas do 27º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café para Espresso.

Este ano, 683 produtores brasileiros de café arábica enviaram seus grãos da safra 2017/2018 na expectativa de ganharem o prêmio em dinheiro e obterem reconhecimento nacional e internacional. A seleção dos cafés foi realizada por especialistas da illycaffè, que vieram da Itália para o Brasil com a intenção de integrar a Comissão Julgadora.

Dentre as mais de 600 amostras, Minas Gerais, maior produtor nacional, predominou na lista, com 36 finalistas provenientes de todas as regiões cafeeiras do estado. São 14 participantes do Sul de Minas, 12 do Cerrado Mineiro, oito das Matas de Minas e dois da Chapada de Minas. São Paulo conta com três classificados e a região Centro-Oeste com um. Confira os nomes:

Amanda Ribeiro Miaki (MG)
Andreia Oliveira da Silveira (MG)
Ângelo Nascimento e outros (s) (MG)
Antonio Ismael de Paula (MG)
Cândido de Sordi Machado (MG)
Carlos André Dognani (SP)
Carolina B. Lerro B. Henning (SP)
Catarina Mie Takahashi Myaki (MG)
CBI Madeiras LTDA (MG)
Claudio Esteves Gutierrez e outros (s) (MG)
Dagmar Resende Pimenta (MG)
Daniella Romano Pelosini (SP)
Décio Bruxel (MG)
Diogo Jose Myaki (MG)
Ecoagrícola Cafe LTDA (MG)
Édio Anacleto Miranda (MG)
Edna Yumi Okuyama Souza (MG)
Ednilson Alves Dutra (MG)
Felippe Nery Monteiro da Silva (MG)
Gaiola – Empreendimentos Agropecuários (MG)
Gelci Zancanaro (GO)
Gio Batta Bragagnolo (MG)
Hugo Vilas Boas (MG)
Jorge Barakat (MG)
Ludgero Pimenta de Avila (MG)
Mabel Lima de Sousa (MG)
Maria D´Aparecida Vilela Brito (MG)
Maria Nascimer da Silva (MG)
Mário Ferraz de Araujo (MG)
Matheus Ribeiro Miaki (MG)
Oscar Gabriel Contreras (MG)
Raimundo Dimas Santana (MG)
Raimundo Dimas Santana Filho (MG)
Reinaldo Olini Rocha (MG)
Renato de Souza (MG)
Renato Lima de Souza (MG)
Ronalt Marques de Araújo e outro(s) (MG)
Sebastião de Carvalho Montans e outro(s) (MG)
Simone Aparecida Dias Sampaio Silva (MG)
Takayuki Tamekuni e outro(s) (MG)

Além dos campeões da categoria nacional, foram definidos também os vencedores regionais, que estão divididos em: Cerrado Mineiro, Sul de Minas, Chapada de Minas, Matas de Minas, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e regiões Sul, Norte/Nordeste e Centro-Oeste do país. O Prêmio Ernesto Illy – Regional terá até dois cafeicultores premiados por estado.

Dos 40, os seis melhores cafés do país serão revelados na cerimônia de premiação, em abril de 2018. Os três primeiros ganharão uma viagem ao exterior para participar do 3º Prêmio Ernesto Illy Internacional, quando será revelada a ordem de classificação entre eles. Todos os vencedores e finalistas receberão prêmios em dinheiro e diplomas.

(Texto publicado originalmente no site CaféPoint)

TEXTO Redação • FOTO Gui Gomes

Cafezal

Matas de Minas leva a melhor no Coffee of The Year 2017

Quem foi para Belo Horizonte visitar a Semana Internacional do Café, feira do setor cafeeiro que aconteceu entre os dias 25 e 27/10, teve a oportunidade de degustar as amostras finalistas do Coffee of The Year e votar em sua favorita.

Os resultados das votações foram divulgados no último dia, no Grande Auditório. Sandra Lelis, da cidade de Araponga, região das Matas de Minas (MG), foi a primeira colocada da categoria arábica, seguida de Carlos Sanglard, também de Araponga, e Patrícia Borges, de São Gonçalo do Sapucaí.

Sandra Lelis, vencedora do COY 2017 na categoria arábica.

Vinda de família de produtores, Sandra compartilha a emoção de ter conquistado este título: “ganhar o concurso representa muito para mim e para minha família, nos dá mais incentivo para continuar neste ramo.” Participando da competição desde 2015, a produtora diz que esta vitória é uma grande oportunidade para sua cidade: “o Coffee of The Year se mostrou um concurso muito sério, e com esse primeiro lugar, eu e toda a minha região teremos a chance de divulgar nosso café. Todo mundo conhecerá Araponga”.

