Barista

Campeonato Mundial de Barista terá novas regras em 2016

campeonato mundial de barista

A World Coffee Events (WCE), entidade que promove os campeonatos de barista e eventos para a comunidade de cafés especiais em todo o mundo, anunciou mudanças nas regras do Campeonato Mundial de Barista a partir de 2016.

“É hora de apresentarmos mais mudanças. Grandes mudanças. Mudanças que trazem o foco da competição de volta a sua raiz inovadora”, disse em comunicado. Segundo a instituição, as novas regras serão anunciadas durante o campeonato mundial deste ano, realizado entre os dias 9 e 12 de abril, em Seattle, nos Estados Unidos. Os novos direcionamentos devem valer a partir do WBC de 2016, que será realizado em Dublin, na Irlanda.

As duas primeiras mudanças anunciadas consistem em um kit de equipamentos qualificados para todos os competidores e uma redefinição na preparação do cappuccino. “Essas duas alterações indicam passos positivos no sentido de uma evolução continua da competição que consistentemente explora e compartilha avanços em cafés especiais”, disse o comunicado da WCE.

Kit oficial WBC
A mudança de equipamentos envolve parcerias com a Victoria Arduino, que irá fornecer a sua máquina de espresso Black Eagle, e com a Mahlkönig, que irá fornecer o moedor K30. A WCE afirma que a Mahlkönig se comprometeu em levar 30 moedores para o campeonato mundial de 2016, em Dublin. Antes, os baristas competidores podiam levar seu próprio moedor para ser utilizado durante o concurso. Agora, os baristas estão limitados a usar apenas o moedor do kit oficial. Segundo a WCE, trata-se “de um esforço de condições de igualdade e de trazer o foco da competição ao seu ethos original”.

O kit oficial será o mesmo para todos os competidores durante o WBC. “Assim, intensificando o foco naquelas qualidades no cerne da competição: qualidade do café especial e talento, técnica e paixão dos baristas”, argumenta o comunicado.

campeonato mundial de barista

Cappuccino
Para o cappuccino, tradicionalmente um dos três tipos de bebida de preparo obrigatório na apresentação do barista durante o WBC, uma nova definição. Esta parte da apresentação do barista agora leva o nome de “bebida de leite”. “Com uma nova cultura de cafés especiais surgindo e as mídias sociais e a internet diminuindo as distâncias no mundo, nós sabemos que existe mais de um jeito de servir incríveis bebidas de café com leite”, disse a WCE.

Depois de 15 anos focando em uma única definição de bebida à base de leite, a entidade acredita que é hora de ampliar esse campo para algo que melhor represente o momento atual da indústria: “mente aberta para qualquer coisa nova e deliciosa”. Começando em 2016, a bebida com leite será definida como “uma bebida quente, feita a partir de apenas um único shot de espresso e leite vaporizado”. De acordo com a WCE, a nova definição irá permitir aos competidores mais flexibilidade na escolha da proporção café para leite, que melhor representar o café do barista.

“As mudanças anunciadas representam passos excitantes em direção a um novo Campeonato Mundial de Barista”, disse Stephen Morrissey, presidente do WBC Competition Working Group e barista campeão mundial de 2008.

TEXTO Hanny Guimarães • FOTO Divulgação/WBC

BaristaCafezal

Rause Café na Estrada vai percorrer fazendas de café em Minas Gerais

e46_Trentino Cafés Especiais. Drinks, cafés (93)

O barista e proprietário do Rause Café + Vinho, Juca Esmanhoto, está com um novo projeto paralelo. A cafeteria, famosa por seu espresso e vinhos, vai colocar nas estradas uma caminhonete que sairá da capital paranaense, Curitiba, para o Estado de Minas Gerais (MG), visitando fazendas produtoras de café, com o objetivo de valorizar os grãos da região e mostrar aos moradores locais a qualidade dos cafés ali produzidos.