Na categoria conilon, o primeiro lugar também foi para a região de Matas de Minas, só que desta vez para o município de Manhuaçu. Osvaldina Alves Dutra, representada por seus filhos Walter e Ednilson Dutra, levou a melhor este ano. Para a família, que participa do concurso desde a sua primeira edição, em 2012, a premiação funciona como uma motivação: “ganhar o Coffee of The Year é um estimulo para nós continuarmos a fazer café de qualidade. Nossa região está sempre buscando o melhor”, disse Walter.

Walter e Ednilson Dutra, ganhadores do COY 2017 na categoria conilon.

Segundo Ednilson, a divulgação que o prêmio oferece motiva os parceiros e qualifica a região: “ficar nas primeiras posições é resultado de muito trabalho e dedicação. Nós sempre acreditamos na qualidade do café de Matas de Minas”.

As outras duas colocações do pódio foram para a cidade de Cacoal, em Rondônia. Os produtores Tiago Novais Duarte e André Kalk ficaram com o segundo e o terceiro lugar, respectivamente.

O Coffee of The Year avalia itens como aspecto, seca, cor, porcentagem de peneiras, tipo, teor de umidade e torra, buscando capacitar as regiões produtoras e gerar interesse pelos cafés especiais.

TEXTO Gabriela Kaneto • FOTO Bruno Lavorato

Cafezal

Iniciativa visa revitalizar paisagem com mudas de café

A Federação dos Cafeicultores do Cerrado promoverá a campanha “Você planta 1, nós plantamos 50” durante a Semana Internacional do Café (SIC), que acontecerá esta semana, de 25 a 27/10, em Belo Horizonte (MG).

A entidade, gestora da Denominação de Origem Região do Cerrado Mineiro, contará com os participantes da feira para colaborarem com a revitalização da bacia do Córrego-Feio, manancial que abastece o município de Patrocínio (MG), principal cidade brasileira para produção de café, com 42 mil hectares plantados.

Na ação, a cada muda distribuída e efetivamente plantada, a Federação e os participantes do Consórcio Cerrado das Águas, plataforma colaborativa que trabalha em busca de paisagens produtivas e ao mesmo tempo sustentáveis, plantarão 50 mudas na bacia do Córrego-Feio. A meta é engajar 100 participantes da SIC, resultando em cinco mil mudas nativas do Cerrado.

De acordo com o Superintendente da Federação, Juliano Tarabal, além de apresentar os cafés da região do Cerrado Mineiro e as ferramentas da Certificação de Origem e Qualidade, o objetivo da ação é mostrar o cuidado com a sustentabilidade local: “Para isso, nada melhor do que engajar toda a cadeia produtiva presente na Semana Internacional do Café a contribuir conosco nessa causa”.

Além de ajudar na recuperação da bacia do Córrego-Feio, aqueles que postarem ou enviarem as fotos comprovando o plantio receberão uma camiseta e um café da região. Para participar, basta retirar uma muda no estande da Região do Cerrado Mineiro na SIC, plantar em qualquer local e postar nas redes sociais com a #consorciocerradodasaguas ou enviar para comunicacao@cerradomineiro.org para mostrar que você colaborou com a iniciativa. Em breve a instituição irá entrar em contato para enviar os brindes.

Mais informações: www.cafedocerrado.org

TEXTO Redação • FOTO Gui Gomes

Cafezal

Produtores: respondam a Pesquisa Cafeeira sobre a safra 2017

Você é produtor de café ou conhece alguém que seja? O site CaféPoint desenvolveu uma pesquisa a fim de traçar um diagnóstico fiel do que aconteceu na safra 2017/2018. Através da coleta de dados, a Pesquisa CaféPoint Colheita Cafeeira Safra 2017 pode ajudar a planejar soluções efetivas para a cultura dos grãos nos próximos ciclos, melhorando o rendimento nas fazendas.

Respondendo 24 perguntinhas, os produtores de café arábica e conilon de todo o país poderão compartilhar dados de produção, como as condições de trabalho na lavoura, o comportamento do clima, a mecanização utilizada nas plantações, o tamanho dos grãos e a infestação de pragas. Além disso, o levantamento vai utilizar relatos dos produtores feitos através dos canais de comunicação do CaféPoint e fotos enviadas pelos próprios leitores.

A apresentação dos dados será realizada em primeira mão durante a Semana Internacional do Café (SIC), que acontecerá durante os dias 25, 26 e 27/10 na cidade de Belo Horizonte (MG). Posteriormente, os resultados serão disponibilizados no site.

Em 2016, cerca de 500 cafeicultores responderam o estudo. A Pesquisa CaféPoint Colheita Cafeeira Safra 2017 está no 4º ano de realização e conta com o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Para participar, clique aqui e responda como foi sua colheita e o que você espera da safra 2017. As respostas serão validadas até o dia 3/10.

Mais informações: www.cafepoint.com.br 

TEXTO Redação • FOTO Gui Gomes

Cafezal

SP e MG abrem inscrições para concursos de qualidade

Dois grandes estados produtores de café estão com inscrições abertas para concursos de qualidade dos grãos. Em Minas Gerais, o Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais acontece pela 14ª vez. Já em São Paulo, o Concurso Estadual de Qualidade do Café de São Paulo está em sua 16ª edição e com duas novidades na competição. Confira os detalhes!

Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais
A competição está com duas categorias e cada produtor poderá participar somente com uma amostra em cada: a categoria de Café Natural e a de Café Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado.

Podendo competir apenas os produtores dos municípios mineiros que possuem amostras de café arábica tipo 2 para melhor, as amostras também precisam ser colhidas este ano e entregues, até o dia 15/9, nos escritórios da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater/MG) da região onde o café foi produzido. As fichas de matrícula também serão preenchidas no mesmo local.

Os grãos passarão por análises físicas e sensoriais feitas por uma comissão formada por no mínimo dez classificadores e degustadores de café. As amostras com nota sensorial abaixo de 80 pontos, de acordo com a Associação Americana de Cafés Especiais (SCAA), serão desclassificadas.

Além destas análises, também serão levados em consideração os fatores socioambientais. Os cafés serão pontuados em quesitos como a proteção de nascentes da propriedade, preservação de mata ciliar dos cursos d’água, entre outros.

Os vencedores das categorias receberão um certificado da organização do evento, além de outras premiações. Os resultados serão anunciados entre novembro e dezembro, em Belo Horizonte.

Concurso de Qualidade do Café de São Paulo
Podendo participar apenas os finalistas dos concursos regionais, produtores de café arábica, além das três categorias que já existiam, Café Natural, Cereja Descascado e Microlote, agora a competição também está com uma novidade: a Nanolote.

Os produtores que queiram participar precisam ser finalistas dos Concursos Regionais de Qualidade de Café, considerados oficiais e inscritos no Concurso Estadual. Cada região poderá inscrever até quatro lotes de café natural, quatro de cereja descascado ou despolpado, dois microlotes e um nanolote de 10 kg, totalizando até onze lotes.

Os cafés participantes serão enviados para a Comissão Coordenadora do Concurso Estadual e serão avaliados às cegas por uma comissão julgadora constituída por até nove especialistas. Assim como o concurso mineiro, a questão socioambiental também contará positivamente na avaliação.

Nos dias 25 e 26 de outubro, as amostras passarão pelo júri técnico e a divulgação dos lotes finalistas será no dia 30. Dentre os cafés participantes, a comissão julgadora definirá os melhores de cada categoria, sendo o vencedor o de maior pontuação.

A outra novidade acontece no Leilão dos Cafés Premiados de São Paulo. O valor do lance mínimo passou a ser 80% acima da cotação BM&FBovespa do dia anterior ao pregão. Antes, o lance mínimo era 50% acima. Para o nanolote, o lance mínimo ainda será informado pela comissão organizadora.

Mais informações: Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais e Concurso de Qualidade do Café de São Paulo.

(Texto publicado originalmente no site CaféPoint)

TEXTO Redação • FOTO Érico Hiller

Cafezal

“Café é detalhe”

Há quase quarenta anos, Paulinho, como é conhecido o produtor Paulo Sergio de Almeida, produz café na tranquila cidade de Paraisópolis, na Mantiqueira de Minas. A centenária fazenda Santa Terezinha, fundada em 1915, era de produção tradicional de café. Por volta de 1995, o cafeicultor enfrentou um grande desafio: descobriu um sério problema nos rins. Foi obrigado a partir para o transplante, o que o levou a mudanças radicais de hábitos. De forma autodidata, enveredou pelos caminhos do cultivo orgânico, por acreditar que seu problema havia sido por intoxicação pelo uso de adubos químicos e hoje é referência em produção de cafés especiais.