Amostras de aproximadamente 100 propriedades estão sendo coletadas previamente e analisadas pela classificadora Verônica Belchior. Estas, receberão um relatório com base em suas características sensoriais. As 12 melhores fazendas terão a oportunidade de serem visitadas e enviar uma saca para ser torrada em Curitiba pela 4Beans Coffee Co, além de ter uma parte vendida através de crowdfunding, prática de financiamento coletivo de projetos, geralmente realizada em sites que promovem uma espécie de “vaquinha” virtual para contribuir com a iniciativa.

A outra parte do café será distribuída gratuitamente em 10 cidades percorridas ao longo dos 30 dias de atividade. “A ideia é levar o café especial e a extração de espresso para pessoas que não têm acesso a este tipo de preparação. A intenção é gerar um choque de cultura”, diz Juca.

Os grãos vendidos servirão para cobrir os gastos do projeto, tornando a viagem e a distribuição do café possíveis nas comunidades visitadas. Além disso, em um site de financiamento coletivo, terá a opção de “Café Pendente”, onde a cada R$ 2 pagos, um café será servido nas ruas.

Resultado do projeto
A jornada, que será fotografada e filmada, também dará origem a um livro de fotografias e documentário, que têm por finalidade manter a aproximação com o ambiente rural e mostrar a beleza dos cafezais. Segundo o proprietário, o trabalho permitirá aprofundar o conhecimento e abranger questões sensoriais, além de aprender sobre as regiões, clima e geografia.

O projeto, que busca envolver grande parte do Estado de Minas Gerais, já conta com cerca de 10 apoiadores. Entre os que já confirmaram estão 4Beans Coffee Co, La Marzocco, Mahlkönig, Revista Espresso, CaféPoint, Moka Clube, Calix, História Hoje, Móveis Coloniais de Acaju e Federação dos Cafeicultores do Cerrado.

O roteiro da jornada vai depender das 12 sacas escolhidas, levando em consideração a expectativa da população de cada município e dos patrocinadores.

Mais informações
www.facebook.com/rausecafenaestrada

TEXTO Stephanie Schmiegelow • FOTO Divulgação

BaristaCafé & Preparos

Exclusivo no site: + Para moer na hora

e47_20150130_moedores_18890a

A cada edição da Espresso recebemos diversas perguntas dos leitores sobre preparo de café, equipamentos, lugares, entre outras dúvidas, e uma das questões mais frequentes é: qual moedor comprar? Para ajudar na escolha, a nova edição da revista – já nas bancas, livrarias e cafeterias do País – traz um teste com diversos moedores, de modelos variados, de pequeno porte e alguns que até podem ser usados em cafeterias. Se você adora preparar um bom café, certamente, vai gostar da matéria. Além dos seis moedores testados para a edição, nossa equipe experimentou mais dois equipamentos que disponibilizamos exclusivamente para o leitor do site Espresso. Confira abaixo.

+ Veja mais moedores

CUSINART

Cuisinart
Peso aproximadamente 700g
Voltagem 110V
Recipiente adicional para pó de café Não
Sugestão de quantidade de café a ser moído Não
Manual ou elétrico Elétrico
Balança para pesar o café Não
Limpeza Fácil
Tipo de lâmina Simples
Praticidade de uso Prático
Tampa articulada Básica
Base com porta-fio Não (o fio mede 60m)
Design básico
Material Aço Inox
Preço R$ 159 (Spicy – www.spicy.com.br)
Avaliação geral material de fácil limpeza; não possui níveis de granulometria, mas por meio de tempo de moagem permite certo ajuste de moagem do grão (grosso – 10 segundos -, médio – 20 segundos -, e fino – 30 segundos); tem capacidade de moagem para até 70 gramas de grão por vez. Prático de ser utilizado em casa e garante moagem fresca.

HARIO

Hario Ceramic Slim
Peso aproximadamente 250g
Recipiente adicional para pó de café Sim
Sugestão de quantidade de café a ser moído Sim
Manual ou elétrico Manual
Balança para pesar o café Não
Limpeza Fácil
Tipo de lâmina Cônica
Praticidade de uso Prático
Tampa articulada Sim
Design Moderno, simples
Material Acrílico
Preço R$ 169,80 (Café Store – www.cafestore.com.br)
Avaliação geral Prático para ser levado para qualquer lugar; ideal para casa ou para levar em viagens, com possibilidade de ajustes na granulometria para preparo de diversos métodos como, coado, french press, aeropress; possui capacidade para moer até 24g; design ergonômico que se adequa ao uso manual.

+ Como limpar o seu moedor

20130628-espresso-3057a

Mantenha o equipamento sempre limpo, principalmente a cada mudança de café utilizado para não ter interferência de sabores. Um pincel é uma boa ferramenta para a limpeza interna e externa da máquina, em torno das lâminas e outros locais de difícil alcance. As peças removíveis de certos moedores podem ser lavadas em água quente e secadas naturalmente. Fique atento às orientações do manual de cada aparelho.

+ Entenda a diferença entre os tipos de lâmina

IMG_2309

Lâmina Cônica

Permite uma moagem mais irregular, quando comparado com a lâmina flat. Essa irregularidade permite melhor acomodação das partículas no porta-filtro ou no coador. É o moedor mais adequado para o preparo de espresso, devido sua característica de melhor acomodação dos grânulos. Costuma ser o mais indicado para cafeterias.

_MG_5090

Lâmina Flat
Permite moagem por meio de dois discos, sendo um fixo e outro giratório. O atrito entre eles promove a trituração do grão. A granulometria pode ser controlada através do ajuste dos discos, sendo uma opção para quem quer fazer diferentes métodos de extração. O processo da moagem é preciso, rápido e prático.

IMG_1478

Lâmina Simples

Lembra a lâmina de um liquidificador. Em formato de hélice, é prático, simples e tem bom custo/benefício para uso doméstico, mas não permite muitos ajustes de granulometria, dificultando uma moagem adequada para diferentes tipos de preparo de café. A espessura dos grânulos é determinada pelo tempo que o aparelho permanece acionado: quanto maior o tempo, menor a granulometria. Deixa grãos mais grossos externamente e mais finos internamente. É utilizado para moer pequenas quantidades de grão. Equipamentos com esse tipo de lâmina, geralmente, tendem a ter um aumento de temperatura durante a moagem, por isso, é ideal realizar pequenas pausas durante o processo.

TEXTO Natália Camoleze • FOTO Daniel Ozana/Studio Oz e Olga

BaristaMercado

Semana do Café de Lorena promove encontro entre profissionais do setor

lorena

A 4ª edição da Semana do Café de Lorena já tem data marcada. O evento organizado por Marcelo Malerba, proprietário do Malerba Café, acontecerá entre os dias 21 e 24 de maio na cidade de Lorena, interior de São Paulo.

Segundo Marcelo, o evento que reúne apreciadores de café, profissionais e interessados para discutir temas sobre o universo do grão, vem agora com a intenção única de promover um grande encontro. “Nesta edição, não vamos trazer um tema específico. O evento vem para ser um divisor de águas, um encontro informal. A decisão foi tomada a partir da resposta positiva que tive dos participantes e palestrantes nas edições anteriores”.

O evento, que surgiu da troca de experiências entre os profissionais Isabela Raposeiras (Coffee Lab), Caio de Andrade (dramaturgo especialista na história do café) e Marcelo Malerba, contará com 20 palestrantes neste ano. Entre os que já confirmaram presença estão, Isabela Raposeiras (barista, proprietária do Coffee Lab), Mariano Martins (Martins Café), Andreson Ramos (barista), Luis Vilela (produtor), Giuliana Bastos (jornalista), Kelly Stein (jornalista), Lucas Salomão (barista, campeão brasileiro de Preparo de Cafés; Libermac), Luciano Salomão (barista; Wolff Café) e Mariana Proença (diretora de redação da revista Espresso), além de outros especialistas e interessados. O Sofá Café levará o projeto “Fazedores de Café” ao evento, promovendo uma oficina de barista para pessoas de baixa renda.

A participação na Semana do Café de Lorena é gratuita, sem restrições e não há necessidade de inscrição. Como diz Marcelo: “É só chegar!”.