A paixão pelo orgânico – sem o uso de substâncias que não sejam naturais e produzidas pela fazenda – ficou ainda maior. Desse grande passo, Paulinho modificou a forma de pensar o café. Foram anos de adaptação para desenvolver soluções empíricas, que depois passaram a fazer parte das palestras que ele mesmo passou a ministrar. Um conhecimento adquirido na prática, que lhe rendeu, em 2001, o maior prêmio da cafeicultura brasileira: o primeiro lugar no Cup of Excellence, que pontua os melhores cafés da safra em um ranking exigente de provadores.

No primeiro ano em que participou, Paulinho já levava o maior prêmio, que, segundo ele, “mudou muito e valorizou o produto da fazenda”. Naquele ano, sem muitas pretensões, ele inscreveu o café no concurso. Pediu a ajuda de um amigo para o beneficiamento do produto. Uma verdadeira saga. Já em São Paulo, aproveitando a ida a um médico, foi assistir ao resultado. Esperava apenas receber um agradecimento pela participação. Qual não foi sua surpresa quando a qualidade do produto o levou ao primeiro lugar.

Paulinho passou a conhecer o potencial do seu café. Todos queriam saber quem era aquele produtor, dono do primeiro café mais pontuado do País, à época com 97,53 pontos. “Café é detalhe”, ensina ele.

Ele conversou conosco em 2011 e, recentemente, concedeu-nos nova entrevista, no momento em que seu filho, André Almeida, está participando ainda mais ativamente do dia a dia da fazenda, assim como Fabrício e Júnia, filho e nora, que inauguraram a Zalaz, cervejaria com diversos rótulos, dentro da própria fazenda.

Quando falamos em sucessão familiar como importante passo para a continuidade dos bons projetos, retomar a conversa com Paulinho nos faz perceber que é possível avistar ao longe, em meio às árvores frondosas, os novos caminhos dos cafezais.

Como começou sua história no café?
Eu me formei em 1975 e em 1976 assumi a fazenda do meu pai, um ano antes de ele falecer. Entre 1977 e 1980, comecei a construir as coisas na fazenda e a plantar café. Com um ano e meio de trabalho, perdi toda a minha lavoura por causa de uma geada. O lugar não é baixo, mas perdi 20 mil pés. Não desisti. Fui plantar café no alto do morro e comecei a dividir a plantação em talhões. O primeiro talhão que plantei foi o Guatambu, que fica entre 1.000 e 1.200 metros, em 1982, sem veneno; a terra era boa, um dos fatores pra ter essa qualidade.

Como foi seu aprendizado com orgânicos?
Eu fui a um encontro, em 2000, de cafés orgânicos, em Machado, onde estava um antigo amigo de trabalho que era supervisor de adubo, o Alex. Conversando sobre o meu certificado, ele me falou de um treinamento que haveria e combinamos de ir. Fui à casa do Alex e no chão da casa dele tinha umas amostras de café para um concurso. Perguntei o que era e ele me incentivou, e mandei uma amostra do meu café faltando dois dias para se encerrarem as inscrições na BSCA. Uns quinze dias depois, recebi um telegrama que dizia que eu tinha sido aprovado na primeira fase do concurso e que precisava mandar 3 kg do café para a segunda fase. Liguei para o Alex para contar a novidade e eu o ouvia pulando do outro lado do telefone. Mandei as amostras. Descobri um lugar em Varginha para beneficiar. Na época eu já fazia terreiro suspenso e cereja descascado. Uns dias depois fui convidado a participar do encerramento do concurso. Classificaram dezoito cafés e eu fiquei com o primeiro lugar. Nunca imaginaria isso na minha vida. E eu de ônibus e não conseguia avisar minha família. Daí começou essa história maluca e minha vida mudou por completo. Em 2002 saiu meu Certificado Orgânico e comecei a dar muitas palestras e a passar o conhecimento pra frente.

Como estão os negócios agora?
O André, meu filho, formou-se em Engenharia Agronômica assim como eu, na mesma instituição, a Ufla. Trocamos muitas informações e conversamos bastante. Ele já faz parte da história porque eu estou deixando essa parte do café na mão dele. Há uns três anos estamos produzindo cafés fermentados, viajamos muito e nos aprimoramos também porque, do mesmo jeito que você ensina, você aprende. A fazenda tem cinco tipos de café hoje em dia; destes, 90% da safra de 2016 foi de cafés fermentados e o resto, natural. Para 2017 ainda vai ser definido o que faremos.