Mais informações: www.facebook.com/semanadocafelorena

TEXTO Stephanie Schmiegelow • FOTO Café Editora

BaristaCafeteria & Afins

La Marzocco lança Linea Mini, versão de máquina de espresso para casa

Linea_Mini_Homepage_carousel-blog

Nesta terça-feira (24/3) a famosa marca de máquinas de espresso La Marzocco anunciou o lançamento do mais novo equipamento da linha La Marzocco Home: a Linea Mini.

Com design baseado no modelo icônico Linea Classic, que ganhou fama nas cafeterias mundo afora no começo dos anos de 1990 e inspirou baristas profissionais, a Linea Mini, versão pequena da máquina, de apenas um grupo, promete espressos de qualidade na cozinha de casa. “Com a Linea Mini nós esperamos ajudar entusiastas a criar uma revolução do espresso em suas próprias cozinhas”, diz a empresa em seu site.

O item já virou objeto de desejo dos amantes de café, mas o público brasileiro vai ter que aguardar um pouco para ter essa belezinha em casa. Por enquanto, a máquina só está disponível para pré-venda e entrega nos Estados Unidos a partir de maio deste ano. Em aço inoxidável e também nas cores preto, branco e vermelho, terá o custo de US$ 4,495. “Temos um número limitado dessas primeiras máquinas e esperamos uma demanda alta”, afirma a La Marzocco. O representante da marca no Brasil, Paul Elmar Germscheid, afirma que o equipamento vai ser disponibilizado em breve no Brasil. A empresa só aguarda a certificação do Inmetro para liberar a máquina para o País.

Algumas das funcionalidades do novo equipamento:
Reservatório: capacidade para 3,5 litros de água
Energia: 120V para fácil instalação em casa
Sistema de luz: “luzes do barista” se acendem no momento da extração, iluminando a bandeja coletora (compartimento de dispersão) e permitindo a visualização das cores e do fluxo do espresso no momento da extração
Ajuste de temperatura: ao lado da máquina para ajuste correto da temperatura da bebida extraída
Dimensões: com cerca de 35 centímetros de largura, ocupa pouco espaço na bancada da cozinha

Em novembro do ano passado, quando a linha La Marzocco Home foi lançada, a marca anunciou também a La Marzocco GS3, máquina personalizada para uso doméstico. Saiba mais aqui.

Vídeo: conheça a Linea Mini

Mais informações: home.lamarzoccousa.com (em inglês)

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/La Marzocco

Barista

Curitibanos vencem campeonatos brasileiros de Latte Art e Coffee in Good Spirits

O 8° Campeonato Brasileiro de Latte Art e o 8° Campeonato Brasileiro de Coffee in Good Spirits já têm seus vencedores. Os curitibanos Daniel Acosta Busch, do Rause Café + Vinho, e Eduardo Scorsin, do Lucca Cafés Especiais, foram os campeões na quarta-feira, 18 de março, e irão representar o Brasil no Mundial das categorias, em Gotenburgo, na Suécia.

O campeonato de Latte Art, disputado por Daniel, exige que os participantes preparem dois cappuccinos com latte art idênticos, utilizando leite e café e apenas espresso e leiteiras como instrumento (free pour), dois macchiatos e duas bebidas de criação à base de leite e café, que podem ser desenhadas com a ajuda de palitos e outros acessórios para dar forma ao desenho. Entre os outros sete participantes, o barista aproveitou a habilidade para surpreender e fazer o desenho de uma tulipa de três pétalas com a cabeça de um cisne formando um coração, em um de seus preparos, sendo julgado pelo desempenho e criatividade. “Em todas as bebidas procurei representar um pássaro, usando uma técnica diferente para cada um. É um desenho que encanta.”

Em sua bebida de criação, o barista fez um pavão, com o uso de técnicas diferentes, desenhando seis pontas nas asas e um coração no lugar da cabeça do pavão.

Cappuccino Italiano Dani

Já Eduardo, participante do campeonato de Coffee in Good Spirits, foi desafiado a preparar, em rápidos 8 minutos, dois Irish Coffee, combinação de uísque, açúcar, café e creme, e duas bebidas quentes ou frias, com álcool e ingredientes livres. Avaliado pela arte de misturar bebidas, o profissional resolveu dar um show de performance e cortou com um sabre (facão) uma champagne na frente do público. “Foi a minha primeira experiência no campeonato brasileiro. Eu já havia participado de dois campeonatos regionais no Paraná, mas neste último, fui sem muita pretensão. Eu quis mostrar um pouco do meu trabalho e meu objetivo era me classificar para a final.”

Eduardo escolheu apresentar um coquetel frio como bebida exclusiva, usando espresso, bourbon amarelo (variedade de café arábica), bitter à base de cascas de laranja e limão e jasmim, champagne e licor de morango para contrastar com os outros ingredientes, segundo ele.

O evento foi realizado durante a Food Hospitality World – Feira Profissional de Alimentação e Hospitalidade, que acontece anualmente no Brasil e apresentou programação recheada com os eventos Espaço Gelateria Conceito, com palestras e workshops, Arena Gourmet Engefood, com cooking shows e entrevistas, Workshop Biofood Made in Italy, com apresentação de tecnologias de cultivo e produção de alimentos orgânicos e a 57° edição do CONOTEL (Congresso Nacional de Hotéis).

Classificação Geral dos Finalistas

Coffee in Good Spirits
1° lugar: Eduardo Scorsin (Lucca Cafés Especiais, Curitiba)
2° lugar: Anette Alves (Noh Bar, São Paulo)
3° lugar: Igor Sales (Black Coffee, Curitiba)
4° lugar: Sylas da Rocha (Noh Bar, São Paulo)
5° lugar: Denis Guilherme Barbosa (Octavio Café, São Paulo)
6° lugar: Andreson Ramos (Autônomo, São Paulo)

Latte Art
1° lugar: Daniel Acosta Busch (Rause Café + Vinho, Curitiba)
2° lugar: André Martinelli (Caffe Vogue, Porto Alegre)
3° lugar: Erick Brito (Octavio Café, São Paulo)
4° lugar: Hugo Santos Silva (Octavio Café, São Paulo)
5° lugar: Daniel Nunes Nunes (Café do Mercado, Porto Alegre)
6° lugar: João Augusto Michalski (Café du Coin, Cascavel)

TEXTO Stephanie Schmiegelow • FOTO Daniel Acosta Busch

Barista

Baristas disputam campeonatos brasileiros de Latte Art e Coffee in Good Spirits

latte_cafe_

Entre os dias 16 e 18 de março, os baristas do país disputam o 8º Campeonato Brasileiro de Latte Art e o 8º Campeonato Brasileiro Coffee in Good Spirits. Os eventos acontecem na 3ª edição da Food Hospitality World I Feira Profissional de Alimentação e Hospitalidade, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, em São Paulo (SP).

No Campeonato de Latte Art os profissionais devem demonstrar criatividade na execução de desenhos no café, utilizando leite. Cada barista terá 5 minutos de preparação e 6 minutos de apresentação e será julgado por dois juízes visuais, um técnico e um juiz chefe. O campeonato é composto por duas etapas. Na preliminar, o barista executa quatro bebidas, sendo dois cafés latte idênticos “free pour” (só com uso da leiteira) e dois cafés com leite idênticos de assinatura (podendo usar técnicas de desenho – sketching). Na etapa final, o barista prepara seis bebidas, sendo dois macchiatos, dois cafés latte idênticos e dois cafés com leite idênticos de assinatura.

Já o Campeonato Coffee in Good Spirits destaca habilidades de mixologista do barista, com a combinação de café e bebidas alcoólicas. Desde o tradicional Irish Coffee até combinações de coquetéis exclusivos. Cada competidor terá cinco minutos de preparação e oito minutos de apresentação onde será julgado por dois juízes sensoriais, um juiz técnico e um juiz chefe. Durante a fase preliminar, cada concorrente deverá preparar quatro bebidas de assinatura, duas quentes e duas frias, com álcool e café. Os maiores pontuadores vão competir na rodada final, onde devem produzir dois Irish Coffee e duas bebidas de assinatura.