Como você faz café fermentado na seca vulcânica?
No preparo do café, eu coloco fermento nos tambores, controlando o pH. Quando chega ao pH desejado, acrescento os cafés cereja e coloco todos na estufa. Se a estufa apertar, já abro o terreiro e espero chegar ao ponto de vulcão. (O vulcão é um tipo de seca feita no terreiro. Ele ‘amontoa’ o café em formato vulcânico). Faço o processo de vulcão com qualquer tipo de café, mas nem sempre eu utilizo esse método. A grande vantagem do vulcão é aumentar o espaço de terreiro e diminuir o serviço, melhorando o aspecto do café. É um processo que eu acho muito legal e muito simples.

Qual a sua previsão para daqui a alguns anos?
Com o André me ajudando, minha previsão é colher umas 800 sacas daqui a uns três anos. Na safra atual colhi 200 sacas. Hoje, tenho dois clientes no Japão, um nos Estados Unidos e as cafeterias nacionais, às quais vendo microlotes, como Silvia Magalhães, Rause Café, Hoss Cafeteria, Aha! Cafés, 4 Beans, IL Barista, entre outros.

Você acha que esse mercado interno mudou?
Mudou muito. Em 2016 a procura por café especial foi muito grande. E, principalmente, pelo orgânico, que não tem muito.

É muito difícil manter o orgânico no Brasil?
Isso daí é princípio, é filosofia. É difícil porque as pessoas não embarcam nessa ideia de preservar a natureza. A pessoa que quer produtividade altíssima não vai entrar no orgânico porque, querendo ou não, a produtividade cai, mas também, hoje em dia, há muita tecnologia pra esse meio. Hoje existem muitos produtos que podem ser trabalhados no uso do orgânico. Falta o pessoal ter consciência e não pensar apenas em dinheiro. O pessoal acha que é muito difícil trabalhar sem usar venenos, mas não é; só é necessário se adaptar e mudar os hábitos. É preciso quebrar paradigmas e conceitos.

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso – única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui).

TEXTO Mariana Proença • FOTO Marcelo Furquim

Cafezal

Em homenagem, Fazenda Pessegueiro lança Museu do Café

Para homenagear o proprietário Clóvis Gonçalves Dias Filho, falecido em dezembro do ano passado, a Fazenda Pessegueiro irá lançar a pedra fundamental do Museu do Café Fazenda Pessegueiro durante à tarde do dia 22/7, sábado, no município de Mococa, na região de Ribeirão Preto (SP).

De acordo com um dos herdeiros da fazenda, o proprietário José Renato Dias, a expectativa para o lançamento da primeira pedra acima da fundação da construção é muito grande, uma vez que cada neto fará uma demonstração e respeito ao avô. “Meu pai foi o único brasileiro até hoje a receber o prêmio de sustentabilidade pela Associação Européia de Cafés Especiais na Grécia no ano de 2005. E ele sempre dizia que o homem precisa entregar a terra melhor do que ele recebeu”, disse.

A Fazenda Pessegueiro, iniciada em 1870, tem na cafeicultura a sua principal atividade, exercida pela família há seis gerações. A secagem e o preparo do café arábica oferece ao consumidor um produto diferenciado e de alta qualidade. Os proprietários adotam técnicas de conservação do solo e protegem as nascentes de água.

Na cerimônia será realizada uma breve apresentação da exposição fotográfica e do acervo histórico da fazenda, além da divulgação do projeto do Museu, previsto para ser aberto ao público em 2018. “A realização deste museu sempre foi uma vontade do meu pai. Com o seu falecimento, resolvemos eu e meus irmãos dar seguimento no projeto e torná-lo real, com o intuito de conservar e difundir a história desta fazenda que se mantém intacta até os dias de hoje”, contou Dias.

“Quem vier, assinará uma lista que vai para a pedra fundamental. Depois será possível ver a exposição de café de quase 150 anos e conhecer a fazenda: os móveis, os insumos utilizados, as carroças antigas”, comentou a funcionária administrativa do local, Tamires Cristina Santos. Um coquetel acontecerá em seguida.

Serviço
Evento: Lançamento da pedra fundamental do Museu do Café Fazenda Pessegueiro
Dia: 22/7, às 17h
Local: Fazenda Pessegueiro, Mococa – Ribeirão Preto (SP)

TEXTO Camila Cechinel • FOTO Divulgação

CafezalMercado

Iniciativa da Starbucks prevê renovação de lavouras

A Starbucks, grande rede americana de cafeterias, está com uma iniciativa para ajudar na renovação de velhas lavouras.