Os vencedores de cada competição irão participar dos concursos mundiais em Gotemburgo, na Suécia, em junho deste ano.

Confira, abaixo, os baristas competidores nos dois campeonatos e a programação dos eventos, segundo informações da Associação Brasileira de Café e Barista.

Latte Art
João Augusto Michalski (Café Du Coin)
Daniel Nunes (Café do Mercado)
André Martinelli dos Santos Junior (Caffe Vogue)
Antonia Raquel Castro (Cafezal)
Daniel Acosta Busch (Rause Café e Vinho)
Eder Ferreira Delfino (JJ Food Solutions)
Erick Brito (Octavio Café)
Hugo Santos Silva (Octavio Café)

Coffee In Good Spirits
Ellen Krause (Rause Café e Vinho)
João Augusto Michalski (Café Du Coin)
Igor Sales (Black Coffee)
Marina Cristina Moura (Black Coffee)
João Santarosa Esmanhoto (Rause Café e Vinho)
Eduardo Affonso Scorsin (Lucca Cafés Especiais)
Thiago Rodrigo dos Reis (Torriton)
Sylas Pereira Soares da Rocha (Noh Bar e Restaurante)
Edgar Martins (Urbe Café Bar)
Annete Alves da Silva (Noh Bar e Restaurante)
Andreson Vinicius Ramos (Autônomo)
Denis Guilherme Barbosa (Octavio Café)
Rogério Rabbit (Autônomo)

Programação
16 de março – das 15h às 19h: Campeonato preliminar Latte Art
17 de março – das 13h30 às 20h: Campeonato preliminar Coffee in Good Spirits
18 de março – das 13h30 às 20h: Finais por categoria

São Paulo Expo Exhibition & Convention Center: Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – São Paulo (SP). Entrada gratuita.

TEXTO Da redação • FOTO Café Editora

Barista

Barista australiano cria site para compartilhar a ciência do café

Best-Extraction-Flow-Chart-1080x675 Matt Perger é

Morning. I’ll baby shampoo. My head tea: -053T. Should generic cialis used not herbal distinct and love…

um barista conhecido dos profissionais de café por todo mundo. Ele é o responsável pela área de café das cafeterias australianas St. Ali e Sensory Lab, vencedor do Campeonato Mundial de Preparos de Café, além de já ter alcançado o 2º e o 3º lugar no Campeonato Mundial de Barista. É barista, torrador, comprador de café verde, mas acima de tudo, pesquisador. E é com a proposta de pesquisar mais sobre o universo do café e os muitos processos pelo qual o café passa até chegar ao consumidor final que ele criou o site Barista Hustle. O site, segundo Matt, é uma plataforma para que ele possa compartilhar tudo que aprendeu até agora, interagindo com a comunidade de baristas em todo mundo e explorando as inovações da profissão. “Ninguém tem todas as respostas para se fazer um ótimo café. A cena de cafés especiais é muito jovem e nós temos muito o que aprender”, diz Matt sobre o projeto. Semanalmente, a comunidade de baristas que acompanha o site irá receber por e-mail, detalhes de conceitos, técnicas, produtos ou assuntos para ajudar o barista. Artigos, podcats, vídeos, downloads, entre outros conteúdos devem fazer parte do site. O espaço também é aberto para discussão dos profissionais. Para receber mais informações (o site é escrito em inglês) cadastre-se: baristahustle.com

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Barista Hustle

BaristaCafé & Preparos

Rause – Café + Vinho abre inscrições para oficinas de cafés filtrados

Aula de preparo_Rause

As oficinas de cafés filtrados voltaram ao Rause – Café + Vinho, em Curitiba (PR). As aulas, ministradas por Otavio Linhares e Amanda Laffayette, ensinam a manipular os vários métodos de preparo de cafés especiais e também a avaliar os sabores que diferentes técnicas e equipamentos proporcionam à bebida.

Os alunos aprendem, ainda, a compreender como tipos de moagens e filtros distintos influenciam a bebida final.

Neste mês de março, a oficina acontece no sábado (14/3), das 8h às 12h, e custa R$ 190. Confira abaixo as demais datas das oficinas.

Cada participante ganha um exemplar da revista Espresso, um pacote de café Rause, um certificado do curso.

Próximas datas:
11 de abril
16 de maio
13 de junho
11 de julho
15 de agosto
19 de setembro
17 de outubro
22 de novembro
12 de dezembro

Mais informações: otavio@rausecafe.com.br / (41) 3024-0696

TEXTO Da redação • FOTO Divulgação/Rause Café + Vinho

BaristaCafé & PreparosCafeteria & Afins

Barista paulista vence o 1º Campeonato Brasileiro de Aeropress

Edgar Martins (Urbe Café Bar) é o barista campeão.

Edgar Martins (Urbe Café Bar) é o barista campeão.

A expectativa foi grande para o primeiro campeonato do método Aeropress no Brasil. Edgar Martins, do Urbe Café Bar, de São Paulo (SP) é o grande vencedor da primeira edição. O barista nascido em Piracaia (SP) irá representar o Brasil no mundial, em Seattle, Estados Unidos, no início do mês de abril, com mais 32 países. A vitória foi muito comemorada pela equipe do Urbe Café, cafeteria que nasceu em 2011 com a proposta de servir café de qualidade na região do Baixo Augusta. Uma ideia que no início poderia parecer loucura e que deu muito certo. Fabio Pereira, proprietário da casa, conta que está muito feliz com o movimento da cafeteria, que serve em média, 6 mil xícaras ao mês de dois blends torrados pelo Coffee Lab (São Paulo). O Coffee Lab abocanhou o segundo lugar, com o barista João Perez, que disputou seu primeiro campeonato e é um dos braços-direitos da proprietária da casa, Isabela Raposeiras. O terceiro lugar ficou com Simone de Assis, profissional da Fazenda Ambiental Fortaleza (FAF), em Mococa, SP. Simone tem uma história à parte, que valia outra matéria. Quem nos contou foi o patriarca da fazenda, Marcos Croce, que orgulhoso diz que Simone nasceu na região, estudou na escolinha da fazenda, no projeto social criado por sua esposa Silvia, e hoje é a responsável por toda a exportação do café que sai de Mococa. Uma responsabilidade e tanto. espresso-2 Como funciona As regras do campeonato são bem simples e o clima de descontração contribui muito para o sucesso da competição entre os baristas e profissionais do mercado de café. O campeonato é formado por chaves de três competidores. Eles devem preparar os cafés na aeropress em 8 minutos. O interessante desta competição é que o café é o mesmo para todos os baristas. O que vale é a forma como o profissional o prepara. Aí entram as variáveis de moagem, temperatura da água, tempo de infusão e a pressão na extração. Três juízes avaliam os três cafés, que são servidos em xícaras de prova às cegas, ou seja, o café chega para eles sem saberem quem preparou. Após provarem, cada um vota no seu preferido da mesa e a xícara é levantada. Embaixo dela há uma identificação do barista, que é selecionado para a próxima fase. A emoção de saber de quem é o café e o suspense na hora de revelar são as grandes sacadas deste campeonato. A plateia torce para o seu barista preferido e até o final a expectativa é grande entre todos. aeropress_campeonato_ Campeonato Brasileiro de Aeropress O primeiro ano do Brasil foi de casa cheia, com 18 competidores. A ideia foi encabeçada pelo norueguês Eystein Veflingstad (que hoje vive em Salvador e trabalha na torrefação da Feito a Grão e tem a sua consultoria em café Terceira Onda). Durante a Semana Internacional do Café, em setembro de 2014, ele e Felipe Croce, proprietário da Fazenda Ambiental Fortaleza, amadureceram a ideia de realizar a competição no Brasil. Meses de preparação e muitos contatos depois, o campeonato aconteceu em São Paulo, no Studio FAF, para uma plateia de mais de 80 pessoas da área do café de diversas partes do País. Os juízes foram Eystein, Felipe e Isabela Raposeiras, que provaram 27 cafés para chegar ao campeão. Nas semifinais e finais a missão tornava-se um pouco mais difícil, pois a diferença entre eles era sutil: “mas apesar de ser o mesmo café dá para perceber sabores distintos”, afirma Isabela. Nem sempre a decisão dos juízes foi unânime, mas não houve empate nas rodadas. O suspense e a descontração para revelar quem ganhava cada rodada ficaram por parte do mestre de cerimônias Otavio Linhares (4 Beans, Curitiba-PR). O que é Aeropress? O preparo já é bem conhecido das cafeterias de qualidade pelo País, mas bem pouco popular para o consumidor. Para explicar de forma bem simples, a Aeropress consiste em uma grande seringa, onde o café moído é colocado junto com a água quente, misturado e infusionado; e a extração ocorre após a pressão do barista no êmbolo superior. O método foi criado nos Estados Unidos há somente dez anos, em 2005, por Alan Adler, da Aerobie.
João Perez, Simone de Assis e Edgar Martins.