No projeto One Tree For Every Bag (uma árvore para cada pacote), a empresa se comprometeu a doar uma muda para cada pacote de café vendido, distribuindo, de acordo com as expectativas, 100 milhões de mudas de café para produtores até 2025. A iniciativa já foi colocada em prática após a rede doar o primeiro lote, 10 milhões de mudas, no ano passado.

Como se sabe, a idade do cultivo reduz a produtividade das plantas, deixando-as mais susceptíveis ao ataque da ferrugem, doença que causou prejuízos aos cafeicultores do Médico e da América Central. O ideal é que as lavouras sejam renovadas há cada 20 ou 25 anos, porém, muitos produtores não possuem dinheiro para realizar a renovação. A empresa, que já trabalha com viveiros no México, Guatemala e El Salvador, pretende agora ampliar o projeto para outros países.

O destaque faz parte das análises da conjuntura nacional e internacional da cafeicultura, em três seções temáticas: Produção, Indústria e Cafeteria, do Relatório Internacional de Tendências do Café, divulgado pelo Bureau de Inteligência Competitiva do Café, da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

(Texto publicado originalmente no site CaféPoint)

TEXTO Redação • FOTO Paula Rúpulo

Cafezal

Certificação de qualidade dos cafés do Cerrado será lançada na Europa

Entre os dias 13 e 15 de junho, a Federação dos Cafeicultores do Cerrado irá lançar para a Europa a primeira Denominação de Cafés do Brasil.

Chamada de Denominação de Origem Região do Cerrado Mineiro, a indicação tem como objetivo certificar os cafés de qualidade produzidos na região, garantindo que estes contenham as características presentes apenas no território do Cerrado.

A identificação desses cafés pode ser feita através do selo que cada lote e embalagem possuem, permitindo a rastreabilidade online. Através disso, é possível saber como e quando o café foi produzido, além da história do produtor.

O evento, que acontecerá na cidade de Budapeste, na Hungria, deve contar com mais de 6 mil pessoas, entre produtores, cooperativas, parceiros, exportadores, importadores, torrefadores e baristas.

O lançamento ocorrerá durante a World of Coffee, uma das mais importantes feiras voltadas ao café, realizada pela Specialty Coffee Association (SCA), onde a Federação estará com um estande para desenvolver quatro tipos de cuppings, que abordarão: as nuances em cafés do Cerrado Mineiro, a apresentação das microrregiões da Região, a apresentação dos cafés premiados na última safra e a exposição dos cafés da nova safra.

Segundo o Superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, Juliano Tarabal, a principal mensagem das ações da instituição na cerimônia é: “café produzido com atitude”, se referindo a uma bebida rastreável e de alta qualidade, características que marcam os 4.500 produtores da Região. “O maior valor do Cerrado Mineiro são os produtores. Todo nosso material de marketing envolve a história de vida deles, relacionadas à cafeicultura”, explica.

A Denominação de Origem Região do Cerrado Mineiro foi conquistada em dezembro de 2013. No ano seguinte, o lançamento aconteceu no Estados Unidos, com o objetivo de gerar percepção para o mercado comprador, posicionando a Região em diversas mídias internacionais. Agora, em Budapeste, a intenção é institucional, com foco em criar conexão com o mercado, promovendo e gerando demanda para a Denominação de Origem, explicando aos europeus que toda e qualquer produção de café com este título tem Selo de Origem e Qualidade, com a rastreabilidade do café, fotos da propriedade, características do lote, entre outros.

“Escolhemos a feira de Budapeste para comunicar. Um café de 80 pontos é encontrado em qualquer parte do mundo, agora com a Denominação do Cerrado só se encontra na região, porque ele é único e exclusivo”, disse.

Café da manhã para lançamento oficial
Uma segunda ação da Federação na ocasião será a realização de um café da manhã nas dependências da Hungexpo, local de realização da feira, no dia 14 de junho. Na ocasião, estarão presentes visitantes de Budapeste e o público convidado, ligados à cadeia produtiva do café.

“As ações de lançamento não se restringem apenas aos dias da feira. No dia 16 estaremos na cafeteria Espresso Embassy, promovendo uma degustação com cafés do Cerrado Mineiro para baristas, torrefadores e coffee lovers”, finalizou.

(Texto publicado originalmente no site CaféPoint)

TEXTO Camila Cechinel • FOTO Alexia Santi/Agência Ophelia