João Perez, Simone de Assis e Edgar Martins.

Quem foram os participantes Participaram 18 competidores de 10 cidades do Brasil: Jéssica Maciel de Oliveira (Café du Coin, Cascavel-PR), Liana David Macedo (Café Clandestino, Brasília-DF), Bruno Albernaz Gomes Milek (Rause Café + Vinho, Curitiba-PR), Gabriel Gomes Robin (Café Clandestino, Brasília-DF), Amanda Longo Maines (4 Beans Coffee Co.,Curitiba-PR), Zélio Augusto Santana Filho (Uma Origem Ltda, Florianópolis-SC), Eraldo Pereira dos Santos (Espresso Arte, São Paulo-SP), João Francisco de Paula Perez (Coffee Lab, São Paulo-SP), Luciano Salomão (Wolff Café, São Paulo-SP), Juliano Andrei Lamur (Casa Café, Curitiba-PR), Simone de Assis Marcili (Fazenda Ambiental Fortaleza, Mococa-SP), Pedro Paulo Santos Santiago (Autônomo, Niterói-RJ), João Hamilton dos Santos (Sitio Canaã, Caconde-SP), Alex Pereira Santos (Biobarista, São Paulo-SP), Edgar Martins (Urbe Café Bar, São Paulo-SP), Pablo Alejandro André (Laika Café, Brasília-DF), Felipe Pinto de Souza (Have a Coffee, Vitória-ES) e Talita Pereira Machado (Malerba Café, Lorena-SP). Para as semifinais classificaram seis baristas: Eraldo Santos (Espresso Arte), Simone Assis (FAF), João Perez (Coffee Lab), Gabriel Robin (Café Clandestino), Edgar Martins (Urbe Café) e João Hamilton (Sítio Canaã). A final foi disputada por Edgar Martins (Urbe Café Bar), João Perez (Coffee Lab) e Simone de Assis (FAF). Patrocinaram o campeonato: BSCA (Brazil Specialty Coffee Association), FAF Coffees, Isso É Café, Coffee Lab, Terceira Onda Consultoria em Café, Industrial Atilla, DeLonghi, Mahlkönig. Quem criou? O primeiro campeonato de Aeropress foi realizado em 2008, em Oslo, na Noruega. Criado pelo mestre de torra Tim Varney, e apoiado também pelo barista campeão mundial Tim Wendelboe, ganhou muita força e hoje é realizado em 32 países. O Campeonato Mundial de Aeropress 2015 será realizado em Seattle, Estados Unidos, no dia 9 de abril, às 19h, em um espaço de eventos, o Within Sodo. Receita do campeão 15,5 g de café moído pelo um Hario Ceramic Slim. 155 g de água mineral VOSS 80C. Colocar 15,5 gramas de café na Aerobie AeroPress invertido e adicionar 55 ml de água 80 graus, agitar em movimentos circulares 10 segundos, completar com 100 ml de água, girar e passar lentamente 30 segundos. O material jornalístico produzido pela Revista Espresso é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize as redes sociais abaixo, creditando a fonte.

TEXTO Mariana Proença • FOTO Rogério Canella/Café Editora